A formação de professores e de pesquisadores em Administração: contradições e alternativas Outros Idiomas

ID:
28772
Resumo:
O objeto deste ensaio é a formação do professor e do pesquisador no âmbito dos cursos stricto sensu em Administração. Em tese, os programas de pós-graduação stricto sensu devem contribuir para formar professores e pesquisadores críticos, capazes de refletir e compreender o processo educativo e a epistemologia do conhecimento, seus limites, métodos e possibilidades. Entretanto, eles estão prioritariamente voltados para a formação do pesquisador e visivelmente distantes da formação pedagógica. Tal lacuna na concepção do professor de Administração exige a reflexão sobre alternativas para sua formação pedagógica. Entre elas, reconhecendo o papel indutivo da avaliação da CAPES, propõe-se o estímulo à criação de linhas de pesquisa em Ensino e Aprendizagem em Administração. Também se reivindica maior atuação política dos professores, coordenadores de curso e associações que os representam, entre elas a ANPAD – Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Administração.
Citação ABNT:
PATRUS, R.; LIMA, M. C. A formação de professores e de pesquisadores em Administração: contradições e alternativas. Revista Economia & Gestão, v. 14, n. 34, p. 4-29, 2014.
Citação APA:
Patrus, R., & Lima, M. C. (2014). A formação de professores e de pesquisadores em Administração: contradições e alternativas. Revista Economia & Gestão, 14(34), 4-29.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/28772/a-formacao-de-professores-e-de-pesquisadores-em-administracao--contradicoes-e-alternativas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ADORNO, T.W. Educação e emancipação. São Paulo: Paz & Terra, 1995.

AKTOUF, O. Ensino de administração: por uma pedagogia para mudança. In: Organização & Sociedade, v. 12, n. 35, 151-159, out./dez.2005.

ALCADIPANI. R. Academia e a fábrica de sardinhas In: Organização & Sociedade, Salvador, v. 18, n. 57, p. 345-348, abr./jun., 2011.

ANASTASIOU, L. G. C. A docência no ensino superior: desafios e possibilidades. In: Ensino de graduação: desafios e perspectivas. For GRAD em Revista. Vitória, n. I, p. 5-8. 2006.

ANASTASIOU, L. G. C; ALVES, L. P. Estratégias de ensinagem. In: Processos de ensinagem na universidade. Joinville: Ed. Univille, 2003.

BARROS, K. S. M. O que é um Ensaio? Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 15, n. 2, p. 333-337, mar./abr, 2011. Bimestral. Disponível em: . Acesso em: 1 mar. 2011.

BASTOS, C. C. B. C. Docência, pós-graduação e a melhoria do ensino na universidade: uma relação necessária. In: Educere et Educare, v. 2, n. 4, p. 103-112, jul./dez. 2007.

BERTERO, C. O. O Que é um Ensaio Teórico? Réplica a Francis Kanashiro Meneghetti. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 15, n. 2, p. 338-342, mar./abr., 2011. Disponível em: . Acesso em: 1 mar.2011.

BIANCHETTI, L.; MACHADO, A. M. N. Trabalho docente no stricto sensu: publicar ou morrer? In: FIDALGO, F.; OLIVEIRA, M. A. M.; Fidalgo, N. L. R. (Org.). A intensificação do trabalho docente – tecnologias e produtividade. Campinas: Papirus, 2009.

BOURDIEU, P. Esquisse d’une théorie de la pratique. Genève: Droz, 1972.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional de 1996. Disponível em: . Acesso em: 10 de maio de2011.

CAPES. Avaliação Trienal 2010: planilhas comparativas. 2009. Disponível em: . Acesso em: 23 fev.2011.

CAPES. Documento de área e Comissão da Trienal 2013. (Documento de Área 2013). 2013. Disponível em: http://www.capes.gov.br/images/stories/download/avaliacaotrienal/Docs_de_area/Administra%C 3%A7%C3%A3o_doc_area_e_comiss%C3%A3o_16out.pdf . Acesso em: 23 out. 2013.

CAPES. Relatório de Avaliação 2007-2009 – (Documento de Área), 2009. Disponível em: . Acesso em: 23 fev.2011.

CAPES. Relatório de divulgação dos resultados da avaliação trienal 2010. 2010 Disponível em: . Acesso em: 23 fev.2011.

CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOS. Doutores 2010. Estudos da demografia de base técnico-científica brasileira. Brasília: CGEE, 2010.

CHAMLIAN, H. C. Docência na universidade: professores inovadores na USP. In: Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 1, n. 118, p. 41-64, mar. 2003.

COHN, G. (org.). Max Weber. São Paulo: Ática, 1991.

CUNHA, M. I. Ensino como mediação da formação do professor universitário. In: MOROSINI, M. C. (org.) Professor do ensino superior: identidade, docência e formação. Brasília: Plano Editora, 2001.

CUNHA, M. I. Ensino com pesquisa: a prática do professor universitário In: Cadernos de Pesquisa, Fundação Carlos Chagas, São Paulo, n. 97, p. 31-46, maio 1996.

CUNHA, M. I. O bom professor e sua prática. Campinas: Papirus, 2009.

CURY, C. R, J. O debate sobre a pesquisa e a avaliação da pós-graduação em educação. Revista Brasileira de Educação, v. 15, n. 43, p. 162-165, 2010. Disponível em: . Acesso em: 23 fev. 2011.

DEMO, P. Outro professor – alunos podem aprender bem com professores que aprendem bem. Judiai: Paco Editorial, 2011.

DEMO, P. Professor e seu direito de estudar. In: SHIGUNOV NETO, A. S.; MACIEL, L. S. B. (Orgs.). Reflexões sobre a formação de professores. Campinas: Papirus, 2002. P. 71-78

FERNANDES, C. M. B. Formação do professor universitário: tarefa de quem? In: MASETTO, M. (Org.). Docência na universidade. Campinas: Papirus, 1998. p. 95-112.

FESTINALLI, R. C. A Formação de Mestres em Administração: Por Onde Caminhamos? In: XXIX ENANPAD 2005, Brasília DF. Anais... Brasília: ANPAD, 2005

FICHTE, J. G. Por uma universidade orgânica. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1999.

FIDALGO, N. L. R.; FIDALGO, F. (Org.). Trabalho Docente e Lógica Produtivista: conformação e subjetividade. In: FIDALGO, F.; OLIVEIRA, M. A. M.; FIDALGO, N. L. R. (Org.). A intensificação do trabalho docente – tecnologias e produtividade. Campinas: Papirus, 2009. p. 91-112.

FISCHER, T. Uma luz sobre as práticas docentes na pós-graduação: a pesquisa sobre ensino e aprendizagem em Administração. In: Revista de Administração Contemporânea, v. 10, n. 4, p. 193-197, out./dez. 2006.

GRILLO, M. C.; MATTEI, P. Saberes docentes, identidade profissional e docência. In: Enricone, D.; Grillo, M. (Org.) Educação Superior: vivências e visão de futuro. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2005.

GUSDORFF, G. Professores, para quê? Santos: Martins Fontes, 1970.

HUMBOLDT, W. Von. Sobre a organização interna e externa das instituições científicas superiores em Berlim. In: KRETSCHMER, J.; ROCHA, J. C. de C. (Org./Trad.). Um mundo sem universidades? Rio de Janeiro, EdUERJ, 1997.

JOAQUIM, N de F. Desafios da formação docente: estágio docência e a prática de ensino em Administração. Dissertação (Administração) - Universidade Federal de Lavras, Programa de Pósgraduação em Administração, 2011.

KUENZER, A. Z.; MORAES, M. C. M. Temas e tramas na pós-graduação em educação. Educação e Sociedade, v. 26, n. 93, p. 1341-1362, 2005.

LIBÂNEO, J.C. Reflexividade e formação de professores: outra oscilação no pensamento pedagógico brasileiro. In: PIMENTA, S. G.; GHEDIN, E. (Org.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2002.

MACEDO, D. V., PAULA, E.; Torres, B. B. Formação pedagógica dos estudantes de pósgraduação. Campinas: Unicamp: São Paulo: USP, 1998. (Trabalho não publicado).

MACHADO, A. M. N.; BIANCHETTI, L. (Des)fetichização do produtivismo acadêmico: desafios para o trabalhador-pesquisador. Revista de Administração de Empresa , v. 51, n. 3, p. 244-254, 2011. Disponível em: . Acesso em: 1 mar. 2011.

MARANHÃO, C. M. S. de. A. Indústria cultural e semiformação – análise crítica da formação dos administradores. Tese (Administração) - Universidade Federal de Minas Gerais, Centro de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 2010.

MASETTO, M. Competência pedagógica do professor universitário. São Paulo: Summus, 2003.

MASETTO, M. (Org.). Docência na universidade. Campinas: Papirus, 1998.

MENEGHETTI, F. K. O que é um Ensaio-Teórico? Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 15, n. 2, p. 320-332, mar./abr. 2011. Disponível em: . Acesso em: 1 mar. 2011.

MENEGHETTI, F. K. Tréplica - O que é um Ensaio-Teórico? Tréplica à Professora Kazue Saito Monteiro de Barros e ao Professor Carlos Osmar Bertero. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 15, n. 2, p. 343-348, mar./abr., 2011. Disponível em: . Acesso em: 1 mar. 2011.

MOROSINI, M. C. Docência universitária e os desafios da realidade educacional. In: MOROSINI (Org.) Professor do ensino superior – identidade, docência e formação. Brasília: INEP, 2000.

NASCIMENTO, L. F. Modelo Capes de avaliação: Quais as consequências para o triênio 20102012? Administração Ensino e Pesquisa, Rio de Janeiro, v. 11, n. 4, p. 579-600, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 mar.2011.

NICOLINI, A. Qual será o futuro das fábricas de administradores? Revista de Administração de Empresa, n. 2, v. 43, p. 44-54, 2003.

PACHANE, G. G; PEREIRA, E. M. A importância da formação didático-pedagógica e a construção de um novo perfil para docentes universitários. In: Revista Iberoamericana de Educación, n. 33, jul. 2004. Disponível em: . Acesso em: 10 mar.2011.

PÉREZ-GÓMEZ, A. O pensamento prático do professor: a formação do professor como profissional reflexivo. In: NÓVOA, A. Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

PIAGET, J. Epistemologia genética. Lisboa: Martins Fontes, 2007.

PIMENTA, S.; ANASTASIOU, L. G. C. Docência em Formação no Ensino Superior. São Paulo: Cortez, 2002.

PITA, M. Estresse laboral, assédio moral e burnout marcam produtivismo. Revista ADUSP, São Paulo, n. 48, p. 14-21, set. 2010.

RIBEIRO, R. J. Humanidades – um novo curso na USP. São Paulo: Edusp, 2000.

SACRISTÁN, G. J. O currículo modelado pelos professores. In: O Currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: Artmed, 1998.

SCHÖN, D. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SCHÖN, D. Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA, A. Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

SGUISSARDI, V. Produtivismo acadêmico. In: OLIVEIRA, D. A.; DUARTE, A. M. C.; VIEIRA, L. M. F. (Org.). Dicionário de trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: Faculdade de Educação/UFMG, 2010.

SINAES. Da concepção à regulamentação. 5. ed. rev. ampl. Brasília: Inep, 2009.

SOUZA-SILVA, J.C.; DAVEL, E. Concepções, práticas e desafios na formação do professor: examinando o caso do ensino superior de administração no Brasil. In: Organização & Sociedade, v. 12, n. 35, out./dez. 2005.

SPAGNOLO, F.; CALHAU, M.G. Observadores internacionais avaliam a avaliação da CAPES. Infocapes, v. 10, n. 1, p. 7-34, 2002.

SPAGNOLO, F; SOUZA, V. P. O que mudar na avaliação da Capes? Revista Brasileira de Pós-graduação, v. 1, n. 2, p. 8-34, 2004.

SPINK, P. K.; ALVES, M. A. O campo turbulento da produção acadêmica e a importância da rebeldia competente. Organização & Sociedade, Salvador, v. 18, n. 57, p. 337-343, abr./jun., 2011.

TEIXEIRA, D. J.; OLIVEIRA, C. C. G.; FARIA, M. A. O perfil dos egressos do Programa de Mestrado Profissional em Administração da PUC Minas / FDC no período de 2000 a 2005. 1º ENCONTRO DE ENSINO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE. Recife/PE – 21 a 23 de novembro de 2007. Anais... Recife: EnEPQ, 2007.

TREIN, E.; RODRIGUES, J. O mal-estar na academia: produtivismo científico, o fetichismo do conhecimento-mercadoria. Revista Brasileira Educação , v. 16, n. 48, p. 769-792, 2011. Disponível em: . Acesso em: 10 mar.2011.

VEIGA, I. P. A. Docência Universitária na Educação Superior. In: VI SIMPÓSIO DO INSTITUTO DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS "ANÍSIO TEIXEIRA" (INEP). Brasília, 2005. Disponível em: Acesso em: set.2009.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

ZABALZA, M. A. Competencias docentes del profesorado universitário: calidad y desarrollo profesional. Madri: Narcea, 2004.

ZANCHETY, B. M. B.A.; GHIGGI, M. Docencia universitaria: formación y aprendizaje en el posgrado en educación. Revista Educação Superior , v. 38, n. 151, p. 163-170, 2009. Disponível em: . Acesso em: abr. /2011.