Gestão Social e Bildung: reflexões sobre a importância da formação para a democratização no setor público Outros Idiomas

ID:
29591
Resumo:
O objetivo desse artigo é resgatar o conceito de formação, no sentido adorniano, e refletir sobre como esta se diferencia da profissionalização e afeta a gestão social. O ponto de partida para isto foram as discussões ocorridas no centro da agenda política sobre a reforma do Estado e de sua administração no Brasil. Realizamos então uma análise dialética da profissionalização e da formação do gestor público, reforçando que, para viabilizar uma gestão social democrática, é preciso que as pessoas sejam formadas e não profissionalizadas. Finalizando, discutimos alguns caminhos possíveis para a formação dos gestores públicos.
Citação ABNT:
ASSIS, L. B.; PAULA, A. P. P. Gestão Social e Bildung: reflexões sobre a importância da formação para a democratização no setor público. Administração Pública e Gestão Social, v. 6, n. 2, p. 57-64, 2014.
Citação APA:
Assis, L. B., & Paula, A. P. P. (2014). Gestão Social e Bildung: reflexões sobre a importância da formação para a democratização no setor público. Administração Pública e Gestão Social, 6(2), 57-64.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/29591/gestao-social-e-bildung--reflexoes-sobre-a-importancia-da-formacao-para-a-democratizacao-no-setor-publico/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Adorno, T. W. (1995). Educação e Emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Adorno, T. W. (2009). Dialética Negativa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Aktouf, O. (1996). A administração entre a tradição e a renovação. São Paulo: Atlas.

Becker, H. (1987). Métodos de pesquisa em ciências sociais. São Paulo: Hucitec.

Camargo, A. (1984.) Os usos da História Oral e da História de Vida: Trabalhando com elites políticas. Dados – Revista de Ciências Sociais, 27 (1), 5-28

Cohn, G. (1986), Theodor Adorno. São Paulo: Ática.

Giroux, H. (1997). Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas.

Gonçalves, M. A. S. (1996). Interdisciplinaridade e educação básica: algumas reflexões introdutórias. In: Educação Básica e o básico em educação. Porto Alegre: Sulina.

Goodson, I. F. (1992). Dar voz ao professor: as histórias de vida dos professores e o seu desenvolvimento professional. In A. Nóvoa (Org.), Vidas de professores (63-78). Porto: Porto Editora.

Guerreiro Ramos, A. (1981). A nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. Rio de Janeiro: EdFGV.

Huberman, M. (1992). O ciclo de vida profissional dos professores. In A. Nóvoa (Org.), Vidas de professores (31-61). Porto: Porto Editora.

Jones, G. R. (1983) Life History Methodology. In J. R. Morgan (Ed.), Beyond Method: Strategies for Social Research (147-159). California: Sage Publications.

Kant, I. (1974). Textos Seletos. Petrópolis, RJ: Vozes.

Lapierre, L. (2005). Gerir é criar. Revista de Administração de Empresas, 45 (4), 108-117.

Maar, W. L. (1994). Educação Crítica, formação cultural e emancipação política na Escola de Frankfurt. In B. Pucci (Org.), Teoria crítica e educação. A questão da formação cultural na Escola de Frankfurt (59-82). Petrópolis, RJ: Vozes.

Maar, W. L. (1995). Introdução. In T. W. Adorno, Educação e emancipação (11-28). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Marre, J. L. História de Vida e Método Biográfico. Cadernos de Sociologia, 3 (3), 89-141.

Mintzberg, H. (2010). Managing. Desvendando o dia a dia da gestão. Porto Alegre: Bookman.

Mizukami, M. G. N. (1996). Docência, trajetórias pessoais e desenvolvimento profissional. In A. M. Reali & M. G. Mizukami (Orgs.), Formação de professores: tendências atuais (59-94). São Carlos: EdUFSCar.

Nóvoa, A. (Org.) (1992). Vidas de professores. Porto: Porto Editora.

Offe, C. (1990). Sistema educacional, sistema ocupacional e política de educação: contribuição a determinação das funções sociais do sistema educacional. Educação e Sociedade, 11 (35), 9-59.

Paes de Paula, A. P. (2005). Por uma nova gestão pública: limites e potencialidades da experiência contemporânea. Rio de Janeiro: EdFGV.

Paes de Paula, A. P. (2010). Por uma nova gestão pública: reinserindo o debate a partir das práticas possíveis. In A. S. Cunha, B. A. Medeiros & L. C. Aquino (Orgs.), Estado, Instituições e Democracia: República (505-530). Brasília: IPEA.

Pucci, B. A. (1998). Teoria da Semicultura e suas contribuições para a Teoria Crítica da Educação. In A. A. S. Zuin, B. Pucci & N. Ramos de Oliveira (Orgs.), A educação danificada: contribuições à teoria crítica da educação (89-116). Petrópolis, RJ/São Carlos, SP: Vozes/EdUFSCAR.

Ramos de Oliveira, N. (1992). Theodor W. Adorno: quatro textos clássicos. São Carlos: EdUFSCAR.

Ramos de Oliveira, N. (1998). Reflexões Sobre a Educação Danificada. In A. A. S. Zuin, B. Pucci & N. Ramos de Oliveira (Orgs.), A educação danificada: contribuições à teoria crítica da educação (p.13-43). Petrópolis, RJ/São Carlos, SP: Vozes/EdUFSCAR.

Schwartzman, S. (1997). A Redescoberta da Cultura. São Paulo: EdUSP/Fapesp.

Smith, G.S. (2003). Novos desafios para a capacitação de liderança de alto nível na gestão pública e governança em um mundo globalizante. Revista do Serviço Público, 54 (2), 99-115.

Tenório, F. (2008). (Re)visitando o conceito de gestão social. In: J. T. Silva Jr., R. T. Mâsih, A. C. Cançado & P. Schommer (Orgs.), Gestão Social: práticas em debate, teorias em construção (37-57). Fortaleza: Imprensa Universitária.

Watson, T. (2005). Organização e Trabalho em transição: da lógica “sistêmico-controladora” à lógica “processual-relacional”. Revista de Administração de Empresas, 45 (1), 14-23.

Zuin, A. A. (1992). Seduções e Simulacros: Reflexões sobre Indústria Cultural, Reprodução e Resistência em Educação. São Carlos: EdUFSCAR.