Interação e cooperação de empresas incubadas de base tecnológica: uma análise diante do novo paradigma de inovação Outros Idiomas

ID:
2445
Resumo:
A tecnologia em tempos atuais é entendida não mais como de caráter exógeno, que ocorre no interior da empresa, mas como um fenômeno sistêmico e interativo, marcado por diferentes formas de cooperação e aprendizagem entre os diversos tipos de atores. No Brasil, entre as ações que buscam alavancar a inovação e o desenvolvimento tecnológico está a promoção de empresas de base tecnológica (EBTs), especialmente quando inseridas em ambiente de incubadoras. Considerando o caráter interativo da inovação, o contexto das EBTs e sua importância para o desenvolvimento tecnológico, este artigo tem por finalidade avaliar, em face do novo paradigma de inovação: (i) o grau de importância percebido por essas empresas para as interações e relações de cooperação, em seu estágio atual de incubação, e (ii) a tendência desse comportamento para o período de pós-incubação. Os resultados mostraram que as EBTs, embora apresentem uma tendência (pós-incubação) positiva ao desenvolvimento de ações conjuntas e maior interação no estágio de incubação, caracterizam-se por serem de baixa intensidade, apresentando conceitos ainda incipientes sobre o modelo interativo de inovação.
Citação ABNT:
IACONO, A.; ALMEIDA, C. A. S.; NAGANO, M. S. Interação e cooperação de empresas incubadas de base tecnológica: uma análise diante do novo paradigma de inovação. Revista de Administração Pública, v. 45, n. 5, p. 1485-1516, 2011.
Citação APA:
Iacono, A., Almeida, C. A. S., & Nagano, M. S. (2011). Interação e cooperação de empresas incubadas de base tecnológica: uma análise diante do novo paradigma de inovação. Revista de Administração Pública, 45(5), 1485-1516.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/2445/interacao-e-cooperacao-de-empresas-incubadas-de-base-tecnologica--uma-analise-diante-do-novo-paradigma-de-inovacao/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABREU, F. et al. Aprendizagem e criação do conhecimento em incubadoras. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO — ENANPAD, XXX, Salvador, 2006. Anais...

ALBAGLI S.; MACIEL, M.L. Informação e conhecimento na inovação e no desenvolvimento local. Ciência da Informação, v. 33, n. 3, p. 9-16, set./dez. 2004.

AMATO NETO, J. Redes de cooperação produtiva e clusters regionais: oportunidades para as pequenas e médias empresas. São Paulo: Atlas, 2000.

ANDINO, B.F.A. Impacto da incubação de empresas: capacidades de empresas pósincubadas e empresas não incubadas. Dissertação (mestrado em administração de empresas) — Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

ANPROTEC. Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos de Tecnologias Avançadas. Incubadoras e parques. Disponível em: . Acesso em: 16 maio 2007.

BRITTO, J. Cooperação tecnológica e aprendizado coletivo em redes de firmas: sistematização de conceitos e evidências empíricas. In: ENCONTRO DA ANPEC, XIX, Salvador, 2001. Anais...

CAMPOS, A.L.S. Ciência, tecnologia e economia. In: PELAEZ, V.; SZMRECSÁNYI, T. (Org.). Economia da inovação tecnológica. São Paulo: Hucitec, 2006.

CASSIOLATO, J.E.; BRITTO, J.N.P.; VARGAS, M. Arranjos cooperativos e inovação na indústria brasileira. In: DE NEGRI, J.A.; SALERNO, M.S. (Org.). Inovações, padrões tecnológicos e desempenho das firmas industriais brasileiras. Brasília: Ipea, 2005.

CASSIOLATO, J.E.; LASTRES, H.M.M. Inovação e sistemas de inovação: relevância para a área de saúde. RECIIS — Revista Eletrônica de Comunicação, Informação & Inovação em Saúde, v. 1, n. 1, p. 153-162, jan./jun. 2007.

CASSIOLATO, J.E.; LASTRES, H.M.M. Sistemas de inovação e desenvolvimento: as implicações de política. São Paulo em Perspectiva, v. 19, n. 1, p. 34-45, jan./mar. 2005.

CHENG, L.C. et al. Plano tecnológico: um processo auxiliar ao desenvolvimento de produtos de empresas de base tecnológica de origem acadêmica. Locus Científico, v. 1, n. 2, p. 32-40, 2007.

CONDE, M.; ARAÚJO-JORGE, T. Modelos e concepções de inovação: a transição de paradigmas, a reforma da C&T brasileira e as concepções de gestores de uma instituição pública de pesquisa em saúde. Revista Ciência e Saúde Coletiva, v. 8, n. 3, p. 727-741, 2003.

CÔRTES, M. R. et al. Cooperação em empresas de base tecnológica: uma primeira avaliação baseada numa pesquisa abrangente. São Paulo em Perspectiva, v. 19, n. 1, p. 85-94, jan./mar. 2005.

DE NEGRI, J.A.; FREITAS, F. Inovação tecnológica, eficiência de escala e exportações brasileiras. Brasília: Ipea, 2004. (Texto para Discussão, 1044)

DE NEGRI, J.A.; SALERNO, M.S. Inovações, padrões tecnológicos e desempenho das firmas industriais brasileiras. Brasíla: Ipea, 2005.

DORNELAS, José C. Planejando incubadoras de empresas: como desenvolver um plano de negócios para incubadoras. 9. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

FONTES, Margarita; COOMBS, Rod. Contribution of new technology-based firms to the strengthening of technological capabilities in intermediate economies. Research Policy, Lisbon, v. 30, n. 1, p. 79-97, 2001.

KLINE, S.J.; ROSENBERG, N. An overview of innovation: In: LANDAU, R; ROSENBERG, N. (Ed.). The positive sum strategy: harnessing technology for economic growth. Washington DC: National Academy Press, 1986.

LEÃO, L.F.B.; HIDAKA, L.T. Incubadoras de empresas como mecanismo de indução à criação de ambientes de conhecimento e inovação em sociedades tradicionais: o caso de Alagoas. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE PARQUES TECNOLÓGICOS E INCUBADORAS DE EMPRESAS, XVI, 2006.

MARTÍNEZ, Juan B. El proceso de creación de EIBTs: ciclo vital e apoyos al desarrollo y crecimiento. Creara Fundación San Telmo. Madrid: Ances, 2003.

MIZIARA, G.N.; CARVALHO, M.M. Fatores críticos de sucesso em incubadoras de empresas de software. Revista Produção Online, v. 8, n. 3, 2008.

MOREIRA, J.H. Modelo de gestão para incubação de empresas orientado a capital de risco. 136 f. Dissertação (mestrado em engenharia de produção) — Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002.

MUNIZ, S.; PLONSKI, G.A. Competitividade e aprendizagem tecnológica e organizacional: um elo indissociável. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, XX, São Paulo, 2000. Anais...

OECD. Organization for Economic Co-operation and Development. Oslo manual: guidelines for collecting and interpreting innovation data, 2005.

SALERNO,M.S.; DAHER, T. Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior do Governo Federal (PITCE): balanço e perspectivas. 2006. Disponível em: . Acesso em: dez. 2009.

SALERNO, M.S.; KUBOTA, L.C. Estado e inovação. In: DE NEGRI, J.A.; KUBOTA, L.C. (Org.) Políticas de incentivo à inovação tecnológica. Brasília: Ipea, 2008.

SCHERMERHORN JR., J.R. Inter-firm cooperation as a resource for small business development. Journal of Small Business Management, Milwankee, v. 18, n. 2, p. 48-54, 1980.

SCHMITZ, H. Collective efficiency and increasing returns. Cambridge Journal of Economics, v. 23, n. 4, p. 465-483, July 1999.

SCMOOKLER, J. Economic sources of inventive activity (1962). In: ROSENBERG, N. (Ed.). The economics of technical change. Londres: Penguin Books, 1971.

SHIKIDA, P.F.A.; LOPEZ, A.A.O. A questão da mudança tecnológica e o enfoque neoclássico. Teoria e Evidência Econômica, v. 5, n. 9, p. 79-90, maio 1997.

SILVA.G.S. Geração e difusão de conhecimento em sistemas locais de produção. 252 f. Tese (doutorado) — Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

STEINMUELLER, E. Basic research and industrial innovation. In: DODGSON, Mark; ROTHWELL, Roy (Org.). The handbook of industrial innovation. Londres: Elgar Publishers, 1994.

TOLEDO, D.G.C. et al. Estratégias de inovação em sete países: Estados Unidos, Canadá, Irlanda, Reino Unido, Finlândia, França e Japão. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, XXXIII, 2009.

VIOTTI, E.B. Evolução e desafios da política brasileira de ciência e tecnologia: o papel reservado às empresas. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AVALIAÇÃO DE POLÍTICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO, Rio de Janeiro, 2007.