Rumo à pós-modernidade em políticas públicas: a epistemologia situacional de Carlos Matus Outros Idiomas

ID:
29903
Periódico:
Resumo:
O artigo discute a abordagem situacional desenvolvida por Carlos Matus, cujas técnicas operacionais (metodologia PES) foram bastante difundidas no âmbito do planejamento governamental, em contraste com a sua epistemologia, que permanece largamente ignorada no meio acadêmico especializado. Contestando a visão positivista e o economicismo reducionista da ortodoxia dominante, a epistemologia situacional propõe que as políticas públicas sejam pensadas dentro da lógica do jogo social, cujos fundamentos teóricos são complexidade, indeterminação e incerteza. Após descrição da trajetória intelectual de Carlos Matus, emprega-se a metodologia de pesquisa da análise bibliográfica com o propósito de investigar seus principais textos e evidenciar sua contribuição para uma orientação pós-moderna da gestão governamental. Revisando a literatura de políticas públicas, argumenta-se que a adoção da perspectiva situacional pode inspirar soluções alternativas aos problemas contemporâneos da administração pública, como a ampliação da eficiência administrativa e o fortalecimento democrático.
Citação ABNT:
FORTIS, M. F. A.Rumo à pós-modernidade em políticas públicas: a epistemologia situacional de Carlos Matus. RAE-eletrônica, v. 9, n. 2, art. 9, p. 1-26, 2010.
Citação APA:
Fortis, M. F. A.(2010). Rumo à pós-modernidade em políticas públicas: a epistemologia situacional de Carlos Matus. RAE-eletrônica, 9(2), 1-26.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/29903/rumo-a-pos-modernidade-em-politicas-publicas--a-epistemologia-situacional-de-carlos-matus/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABRUCIO, F. L. Trajetória recente da gestão pública brasileira: um balanço crítico e a renovação da agenda de reformas. Revista de Administração Pública, v. 41, número especial, p. 67-86, 2007. Disponível em: htpp://www.cepam.sp.gov.br/arquivos/artigos/TrajetoriaRecenteAP.pdf. Acesso em 30.08.2010.

AGGIO, A. Democracia e socialismo: a experiência chilena. São Paulo: Annablume, 2002.

ALVESSON, M. Postmodernism and Social Research. Philadelphia: Open University Press, 2002.

BARDACH, E. Los ocho passos para el análisis de políticas públicas. México: Centro de Investigación y Docencia Económicas, 1998.

BERGER, P. L; LUCKMAN, T. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. Petrópolis: Vozes, 1994.

BERTENS, H. The Idea of the Postmodern: a History. New York and London: Routledge, 1995.

BURRELL, G; MORGAN, G. Sociological Paradigms and Organizational Analysis. London: Heinemann Educational Books, 1979.

BUTLER, C. Postmodernism: a Very Short Introduction. Oxford: Oxford University Press, 2002.

CARAZZATO, J. Planejamento público: a contribuição teórico-metodológica de Carlos Matus. 2000. Dissertação de Mestrado em Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.

CORE, F. G. Reformas orçamentárias no Brasil: uma trajetória de tradição e formalismo na alocação dos recursos públicos. Revista ABOP, v. 23, n. 47, 2005.

CROZIER, M. O fenômeno burocrático. Brasília: Universidade de Brasília, 1981.

DIAMOND, J. Establishing a performance management framework for government. Working paper 05/50. International Monetary Fund, 2005.

DROLET, M. (Ed) The Postmodernism Reader: Foundational Texts. London; New York: Routledge, 2004.

EAGLETON, T. As ilusões do pós-modernismo. Trad. Elizabeth Barbosa. Rio de Janeiro: Jorge Zaha, 1998.

ELSTER, J. The Cement of Society. Cambridge: Cambridge University Press, 1989.

EVANS, P. Government action, social capital and development: reviewing the evidence on synergy. World Development, v. 24, n. 6, 1996.

FORTIS, M F. A. Orçamento orientado a resultados: instrumento para fortalecimento democrático na América Latina. Revista do Serviço Público, v. 60, n. 2, 2009.

FRIEDMAN, M. The methodology of positive economics. Part I. In: Essays in Positive Economics. Chicago: University of Chicago Press, 1953. p. 3-43.

GARCIA, R. C. A reorganização do processo de planejamento do governo federal: o PPA 2000-2003. Texto para Discussão n. 726. Brasília: IPEA, 2000.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara, 1989.

GONÇALVES, R. G. Modelos emergentes de planejamento: elaboração e difusão. 2005. Tese de Doutorado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

GRENZ, S. J. Pós-modernismo: um guia para entender a filosofia do nosso tempo. Trad. Antivan Guimarães Mendes. São Paulo: Vida Nova, 2008

GROTH, T. R. From democratization to state reform: the missing link. Paper preparado para o encontro da Associação de Estudos da America Latina, 1998.

HAY, C. Political Analysis: a Critical Introduction. New York: Palgrave, 2002.

KUMAR, K. Da sociedade pós-industrial à pós-moderna: novas teorias sobre o mundo contemporâneo. Trad. Ruy Jungmann. Rio de janeiro: Jorge Zahar, 1997.

LIRA, L. Revalorización de la planificación del desarrollo. Serie Gestión Pública, n. 59. Santiago de Chile: Instituto Latinoamericano y del Caribe de Planificación Económica y Social (Ilpes), 2006.

LYOTARD, J-F. O pós-moderno. Trad. Ricardo Correia Barbosa. Rio de Janeiro: José Olympio, 1993.

MAKÓN, M. P. La gestión por resultados es sinónimo de presupuesto por resultados? Revista Internacional de Orçamento Público, ano 36, edição n. 66, 2008.

MATOS, F. R. N; LIMA, A. C. Organizações modernas e a burocracia: uma “afinidade eletiva”? RAEeletrônica, v. 6, n. 2, 2007. Disponível em http://www16.fgv.br/rae/eletronica/index.cfm?FuseAction=Artigo&ID=4669&Secao=PENSATA&Vol ume=6&Numero=2&Ano=2007. Acesso em 30.08.2010.

MATTOS, Carlos A. de. Estado, processos decisórios e planejamento na América Latina. Seminário “Estado e Planejamento: Sonhos e Realidade”. Brasília: Cendec, 1988.

MATUS, C. Adiós, señor presidente. Caracas: Fundación Altadir, 1994b.

MATUS, C. Estrategia y plan. México: Siglo Veintiuno, 1981.

MATUS, C. Las ciencias y la política. Salud Colectiva, v. 3, n. 1, p. 81-91, 2007. Disponível em: . Acesso em 09.06.2010.

MATUS, C. Los 3 cinturones de gobierno. Caracas: Fundación Altadir, 1997.

MATUS, C. O plano como aposta. In: PAGNUSSAT, José Luiz; GIACOMONI, James. (Org) Planejamento e orçamento governamental. Coletânea, v. 1. 1. ed. Brasília: Escola Nacional de Administração Pública, 2006. p. 115-144.

MATUS, C. Planificación de situaciones. México: Fondo de Cultura Económica, 1980.

MATUS, C. Política y plan. Caracas: Iveplan (Instituto Venezolano de Planificación), 1984.

MATUS, C. Política, planejamento e governo. Brasília: IPEA, 1993

MATUS, C. Reingeniería pública. Caracas: Fundación Altadir, 1994a.

MATUS, C. Teoria do jogo social. São Paulo: Fundap, 2005.

MCGOWAN, J. Postmodernism and its Critics. Ithaca: Cornell University Press, 1991.

MCGRAW, K. M. How and why psychology matters. In: GOODIN, Robert; TILLY, Charles. (Eds) Oxford Handbook of Contextual Political Studies. Oxford: Oxford University Press, 2006.

MCLAUGHLIN, K; OSBORNE, S. P; FERLIE, E. (Eds) New Public Management: Current Trends and Future Prospects. New York: Routledge, 2002.

MEDEIROS, P. H. R. Do modelo racional-legal ao paradigma pós-burocrático: reflexões sobre a burocracia estatal. Organizações & Sociedade, v. 13, n. 37, p. 143-160, 2006.

MILLER, H. T. Postmodern Public Policy. New York: Suny Press, 2002.

MILLER, H. T; FOX, C. J. Postmodern Public Administration. Revised edition. Armonk, NY: M.E. Sharpe, 2007.

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO. Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. Brasil: Presidência da República, 1995.

MOUFFE, C. (Ed) Dimensions of Radical Democracy: Pluralism, Citizenship, Community. London; New York: Verso, 1992.

MOUFFE, C. Por um modelo agonístico de democracia. Revista de Sociologia e Política, v. 25, p. 1123, 2005.

PEREIRA, L. C. B. Administração pública gerencial: estratégia e estrutura para um novo Estado. Texto para Discussão ENAP nº 9. Brasília: ENAP, 1996a.

PEREIRA, L. C. B. Crise econômica e reforma do Estado no Brasil. São Paulo: Ed. 34, 1996c.

PEREIRA, L. C. B. Da administração burocrática à gerencial. Revista do Serviço Público, v. 47, n. 1, 1996b.

PEREIRA, L. C. B. New public management reform: now in the Latin America agenda, and yet. International Journal of Political Studies, n. 3, p. 117-140, 2001.

PEREIRA, L. C. B. O Estado necessário para a democracia possível na América Latina. “Agenda sobre a Estatalidade para a Democracia na América Latina”. OEA, 2009.

SACHET, Z. A formação dos dirigentes no centro da modernização dos governos públicos. Panamá: Clad, 2003.

SCHICK, A. An agenda for budgeting. Artigo conceitual para estabelecer uma rede orçamentária na região da América Latina. BID, 2005.

SCHICK, A. Getting performance budgeting to perform. Conferência Internacional sobre Orçamento Baseado em Desempenho. México, 2008.

WEBER, M. A objetividade do conhecimento nas ciências sociais. In: COHN, Gabriel. (Org) Max Weber: sociologia. 7. ed. São Paulo: Ática, 2003.

WEBER, M. Ensaios de sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1963.

WEFFORT, F. Qual democracia? São Paulo: Companhia das Letras, 1992.