Uma análise dos estudos sobre o feminino e as mulheres na área da Administração: a produção científica brasileira entre 2000 a 2010 Outros Idiomas

ID:
21119
Resumo:
Este artigo consiste em analisar bibliograficamente as produções científicas, publicadas entre os anos de 2000 a 2010, que tiveram como tema central o feminino e a mulher em seis das principais revistas da área de administração no Brasil. Os periódicos pesquisados foram: Cadernos EBAPE, Revista de Administração Contemporânea, Revista de Administração de Empresas, Revista de Administração Mackenzie, Revista Organizações & Sociedade e Revista de Administração da Universidade de São Paulo. Os mesmos foram agrupados em três áreas temáticas, seguindo-se os critérios de Análise de Conteúdo. Conclui-se que a maioria dos artigos analisados aproxima-se dos movimentos feministas liberais e radicais. Apenas um artigo tem proximidade com o pós-estruturalismo e o pós-colonialismo. Contudo, não se pode afirmar que os artigos são representantes ideais destas correntes. Por fim, há carência de pesquisas que relacionem o feminino com questões de classe e raça, bem como estudos que pesquisem feminino em homens.
Citação ABNT:
SOUZA, E. M.; CORVINO, M. M. F.; LOPES, B. C. Uma análise dos estudos sobre o feminino e as mulheres na área da Administração: a produção científica brasileira entre 2000 a 2010. Organizações & Sociedade, v. 20, n. 67, p. 603-621, 2013.
Citação APA:
Souza, E. M., Corvino, M. M. F., & Lopes, B. C. (2013). Uma análise dos estudos sobre o feminino e as mulheres na área da Administração: a produção científica brasileira entre 2000 a 2010. Organizações & Sociedade, 20(67), 603-621.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/21119/uma-analise-dos-estudos-sobre-o-feminino-e-as-mulheres-na-area-da-administracao--a-producao-cientifica-brasileira-entre-2000-a-2010/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BAHIA, M. C. A.; FERRAZ, M. A. V. Entre a exceção e a regra: a construção do feminino na polícia civil da baiana. Revista Organizações & Sociedade, Salvador, v. 7, n. 18, p. 25-40, maio/ago. 2000.

BARDIN, L. L. Analyse de contenu. Paris: Presses Universitaries de France, 1977.

BOAS, L. H. B.; PAULA NETO, A.; CRAMER, L. Relações de gênero nas organizações: um estudo no setor de venda de veículos. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, São Paulo, v. 38, n. 3, p. 219-229, jul./set. 2003.

BUTLER, J. Gender trouble: feminism and the subversion of identity. New York: Routledge, 1990.

BUTLER, J. O parentesco é sempre tido como heterossexual? Cadernos Pagu, Campinas, n. 21, p. 219-260, 2003.

CALÁS, M. B.; SMIRCICH, L. Do ponto de vista da mulher: abordagens feministas em estudos organizacionais. In: CLEGG, S.; HARDY, C.; NORD, W. R. Handbook de estudos organizacionais: modelos de análise e novas questões em estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 1998.

CAPELLE, M. C.; MELO, M. C. O. L. A. Mulheres policiais, relações de poder e de gênero na Polícia Militar de Minas Gerais. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v. 11, n. 3, p. 71-99, maio/jun. 2010. (Edição Especial)

CAVAZOTTE, F. S. C. N.; OLIVEIRA, L. B.; MIRANDA, L. C. Desigualdade de gênero no trabalho: reflexos nas atitudes das mulheres e na sua intenção de deixar a empresa. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, São Paulo, v. 45, n. 1, p. 70-83, jan./mar. 2010.

CERCHIARO, I.; AYROSA, E. A. T.; ZOUAIN, D. M. A aplicação de abordagens feministas na pesquisa em administração. Cadernos Ebape.Br, Rio de Janeiro, v. 7, n. 4, p. 649-664, dez. 2009.

CORRÊA, A. M. H. et al. Soldadinhos-de-chumbo e bonecas: representações sociais do masculino e feminino em jornais de empresas. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 11, n. 2, p. 191-211, abr./jun. 2007.

CORRÊA, A. M. H.; CARRIERI, A. P. Percurso semântico do assédio moral na trajetória profissional de mulheres gerentes. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 47, n. 1, p. 22-32, jan./mar. 2007.

CORRÊA, G. F.; CAMPOS, B. M. Comportamento empreendedor e competitividade: um estudo exploratório em restaurantes self-service (RSS). In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 30., 2006, Salvador. Anais... Salvador: ANPAD, 2006.

CRAMER, L.; PAULA NETO, A. de; SILVA, A. L. A inserção do feminino no universo masculino: representações da educação superior. Revista Organizações & Sociedade, Salvador, v. 9, n. 24, p. 25-37, maio./ago. 2002.

DAVEL, E.; ALCADIPANI, R. Estudos críticos em administração: a produção científica brasileira nos anos 1990. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 43, n. 4, p. 72-85, 2003.

DREYFUS, H. L.; RABINOW, P. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995. 299 p.

FONSECA, M. A. Michel Foucault e a constituição do sujeito. São Paulo: EDUC,, 2007.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

FOUCAULT, M. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

GARDINER, J. K. Men, masculinities and feminist theory. In: KMMEL, M. S.; HEARN, J.; CONNELL, R. W. Handbook of studies on men & masculinities. Califórnia: Sage Publications, 2004.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresa, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 57-63, mar./abr. 1995.

GRZYBOVSKI, D.; BOSCARIN, R.; MIGOTT, A. M. B. Estilo feminino de gestão em empresas familiares gaúchas. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 6, n. 2, p. 185-207, maio/ago. 2002.

GUIMARÃES, T. B. C.; MACHADO-DA-SILVA, C. L. Empreendedorismo como estratégia corporativa na perspectiva institucional de análise: estudo de caso. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 29., 2005, Brasília, DF. Anais... Brasília, DF: ANPAD, 2005.

HATCH, M. J.; CUNLIFFE, A. L. Organization theory. New York: Oxford University Press, 2006.

HEIBORN. M. L. Gênero: um olhar estruturalista. In: Pedro, J. M.; Grossi, M. P. Masculino, feminino, plural. Florianópolis: Ed. Mulheres, 1998.

IBGE. Primeiros dados do censo 2010. On-line. Disponível em: . Acesso em: 04 maio 2011.

ICHIKAWA, E. Y.; SANTOS, L. W. O simbolismo do jogo: percepções da mulher diante da competitividade organizacional. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, São Paulo, v. 35, n. 3, p. 99-104, jul./set. 2000.

KANAN, L. A. Poder e liderança de mulheres nas organizações de trabalho. Revista Organizações & Sociedade, Salvador, v. 17, n. 53, p. 243-257, abr./jun. 2010.

KILDUFF, M.; MEHRA, A. Postmodernism and organizational research. The Academy of Management Review, v. 22, n. 2, apr., p. 453-481, 1997.

LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 2008.

LOURO, G. L. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

MACHADO, H. V. Expressão emocional no exercício da atividade empreendedora por mulheres. Revista Organizações & Sociedade, Salvador, v. 13, n. 38, p. 103-118, jul./set. 2006.

MACKINNON, C. Feminism unmodified. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press, 1987.

MELO, M. C. O. L. et al. Representações femininas na mídia de negócios brasileira. Revista Organizações & Sociedade, Salvador, v. 11, n. 31, p. 103-118, set./dez. 2004.

PEÑALOZA, V.; DIÓGENES, C. G.; SOUSA, J. A. Escolha profissional no curso de administração: tendências empreendedoras e gênero. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v. 9, n. 8, p. 151-167, nov./dez. 2008.

RAGO, M. Epistemologia feminista, gênero e história. In: Pedro, J. M.; Grossi, M. P. Masculino, feminino, plural. Florianópolis: Ed. Mulheres, 1998.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade. Porto Alegre, v. 16, n. 2, p. 5-22, jul./dez. 1990.

SEDGWICK, E. K. Gosh, boy George, you must be awfully secure in your masculinity! In: BERGER, M.; WALLIS, B.; WATSON, S. Constructing masculinity. New York: Routledge, 1995.

SOUZA, E. M. de. O mito da igualdade: análise pós-estruturalista das políticas de diversidade promovidas por bancos públicos e privado. In: ENCONTRO DE GESTÃO DE PESSOAS E RELAÇÕES DE TRABALHO, 2., 2009. Curitiba. Anais... Curitiba: GPR, 2009.

TAKAHASHI, A. R. W.; GRAEFF, J. F.; TEIXEIRA, R. M. Planejamento estratégico e gestão feminina em pequenas empresas: o caso das escolas particulares em Curitiba – Paraná. Revista Organizações & Sociedade, Salvador, v. 13, n. 39, p. 2944, set./dez. 2006.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

TSE. Estatística do eleitorado por sexo e faixa etária. On-line. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2011.

VASCONCELOS, I. G. de; VASCONCELOS, F. C. de; MASCARENHAS, A. O. Batom, pó de arroz e microchips: o falso paradoxo entre as dimensões masculina e feminina nas organizações e a gestão de pessoas. Revista Organizações & Sociedade, Salvador, v. 11, n. 31, p. 119-134, set./dez. 2004.

VIEIRA, M. M. F.; CALDAS, M. P. Teoria crítica e pós-modernismo: principais alternativas à hegemonia funcionalista. In: CALDAS, M.; BERTERO, C. O. Teoria das organizações. São Paulo: Atlas, 2007