Recursos estratégicos e vantagem competitiva: aplicação do Modelo VRIO em uma organização do setor sucroalcooleiro Outros Idiomas

ID:
2137
Resumo:
A visão baseada em recursos representa uma das principais correntes de pensamento da área de estratégia empresarial. Os recursos de uma organização podem ser fonte de vantagem competitiva, desde que reconhecidos pela organização como valiosos, raros, difíceis de serem copiados e explorados pela firma. No entanto, identificar e analisar os recursos não são tarefas fáceis e pouco aplicadas no contexto empresarial. Reconhecendo a importância dos recursos para a vantagem competitiva das organizações, este trabalho tem como objetivo identificar e analisar se os recursos estratégicos de uma organização do setor sucroalcooleiro contribuem para a sua vantagem competitiva. Para alcançar esse objetivo, foi realizado um estudo de caso em uma empresa do ramo adotando como abordagem teórica o modelo VRIO, proposto por Barney e Hesterly (2007). Para coletar os dados da pesquisa de campo foram adotadas a entrevista semi estruturada, a observação passiva e a análise documental. Por meio da pesquisa, pôde-se verificar que nenhum dos recursos deixa a empresa em desvantagem competitiva, tampouco contribui para uma fraqueza organizacional. Todos os recursos são explorados pela firma, embora nem todos permitam o desenvolvimento de uma vantagem competitiva sustentável.
Citação ABNT:
GOHR, C. F.; SANTOS, L. C.; BURIN, C. B.; MARQUES, M. D. S.; ARAI, R. M. Recursos estratégicos e vantagem competitiva: aplicação do Modelo VRIO em uma organização do setor sucroalcooleiro. Revista Gestão Organizacional, v. 4, n. 1, art. 6, p. 115-139, 2011.
Citação APA:
Gohr, C. F., Santos, L. C., Burin, C. B., Marques, M. D. S., & Arai, R. M. (2011). Recursos estratégicos e vantagem competitiva: aplicação do Modelo VRIO em uma organização do setor sucroalcooleiro. Revista Gestão Organizacional, 4(1), 115-139.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/2137/recursos-estrategicos-e-vantagem-competitiva--aplicacao-do-modelo-vrio-em-uma-organizacao-do-setor-sucroalcooleiro/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AMORIM, H. V. et al. Scientific challenges of bioethanol production in Brazil. Applied Microbiology and Biotechnology, p. 1-9, 2011. Disponível em: . Acesso em: 08 ago. 2011.

AREND, R. J.; LÉVESQUE, M. Is the resource-based view a practical organizational theory? Organization Science, v. 21, n. 4, p. 913-930, 2010.

AZEVEDO, C. A. M.; AZEVEDO, A. G. Metodologia científica: contributos práticos para a elaboração de trabalhos acadêmicos. 9. ed. Lisboa: Universidade Católica Editora, 2008.

BARNEY, J. B.; HESTERLY, W. S. Administração estratégica e vantagem competitiva. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

BARNEY, J. B. Is the resource based “view” a useful perspective for strategic management research? Yes. Academy of Management Review, v. 25, n. 1, p. 41-56, 2001.

BARNEY, J. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, v. 17, n. 1, p. 99-120, 1991.

BASTOS, V. D. Etanol, álcool química e refinarias. BNDES Setorial, n. 25, p. 5-38, mar. 2007.

BESANKO, D. et al. A economia da estratégia. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

BNDES; CGEE (org.). Bioetanol de cana-de-açúcar: energia para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: BNDES, 2008.

BRAGATO, I. R. et al. Produção de açúcar e álcool vs. responsabilidade social corporativa: as ações desenvolvidas pelas usinas de cana-de-açúcar frente às externalidades negativas. Gestão & Produção, v. 15, n. 1, p. 89-100, 2008.

BRITO, L. A. L.; VASCONCELOS, F. C. de. A heterogeneidade do desempenho, suas causas e o conceito de vantagem competitiva: proposta de uma métrica. Revista de Administração Contemporânea, Edição Especial, p. 107-129, 2004.

CORTEZ, L. A. B. Considerations on the worldwide use of bioethanol as a contribution for sustainability. Management of Environmental Quality: an International Journal, v. 14, n. 4, p. 508-219, 2003.

CRUBELLATE, J. M.; PASCUCCI, L.; GRAVE, P. S. Contribuições para uma visão baseada em recursos legítimos. Revista de Administração de Empresas, v. 48, n. 4, 2008.

EISENHARDT, K. M.; JEFFREY, M. A. Dynamic capabilities: what are they? Strategic Management Journal, v. 21, n. 10/11, p. 1105-1121, 2000.

FAO. Food and agriculture organization of the United Nations. Forests and energy. Disponível em: . Acesso em: 04 ago. 2008.

GRANT, R. M. The resource-based theory of competitive advantage: implications for strategy formulation. California Management Review, v. 33, n. 3, p.114-135, 1991.

GUIMARÃES, L. T.; TURETTA, A. P. D.; COUTINHO, H. L. C. Uma proposta para avaliar a sustentabilidade da expansão do cultivo da cana-de-açúcar no Estado do Mato Grosso do Sul. Revista Sociedade & Natureza, v. 22, n. 2, p. 313-327, 2010.

HAMEL, G.; PRAHALAD, C. K. Competindo pelo futuro: estratégias inovadoras para obter o controle do seu setor e criar mercados. 7. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1995.

HOSKISSON, R. E. et al. Strategy in emerging economies. Academy of Management Journal, v. 43, n. 3, p. 249-267, 2000.

JACOVINE, L. A. G. et al. Conduta ambiental de empresas dos setores de celulose e papel, siderúrgico e sucroalcooleiro. Scientia Agrícola, v. 66, n. 1, p. 1-7, 2009.

KUNC, M. H.; MORECROFT, J. D. W. Managerial decision making and firm performance under a resource-based paradigm. Strategic Management Journal, v. 31, n. 11, p.11641182, 2010.

LAU, C.; NGO, H.; YIU, D. W. Internationalization and organizational resources of Chinese firms. Chinese Management Studies, v. 4, n. 3, p. 258-272, 2010.

LEITE, R. C.; CORTEZ, L. A. B. O etanol combustível no Brasil. Disponível em: . Acesso em: 02 ago.2008.

MACEDO, I. C. Situação atual e perspectivas do etanol. Estudos Avançados, n. 59, jan./abr. 2007.

MASQUIETTO, C. D.; SACOMANO NETO, M.; GIULIANI A. C. Identificação de arranjos produtivos locais: o caso do arranjo produtivo local do álcool de Piracicaba. Gestão & Regionalidade , v. 26, n. 77, p. 75-87, 2010.

MEDCOF, J. W. Resource-based strategy and managerial power in networks of internationally dispersed technology units. Strategic Management Journal, v. 22, n. 11, p. 999-1012, 2001.

MILLS, J. et al. Competing through competences. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 2002.

MOLONY, T.; SMITH J. Biofuels, food security, and Africa. African Affairs, v. 109, n. 436, p. 489-498, 2010.

MORAES, M. A. F. D. de. Considerações sobre a indústria do etanol no Brasil. Disponível em: . Acesso em: 02 ago. 2008.

NEVES, M. F.; WAACK, R. S.; MARINO, N. K. Sistema agroindustrial da cana-de-açúcar: caracterização das transações entre empresas de insumos, produtores de cana e usinas. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL – SOBER, 36, Poços de Caldas, MG. 10 a 14 de agosto de 1998. Anais... Poços de Caldas, 1998, p. 559-572.

NG, D.; SIEBERT, J. W. Toward better defining the field of agribusiness management. International Food and Agribusiness Management Review, v. 12, n. 4, p. 123-142, 2009.

PENROSE, E. T. The theory of the growth of the firm. Oxford: Basil Blackwell, 1968.

PEREIRA, M. S.; FORTE, S. H. A. C. Visão baseada em recursos nas instituições de ensino superior de Fortaleza: uma análise ex-ante e ex-post à LDB/96. Revista de Administração Contemporânea, v. 12, n.1, p. 107-129, 2008.

PORTER, M. E. Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. 7. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1991.

PRAHALAD, C. K.; HAMEL, G. The core competence of the corporation. Harvard Business Review, v. 68, n. 3, p. 79-91, 1990.

RIBEIRO, R.; ROSSETTO, C. R.; VERDINELLI, M. A. Comportamento estratégico da empresa e a visão baseada em recursos: um estudo no setor varejista de material de construção. Gestão & Produção, v. 18, n. 1, p. 175-192, 2011.

ROSEGRANT, M. W. et al. Global scenarios for biofuels: impacts and implications. Review of Agricultural Economics, v. 30, n. 3, p. 495-505, 2008.

RUMELT, R. P.; SCHENDEL, D.; TEECE, D. J. Strategic Management and economics. Strategic Management Journal, v. 12, n. 8, p. 5-29, 1991.

SAUER, I. Biocombustíveis no Brasil: comercialização e logística. Disponível em: . Acesso em: 31 jul. 2008.

SCHOEMAKER, P. J. H. Strategic decisions in organizations: rational and behavioral views. Journal of Management Studies, v. 30, n. 1, p. 11-30, 1993.

SCOPINHO, R. A. Qualidade total, saúde e trabalho: uma análise em empresas sucroalcooleiras paulistas. Revista de Administração Contemporânea, v. 4, n. 1, p. 93-112, 2000.

SZWARC, A. O etanol e o controle de emissões de gases de efeito estufa. Disponível em: . Acesso em: 02 ago.2008.

TEECE, D. J. Economic analysis and strategic management. California Management Review, v. 26, n. 3, p. 87-110, 1984.

TONDOLO, V. A. G.; BITENCOURT, C. C. Uma perspectiva baseada em recursos no agronegócio cooperativo. RAE Eletrônica, v. 7, n. 1. p. 1-12, 2008.

UNICA (Brasil). União da indústria de cana-de-açúcar. São Paulo, 2010. Disponível em: . Acesso em: 02 abr. 2010.

VIEIRA, M. C. A.; LIMA, J. F.; BRAGA, N. M. Setor sucroalcooleiro brasileiro: evolução e perspectivas. . Acesso em: 02 ago.2008.

WERNERFELT, B. A resource-based view of the firm. Strategic Management Journal, v. 5, n. 2, p.171-180, 1984.

YIN, R. K. Case study research: design and methods. 2. ed. Sage: Thousand Oaks, 1994.