Estratégias de inovação e RBV: o caso Embrapa algodão Outros Idiomas

ID:
28633
Resumo:
O objetivo deste artigo foi analisar as estratégias de inovação implementadas na Embrapa Algodão, sob a perspectiva da RBV. Para sua consecução foi adotada uma pesquisa qualitativa básica. Os resultados evidenciaram a adoção de um conjunto de estratégias de inovação, o qual pode ser agrupado em cinco classificações teóricas: (1) Proativa; (2) Baseada no processo, velocidade, aprendizagem, tecnologia e mercado (3) oportunista e ofensiva (4) de parceria, e (5) jogando para ganhar. Funcionários qualificados, investimentos em P&D e desenvolvimento de tecnologias foram os recursos mais utilizados para suportar as estratégias de inovação identificadas. Conclui-se que a análise das estratégias de inovação alinhadas à RBV foi capaz de compreender aspectos intrínsecos e, por vezes, obscuros do processo inovativo e na busca da vantagem competitiva.
Citação ABNT:
BARBOSA, R. A.; MACHADO, A. G. C. Estratégias de inovação e RBV: o caso Embrapa algodão. RAUnP - Revista Eletrônica do Mestrado Profissional em Administração da Universidade Potiguar, v. 6, n. 1, p. 9-22, 2013.
Citação APA:
Barbosa, R. A., & Machado, A. G. C. (2013). Estratégias de inovação e RBV: o caso Embrapa algodão. RAUnP - Revista Eletrônica do Mestrado Profissional em Administração da Universidade Potiguar, 6(1), 9-22.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/28633/estrategias-de-inovacao-e-rbv--o-caso-embrapa-algodao/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABERNATHY, W. J.; CLARK, K. B. Innovation: Mapping the Winds of Creative Destruction. Research Policy, v.14, n.1, p. 3-22, 1985.

ALSAATY, F. M.; HARRIS, M. H. The Innovation Event: An Insight into the Occurrence of Innovation. The Business Review, Cambridge, v. 14, n.1, p. 292-299, 2009.

ALVES-MAZZOTTI, A. J.; GEWANDDSZNAJER, F. Os Métodos nas Ciências Sociais e Naturais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Thompson, 1999. cap 7.

BARNEY, J. Firm Resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, v.17, n.1, p. 99120, 1991.

BARNEY, J.; HESTERLY, W. S. Administração estratégica e vantagem competitiva. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007. cap. 3, p. 63-98.

BARROS, G. S. C.. Mesmo com redução dos preços, volume exportado pelo agronegócio inicia 2013 em alta. 2013b. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2013.

BARROS, G. S. C.; ADAMI, A. C. O. Exportações do agronegócio batem novo recorde em 2012, mesmo com queda de preços. 2013a. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2013.

BOWONDER, B. et al. Innovation Strategies for Creating Competitive Advantage. Research Technology Management, v.53, n.3, p. 19-32, 2010.

CHESBROUGH, H. Open innovation: a new paradigm for understanding industrial innovation. In: CHESBROUGH, H.; VANHAVERBEKE, W.; WEST, J. (Ed.). Open innovation: researching a new paradigm. New York: Oxford University Press, 2006. p. 1-27.

CHESBROUGH, H. The era of open innovation. Sloan Management Review, v. 44, n. 3, p. 35-41, 2003.

CHESBROUGH, H.; SCHWARTZ, K. Innovationg business models with co-development partnerships. ResearchTechnology Management, v.50, n.1, p. 55-59, 2007.

DAVILLA, T.; EPSTEIN, M. J.; SHELTON, R. As regras da inovação. Porto Alegre: Bookman, 2007. cap. 3.

EMBRAPA. Missão e atuação da Embrapa. 2012. Disponível em: . Acesso em: 26 jan. 2012.

FLICK, U. Introdução à Pesquisa Qualitativa. 3 Ed. Porto Alegre: Bookman, 2009. Cap. 2, 5, 6, 12, 17 e 18.

FREEMAN, C.; SOETE, L. A economia da inovação industrial. Campinas: Editora da Unicamp, 2008. cap. 11

GILBERT, J. T. Choosing an innovation strategy: Theory and practice. Business Horizons, v. 37, n. 6, p. 16-22, 1994.

GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA, A. B. Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2006.

GRANT, R. M. The resource-based theory of competitive advantage: implications for strategy formulation. California Management Review, v.33, n. 3, p. 114-135, 1991.

HELFAT, C. E.; PETERAF, M. A. The dynamic resource-based view: Capability lifecycles. Strategic Management Journal, v. 24, n. 10, p. 997-1010, 2003.

HITT, Michael A.; IRELAND, R.; HSKISSON, Robert E. Administração estratégica. 2 ed. São Paulo: Thomson Learning, 2008, cap. 1, p. 2-31.

KATZ, R.; PAAP, J. Anticipating disruptive innovation. Research Technology Management, v. 47, n.5, p. 13-22, Sec/Oct, 2004.

LENDEL, V.; VARMUS, M. Creation and implementation of the innovation strategy in the enterprise. Economics and management, v.16, p. 819-825, 2011.

LYNN, S. G.; AKGUN, A. E. Innovation strategies under uncertainty: A contingency approach for new product development. Engineering Management Journal, v. 10, n. 3, p. 11-17, Sep, 1998.

MERRIAM, S. B. Qualitative Research: a guide to design and interpretation. San Francisco: Jossey-Bass, 2009. cap. 1, 2, 3, 5, 8 e 9.

PENROSE, E. A Teoria do Crescimento da Firma. Tradutor: Tomas Szmrecsányi-Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2006. Tradução de: The Teory of the growth of the firm.

PETERAF, M. A. The cornerstones of competitive advantage: a resource-based view. Strategic Management Journal, v. 1, p.179-191, 1993.

POPA, I.; DOBRIN, C.; POPESCU, D.; DRAGHICI, M. Competitive Advantage in the Public Setor. Theoretical and Empirical Researches in Urban Management, v. 6, n. 4, p. 60-66, nov., 2011.

PRAHALAD, C.; HAMEL, G. The core competence of the corporation. Harvard Business Review, v. 68, issue 3, p. 79-91, May/Jun, 1990.

SALAZAR, V, S. et al. Resourced based view: das proposições de Penrose à internacionalização. Revista Eletrônica do Mestrado Profissional em Administração (RAUnP), v.5, n. 1, p. 71-79, 2012.

SAMPIERE R. H.; COLLADO C. F.; LUCIO B. P. Metodología de La investigación. México: Mcgraw Hill, 1991.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. Tradução de Maria Sílvia Possas. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

SCHWANDT, T. A. Três posturas epistemológicas para a investigação qualitativa: Interpretativismo, hermenêutica e construcionismo social. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. e colaboradores. (2. Ed.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Brookman e Artmed, 2006, p. 193-217.

TEECE, D. J.; PISANO, G.; SHUEN, A. Dynamic capabilities and strategy management. Strategic Management Journal, v. 18, n. 7, p. 509-533, 1997.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Gestão para inovação. 3.ed. Porto Alegre: Bookman, 2008. cap. 1.

WERNERFELT, B. A Resourced-based View of the firm. Strategic Management Journal. V. 5, n.2, p. 171180, Apr/Jun, 1984.

WINTER, S. Understanding dynamic capabilities. Strategic Management Journal, v. 24, p.991-995, 2003.

ZOOLO, M.; WINTER, S. G. Deliberate learning and the evolution of dynamic capabilities. Organization Science, v. 13, p. 339-351, 2002.