Análise do papel da incubadora na internacionalização de empresas de base tecnológica, incubadas e graduadas Outros Idiomas

ID:
29265
Resumo:
As transformações econômicas e tecnológicas ocorridas a partir da segunda metade do século XX ampliaram os mercados, reduziram os limites impostos pelas fronteiras dos países e promoveram de forma real e inequívoca a globalização das operações comerciais, sobretudo para os países emergentes. Neste contexto, o Brasil mostra-se como importante player, juntamente com os demais países que compõem o BRICS – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, grupo com poder político em expansão, dada a relevância de seus mercados. Apesar disto, a participação brasileira no comércio global ainda é pequena, quando comparada a outros países igualmente emergentes. O nível de internacionalização é particularmente mais baixo para produtos de maior valor agregado, como a inovação tecnológica. A maioria dos produtos exportados pelo Brasil em 2011 (65,8%) é composta por produtos de baixa e média-baixa tecnologia, 27,9% é de média-alta tecnologia e somente6,2% é de alta tecnologia (MDIC, 2012). Nesse sentido, este artigo visa analisar as características do processo de internacionalização de pequenas e médias empresas de base tecnológica, incubadas e graduadas buscando identificar o papel das incubadoras nesse processo. Partiu-se de três premissas básicas: que as empresas de base tecnológica são essencialmente inovadoras; que as incubadoras de empresas se constituem em ambientes potencializadores de redes de relacionamento, tanto entre as empresas incubadas e graduadas, como com agentes externos. E, finalmente, a terceira premissa é que a inovação é uma vantagem competitiva que alavanca o processo de internacionalização de empresas e mostra-se fundamental para o desempenho competitivo da empresa no mercado externo. A pesquisa a partir de casos de pequenas empresas de base tecnológica mostra-se relevante dada a necessidade do Brasil de estimular a inserção externa de empresas que comercializam produtos intensivos em tecnologia. A pesquisa é de caráter descritivo, na forma de um estudo multi caso com seis empresas, três incubadas e três graduadas. Os resultados apontam que a inovação configura-se realmente como a principal vantagem para competição em mercados internacionais. De forma intencional e planejada, há uma aceleração do processo de internacionalização nas empresas mais jovens, já concebidas com uma visão global. Constatou-se que a incubadora favorece a formação de redes de relacionamento que estimulam a inovação e a interação com outros atores que podem fomentar o processo de internacionalização, no entanto, não há ações percebidas pelos empresários próprias para esta finalidade, o que aponta para uma oportunidade de ação sistemática das incubadoras no apoio à internacionalização de empresas.
Citação ABNT:
FIATES, G. G. S.; MARTINS, C.; FIATES, J. E. A.; MARTIGNAGO, G.; SANTOS, N. D. Análise do papel da incubadora na internacionalização de empresas de base tecnológica, incubadas e graduadas. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, v. 6, n. 1, p. 252-274, 2013.
Citação APA:
Fiates, G. G. S., Martins, C., Fiates, J. E. A., Martignago, G., & Santos, N. D. (2013). Análise do papel da incubadora na internacionalização de empresas de base tecnológica, incubadas e graduadas. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, 6(1), 252-274.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/29265/analise-do-papel-da-incubadora-na-internacionalizacao-de-empresas-de-base-tecnologica--incubadas-e-graduadas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANDRADE, M. M. Introdução à Metodologia do Trabalho Científico. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2002

ANPROTEC. Panorama Anprotec. 2006. Disponível em: < http://www.anprotec.org.br/secaopanorama.php> Acesso em: 27 mai. 2011.

ANPROTEC/SEBRAE. Glossário dinâmico de termos na área de Tecnópolis, Parques tecnológicos e Incubadoras de empresas. Brasília: Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos de Tecnologias Avançadas (ANPROTEC) e SEBRAE, 2002.

BAÊTA, A. M.C.; BAÊTA, BORGES, C.V.; TREMBLAY, D.G. Empreendedorismo internacional nas incubadoras: perspectivas e desafios. Revista de Negócios, Blumenau,v. 10, n.2,p.72-87, 2005.

BAÊTA, A.M.C. O desafio da criação: uma análise das incubadoras de empresas de base tecnológica. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

COELHO, F. J. P.; LARA, J. E. A assistência governamental como fator de estímulo à atividade exportadora em pequenas empresas brasileiras: um estudo introdutório. In: WORKSHOP DE INTERNACIONALIZAÇÃO, 3., 2003, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Ed. Coppead, 2003.

CÔRTES, M. R.; PINHO, M. S.; FERNANDES, A. C.; SMOLKA, R.; BARRETTO, A. L. C. M. Cooperação em Empresas de Base Tecnológica: Uma Primeira Avaliação Baseada numa Pesquisa Abrangente. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 85-94, 2005.

CORTEZIA, S. L. D.; SOUZA, Y. S. de. Uma análise sobre a internacionalização de pequenas empresas brasileiras da indústria de software. Brazilian Business Review, Vitória, v. 8, n. 4, Art. 2, p. 24-45, Out-Dez. 2011.

COVIELLO, N.; MUNRO, H. Network relationships and the internationalization process of small software firms. International Business Review. 6(2), 1997, págs 1-26

DORNELAS, J. C. A. Incubadoras promovem o empreendedorismo inovador. 2006. Disponível em: < http://www.josedornelas.com.br/artigos/incubadoras-promovem-o-empreendedorismoinovador/>. Acesso em: 15 fev. 2012.

DORNELAS, J. C. A. Planejando Incubadoras de empresas: como desenvolver um plano de negócios para incubadoras de empresas. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

ENGELM, R. Contribuição das Incubadoras Tecnológicas na Internacionalização das Empresas Incubadas. Dissertação de Mestrado. Porto Alegre: UFRGS, 2010.

HADLEY, R.D. AND WILSON, H.I.M. ; 'The network model of internationalization and experiential knowledge', International Business Review 12(6), 2003, págs 697-717.

JABOUR, C.; DIAS, P.; FONSECA, S. As incubadoras empresariais como redes de empresas pró-inovação. In: SIMPÓSIO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 6., 2004. Bauru. Anais... SIMPEP (UNESP), Bauru, 2004.

JARILLO, J. On strategic network. Strategic Management Journal. Vol. 9, pp.31-41, 1998.

JOHANSON,J.;VAHLNE,J. The Uppsala internationalization process model revisited: from liability of foreignness to liability of outsidership. Journal of International Business Studies, n. 40, p. 1411-1431.

KANTER, R.; KAO, J.; WIERSEMA, F. Pensamento inovador na 3M, DuPont, GE, Pfizer e Rubbermaid: acesso instantâneo às estratégias de ponta da atualidade. Tradução: June Camargo. São Paulo: Negócio Editora, 1998.

LACHENMAIER,S.; WOBMANN,L. Does Innovation Cause Exports? Evidence from Exogenous Innovation Impulses and Obstacles using German Micro Data. Mar., 2004. Disponível em: www.cesifo.de/link/lachenmaiers_s.html. Acesso em 14 nov. 2011.

LAHORGUE, M. A., Parques, pólos e incubadoras: instrumentos de desenvolvimento do século XX1.Brasilia: ANPROTEC/SEBRAE,2004.256p.

LASTRES, H.M.M; CASSIOLATO, J.E. Glossário de Arranjos e Sistemas Produtivos e Inovativos Locais. 2003. Disponível em: < http://www.loures.ecn.br/td_redesist/glossario.pdf >. Acesso em: 15 fev. 2012.

LU, J. & BEAMISH, P. The Internationalization and Performance of SMEs. Strategic Management Journal, Vol. 22, pp.565-586, 2001.

LU, J. Intra and Inter-organizational Imitative Behavior: Institutional Influences on Japanese Firms Entry Mode Choice. Journal of International Business Studies, (33):19-37, 2002.

LUNDVALL, B. A. National systems of innovation: Towards a theory of innovation and interactive learning. Pinter Publ. London, 1992.

MACULAN, A. M; VINHAS, V. Reflexões sobre o desempenho inovador de empresas graduadas. XXII Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica. Anais... Salvador, 2002.

MAIS, I.; CARVALHO, L.C.; AMAL, M.; HOFFMANN, M. Gaia. Importância das redes nos processos de inovação e internacionalização de empresas de base tecnológica. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 7, n. 1, p. 41-61, jan./mar. 2010. Disponível em: < http://redalyc.uaemex.mx/redalyc/pdf/973/97317009004.pdf>. Acesso em: 25 abr. 2012.

MARCOVITCH, V.; SANTOS, S.A.; DUTRA, I. Criação de empresas com tecnologias avançadas. Revista de Administração, São Paulo, FEA/USP, v. 21, n. 2, abr./jun. 1986.

MARKWALD, R.; PUGA, F.“Focando a Política de Promoção de Exportações”. Texto para Discussão, nº 160, Rio de Janeiro, Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior – Funcex, 2002.

MDIC. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Balança Comercial Brasileira – Dados Consolidados. 2012. Disponível em: < http://www.mdic.gov.br//arquivos/dwnl_1331125742.pdf >. Acesso em: 14 abr. 2012.

OVIATT, B.; MCDOUGALL, P."Global Start-Ups: Entrepreneurs on a Wold-Wide Stage", Academy of Management Executive, v. 9, n. 2, 1995. p. 30-43

PHAN, Phillip H.; SIEGEL, Donald S; WRIGHT, Mike. Science parks and incubators: observations, synthesis and future research. Journal of Business Venturing, New York, v.20, p. 165-182, 2005

ROCHA, Ângela da et al. A Internacionalização das Empresas Brasileiras: Estudos de Gestão Internacional. Rio de Janeiro: MAUAD Editora Ltda., 2002

SALONER, G.; SHEPARD, A.; PODOLNY, J.. Strategic management. New York, Wiley, 2001.

SANTA RITA, E; BAETA, A.M.C. Desenvolvimento regional e empreendedorismo internacional: como atuam as incubadoras no Brasil? Gestão & Tecnologia .v. 5, n. 2, 2005: referente ao v.6, n.1, jul./dez. 2005.

SANTOS, M. I. B. Os determinantes das Exportações das Empresas do Distrito de Aveiro. 2011. 116f. Relatório de Estágio (Mestrado em Economia)Universidade de Aveiro, Aveiro, 2011.

SCHUMPETER, J. The Theory of economic development. Cambridge, Mass: Harvard University Press, 1934.

SOFTEX. Perfil das empresas exportadoras de software. Campinas, 2005.

SUZIGAN,W.; FURTADO, J. Instituições e Políticas Industriais e Tecnológicas: Reflexões a partir da experiência brasileira. Estudos Econômicos, v.40, n.1, p.7-41, jan-mar., 2010.

VEIGA, P. e MARKWALD, R. Pequenas e médias empresas nas exportações. In REIS RENNIE, M. Born Global. McKinsey Quarterly, 4, 25-52, 1993.

WENNBERG, K.; HOLMQUIST, C. Problemistic search and international entrepreneurship. European Management Journal, 26, 441-454, 2008.

YIN, R. K. Estudo de caso – planejamento e métodos. 2 Ed.Porto Alegre: Bookman, 2001.

YOUNG, S.; DIMITRATOS, P.; DANA, L. International entrepreneurship research: what scope for international business theories. Journal of Intl Entrepreuneurship, 1, 31-42, 2003.

ZHOU, L.; WU, W.; LUO, X. Internationalization and the performance of born-global SMEs: the mediating role of social networks. Journal of International Business Studies, 38, 2007, págs 673-690.