Sistemas de controle e alinhamento estratégico: proposição de indicadores Outros Idiomas

ID:
29660
Resumo:
O sistema de controle e alinhamento estratégico Alavancas de Controle proposto por Simons (1995) permite, a partir da concepção do equilíbrio de variáveis, ponderar sobre aspectos temporalmente distantes e avaliar efeitos e causas, assim como apreciar aspectos práticos e teóricos. Apesar da relevância deste modelo, não se encontraram estudos que apresentem uma forma de operacionalizá-lo, possibilitando sua mensuração nas organizações. Assim, este ensaio teórico visa apresentar, com base nas Alavancas de Controle de Simons (1995), um conjunto de indicadores de controle estratégico que permita avaliar os níveis em que cada mecanismo de controle (sistema de crenças, sistema de limites, sistema diagnóstico e sistema interativo) se configura nas organizações. Com o intuito de obter subsídios para o desenvolvimento dos indicadores, recorreu-se à obra de Simons (1995), por meio da qual se conseguiu incorporar conceitos e comentários do autor acerca das alavancas de controle. Espera-se, por meio da operacionalização destes mecanismos de controle estratégico, contribuir com a área de conhecimento. Já como contribuição gerencial, se pretende fornecer uma ferramenta de alinhamento e apoio à estratégia das organizações, por meio do desenvolvimento de um instrumento para coleta de dados sobre controle estratégico baseado nas alavancas de Simons (1995).
Citação ABNT:
DAMKE, E. J.; SILVA, E. D.; WALTER, S. A. Sistemas de controle e alinhamento estratégico: proposição de indicadores. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, v. 4, n. 1, p. 65-87, 2011.
Citação APA:
Damke, E. J., Silva, E. D., & Walter, S. A. (2011). Sistemas de controle e alinhamento estratégico: proposição de indicadores. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, 4(1), 65-87.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/29660/sistemas-de-controle-e-alinhamento-estrategico--proposicao-de-indicadores/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AKAO, Y. Desdobramento das diretrizes para o sucesso do TQM. Porto Alegre: Bookman, 1997.

BERRY, A. J.; BROADBENT, J.; OTLEY, D. Management control: theories, issues and practices. London: Macmillan Press, 1995.

BOYD, B. K. Strategic planning and financial performance: a meta-analytic review. Journal of Management Studies, v. 28, n. 4, p. 353-374, 1991.

DESS, G. G.; ROBINSON JR., R.B. Measuring organizational performance in the absence of objective measures: the case of the privately-held firm and conglomerate business unit. Strategic Management Journal, v. 5, n. 3, p. 265-273, 1984.

DIEHL, C. A. Controle estratégico de custos: um modelo referencial avançado. 2004. 306f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianopólis, 2004.

EHRBAR, A. Using EVA to measure performance and assess strategy. Strategy & Leadership Review, mai./jun. 1999.

GINTER, P. M.; WHITE, Donald D. A social learning approach to strategic management: toward a theoritical foundation. Academy of Management Review, abr. 1982.

GITMAN, L. J. Princípios de administração financeira. 7. ed. São Paulo: Harbra, 1997.

GOMES, J. S.; AMAT, J. Controle de gestão: um enfoque contextual e organizacional. 2002. Disponível em: . Acesso em: 16 out.2008. 2002.

GOOLD, M.; QUINN, J. J. The paradox of strategic controls. Strategic Management Journal, v. 11, p. 43-57, 1990.

GOVINDARAJAN, V.; FISHER, J. Strategy, control systems, and resource sharing: effects on business-unit performance. Academy of Management Journal, 1990.

GUPTA, A. K.; GOVINDARAJAN, V. Business unit strategy, managerial characteristics, and business unit effectiveness at strategy implementation. The Academy of Management Journal, v. 27, n. 1, p. 25-41, 1984.

KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. A estratégia em ação. Rio de Janeiro. Campus, 1997.

KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. A estratégia em ação. Rio de Janeiro. Campus, 1997.

MÜLLER, C. J.; CORTIMIGLIA, M. N.; GABRIELI, L. V.; KAPPEL, A. M. Gerenciamento de processos e indicadores em educação à distância. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 23., 2003, Ouro Preto. Anais... São Paulo: ENEGEP, 2003.

OTLEY, D. Performance management: a framework for management control systems research. Management accounting research, v. 10, p. 363-382, 1999.

QUINN , J. B. Strategic change: "logical incrementalism". Sloan Management Review, v. 20, p. 721, 1978.

RAGLAND, B. Measure or indicator: what’s the difference? Crosstalk, v. 8, n. 3, mar. 1995.

ROBERTS, D. M. Reliability and validity of a statistics attitude survey. Educational and Psychological Measurement, v. 40, p. 235-238, 1980.

ROCHA, J. S.; SELIG, P. M. Utilizando o indicador econômico EVA – Economic Value Added, para auxiliar na gestão organizacional, 2001. Disponível em: . Acesso em: 16 out. de 2008.

SCHREYOGG, G.; STEINMANN, H. Strategic control: a new perspective. Academy of Management Review, v. 12, p. 91-103, 1987.

SHANK, J. K.; GOVINDARAJAN, V. Strategic cost analysis: the evolution from managerial to strategic accounting. Homewood: Irwin Inc, 1989.

SIMONS, R. Accounting control systems and business strategy: an empirical analysis. Accounting, Organizations and Society, v. 12, n. 4, p. 357-374, 1987.

SIMONS, R. How new top managers use control systems as levers of strategic renewal. Strategic Management Journal, v. 15, p. 169-189, 1994.

SIMONS, R. Levers of control: how managers use innovative control systems do drive strategic renewal. Boston: Harvard Business School, 1995.

SIMONS, R. The role of management control systems in creating competitive advantage: news perspectives. Accounting, Organizations and Society, v. 15, n. 1/2, p. 127-43, 1990.

VENKATRAMAN, N.; RAMANUJAM, V. Measurement of business performance in strategy research: a comparison of approaches. Academy of Management Review, v. 11, n. 4, p. 801-814, 1986.