A terceira margem do rio dos estudos críticos sobre administração e organizações no Brasil: (re)pensando a crítica a partir do pós-colonialismo Outros Idiomas

ID:
20589
Resumo:
O objetivo deste ensaio é apresentar uma introdução ao pensamento pós-colonial a partir da sua origem, das principais vertentes de estudo e de possíveis diálogos entre as tradições anglófona e latino-americana. Para tanto, discutimos os conceitos de subalternidade, descolonização e hibridismo como possibilidade teórica de se explorar a perspectiva pós-colonial nos estudos críticos sobre organizações no Brasil. Embora o debate sobre subalternidade e pós-colonialismo seja relativamente novo nos estudos organizacionais, dentro e fora do Brasil, a revisão da literatura na área mostra que, mesmo fora do contexto da démarche pós-colonial, muitos trabalhos produzidos sobre administração e organizações no Brasil levaram em conta as mesmas preocupações dos autores pós-coloniais. De forma indireta, os trabalhos abordam temas que estão ligados aos efeitos do colonialismo no mundo contemporâneo e ainda reconhecem a necessidade de se descolonizar este campo de estudos quando analisam a questão da dependência cultural na tradição intelectual brasileira e na transferência de tecnologia gerencial entre países do centro e da periferia, quando problematizam o uso de teorias produzidas no Norte Global e buscam referências que valorizem um olhar a partir do Sul Global, e quando identificam a forte presença do hibridismo na dinâmica cultural brasileira. Por outro lado, ao analisar o campo de estudos críticos no Brasil, constatamos a presença de uma visão dicotômica que tende a radicalizar a relação centro/periferia com a separação entre uma suposta crítica nacional e o critical management studies (CMS), reproduzindo um tipo de binarismo intelectual típico da mentalidade colonial, que neste caso busca definir quem é e quem não é crítico. A fim de superar este impasse, propomos um processo de hibridização capaz de reconciliar os dois pólos. Ao final do ensaio, argumentamos que o desenvolvimento teórico e político de ambos os lados depende de uma abordagem que explore as fissuras do discurso colonial e se configure a partir de um terceiro espaço de produção do conhecimento.
Citação ABNT:
ROSA, A. R.; ALCADIPANI, R. A terceira margem do rio dos estudos críticos sobre administração e organizações no Brasil: (re)pensando a crítica a partir do pós-colonialismo. Revista de Administração Mackenzie, v. 14, n. 6, p. 185-215, 2013.
Citação APA:
Rosa, A. R., & Alcadipani, R. (2013). A terceira margem do rio dos estudos críticos sobre administração e organizações no Brasil: (re)pensando a crítica a partir do pós-colonialismo. Revista de Administração Mackenzie, 14(6), 185-215.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/20589/a-terceira-margem-do-rio-dos-estudos-criticos-sobre-administracao-e-organizacoes-no-brasil---re-pensando-a-critica-a-partir-do-pos-colonialismo/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ADLER, P.; FORBES, L.; WILLMOTT, H. Critical management studies. in: BRIEF, A.; WALSH, J. (Eds.). Academy of management annals. Nova York: AOM, 2008.

ALCADIPANI, R. Réplica: a singularidade do plural. Revista de Administração Contemporânea, v. 9, n. 1, p. 219-228, 2005.

ALCADIPANI, R.; ROSA, A. From grobal management to glocal management: Latin American perspectives as a counter dominant management epistemology. Canadian Journal of the Administrative Sciences, v. 28, n. 4, p. 453-466, 2011.

ALCADIPANI, R.; ROSA, A. O pesquisador como outro: uma leitura pós-colonial do “Borat” brasileiro. Revista de Administração de Empresas, v. 50, n. 4, p. 371-382, 2010.

ANDRADE, O. Manifesto antropófago. Revista de Antropofagia, v. 1, n. 1, p. 3-9, 1928.

ANZALDÚA, G. Borderlands/La Frontera: the new mestiza. San Francisco: Aunt Lute Books, 1987.

ASHCROFT, B.; GRIFFITHS, G.; TIFFIN, H. The post-colonial studies: The key concepts. 2. ed. Londres: Routledge, 2000.

AZEVEDO, A.; ALBERNAZ, R. A “antropologia” do Guerreiro: a história do conceito de homem parentético. Cadernos EBAPE.BR, v. 4, n. 3, p. 1-13, 2006.

BANERJEE, B. Whose land is it anyway? National interest, indigenous stakeholders and colonial discourses: the case of the Jabiluka uranium mine. Organization & Environment, v. 13, n. 1, p. 3-38, 2000.

BERTERO, C.; CALDAS, M.; WOOD Jr, T. Produção científica em administração de empresas: provocações, insinuações e contribuições para um debate local. Revista de Administração Contemporânea, v. 3, n. 1, p. 147-182, 1999.

BEVERLEY, J. Subalternity and representation, arguments in cultural theory. Durham: Duke university Press, 1999.

BEVERLEY, J. Testimonio: on the politics of truth. Mineapolis: Univesity Minnesota, 2004.

BHABHA, H. Culture’s in between. Artforum, v. 32, n. 1, p. 167-214, Sept. 1993.

BHABHA, H. The location of culture. Londres: routledge, 1994.

BURREL, G.; MORGAN, G. Sociological paradigms and organizational analysis: elements of the sociology of corporate life. Londres: Heinemann, 1979.

CALÁS, M.; SMIRCICH, L. Past postmodernity? reflections and tentative directions. Academy of Management Review, v. 24, n. 4, p. 649-671, 1999.

CALDAS, M.; ALCADIPANI, R. Post-colonialism in Latin American management: the genesis and trail of north American reference in Brazilian culture and management. in: INTERNATIONAL CRITICAL MANAGEMENT STUDIES CONFERENCE, 3., 2003, Manchester. Proceedings… Manchester: UMIST, 2003.

CALDAS, M.; VIEIRA, M. Teoria crítica e pós-modernismo: principais alternativas à hegemonia funcionalista. Revista de Administração de Empresas, v. 46, n. 1, p. 59-70, 2006.

CARDOSO, F. H. “Teoria da dependência” ou análises concretas de situações de dependência? Estudos CEBRAP, v. 1, n. 1, p. 26-45, 1971.

CARRIERI, A.; SOUZA, M.; ALMEIDA, G. Feirante ou barraqueiro? Identidades e estratégias na Feira do Jubileu. Economia &Gestão, v. 8, n. 1, p. 70-87, 2008.

CAVEDON, N.; FERRAZ, D. “Tricotando as redes de solidariedade”: as culturas organizacionais de uma loja autogestionada de economia popular solidária de Porto Alegre. Organização & Sociedade, v. 13, n. 39, p. 93-111, 2006.

CÉSAIRE, A. Discours sur le colonialisme. Paris: Présence africaine, 1955.

COOKE, B. The denial of slavery in management studies. Journal of Management Studies, v. 40, n. 8, p. 1895-1918, 2003.

CORBISIER, R. Formação e problema da cultura brasileira. rio de Janeiro: ISEB, 1957.

CORONIL, F. Elephants in the Americas? Latin American postcolonial studies and global decolonization. In: MORAÑA, M.; DUSSEL, E.; JÁUREGUI, C. (Orgs.). Coloniality at large: Latin America and postcolonial debate. Durham: Duke university Press, 2008.

DAMATTA, R. Carnavais, malandros e heróis: por uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

DAMATTA, R. For an anthropology of the Brazilian tradition; or ‘A virtude está no meio’. In: HESS, D.; DAMATTA, R. (Orgs.). The Brazilian puzzle: culture on the borderlands of the western world. New York: Columbia University Press, 1995.

DAVEL, E.; ALCADIPANI, R. Estudos críticos em administração: a produção científica brasileira nos anos 1990. Revista de Administração de Empresas, v. 43, n. 4, p. 72-85, 2003.

DUSSEL, E. 1492: El encubrimiento del otro: hacia el origem del mito de la modernidad. La Paz: Plural editors, 1994.

DUSSEL, E. Método para una filosofía de la liberación. Salamanca: Sígueme, 1972.

FANON, F. Black skin, white masks. New York: Grove Press, 1967.

FANON, F. The wretched of the earth. New York: Grove Press, 1963.

FARIA, A. réplica: Ampliando questionamentos sobre crítica em Administração. Revista de Administração Contemporânea, v. 9, n. 1, p. 221-236, 2005.

FARIA, J. H. O poder na obra de Fernando Prestes Motta. Eccos, v. 5, n. 1, p. 162-169, 2003.

FARIA, J. H. Poder e participação: a delinquência acadêmica na interpretação tragtenberguiana. Revista de Administração de Empresas, v. 41, n. 3, p. 70-76, 2001.

FARIA, J. H. Teoria crítica em estudos organizacionais no Brasil: o estado da arte. Cadernos EBAPE.BR, v. 7, n. 1, p. 509-515, 2009.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. rio de Janeiro: Paz e Terra, 1968.

GOPAL, A.; WILLIS, R. From the colonial enterprise-to-enterprise systems. In: INTERNATIONAL CRITICAL MANAGEMENT STUDIES CONFERENCE, 1., 1999, Manchester. Proceedings… Manchester: UMIST, 1999.

GROSFOGEL, R. La descolonización de los estudios poscoloniales: transmodernidad, pensamiento fronterizo y colonialidad global. Tabula Rasa, v. 4, n. 1, p. 17-48, 2006.

GROSFOGEL, R. The epistemic decolonial turn: beyond political-economy paradigms. Cultural Studies, v. 21, n. 2, p. 211-223, 2007.

GUERREIRO RAMOS, A. A redução sociológica: introdução o estudo da razão sociológica. Rio de Janeiro: ISEB, 1958.

GUHA, R. Subaltern studies. Oxford: Oxford university Press, 1982.

HANSSEN, B. Critique of violence: between post structuralism and critical theory. New York: Routledge, 2000.

HASSARD, J.; HOGAN, J.; ROWLINSON, M. From labor process theory to critical management studies. Administrative Theory & Praxis, v. 23, n. 3, p. 339-362, 2001.

HASSARD, J. Sociology and organization theory: positivism, paradigms and postmodernity. Cambridge: Cambridge university Press, 1993.

HONNETH, A. Foucault and Adorno: two forms of the critique of modernity. Thesis Eleven, v. 15, n. 1, p. 48-59, 1986.

IBARRA-COLADO, E. is there any future for critical management studies in Latin America? Moving from epistemic coloniality to ‘trans-discipline’. Organization, v. 15, n. 6, p. 932-935, 2008.

IBARRA-COLADO, E. Organization studies and epistemic coloniality in Latin America: thinking otherness from margins. Organization, v. 13, n. 4, p. 463-488, 2006.

JACK, G. ; WESTWOOD, R.; SRINIVAS, N.; SARDAR, Z. Deepening, broadening and re-asserting a postcolonial interrogative space in organization studies. Organization, v. 18, n. 3, p. 275-302, 2011.

KUSCH, R. La seducción de la barbarie: análisis herético de un continente mestizo. Buenos Aires: Raigal, 1953.

LANDES, D. The wealth and poverty of nations: why are some so rich and others so poor? Nova York: W.W. Norton, 1998.

LATIN AMERICAN SUBALTERN STUDIES GROUP. Founding statement. Boundary 2, v. 20, n. 3, p. 110-121, 1993.

LEWIS, M.; GRIMES, A. Metatriangulation: building theory from multiple paradigms. Academy of Management Review, v. 24, n. 4, p. 672-690, 1999.

MARIÁTEGUI, J. C.7 Ensayos de interpretación de la realidad peruana. Lima: Amauta, 1928.

MENEGHETTI, F.; FARIA, J. H. Gestão e reificação dos homens do mar. Revista de Administração Mackenzie, v. 13, n. 4, p. 15-47, 2012.

MIGNOLO, W. Herencias coloniales y teorías postcoloniales. in: STEPHAN, B. (Org.). Cultura y tercer mundo. Caracas: Editorial Nueva Sociedade, 1996.

MIGNOLO, W. La idea de America Latina. Barcelona: Gedisa, 2007.

MIGNOLO, W. The geopolitics of knowledge and the colonial difference. The South Atlantic Quarterly, v. 1, n. 1, p. 57-96, 2002.

MIR, R.; MIR, A. The colony writes back: Organization as an early champion of non-Western organizational theory. Organization, v. 20, n. 1, p. 91-101, 2013.

MISOCZKY, M. C.; ANDRADE, J. A. Tréplica: Quem tem medo do fazer acadêmico enquanto práxis? Revista de Administração Contemporânea, v. 9, n. 1, p. 219-225, 2005.

MISOCZKY, M. C.; ANDRADE, J. A. uma crítica à crítica domesticada nos estudos organizacionais. Revista de Administração Contemporânea, v. 9, n. 1, p. 215-233, 2005.

MISOCZKY, M. C. Sobre o centro, a crítica e a busca da liberdade na práxis acadêmica. Cadernos EBAPE.BR, v. 4, n. 3, p. 1-13, 2006.

MISOCZKY, M. C. World visions in dispute in contemporary Latin America: development x harmonic life. Organization, v. 18, n. 3, p. 345-363, 2011.

NEU, D. Presents for the “Indians”: land, colonialism and accounting in Canada. Accounting, Organizations and Society, v. 25, n. 2, p. 163-184, 2000.

NYE, J. Soft power: The means to success in world politics. New York: Public Affairs, 2004.

ÖZKAZANÇ-PAN, B. international management meets ‘the rest of the world’. Academy of Management Review, v. 33, n. 4, p. 964-974, 2008.

PAÇO-CUNHA, E.; BICALHO, r. Aproximação possível e afastamento necessário entre a teoria crítica frankfurteana e a psicanálise de Enriquez. Organizações & Sociedade, v. 17, p. 401-415, 2010.

PAÇO-CUNHA, E.; FERRUGINI, L.; LOPES, L. Práticas versus táticas: praxeologia do poder numa organização de tecnologia. Revista Alcance, v. 16, n. 2, p. 221-240, 2009.

PAES DE PAULA, A. Guerreiro ramos: resgatando o pensamento de um sociólogo crítico das organizações. Organizações & Sociedade, v. 14, n. 3, p. 169-188, 2007.

PAES DE PAULA, A. ; MARANHÃO, C.; BARRETO, R.; KLECHEN, C. A tradição e a autonomia dos estudos organizacionais críticos no Brasil. Revista de Administração de Empresas, v. 50, n. 1, p. 10-23, 2010.

PAES DE PAULA, A.; MARANHÃO, C.; BARROS, A. Pluralismo, pós-estruturalismo e “gerencialismo engajado”: os limites do movimento critical management studies. Cadernos EBAPE.BR, v. 7, n. 4, p. 393-404, 2009.

PAES DE PAULA, A. Teoria crítica nas organizações. São Paulo: Thompson, 2008.

PAES DE PAULA, A. Tragtenberg revisitado: as inexoráveis harmonias administrativas e a burocracia flexível. Revista de Administração Pública, v. 36, n. 1, p. 127-144, 2002.

PEASE, D. US imperialism: global dominance without colonies. in: SCHWARZ, H.; RAY, S. (Orgs.). A companion to postcolonial studies. Oxford: Blackwell Publishing, 2005.

PINTO, A. V. Consciência e realidade nacional. 2v. Rio de Janeiro: iSEB, 1960.

PRASAD, A. (Ed.). Postcolonial theory and organizational analysis: a critical engagement. Palgrave: McMillan, 2003.

PRASAD, A. The gaze of the other: postcolonial theory and organizational analysis. in: PRASAD, A. (Ed.). Postcolonial theory and organizational analysis: a critical engagement. London: Palgrave, 2003.

PRASAD, P.; PRASAD, A. Casting the native subject: the ethnographic imagination and the (re)production on diference. in: CZARNIAWSKA, B. (Ed.). Casting the other: the production and maintenance of inequality in organizations. London: Routledge, 2002.

PRESTES MOTTA, F.; ALCADIPANI, R.; BRESLER, R. A valorização do estrangeiro como segregação nas organizações. Revista de Administração Contemporânea, v. 5, Ed. Especial, p. 59-79, 2001.

PRESTES MOTTA, F.; CALDAS, M. (Org.). Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, 1997.

QUIJANO, A. Coloniality of power, ethnocentrism, and Latin America. Nepantla, v. 1, n. 3, p. 553-580, 2000.

QUIJANO, A. Coloniality of power, eurocentrism, and social classification. in: MORAÑA, M.; DUSSEL, E.; JÁUREGUI, C. (Orgs.). Coloniality at large: Latin America and postcolonial debate. Durham: Duke university Press, 2008.

RODRIGUES, S.; CARRIERI, A. A tradição anglosaxônica em estudos organizacionais brasileiros. Revista de Administração Contemporânea, v. 5, Ed. Especial, p. 81-102, 2001.

RODRÍGUEZ, I. (Ed.). The latin american subaltern studies reader. Durham: Duke University Press, 2001.

ROSA, A.; ALVES, M. Pode o conhecimento em gestão e organização falar português? Revista de Administração de Empresas, v. 51, n. 3, p. 255-264, 2011.

ROSA, J. G. Primeiras estórias. Rio de Janeiro: Olympio, 1980.

ROSSATO NETO, F.; CAVEDON, N. A psicanálise e a cultura organizacional na obra de Fernando Prestes Motta. in: ENCONTRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS, 4., 2006, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: ANPAD, 2006. 1 CD-ROM.

SAID, E. Culture and imperialism. Nova York: Vintage, 1993.

SAID, E. Orientalism. Nova York: Viking, 1978.

SANTIAGO, S. Uma literatura nos trópicos. São Paulo: Perspectiva, 1978.

SANTIAGO, S. Vale quanto pesa: ensaios sobre questões político-culturais. rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

SCHWARZ, R. As idéias fora do lugar. In: SCHWARZ, R. Ao vencedor as batatas: forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. São Paulo: Duas Cidades, 1977.

SERVA, M. A importação de metodologias administrativas no Brasil: uma análise semiológica. Revista de Administração Pública, v. 26, n. 4, p. 128-144, 1992.

SHEPARD, T. The invention of decolonization: the Algerian war and the remaking of France. Nova York: Cornell University Press, 2006.

SMYTH, G. The politics of hybridity: some problems with crossing the border. In: BERY, A.; MURRAY, P.; HARRIS, W. (Eds.). Comparing postcolonial literatures: dislocations. Basingstoke: Macmillan, 2000.

SODRÉ, N. A ideologia do colonialismo. Rio de Janeiro: ISEB, 1961.

SOUZA, J. A construção social da subcidadania: para uma sociologia política da modernidade periférica. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

SPIVAK, G. Can the subaltern speak? In: NELSON, C.; GROSSBERG, L. (Orgs.). Marxism and the interpretation of culture. Illinois: University Press, 1988.

SPIVAK, G. The post-colonial critic: interviews, strategies, and dialogues. New York: Routledge, 1990.

STYHRE, A. Subaltern management studies: are they “critical”? In: INTERNATIONAL CRITICAL MANAGEMENT STUDIES CONFERENCE, 4., 2005, Cambridge. Proceedings… Cambridge: Judge Business School, 2005.

TAYLOR, C. Latin America. In: MCLEOD, J. (Org.). The Routledge companion to postcolonial studies. London: Routledge, 2007.

TOTA, A. O imperialismo sedutor: a americanização do Brasil na época da Segunda Guerra. São Paulo: Cia das Letras, 2000.

VERGARA, S. A hegemonia americana em estudos organizacionais. Revista de Administração Pública, v. 35, n. 1, p. 63-77, 2001.

WILLMOTT, H. Breaking the paradigm mentality. Organization Studies, v. 14, n. 5, p. 681-719, 1993.

YUDICE, G. Testimonio and postmodernism. Latin American Perspectives, v. 1, n. 3, p. 15-31, 1991.

ZEA, L. Colonización y descolonización de la cultura latinoamericana. Caracas: Ministerio de Educación, 1969.