A pós-graduação brasileira: evolução e principais desafios no ambiente de cenários prospectivos Outros Idiomas

ID:
21108
Resumo:
O presente artigo tem por objetivo analisar a evolução da pós-graduação brasileira, desde sua criação até os dias atuais, com base nos trabalhos desenvolvidos pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Capes e , pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq, identificando as variáveis mais importantes e suas perspectivas no ambiente de cenários prospectivos. Destaca-se, também que, hoje, o país passa pelo período de maior amplitude e importância da pós-graduação, segmento que se consolidou por possuir alta alta qualificação nacional e internacional. Neste estudo, procede-se à revisão bibliográfica e ao exame documental, para o resgate da história da pós-graduação brasileira e seus principais desafios, substanciados em uma análise que envolve variáveis portadoras de futuro desse ambiente, buscando por meio da metodologia de cenários prospectivos, estabelecer estratégias favoráveis à continuidade dessas boas práticas no futuro.
Citação ABNT:
MORITZ, G. O.; MORITZ, M. O.; PEREIRA, M. F.; MACCARI, E. A. A pós-graduação brasileira: evolução e principais desafios no ambiente de cenários prospectivos. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, v. 5, n. 2, p. 3-3, 2013.
Citação APA:
Moritz, G. O., Moritz, M. O., Pereira, M. F., & Maccari, E. A. (2013). A pós-graduação brasileira: evolução e principais desafios no ambiente de cenários prospectivos. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, 5(2), 3-3.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/21108/a-pos-graduacao-brasileira--evolucao-e-principais-desafios-no-ambiente-de-cenarios-prospectivos/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Amorim, A. (1992). Avaliação institucional da universidade. São Paulo: Cortez.

Balbachevsky, E. (2005). A pós-graduação no Brasil: novos desafios para uma política bem sucedida. In C. Brock & S. Schwartzman. Os desafios da educação no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Barros, E. M. C. de. (1998). Política de Pós-Graduação: um estudo da comunidade científica. São Carlos: UFSCar.

Bernardes, J. F.; & Melo, P. A. de. (2004). O papel dos programas de pósgraduação da Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC no desenvolvimento de políticas em administração universitária. UFSC. Recuperado em fevereiro de 2011, de http://www.inpeau.ufsc.br/coloquio04/a2.htm.

BRASIL. (1951). Decreto nº 29.741, de 11 de julho de 1951. Institui uma Comissão para promover a Campanha Nacional de Aperfeiçoamento de pessoal de nível superior. Lex: Coletânea de Legislação, Edição Federal, p. 324.

Brasil. (1965). Conselho Federal de Educação. Parecer nº 977/65. Definição dos cursos de pós-graduação. Brasília, DF.

Brasil. (2004). Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Documento da Área de Educação. Brasília, DF: Capes. Recuperado em janeiro de 2011, de http://www.capes.gov.br.

Brasil. (2011). Número de alunos que cursam pós-graduação aumentou 21,6% de 2006 a 2010. Disponível em . Acesso 10 abril de 2013.

CAPES. (2011). Avaliação da pós-graduação. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2011.

Carneiro Júnior, S.; & Lourenço, R. (2003). Pós-graduação e pesquisa na universidade. In E. B. Viotti & M. M. Macedo (Orgs.). Indicadores de ciência, tecnologia e inovação no Brasil (pp. 169-227). Campinas: Unicamp.

CASTRO, C. de M. (2008). A pós-graduação e a Capes: o que deu certo e o que deve ser feito. Recuperado em 30 de novembro de 2010, de http://www.faculdadepitagoras.com.br/Documentos/SAIBA/Artigo/OPINI%C3%83O%20-%20A%20p%C3%B3s%20gradua%C3%A7ao%20e%20a%20Capes_103.doc.

CNPq. (2011). Bolsas e Auxílios. Disponível em: . Acesso em 20 mai 2012.

Cunha, N. F. (1970). A crise da educação escolar e as tarefas da universidade. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 53(118), 258-273.

Giannetti, E. (2010). A civilização brasileira. Revista EXAME CEO. Ideias para quem decide. São Paulo, n. 7, p.16-33.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa (4a ed.). São Paulo: Atlas.

Lakatos, E. M.; & Marconi, M. de A. (1992). Técnicas de pesquisa (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Maccari, E. A. ; Lima, M. C.; Riccio, E. L. (2009). Uso do Sistema de Avaliação da CAPES por programas de pós-graduação em Administração no Brasil. Revista de Ciências da Administração (CAD/UFSC), v. 11, pp. 1-15. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2012.

Maccari, E. A.; Rodrigues, L. C.; Alessio, E. M.; & Quoniam, L. (2008). Sistema de avaliação da pós-graduação da Capes: pesquisa-ação em um programa de pós-graduação em Administração. Revista Brasileira de Pós-Graduação, 5(9), pp. 171-205. Disponível em: http://www2.capes.gov.br/rbpg/images/stories/downloads/RBPG/Vol.5_9dex2008_/Experiencias_Artigo3_n9.pdf. Acesso em: 06 jul 2012.

Machado, A. M. N.; & Alves, V. (2005). Caminhos ou (des) caminhos da pós-graduação strictu senso em educação no Brasil. UNIPLAC; GT: Política de Educação Superior, n. 11.

Martins, R. (1999). A pós-graduação no Brasil: situação e perspectivas. Sociedade e Estado, 14(2), 273-297.

Moretto, L. N.; Pacheco, A. S.; & Coto, G. C. (2009). Criatividade dentro da Educação: um estudo de caso do curso de Administração da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Revista da Ciência de Administração, 11(24), p. 221-245.

Moritz, G. de O. (2004). Planejando por cenários prospectivos: a construção de um referencial metodológico baseado em casos. Tese de Doutorado, Programa de Pós- Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina: Florianópolis, SC, Brasil.

O Estado de S. Paulo. Programas de Pós-Graduação. Recuperado em janeiro de 2011, de http://www.estadao.com.br/noticias/vida,mais-de-70-programas-de-pos-devem-ser-fechados-por-baixaqualidade,609821,0.htm.

Oliveira Filho, E. C. de. (2005). Reforma universitária: o Plano Nacional de Pós-Graduação, 2005-2010. Anais da Conferência Nacional de Ciência e Tecnologia - Seminário Preparatório, 3, Brasília/DF, Brasil.

Paixão, D. de B.; Barbosa, J. S.; & Neves, K. P. (2009). A formação do bibliotecário no Brasil: quem forma o profissional da informação na região sudeste. UFMG. Recuperado em 24 de janeiro de 2011, de http://www.ufg.br/this2/.../a_formacao_do_bibliotec_rio_no_brasil.pdf.

Pardim, V. I. ; Maccari, E. A. (2012) . O uso da educação online como estratégia para ampliar o acesso à pós-graduação stricto sensu brasileira. In: Congresso Internacional TIC e Educação, 2012, Lisboa. II Congresso Internacional TIC e Educação. Lisboa: Universidade de Lisboa, 2012. v. 1. p. 806-829.

PLANO Nacional de Pós-Graduação - PNPG. 2010-2020. (2011). Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2011.

Popcorn, F.; & Hanft, A. (2001). O dicionário do futuro: as tendências e expressões que definirão nosso comportamento. Rio de Janeiro: Campus.

Ribeiro, D. (1978). UnB - invenção e descaminho. São Paulo: Avenir.

Ribeiro, D. (1980). Os cursos de pós-graduação. Encontros com a Civilização Brasileira. 19, 73-79.

Romêo, J. R. M.; Romêo, C. I. M.; & Jorge, V. L. (2004). Estudos de pósgraduação no Brasil. Rio de Janeiro: Unesco. Recuperado em fevereiro de 2011, de http://www.ccpg.puc-rio.br/memoriapos/textosfinais/romeo2004.pdf>.

Santos, C. M. dos. (2003). Tradições e contradições da pósgraduação no Brasil. Educação e Sociedade, 24(83), 627-641.

Saorim, R. N. S.; & Garcia, J. C. R. (2008). O sistema de avaliação da Capes na visão dos gestores dos programas de pós-graduação da Universidade Federal da Paraíba. UFPB. Recuperado em 25 de janeiro de 2011, de http://www.dci2.ccsa.ufpb.br:8080/.../GT%204%20Txt%205SAORIM,%20Roberto20%com%20titutlo,pdf.

Schwartzman (1992). Apoio à Pesqisa no Brasil. Interciencia, 17, 6, p. 329-333

Silva, R. H. dos R. (2010). A Educação especial no âmbito da pós-graduação em educação no Brasil. UFG e Unicamp. Recuperado em 25 de janeiro de 2011, de http://www.anped.org.br/33encontro/app/webroot/files/file/P%C3%B4steres%20em%20PDF/GT15-6140--Int.pdf.

Triviños, A. N. S. (2006). Introdução à pesquisa em ciências sociais. São Paulo: Atlas.

UNB. Diagnóstico do desenvolvimento da Universidade de Brasília. Recuperado em janeiro de 2011, de www.visites.unb.br.

Velloso, J. (2004). Mestres e doutores no país: destinos profissionais e políticas de pós-graduação. Caderno de Pesquisa, 34(123), 583-611.

Verhine, R. (2008, maio/agosto). E. Pós-graduação no Brasil e nos Estados Unidos: uma análise comparativa. Educação, 31(2), 166-172.

Wright, J. T. C.; SPERS, R. G. (2000). Delphi - Uma Ferramenta de apoio ao planejamento prospectivo. REGE. Revista de Gestão USP, São Paulo, v. 1, n.12, p. 54-65.

Wright, J. T. C.; SPERS, R. G. (2006) O País no futuro: aspectos metodológicos e cenários. Estudos Avançados, São Paulo, v. 20, p. 10-25.