Influência da escala de Aldrete e Kroulik nas estratégias de gestão da Sala de Recuperação Pós-Anestésica Outros Idiomas

ID:
28769
Resumo:
Os critérios de alta da sala de recuperação pós-anestésica (SRPA) podem ser sistematizados através de protocolos assistenciais, como a escala de Aldrete e Kroulik, por critérios empíricos ou pelo anestesiologista que realizou o procedimento anestésico ao estabelecer um horário para alta. Este estudo objetiva validar a utilização da escala de Aldrete e Kroulik como uma ferramenta na gestão eficiente da SRPA. Foram analisados restrospectivamente os dados coletados de 233 prontuários e constaram da classificação ASA, tempo programado para alta da SRPA determinado pelo anestesiologista, a pontuação estabelecida pela escala de Aldrete e Kroulik na admissão e na alta da SRPA e o tempo de permanência na SRPA determinado pelo escala de Aldrete e Kroulik. A média do escore de Aldrete e Kroulik na admissão dos pacientes na SRPA foi 7,1 (DP=0,05) com mínimo de 6 e máximo de 9. Na alta da SRPA, a média do escore de Aldrete e Kroulik foi 9,9 (DP =0,02) com mínimo de 9 e máximo de 10. Houve significância estatística na comparação do tempo estimado para alta pelo anestesiologista e tempo médio real estabelecido pela escala de Aldrete e Kroulik. A escala de Aldrete e Kroulik, como um critério sistematizado de alta da SRPA, é validada como uma ferramenta na gestão eficiente da sala de recuperação pós-anestésica.
Citação ABNT:
VOLQUIND, D.; FELLINI, R. T.; SCHNOR, O. H.; FLORES, R. G.; LONDERO, B. B. Influência da escala de Aldrete e Kroulik nas estratégias de gestão da Sala de Recuperação Pós-Anestésica. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde, v. 11, n. 1, p. 99-104, 2014.
Citação APA:
Volquind, D., Fellini, R. T., Schnor, O. H., Flores, R. G., & Londero, B. B. (2014). Influência da escala de Aldrete e Kroulik nas estratégias de gestão da Sala de Recuperação Pós-Anestésica. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde, 11(1), 99-104.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/28769/influencia-da-escala-de-aldrete-e-kroulik-nas-estrategias-de-gestao-da-sala-de-recuperacao-pos-anestesica/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALDRETE JA, Kroulik D – A Postanesthetic Recovery Score. Anesthesia and Analgesia, v. 49, n. 6, p. 924-934, 1970.

ALDRETE JA. The post-anesthesia recovery score revisited. Journal Clinical Anesthesia, v.96, n.7, p. 89-91, 1995.

ASA American Society of Anesthesiologists Task Force on Post Anesthetic CarePractice Guidelines for Post Anesthetic Care. Anesthesiology, v.96, n. 3, p.742-752, 2002.

BOTHNER U, Georgieff M, Schwilk B. The Impact of Minor Perioperative AnesthesiaRelated Incidents, Events, and Complications on Postanesthesia Care Unit Utilization. Anesthesia and Analgesia, v.89, n.2, p.506 –513, 1999.

DEXTER F, Bayman EO, Epstein RH. Statistical modeling of average and variability of time to extubation for meta-analysis comparing desflurane to sevoflurane. Anesthesia and Analgesia, v.110, n. 2, p.570–580, 2010.

DEXTER F, Tinker JH. Analysis of strategies to decrease post anesthesia care unit costs. Anesthesiology, v.82, n.1, p.94-101, 1995.

GANEM EM, Vianna PTG , Fabris P et al – Comparação da Recuperação de Anestesia Venosa com Propofol e Anestesia Inalatória com Sevoflurano para Laparoscopia Ginecológica. Revista Brasileira Anestesiologia, v.49, n.2, p.84-88, 1999.

KINGDON B., Newman K. Determining Patient Discharge Criteria in an Outpatient Surgery Setting. AORN Journal, v.83, n. 4, p.898-904, 2006.

OLIVEIRA Fº, GR – Rotinas de Cuidados Pós-Anestésicos de Anestesiologistas Brasileiros. Revista Brasileira de Anestesiologia, v.53, n.4, p.518-534, 2003.

SONG D, Joshi GP, White PF – Fast-track eligibility after ambulatory anesthesia: A comparison of desflurane, sevoflurane and propofol. Anesthesia and Analgesia, v.86, n. 2, p.267-273, 1998.

VAGENAS K, Spyrakoloulos P, Karanikolas M et al – Mini-Laparotomy Cholecistectomy Versus Laparoscopic Cholecistectomy: Which Way to Go? Surgical Laparoscopy, Endoscopy & Percutaneous Techniques, v.16, n. 5, p.321-324, 2006.

WADDLE JP, Evers AS and Piccirillo – Postanesthesia Care Unit Length of Stay: Quantifyng and Assessing Dependent Factors. Anesthesia and Analgesia, v.87, n. 3, p. 628633, 1998.

YUAN CT, Walsh D, Tomarken JL et al. Incorporating the World Health Organization Surgical Safety Checklist into Practice at Two Hospitals in Liberia. Disponível em: http://www.jointcommissioninternational.org/May-2012-Journal-Article/. Acessado em abril: 2013.