Percepção da estratégia de extensão de marca em estabelecimentos comerciais: qual o melhor nome para uma loja? Outros Idiomas

ID:
29260
Resumo:
O objetivo principal deste estudo é verificar qual o efeito que diferentes estratégias de atribuição de um nome de marca (carregado de significado ou inventado) exercem sobre extensões demarcas varejistas mais e menos similares. Esta pesquisa se justifica tanto pela ausência de estudos sobre extensão de marcas varejistas quanto pela recorrência com que essa estratégia vem acontecendo em nossa sociedade. As hipóteses formuladas foram testadas por meio de um experimento, concebido com a projeção de cenários, em desenho fatorial completo 3 (alta, média e baixa similaridade entre formato varejista original e estendido) x 2 (nome carregado de significado e nome inventado) entre sujeitos, que envolveu 170 respondentes. O resultado deste estudo indica que a utilização de nome carregado de significado não parece ser adequada para extensão em formatos com baixa similaridade em relação ao formato original, e também que a extensão de nome carregado de significado se mostrou uma boa opção para novos negócios similares ao formato original do varejista.
Citação ABNT:
LOPES, E. L.; HERNANDEZ, J. M. C. Percepção da estratégia de extensão de marca em estabelecimentos comerciais: qual o melhor nome para uma loja?. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, v. 6, n. 1, p. 108-133, 2013.
Citação APA:
Lopes, E. L., & Hernandez, J. M. C. (2013). Percepção da estratégia de extensão de marca em estabelecimentos comerciais: qual o melhor nome para uma loja?. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, 6(1), 108-133.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/29260/percepcao-da-estrategia-de-extensao-de-marca-em-estabelecimentos-comerciais--qual-o-melhor-nome-para-uma-loja-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AAKER, D.A. Brand equity: gerenciando o valor da marca. São Paulo: Negócio, 1998.

AAKER, D.A.;. KELLER, K. L. Consumer evaluations of brand extensions. Journal of Marketing, v. 54, p. 27-51, 1990.

AMA – American Marketing Association. Disponível em: . Acesso em: 03 jun. 2009.

BABBIE, E. R. The practice of social research. 11. ed. Belmont: Wadsworth Publ., 2006

BOUSH, D.; SHIPP, S.; LOKEN, B.; GENCTURK, E.; CROCKETT, S.; KENNEDY, E.; MINSHALL, B.; MISURELL, D.; ROCHFORD, L.; STROBEL, J. Affect generalization to similar and dissimilar brand extensions Psychology and Marketing, Fall, n. 4, vol. 3 p. 225-237, 1987.

CHEN, K.J.; LIU, C. M. Positive brand extension trial and choice of parent brand. Journal of Product and Brand Management, Nov. v. 13, n. 1, p. 25-36, 2004.

COOPER, D. R.; SCHINDLER, P. S. Métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman, 2003.

FREE, C. Building a financial brand you can bank on. Journal of Brand Management, Nov. v. 24, n. 1, p. 29-34, 1996.

GERRING; J. Social science methodology: a criterial framework. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.

HAIR, J. F. et al. Análise Multivariada de Dados. Porto Alegre: Bookman, 2005

HERNANDEZ, J. M. C. et al. Extensão de Marcas Corporativas de Serviços. RAC, Curitiba, v. 15, n. 4, art. 1, pp. 561-579, jul./ago. 2011.

KAPFERER, J. N. As marcas, capital da empresa: criar e desenvolver marcas fortes. Porto Alegre: Bookman, 2003.

KELLER, K. L. Conceptualizing, Measuring, and Managing Customer-Based Brand Equity. Journal of Marketing, Jan. v. 57, p. 1-22, 1993

KELLER, K. L; HARICH, K.; LEUTHESSER, L. Creating brand identity: a study of evaluation of new brand names. Journal of Business Research, November, n. 58 vol. 11, p. 1506-1515, 2004.

KELLER, K. L. HECKER, S. E.; HOUSTON, M. J. The effects of brand name suggestiveness on advertising recall. Journal of Marketing, Jan. v. 62, n. 1, p. 48-57, 1998.

KELLER, K. L. MACHADO, M. Gestão estratégica de marcas. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2006.

KELLER, K. L. Strategic Brand Management: Building, Measuring, and Managing Brand Equity. New York: Prentice Hall, 2003

KELLER, K. L. Strategic Brand Management: Building, Measuring, and Managing Brand Equity. PrenticeHall: New Jersey, 1998.

KOHLI, C.; SURI, R. Brand names that work: a study of the effectiveness of different types of brand names. Marketing Management Journal, Fall/Winter, n. 10 vol. 2, , p.112-120, 2000.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. São Paulo: Bookman, 2006

MARQUI, A.C.; BATALHA, M.O.; URDAN, F.T. Gestão de marcas – estudo multicaso em empresas da indústria de alimentos. In: XXVII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 17., 2008, Rio de Janeiro. Anais eletrônicos... Rio de Janeiro: 2008. disponível em: http://scholar.google.com.br/scholar?q=Gest%C3%A3o+de+marcas+%E2%80%93+estudo+multica so+em+empresas+da+ind%C3%BAstria+de+alimentos.+In%3A+XXVII+ENCONTRO+NACIONAL+DE+ ENGENHARIA+DE+PRODU%C3%87%C3%83O&btnG=&hl=pt-BR&as_sdt=0%2C5, último acesso em 28/04/2013.

MELTON, R.J. Basic Objects in Natural Categories. Cognitive Psychology, n. 8 vol. 3, pp. 382–439, 1979 In: KOHLI, C.; HARICH, K.; LEUTHESSER, L. Creating brand identity: a study of evaluation of new brand names. Journal of Business Research, November, n. 58 vol. 11, p. 1506-1515, 2004..

MILEWICZ, J.; HERBIG, P. Evaluating the brand extension decision using a model of reputation building. Journal of Product and Brand Management, v. 3, p. 3947, 1994.

MORRIN, M. The impact of brand extensions on parent brand memory structures and retrieval processes. Journal of Marketing Research, Nov. n. 4, v. 36, p. 517-525, 1999.

MOUTINHO, L. C.; COIMBRA, R.L. O nome é a alma do negócio: estudo linguístico dos nomes das lojas em Portugal. In: XIII ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE LINGUÍSTICA, II., 1998, Lisboa. Anais... Lisboa: Colibri, 1998. p. 93-104.

NUNNALLY, J.C. Psychometric Theory. 2. ed. New York: McGraw, 1978.

OLIVEIRA, B.A.C.; MATTAR, F.N. Um estudo acerca das estratégias de extensões de marca e de linha de produtos. RAM – Revista de Administração Mackenzie,Julho-Dezembro, v. 2, n. 2, p. 3954, 2000.

PARK, C. W.; MILBERG, S.; LAWSON R. Evaluation of brand extensions: the role of product feature similarity and brand concept consistency. Journal of Consumer Research, Set . v. 18 n.2, p. 185193, 1991.

PETERSON, R. A. On the use of college students in social science research: insights from a secondorder meta-analysis. Journal of Consumer Research, Dez. n. 28 vol. 3, p. 450-461, 2001.

RIBEIRO, M. Explorando os limites da extensão de marcasRevista de Administração Mackenzie, Julho-Setembro, vol. 7 n. 3, p. 90-111, 2006

SMITH, D. C.; PARK, C. W. The effects of brand extensions on market share and advertising efficiency. Journal of Marketing Research, Ago. v. 29, n.3, p. 296-313, 1992.

SOLOMON, I.; TROUTMAN, K. T. Experimental judgement and decision research in auditing: The first 25 years of AOS. Accouting, Organizations and Society. Maio, v. 28 n. 4, p. 395-412, 2003.

SULLIVAN, M. W. Brand extensions when to use them. Management Science, Junho, v. 38, Issue 6, p. 793-806, 1992.

SWAMINATHAN, V. FOX, R. J.; REDDY, S. K. The impact of brand extension introduction on choice. Journal of Marketing, Outubro, v. 65 n. 4, p. 1-15, 2001.

SWAMINATHAN, V.; FOX, R. J.; REDDY, S. K. The impact of brand extension on choice. Journal of Marketing, Fall, v. 65 n. 3, p. 1-15, 2001.

SWAMINATHAN, V. Sequential brand extensions and brand choice behavior. Journal of Business Research, Junho, v. 56, n. 6, p. 431-442, 2003.

VELOSO, A.R. Extensão de marca e a percepção de risco do consumidor, In: SEMINÁRIOS DE ADMINISTRAÇÃO (SEMEAD), 4., 2003, p.1-16, São Paulo. Anais... São Paulo: USP, 2003.

VÖLCKNER, F.; SATTLER, H. Drivers of brand extension success: a structural equation modelling approach. Research Papers on Marketing and Retailing, Hamburgo, Fevereiro, v. 018 n.1/2, p. 147, 2004.

ZHANG, S.; SOOD, S.; “Deep” and “Surface” Cues: brand extension evaluations by children and adults. Journal of Consumer Research, Junho, v. 29 Issue 1, p. 129-141, 2002