O comportamento alimentar do turista e sua segurança no consumo de milho verde e churros à beira-mar Outros Idiomas

ID:
2127
Resumo:
Na dinâmica do turismo evidencia-se a preocupação com a qualidade do alimento e a consolidação da gastronomia como produto turístico. Ganham ênfase, nesse contexto, os significados atribuídos à comida e as práticas humanas de alimentação. Partindo desses pressupostos, realizou-se pesquisa para verificar as condições higiênico-sanitárias dos quiosques de churros e milho verde na Praia Central de Balneário Camboriú/SC e analisar o comportamento alimentar dos turistas consumidores desses alimentos. Desenvolveu-se um estudo de caso, com observações diretas e aplicação de um check-list higiênicosanitário, baseado na RDC 216/04 da Anvisa, para avaliar a estrutura física dos pontos de venda e o trabalho dos manipuladores. Questionários e entrevistas sistemáticas com 405 turistas permitiram captar tanto os sentidos conferidos ao consumo desses alimentos como a percepção deles em relação à escolha do ponto de venda e dos produtos. A pesquisa revelou que tanto a estrutura física como as práticas de produção comportam perigos físicos e biológicos que podem resultar em contaminação alimentar. Constatou-se que os turistas relacionam o consumo com vivências da infância, experiências familiares e sentimentos de prazer. Mantêm-se atentos ao serviço oferecido, observando a higiene do ponto de venda e a qualidade do produto como critérios de garantia da sua segurança alimentar.
Citação ABNT:
ALMEIDA, E. B.; HOSTINS, R. C. L. O comportamento alimentar do turista e sua segurança no consumo de milho verde e churros à beira-mar. Turismo: Visão e Ação, v. 13, n. 3, art. 5, p. 347-361, 2011.
Citação APA:
Almeida, E. B., & Hostins, R. C. L. (2011). O comportamento alimentar do turista e sua segurança no consumo de milho verde e churros à beira-mar. Turismo: Visão e Ação, 13(3), 347-361.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/2127/o-comportamento-alimentar-do-turista-e-sua-seguranca--no-consumo-de-milho-verde-e-churros-a-beira-mar/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AAKER, D. A. Criando e administrando marcas de sucesso . Tradução Eduardo Lasserre. São Paulo: Futura, 1996.

ACKERMAN, D. Uma história natural dos sentidos . Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1992.

AKUTSU, R. C.; BOTELHO, R. A.; CAMARGO, E. B.; SÁVIO, K. E. O.; ARAÚJO, W. C. Adequação das boas práticas de fabricação em serviços de alimentação. Revista de Nutrição , v. 18, n. 3, p. 419-42, maio/jun. 2005.

ANTONINI, B. O. A gastronomia típica da Ilha de Santa Catarina: um elemento de importância para o turismo cultural. 2003. Dissertação (Mestrado em Turismo e Hotelaria) – Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, 2003.

ANTONINI, B. O.; SANTOS, D. C. M. dos; SILVA, Y. F. e. A importância da segurança alimentar em eventos gastronômicos . Disponível em: www.santoagostinho.edu.br/biblio/teses/8.pdf . Acesso em: 12 jun. 2008.

ARAÚJO, W. M. C.; CHAVES ARAÚJO, H. M. Comida de rua e preservação da cultura alimentar . Fundação Slow Food para Biodiversidade. Disponível em: www.slowfoodbrasil.com/content/view/147/95 . Acesso em: 3 jun. 2008.

ARRUDA, G. A. Manual de boas práticas: unidades de alimentação e nutrição. v. 2. 2. ed. São Paulo: Ponto Crítico, 2002.

AZAMBUJA, M. A gastronomia como produto turístico. In: CASTROGIOVANNI, A. C. (Org.). Turismo urbano . São Paulo: Contexto, 2001. p. 69-76.

BAKHTIN, M. Cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: Edunb; Brasília: Hucitec, 1999

BALNEÁRIO CAMBORIÚ. Decreto Nº 4.413, 21 de junho de 2006. Regulamenta o Artigo 23 da Lei Municipal nº. 1.303 de 16 de dezembro de 1993, que dispõe sobre alimentos e bebidas. 21 jun. 2006.

BALNEÁRIO CAMBORIÚ. Lei Nº 1.303, 16 dezembro de 1993. Dispõe sobre normas de saúde em Vigilância Sanitária, estabelece penalidades e dá outras providências. 16 dez. 1993.

BALNEÁRIO CAMBORIÚ. Secretária de Saúde e Saneamento. Departamento de Fiscalização Sanitária. Instrução Normativa 001/2004, dispõe sobre as normas para a padronização de lixeiras dos quiosques e carrinhos de milho/ churros. 2004.

BARBETTA, P. A. Estatística aplicada às ciências sociais . 2. ed. Florianópolis: UFSC, 1998.

BARTHES, R. Elementos de semiologia . Tradução Izidro Blikstein. São Paulo: Cultrix, 1979.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Resolução RDC nº 216, de 15 de setembro de 2004. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. Diário O fi cial da União , Poder Executivo, Brasília, DF, 16 set. 2004.

BRILLAT-SAVARIN, J. A. A fi siologia do gosto . São Paulo: Cia. das Letras, 1995.

CAMARGO, L. O. L. Os domínios da hospitalidade. In: DENCKER, A. F. M.; BUENO, M. S. (Org.). Hospitalidade: cenários e oportunidades. São Paulo: Pioneira Thomson, 2003. p. 7-14.

CARDOSO, R. C. V.; LOUREIRO, E. S.; NEVES, D. C. S.; SANTOS, H. T. C. Comida de rua: um espaço para estudo na Universidade Federal da Bahia. Revista Higiene Alimentar , v. 17, n. 111, p. 12-17, ago. 2003.

CET/UNB – Centro de Excelência em Turismo da Universidade de Brasília. Gastronomia como produto turístico . Disponível em: www.unb.br/cet/noticias/not_%20gastronomiacomoprodutoturistico.htm . Acesso em: 12 jun. 2009.

DANIEL, J. M. P.; CRAVO, V. O valor social e cultural da alimentação. Boletim de Antropologia , v. 2, p. 70-83, 1989.

EMBRATUR. Embratur quer seduzir turistas pelo estômago . 22 out. 2007. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2008.

FERRI, C.; LEAL, E. J. M.; HOSTINS, R. C. L. Pesquisa na universidade: elaboração de projetos e relatórios. Itajaí: UNIVALI, 2004.

FIGUEIREDO, R. M. Higiene dos alimentos: como não comer fungos, bactérias. Disponível em: . Acesso em: 2 dez. 2007.

FREITAS, M. C. S. Educação nutricional: aspectos sócio-culturais. In: CONBRAN – Congresso Brasileiro de Nutrição, 9., Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte, 1996. p. 1-4.

GÂNDARA, J. M. G. Re fl exões sobre o turismo gastronômico na perspectiva da sociedade dos sonhos. In: NETTO, A. P.; ANSARAH, M. G. R. Segmentação do mercado turístico : estudos, produtos e perspectivas. Barueri, SP: Manole, 2009. p. 179-191.

GARCIA, R. W. D. A comida, a dieta, o gosto: mudanças na cultura alimentar urbana. 1999. 312 p. Tese (Doutorado) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, 1999.

GARCIA, R. W. D. Representações sociais da comida no meio urbano: algumas considerações para o estudo dos aspectos simbólicos da alimentação. Revista Cadernos de Debate , Unicamp, v. 2, p. 12-40, 1994.

GENTA, T. M. S.; MAURÍCIO, A. A.; MATIOLI, G. Avaliação das Boas Práticas através de check-list aplicado em restaurantes self-service na região central de Maringá, Estado do Paraná. Acta Science Health Science , Maringá, v. 27, n. 2, p. 151-167, 2005.

GÓES, J. A. W.; FURTUNATO, D. M. N.; VELOSO, I. S.; SANTOS, J. M. Capacitação dos manipuladores de alimentos e a qualidade da refeição servida. Higiene Alimentar, São Paulo, v. 15, n. 82, p. 20-22, mar. 2001

HAIR JÚNIOR, J. F.; BABIN, B.; MONEY, A. H.; SAMOUEL, P. Fundamentos de métodos de pesquisa em administração . Porto Alegre: Bookman, 2005.

KOTLER, P.; HAYES, T.; BLOOM, P. N. Marketing de serviços pro fi ssionais: estratégias inovadoras para impulsionar sua atividade, sua imagem e seus lucros. 2. ed. São Paulo: Manole, 2002. 524 p.

LOBO, H. A. S. Entre sabores e vivências: culinária típica local e ecoturismo no centro-sul do Brasil. Revista Nordestina de Ecoturismo , Aracaju, v. 1, n. 1, p. 34-50, set. 2008.

MACIEL, M. E. Cultura e alimentação ou o que têm a ver os macaquinhos de Koshima com Brillat-Savarin? Horizontes Antropológicos , Porto Alegre, ano 7, n. 16, p. 145-156, dez. 2001.

MENDES, A. C. R. Os pro fi ssionais da área de alimentos no controle de qualidade: uma re fl exão sobre as ações necessárias para a proteção da saúde do consumidor. Higiene Alimentar , São Paulo, v. 12, n. 53, p. 26-29, jan./fev. 1998.

MEZOMO, I. F. B. Os serviços de alimentação: administração e organização. 4. ed. São Paulo: Manole, 2002.

MONTANARI, M.; FLANDRIN, J. L. História da alimentação . São Paulo: Estação Liberdade, 1998.

OMS – Organização Mundial de Saúde Doenças de origem alimentar: enfoque para educação em saúde. São Paulo: Roca, 2006b.

OMS – Organização Mundial de Saúde. Departamento de Segurança Alimentar, Zoonoses e Doenças de Origem Alimentar. Cinco chaves para uma alimentação mais segura. Portugal: Instituto Nacional de Saúde Dr Ricardo Jorge, 2006a. (Publicado pela OMS em 2006 sob o título Five Keys for Safer Food Manual).

OMT – Organização Mundial de Turismo. Securité alimentaire et tourisme/food safety and tourism. Madri: [s.n.], 1991.

OPAS – Organização Panamericana da Saúde. Relatório 1996. Disponível em: www.opas.org.br . Acesso em: 18 jun. 2008.

ORNELLAS, L. H. Técnica dietética: seleção e preparação de alimentos. 7. ed. São Paulo: Atheneu, 2001.

POULAIN, J. P. Sociologias da alimentação . Florianópolis: UFSC, 2004.

PROENÇA, R. P. C.; SOUSA, A. A.; VIEIROS, M. B.; HERING, B. Qualidade nutricional e sensorial na produção de refeições . Florianópolis: UFSC, 2005.

PROENÇA, R. P. da C. Inovação tecnológica na produção de alimentação coletiva . Florianópolis: Insular, 1997.

SANTA CATARINA. Decreto 31.455, de 20 de fevereiro de 1987. Regulamenta os Arts. 30 e 31, da Lei nº 6.320, de 20 de dezembro de 1983, que dispõem sobre Alimentos e Bebidas. 20 fev. 1987.

SANTOS, A. P. M. dos. Turismo e oferta alimentar, nos restaurantes de Balneário Camboriú – SC. 2001. Dissertação (Mestrado) – Programa de Mestrado em Turismo e Hotelaria, Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, 2001.

SCHLÜTER, R. G. Gastronomia e turismo . São Paulo: Aleph, 2003.

SILVA JÚNIOR, E. A. S. Manual de controle higiênico-sanitário em alimentos . 4. ed. São Paulo: Varela, 2001.

SIMMEL, G. Sociologia da refeição. Estudos Históricos , Rio de Janeiro, Fundação Getúlio Vargas, n. 33, p. 1-8, dez. 2004. Disponível em: http://www.cpdoc.fgv.br/revista/arq/375.pdf . Acesso em: 10 jun. 2008.

TALAMINI, E.; PEDROZO, E. A.; SILVA, A. L. da. Gestão da cadeia de suprimentos e a segurança do alimento: uma pesquisa exploratória na cadeia exportadora de carne suína. Gestão & Produção , v. 12, n. 1, p. 107-120, jan./abr. 2005.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2005