Código de conduta: grau de adesão às recomendações do IBGC pelas empresas listadas na BM&FBovespa Outros Idiomas

ID:
28572
Resumo:
A conjugação de ética e governança corporativa pode ser fator decisivo para o sucesso empresarial. Como canais orientadores, códigos de conduta ou códigos de ética explicitam os comportamentos morais e éticos desejáveis no ambiente empresarial. Dentre as melhores práticas de governança corporativa, o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) recomenda que as organizações devem elaborar seus próprios códigos de conduta. Nesse contexto, a pesquisa tem como objetivo investigar o grau de adesão às recomendações do IBGC pelas empresas listadas na BM&FBovespa para elaboração de seus códigos de conduta empresarial. Para tanto, foram coletados os dados disponíveis nos websites das 166 empresas componentes da amostra da pesquisa. Foram aplicados testes estatísticos (Anacor) para apurar a associação entre o grau de adesão ao código do IBGC e o segmento de listagem das empresas na BM&FBovespa e a associação entre o grau de adesão ao código do IBCG e o respectivo setor de atuação. A análise dos dados não confirmou a hipótese inicial de que os três níveis diferenciados de governança corporativa apresentam maior grau de adesão. Na análise por setor de atuação, foi confirmada, parcialmente, a hipótese de que setores regulados apresentam maior grau de adesão às recomendações do IBGC.
Citação ABNT:
AZEVEDO, H.; LUCA, M. M. M.; HOLANDA, A. P.; PONTE, V. M. R.; SANTOS, S. M. D. Código de conduta: grau de adesão às recomendações do IBGC pelas empresas listadas na BM&FBovespa. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, v. 11, n. 1, p. 2-13, 2014.
Citação APA:
Azevedo, H., Luca, M. M. M., Holanda, A. P., Ponte, V. M. R., & Santos, S. M. D. (2014). Código de conduta: grau de adesão às recomendações do IBGC pelas empresas listadas na BM&FBovespa. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, 11(1), 2-13.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/28572/codigo-de-conduta--grau-de-adesao-as-recomendacoes-do-ibgc-pelas-empresas-listadas-na-bm-fbovespa/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALMEIDA, J.C.G.; SCALZER, R.S.; COSTA, F.M. (2008). Níveis diferenciados de governança corporativa e grau de conservadorismo: estudo empírico em companhias abertas listadas na Bovespa. RCO-Revista de Contabilidade e Organizações, 2(2): 117-130.

ANDRADE, A.; ROSSETTI, J.P. (2009). Governança corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. 4ª ed., São Paulo, Atlas, 584 p.

ARRUDA, M.C.C.; WHITAKER, M.C.; RAMOS, J.M.R. (2009). Fundamentos de ética empresarial e econômica. 4ª ed., São Paulo, Atlas, 220 p.

ASSAD, M.M.N. (2007). Desvio de conduta: um estudo exploratório sobre atitudes antiéticas de empregados do setor industrial. São Paulo, SP. Tese de Doutorado. Fundação Getúlio Vargas, 114 p.

BM&FBOVESPA. (2010). Empresas listadas. Segmento/Setor (Novo Mercado; Nível 2 de Governança Corporativa; Nível 1 de Governança Corporativa; Tradicional Bovespa). Disponível em: http://www.bmfbovespa.com.br/cias-listadas/empresaslistadas/BuscaEmpresaListada.aspx?Idioma=pt-br. Acesso em: 30/04/2010.

BOEIRA, S. (2005). Ética empresarial & capital social: aproximações conceituais. Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis, 2(2): 1-20.

BONDARIK, R.; PILATTI, L.A.; FRANCISCO, A.C. (2006). Managerial ethics: the ethics in the enterprise organizations. Journal of Technology Management & Innovation, 1(5): 69-75.

BUCHERONI, C.A.; MURITIBA, P.M.; MURITIBA, S.N.; RIBEIRO, H.C.M. (2010). Reflexões sobre o aspecto humano na governança corporativa.In: SEMINÁRIOS EM ADMINISTRAÇÃO, 13, São Paulo, 2010. Anais...São Paulo, FEAUSP, p. 1-12.

CAMARGOS, M.A.; COUTINHO, E.S. (2008). A teoria da firma e a fundamentação teórica para fusões e aquisições: uma análise de suas interfaces. RAC-Eletrônica, 2(2): 273-295.

CARVALHO, A.G. (2002). Governança corporativa no Brasil em perspectiva. Revista de Administração, 37(3): 9-32.

ENG, L.L.; MAK, Y.T. (2003). Corporate governance and voluntary disclosure.Journal of Accounting and Public Policy, 22(4): 325-345. http://dx.doi.org/10.1016/S0278-4254(03)00037-1

ESCUDER, S.A.L.; TINOCO, J.E.P. (2008). O conselho fiscal e a governança corporativa: transparência e gestão de conflitos. In: CONGRESSO USP DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE, 8, São Paulo, 2008. Anais...São Paulo, USP, p. 1-15.

FARREL, H.; FARREL, B.J. (1998). The language of business codes of ethics: implications of knowledge and power. Journal of Business Ethics, 17(6): 587-601.

FÁVERO, L.P.; BELFIORE, P.; SILVA, F.L.; CHAN, B.L. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para a tomada de decisões. Rio de Janeiro, Campus, 646 p.

FIANI, R. (1998). Teoria da regulação econômica: estado atual e perspectivas futuras. Rio de Janeiro, IE/UFRJ, 30 p.

FORKER, J.J. (1992). Corporate governance and disclosure quality. Accounting and Business Research, 22(86): 111-124. http://dx.doi.org/10.1080/00014788.1992.9729426

HELIN, S.; SANDSTROM, J. (2007). An inquiry into the study of corporate codes of ethics. Journal of Business Ethics, 75(3): 253-271. http://dx.do i.org/10.1007/s10551-006-9251-x

HO, S.S.; WONG, K.S. (2001). A study of the relationship between corporate governance structures and the extent of voluntary disclosure. Journal of International Accounting, Auditing and Taxation,10(2): 139-156. http://dx.doi.org/10.1016/S1061-9518(01)00041-6

INSTITUTO BRASILEIRO DE ÉTICA NOS NEGÓCIOS. (2010). Pesquisa código de ética corporativo 2010. Disponível em: http://www.pesquisacodigodeetica.org.br/. Acesso em: 20/09/2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA (IBGC). (2009). Código das melhores práticas de governança corporativa. 4ª ed., São Paulo, IBGC, 74 p.

KAPTEIN, M. (2004). Business codes of multinational firms: what do they say? Journal of Business Ethics, 50(1): 13-31. http://dx.doi.org/10.1023/B:BUSI.0000021051.53460.da

KITAGAWA, C.H.; RIBEIRO, M.S. (2006). Estudo comparativo das práticas de governança corporativa recomendadas pela OCDE para América Latina às empresas listadas nos segmentos especiais da Bovespa – Níveis 1, 2, e Novo Mercado. In: CONGRESSO USP DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE, 6, São Paulo, 2006. Anais...São Paulo, USP, p. 1-16.

MOTA, K.C.N.; ANJOS, F.A.; RUSCHMANN, D.M. (2003). Gestão das pessoas na Ilha de Porto Belo/SC: diagnóstico da gestão de estagiários de turismo e hotelaria. Turismo-Visão e Ação, 5(3): 249-270.

MURITIBA, S.N.; RIBEIRO, H.C.M.; MURITIBA, P.M.;DOMINGUES, L.M. (2010). Governança corporativa no Brasil: uma análise bibliométrica das publicações dos últimos dez anos. In: SEMINÁRIOS EM ADMINISTRAÇÃO, 13, São Paulo, 2010. Anais...São Paulo, USP, p. 1-17.

PAI, L.D. (2008). Governança corporativa & ética nas organizações. Saber Acadêmico, 6:90-102.

PIAZZA, M.L.O. (2002). Código de conduta das multinacionais. 2ª ed., São Paulo, Ethos, 30 p.

RAMOS, M.O.A.; QUELHAS, O.L.G. (2008). Elaboração de código de ética empresarial. Estudo de caso na indústria da construção civil. In: CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO, 4, Niterói, 2008. Anais...Niterói, CNEG, p. 1-22.

RICHARDSON, R.J. (1999). Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo, Atlas, 336 p.

SANTOS, L.A.A.; LEMES, S. (2007). Desafio das empresas brasileiras na implantação da lei Sarbanes-Oxley. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 4(1): 37-46.

SECURATO, J.C. (2003). Governança corporativa e fatores de referência gerencial. São Paulo, SP. Monografia de MBA. Universidade de São Paulo, 88 p.

SILVA, V.G.; GOMES, J.S. (2008). O uso do código de conduta ética como instrumento de controle gerencial: estudo de casos em empresas internacionalizadas. Revista Contemporânea em Contabilidade, 1(10): 111-127.

SILVEIRA, A.D.M. (2004). Governança corporativa e estrutura de propriedade: determinantes e relação com o desempenho das empresas no Brasil. São Paulo, SP. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, 250 p.

SILVEIRA, A.D.M. (2010). Governança corporativa no Brasil e no mundo: teoria e prática. Rio de Janeiro, Elsevier, 404 p.

SROUR, G. (2005). Práticas diferenciadas de governança corporativa: um estudo sobre a conduta e a performance das firmas brasileiras. Revista Brasileira de Economia, 59(4): 635-674. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71402005000400006

SROUR, R.H. (1998). Poder, cultura e ética nas organizações. 4ª ed., Rio de Janeiro, Campus, 337 p.

SROUR, R. H. (2008). Ética empresarial. 3ª ed., São Paulo, Atlas, 276 p.

STEVENS, B. (2008). Corporate ethical codes: effective instruments for influencing behavior. Journal of Business Ethics, 78(4): 601-609. http://dx.doi.org/10.1007/s10551-007-9370-z