Agentes de implementação: mediação, dinâmicas e estruturas relacionais Outros Idiomas

ID:
2775
Resumo:
O presente trabalho aborda a implementação das políticas públicas no nível local, em áreas de alta concentração de pobreza, a partir do estudo da mediação estrutural e dinâmica estabelecida pelos agentes implementadores entre a população e o poder público. Analisamos como esses agentes de implementação realizam suas práticas a partir da construção de mecanismos relacionais, da sua estrutura de redes pessoais e da interface entre a ação pública e a sociedade, e suas consequências no acesso da população aos serviços públicos. Os resultados pretendem contribuir para a compreensão da implementação local no resultados das políticas públicas no arranjo federativo brasileiro. Os resultados empíricos usados para a reflexão da temática do trabalho foram gerados em estudos qualitativos, com base etnográfica, e de aná­lise de redes sociais desenvolvidos com Agentes Comunitários de Saúde em distintas regiões do Brasil, entre 2004 e 2005. Foram estudados ACS dos municípios de Sobral, São Paulo, Taboão da Serra e Santo André, a partir de acompanhamento etnográfico de suas ações e com levantamento das redes sociais dos agentes e da comunidade de implementação do Programa Saúde da Família.
Citação ABNT:
LOTTA, G. S. L.; PAVEZ, T. R. Agentes de implementação: mediação, dinâmicas e estruturas relacionais. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, v. 15, n. 56, art. 7, p. 109-125, 2010.
Citação APA:
Lotta, G. S. L., & Pavez, T. R. (2010). Agentes de implementação: mediação, dinâmicas e estruturas relacionais. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 15(56), 109-125.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/2775/agentes-de-implementacao--mediacao--dinamicas-e-estruturas-relacionais/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABRUCIO, F. L. A coordenação federativa no Brasil: a experiência do período FHC e os desafios do governo Lula. Revista de Sociologia e Política, n. 24, p. 41-67, jun. 2005.

ALMEIDA R.; D’ANDREA T. Estrutura de oportunidades em uma favela de São Paulo. In: São Paulo: segregação, pobreza e desigualdade sociais. São Paulo: Senac, 2005. p. 195-209.

ARRETCHE, M. Federalismo e políticas sociais no Brasil: problemas de coordenação e autonomia. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 17-26, 2004.

BRIGGS, X. Ties that bind, bridge and constrain: social capital and segregation in the American metropolis. In: International Seminar on Segregation and the City. Lincoln Institute for Land Policy, Cambridge, MA, July 2001. Disponível em: . 2001.

BURT, R. Structural holes in the social structure of competition. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1992.

CEM-CEBRAP, SAS-PMSP. Mapa da vulnerabilidade social da população da cidade de São Paulo. São Paulo: SESC-SP, 2004.

COBURN C.; STEIN M. K. Communities of practice theory and the role of teacher professional community in policy implementation. In: HONIG, M. (Ed.) New Directions in Education Policy Implementation: Confronting Complexity. Albany, NY: SUNY Press, 2007.

DATNOW, A. Connections in the policy chain: the “coconstruction” of implementation in comprehensive school reform. In: HONIG, M. (Ed.) New Directions in Education Policy Implementation: Confronting Complexity. Albany, NY: SUNY Press, 2007. p. 105-123.

FILGUEIRAS, F.; KATZMAN, R. Una mirada crítica al “assetsvulnerability approach” - Orígenes, aplicaciones y posibles innovaciones. Santiago de Chile: Comisión Económica para América Latina y el Caribe (Cepal), 1998.

GONÇALVES, R.; LOTTA, G.; BITELMAN, M. A coordenação federativa de políticas públicas duas décadas após a Constituição Federal de 88. In: ENCONTRO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E GOVERNANÇA, 3., 2008, Salvador. Anais... Salvador: EnAPG, 2008.

GRANOVETTER, M. The strength of weak ties. American Journal of Sociology, v. 91, n. 3, 1973.

HILL, M. (Org.) New Agendas in the Study of the Policy Process. Hertfordshire, UK: Harvester Wheatsheaf, 1982.

KUSCHNIR, K. O cotidiano da política. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

LIN, N. Social Capital: A Theory of Social Structural and Action, Structural Analysis in the Social Science, v. 19. Cambridge: Cambridge University Press. 2001

LIPSKY, M. Street-Level Bureaucracy: Dilemmas of the Individual in Public Service. New York: Russell Sage Foundation, 1980.

LOTTA, G. Agentes de implementação: um olhar para as políticas públicas. ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIÊNCIA POLÍTICA, 6., 2008, Campinas. Anais... Campinas, ABCP, 2008.

LOTTA, G. Estilos de implementação: ampliando o olhar para análise de políticas públicas. In: ENCONTRO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E GOVERNANÇA, 3., 2008, Salvador. Anais... Salvador: EnAPG, 2008.

LOTTA, G. Implementação de políticas públicas: o impacto dos fatores relacionais e organizacionais sobre a atuação dos burocratas de nível de rua no Programa Saúde da Família. 2010. Tese (Doutorado) - Departamento de Ciência Política da USP, São Paulo, 2010.

LOTTA, G. Saber e poder: agentes comunitários de saúde aproximando saberes locais e políticas públicas. 2006. Dissertação (Mestrado) - Programa de Administração Pública e Governo da EAESP/FGV, São Paulo, 2006.

LOTTA, G.; PAVEZ, T. Burocracia implementadora: dinâmicas e estruturas relacionais das políticas públicas. ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM CIÊNCIAS SOCIAIS, 32., 2008, Caxambu. Anais... Caxambu, MG: ANPOCS, 2008.

MARQUES, E. C. Elementos conceituais da segregação, da pobreza urbana e da ação do Estado. In: São Paulo: segregação, pobreza e desigualdade sociais. São Paulo: Senac, 2005. p. 19-56.

MARQUES, E. C. Estado e redes sociais: permeabilidade e coesão nas políticas urbanas no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Revan; São Paulo: Fapesp, 2000.

MARQUES, E. C. Redes sociais, instituições e atores políticos no governo da cidade de São Paulo. São Paulo: Annablume; Fapesp, 2003.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria 648 de 2006. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

MISCHE, A. Partisan Publics: Communication and Contention across Brazilian Youth Activist Networks. Princeton, NJ: Princeton University Press, 2007.

NUNES, E. A gramática política do Brasil: clientelismo e insulamento burocrático. Rio de Janeiro: Jorge Zahar; Enap. 1997.

PAVEZ, T.; TOLEDO, D.; GONÇALVES, R. Redes sociais, mobilização e segurança pública: evolução da rede de atores da segurança pública no processo preparatório da 1ª Conferência Nacional de Segurança Pública. Brasília: Ministério da Justiça, 2009.

PEREGRINO, M. Desigualdade numa escola em mudança: trajetórias e embates na escolarização pública de jovens pobres. 2006. Tese (Doutorado) - Curso de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2006.

ROMÁN, M. ¿Por qué los docentes no pueden desarrollar procesos de enseñanza-aprendizaje de calidad en contextos sociales vulnerables? In: Persona y Sociedad, Santiago, v. 17, n. 1, p. 113-128, 2003.

SABATINI, F. Medición de la segregación residencial: reflexiones metodológicas desde la ciudad latinoamericana. In: CÁCERES, G.; SABATINI, F. (Eds.) Barrios cerrados en Santiago de Chile: entre la exclusión y la integración residencial. Cambridge, MA; Santiago de Chile: Lincoln Institute of Land Policy; PUc-Chile, 2004.

SALUM, M. L. Avaliação da política de urbanização de favelas em São Paulo no período (1989-1992).1999. Dissertação (Mestrado em Administração Pública) - Fundação Getulio Vargas/EAESP, São Paulo, 1999.

SPINK, P. O lugar do lugar na análise organizacional. Revista de Administração Contemporânea, v. 5, Edição Especial, p. 11-34, 2001.

SUNKEL, G. La pobreza en la ciudad: capital social y políticas públicas. In: AtRIA, R.; SILeS, M. (Orgs.) Capital social y reducción de la pobreza en América Latina y el Caribe:en busca de un nuevo paradigma. Libros de la Cepal, n. 71. Santiago de Chile: Comisión Económica para América Latina y el Caribe, 2003. cap. IX, p. 303-338.

TILLY, C. Afterword: political ethnography as art and science. Qualitative Sociology, v. 29, n. 3, p. 409-412, 2006.

TORRES, H. G.; PAVEZ, T.; GOMES, S. E.; BICHIR, R. M. Educação na Periferia de São Paulo: ou como pensar as desigualdades educacionais? In: RIBEIRO, L. C. Q.; KAZTMAN, R. A cidade contra a escola: segregação urbana e desigualdades educacionais. Rio de Janeiro: Letracapital, 2008. p. 59-90.

tORReS, H. Medindo a segregação. In: São Paulo: segregação, pobreza e desigualdade sociais. São Paulo: Senac, 2005. p. 81-99.

TORRES, H.; PAVEZ, T.; GONÇALVES, R. Segregação residencial: um problema para as políticas públicas? In: CUNHA, C. E.; FARIA, M. Governo local e políticas urbanas na América do Sul. Belo Horizonte: PUC-MG. No prelo.

WILDAVSKY, A. Speaking Truth to Power: The Art and Craft of Policy Analysis. Boston: Little Brown, 1979.

WOLF, E. Aspects of group relations in a complex society: Mexico. American Anthropologist, New Series, v. 58, n. 6, p. 1065-1078, Dec. 1956.

WOOLCOCK, M. Social capital and economic development: toward a theoretical synthesis and policy framework. Theory and Society, n. 27, 1998.