Concentração de firmas de auditoria: atuação das Big Four no cenário empresarial brasileiro Outros Idiomas

ID:
24235
Periódico:
Resumo:
Devido à importância da auditoria para o bom funcionamento do mercado de capitais, os aspectos que contribuem ou prejudicam a qualidade dos serviços prestados pelas firmas de auditoria vêm sendo objeto de preocupação e estudo entre os governantes. Um desses aspectos diz respeito à concentração das firmas de auditoria no mercado mundial. No Brasil, assim como em outros países, este mercado está concentrado nas Big-Four. Para tentar minimizar esta concentração, o governo brasileiro implementou uma política de “rotatividade obrigatória”, com a expectativa de que as empresas de menor porte pudessem assumir uma parcela maior deste mercado. Diante deste cenário, este estudo se propôs a identificar como está segmentado o mercado de auditoria no Brasil, considerando as Big-Four e as demais firmas atuantes no setor. Trata-se de uma pesquisa descritiva, em que foram analisadas as 100 maiores empresas brasileiras em vendas líquidas no ano de 2012 listadas no site da Revista Exame. Os resultados evidenciam que 94 das 100 empresas foram auditadas pelas Big-Four, sendo que a PwC e a KPMG foram as firmas que apresentaram as maiores carteiras de clientes. Em contrapartida, as demais firmas atuaram em apenas seis empresas amostradas. Dessa forma, concluiu-se que, mesmo com a obrigatoriedade do rodízio de firmas de auditoria, a maioria das grandes corporações brasileiras contrataram as Big-Four para a prestação do serviço de auditoria independente.
Citação ABNT:
VELOZO, E. J.; PINHEIRO, L. B.; SANTOS, M. J. A. D.; CARDOZO, J. S. S. Concentração de firmas de auditoria: atuação das Big Four no cenário empresarial brasileiro. Pensar Contábil, v. 15, n. 58, p. 55-61, 2013.
Citação APA:
Velozo, E. J., Pinheiro, L. B., Santos, M. J. A. D., & Cardozo, J. S. S. (2013). Concentração de firmas de auditoria: atuação das Big Four no cenário empresarial brasileiro. Pensar Contábil, 15(58), 55-61.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/24235/concentracao-de-firmas-de-auditoria--atuacao-das-big-four-no-cenario-empresarial-brasileiro/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALMEIDA, M. C. Auditoria: um curso moderno e completo. 7 ed. São Paulo: Atlas, 2010.

BARKER, A.; JONES, A. ‘Big Four’ accountants face audit reform. The Financial Times, Londres, 30 nov. 2011.

BORTOLON, P.M.; SARLO NETO, A.; SANTOS, T.B. Custos de auditoria e governança corporativa. Revista Contabilidade & Finanças, São Paulo, v. 24, n.61, p. 27-36, jan./abr. 2013.

BOYNTON, W.C.; JOHNSON, R.N.; KELL, W.G. Auditoria. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

BRASIL. controladores de instituições submetidas aos regimes de que tratam a Lei nº 6.024, de 13 de março de 1974, e o Decreto-lei nº 2.321, de 25 de fevereiro de 1987. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2013

BRASIL. Instrução CVM nº 308, de 14 de maio de 1999. Instrução sobre o registro e o exercício da atividade de auditoria independente no âmbito do mercado de valores mobiliários. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2013.

BRASIL. Instrução CVM nº 509, de 16 de novembro de 2011. Acrescenta artigos à Instrução CVM nº 308 de 14 de maio de 1999 e altera artigos e anexo da Instrução CVM nº 480, de 7 de dezembro de 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2013.

CARCELLO, J.; NAGY, A. Audit firm tenure and fraudulent financial reporting. Auditing: A Journal of Practice & Theory, v. 23, n. 2, p. 55-69, 2004.

CARDOZO, J.S.S. Origem e Conceitos de Auditoria. Revista de Contabilidade do Mestrado de Ciências Contábeis da UERJ, Rio de Janeiro, v.2, n. 2, p. 27-36, 1997.

CORREIA, P. Oligopólio das Big Four. Brasília, 20 maio 2011. Disponível em: . Acesso em: 06 abr. 2012.

CREPALDI, S.A. Auditoria Contábil: Teoria e Prática. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

DANIELS, B.W.; BOOKER, Q. The effects of audit firm rotation on perceived auditor independence and audit quality. Research in Accounting Regulation, v. 23, n.1, p.78-82, 2011.

DANTAS, J.A. et al. Concentração de auditoria no mercado de capitais brasileiro. Revista de Contabilidade e Organizações, Ribeirão Preto, v. 6, n.14, p. 4-21, jan./abr. 2012.

DE FOND, M.L.; WONG, T.J.; LI, S. The impact of improved auditor independence on audit market concentration in China. Journal of Accounting and Economics, v.28, n. 3, p. 269-305, 2000.

DOOGAR, R.; EASLEY, R. F. Concentration without differentiation: a new look at the determinants of audit market concentration. Journal of Accounting and Economics, v.25, n. 3, p. 235-253, 1998.

FALCÃO, M. Mais rigor na auditoria. Jornal Valor Econômico, São Paulo, 3 ago. 2011.

FALCÃO, M. Para órgão americano, rodízio aumenta risco de fraude nos balanços. Jornal Valor Econômico, São Paulo, 16 dez. 2011. Gerstner, Lou. Britain’s auditing oligopoly: the 48-year itch. The Economist, Londres, maio 2011.

Gerstner, Lou. Britain’s auditing oligopoly: the 48-year itch. The Economist, Londres, maio 2011.

IMONIANA, J.O. Auditoria: abordagem contemporânea. São Paulo: Associação de Ensino de Itapetinga, 2001.

IUDÍCIBUS, S. et al. Manual de contabilidade societária. São Paulo: Atlas, 2010.

KALLAPUR, S.; SANKARAGURUSWAMY, S.; ZANG, Y. Audit market concentration and audit quality. Social Science Research Network, jan. 2010. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2013.

LI, Y. The Case analysis of the scandal of Enron. International Journal of Business and Management, v. 5, n. 10, p. 37-41, 2010.

MEDEIROS, E.S. de. A atividade de auditoria independente: um breve estudo sobre a independência dos auditores e as normas profissionais aplicáveis. 2005. 70f. Monografia. Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

MYERS, J.N.; MYERS, L.A; OMER, T.C. Exploring the term of the auditor-client relationship and the quality of earnings: a case for mandatory auditor rotation? The Accounting Review, v. 78, n. 3, p. 779-799, 2003.

OLIVEIRA, A.Q. O rodízio das firmas de auditoria e seus impactos nas demonstrações contábeis. 2005. Dissertação. (Mestrado em Ciências Contábeis) – Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2005.

REIS, G.M.R. O Rodízio de auditores independentes e a analise se existe ou não impactos no gerenciamento de resultados das empresas auditadas. 2009. 167 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Mestrado em Contabilidade, Faculdade de Ciências Contábeis, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009.

REVISTA EXAME. As 100 Maiores Empresas do Brasil 2012. Disponível em:. Acesso em: 15 jun. 2013.

TANOUE, L. Maioria é contra o rodízio de auditoria nos Estados Unidos. Revista Capital Aberto, São Paulo, n. 103, mar. 2012.

TORRES, F. CVM acompanha à distância debate sobre concentração. Jornal Valor Econômico, São Paulo, 10 ago. 2010.

TORRES, F.. Rodízio de firmas de auditoria: até breve, auditor. Jornal Valor Econômico, São Paulo, 28 dez. 2011.

VELTE, P.; STIGLBAUER, M. Audit market concentration and its influence on audit quality. International Business Research, v.5, n. 11, p. 146-161, 2012.

VERGARA, S.C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 13. ed. São Paulo: Atlas, 2011.