Finanças comportamentais no Brasil: um estudo comparativo Outros Idiomas

ID:
25896
Resumo:
Na base dos modernos e principais modelos de finanças encontram-se algumas hipóteses sobre o comportamento humano que vêm sendo contestadas por um ramo de estudo denominado Finanças Comportamentais. Esse artigo tem como objetivo contextualizar esse recente campo de estudo e replicar a investigação empírica do artigo seminal de Kahneman e Tversky (1979) que aborda a Teoria do Prospecto e constitui a base das Finanças Comportamentais. Simultaneamente, são comparados os resultados da presente pesquisa com os de Kahneman e Tversky (1979) e Cruz, Kimura e Krauter (2003), que também aplicaram a mesma pesquisa no contexto brasileiro. Os achados evidenciam que os agentes econômicos tomam decisões muitas vezes incompatíveis com atitudes baseadas no comportamento racional, e corroboram conceitos fundamentais da Teoria do Prospecto - efeito certeza, efeito reflexão e efeito isolamento. As semelhanças dos resultados das pesquisas sugerem que aspectos comportamentais na tomada de decisões prevalecem no tempo e recebem pouco predomínio de vieses culturais.
Citação ABNT:
ROGERS, P.; SECURATO, J. R.; RIBEIRO, K. C. S. Finanças comportamentais no Brasil: um estudo comparativo. Revista de Economia e Administração, v. 6, n. 1, p. 49-68, 2007.
Citação APA:
Rogers, P., Securato, J. R., & Ribeiro, K. C. S. (2007). Finanças comportamentais no Brasil: um estudo comparativo. Revista de Economia e Administração, 6(1), 49-68.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/25896/financas-comportamentais-no-brasil--um-estudo-comparativo/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português