Inovação aberta e inovação distribuída, modelos diferentes de inovação? Outros Idiomas

ID:
29464
Resumo:
A inovação se configura como um processo irreversível incluindo diversas etapas e aspectos financeiros, culturais e organizacionais. Diversos modelos de inovação têm sido relatados na literatura, entre eles o modelo de inovação aberta (Open Innovation) e o de inovação distribuída (Distributed Innovation). O presente artigo procura apresentar conceitos, características e exemplos desses dois modelos de inovação e propõe uma análise desses conceitos para verificar se há ou não justificativa para a diferenciação da nomenclatura apresentada. Como resultado, apresenta-se um quadro comparativo entre as características de cada modelo de inovação discutido. Observa- se que os modelos de inovações aberta e distribuída são alternativas de abordagem para a inovação, e que independente do julgamento conceitual, ambos os modelos estão sendo utilizados com sucesso.
Citação ABNT:
TRENTINI, A. M. M.; FURTADO, I. M. T.; DERGINT, D. E. A.; REIS, D. R. D.; CARVALHO, H. G. Inovação aberta e inovação distribuída, modelos diferentes de inovação?. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, v. 5, n. 1, p. 88-109, 2012.
Citação APA:
Trentini, A. M. M., Furtado, I. M. T., Dergint, D. E. A., Reis, D. R. D., & Carvalho, H. G. (2012). Inovação aberta e inovação distribuída, modelos diferentes de inovação?. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, 5(1), 88-109.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/29464/inovacao-aberta-e-inovacao-distribuida--modelos-diferentes-de-inovacao-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BERENTE, Nicholas, BOLAND Dick; LYYTINEN Kalle; YOO Youngjin; SRINIVASAN Nikhil. The Distributed Innovation Project, 2006 – Disponível em: .Acesso em: 15 set.2009.

BUGHIN Jacques, Uma revolução em marcha. HSM Management, v. 75, p. 75-79, julho-agosto, 2009

CHESBROUGH Henry. Rumo à estratégia aberta, HSM Management v. 75, p. 80-87, julho-agosto, 2009.

CHESBROUGH Henry. The Era of Open Innovation. MIT Sloan Management Review. Spring. 2003. Disponível em: . Acesso em: 17 jun.2009.

CHESBROUGH, Henry; VANHAVERBEKE, Wim; WEST, Joel and eds. Open Innovation: Researching a New Paradigm. Oxford: Oxford University Press, 2006

CORDEIRO, Maria Inês. Código aberto e livre acesso: uma nova cultura na gestão de recursos? 2007. Disponível em: . Acesso em: 20 jul.2009.

De JONG J. P. J.; VANHAVERBEKE W.; KALVENT T.; CHESBROUGH H. Policies for Open Innovation: theory, Framework and Cases. Research project funded by VISION Era-Net, Helsinki, Finland, 2008. 172 p.

FAHEY L.; NARAYANAN V.K. Caçadores de oportunidades. HSM Management, v. 75 , p. 96-102. Julho/Agosto, 2009.

GOMES Adriana Salles, De fora para dentro. HSM Management, v. 75 , julho-agosto, p. 91-94. 2009.

HENSKE Preston; BIENSEN Tim. Mega Mergers can´t cure the Pharmaceutical Industry. Disponível em: . Acesso em: 04 agos.2009.

HENSKE Preston; BIENSEN Tim. Novo modelo reduz custo de pesquisa para farmacêuticas. Valor Econômico. São Paulo, 04 de agosto de 2009. Disponível em: . Acesso em: 04 agos.2009.

HUSTON Larry. A experiência da Procter & Gamble, Portal HSM, 25 mar. 2009. Disponível em: < www.hsm.com.br/artigos/larry-huston-experiencia-da-procter-gamble>. Acesso em: 15 set.2009.

JEPPESEN, Lars B.; MASKELL,Peter; POWEL, Woody. Distributed Innovation. Stanford University, March 27- 28, 2008. Disponível em : .Acesso em: 04 ago.2009.

LAKHANI Karim R.; PANETTA Jill A. The Principles of Distributed Innovation. Innovations, vol. 2, n. 3, p. 97-112, 2007.

LOHR, Steve. Modelos de inovação aberta exigem planejamento, The New York Times. Disponível em: . Acesso em: 25 jul.2009.

LOPES M.; TEIXEIRA A. A. C. Open Innovation in Firms Located in an Intermediate Technology Developed Country. Institute for systems and computer engineering of Porto , n. 4 march 2009. Disponível em: . Acesso em: 08 jul.2009.

LUNDVALL,B. A; JOHNSON B. Promoting innovation systems as a response to the globalizing learning economy. Dinamarca: Aalborg University, 2000. Disponível em: . Acesso em: 05 jul.2009.

MENEZES, Edson. Criação coletiva para inovar: colabore ou seja ejetado. Publicado em 25 ago 2009.Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2009.

MILAGRES Rosiléia. Redes de empresas, a chave para inovar, HSM Management, v. 72, p. 31-35, janeiro/fevereiro, 2009.

MOREIRA B.; SAAD D.; FELDHAUS D.; PEREIRA G.; MATTIOLI M. As oportunidades e os desafios do Open Innovation no Brasil. Instituto Inovação, junho 2008, disponível em . Acesso em: 21 jul.2009

OCDE. Manual de Oslo: proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. Versão portuguesa.Tradução: Paulo Garchet. FINEP: Rio de Janeiro, 2004.

PERINI, Fernando. Redes de conhecimento no Brasil: uma análise organizacional da Lei de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Parcerias Estratégicas, n. 25, dezembro, 2007, p. 7-46. Disponível em: . Acesso em: 14 de jul.2009.

ROMERO T. Inovação disseminada. Disponível em: . Acesso em: 25 jul. 2009.

SIMANTOB, Moysés; LIPPI, Roberta. Guia Valor Econômico de Inovação nas Empresas. São Paulo: Globo, 2003.

SISTEMA MINEIRO de INOVAÇÃO. Inovação Aberta: transformando o mundo no seu departamento de P&D, 2008. Disponível em: Acesso em: 09 jul. 2009.

TEICH Daniel Hessel. A farmacêutica sem laboratório. Revista Exame , Ed. Abril S. A. n. 947 . Disponível em: . Acesso em: 27 jul.2009.

WEST J. Does Appropriability Enable or Retard Open Innovation? In Open Innovation: Researching a New Paradigm. Oxford: Oxford University Press, 2006.