Colaboração interinstitucional em pesquisa no Brasil: tendências em artigos na área de gestão da inovação Outros Idiomas

ID:
29904
Periódico:
Resumo:
O trabalho colaborativo em rede se expandiu a partir do final do século XX, apoiado pelos avanços nas tecnologias de informação e comunicação. A velocidade crescente das mudanças tecnológicas e o acirramento da competitividade internacional demandam esforços cooperativos de pesquisa e desenvolvimento entre organizações. Padrões similares de colaboração em rede são observados no meio acadêmico e suas relações com o setor produtivo. Este artigo visa contribuir para a identificação dos padrões de colaboração dos pesquisadores brasileiros. Para tanto, analisa-se a colaboração em produção científica na área de gestão da inovação por meio de um levantamento de coautoria dos artigos apresentados no Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica (Sigitec) no período 1998-2008. Verifica-se a ausência de uma tendência clara de crescimento da colaboração interinstitucional, que ainda é inferior aos níveis internacionais, bem como a persistência da concentração espacial da produção científica.
Citação ABNT:
GAZDA, E.; QUANDT, C. O. Colaboração interinstitucional em pesquisa no Brasil: tendências em artigos na área de gestão da inovação. RAE-eletrônica, v. 9, n. 2, art. 10, p. 1-27, 2010.
Citação APA:
Gazda, E., & Quandt, C. O. (2010). Colaboração interinstitucional em pesquisa no Brasil: tendências em artigos na área de gestão da inovação. RAE-eletrônica, 9(2), 1-27.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/29904/colaboracao-interinstitucional-em-pesquisa-no-brasil--tendencias-em-artigos-na-area-de-gestao-da-inovacao/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ADAMS, J. e outros. Scientific teams and institutional collaborations: evidence from U.S. universities, 1981-1999. Research Policy, v. 34, n. 3, p. 259-285, 2005.

ALVARADO, R. A Lei de Lotka na bibliometria brasileira. Ciência da Informação, v. 31, n. 2, p. 1420, 2002.

ARAL, S; VAN ALSTYNE, M. Networks, information & social capital. Draft version, 2008. Disponível em: http://ssrn.com/abstract=958158. Acesso em 02.dez.2008.

BARNEY, J. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, v. 17, n. 1, p. 99-120, 1991.

BERRY, A. SME competitiveness: the power of networking and subcontracting. Paper n. IFM-105. Washington, DC: Inter-American Development Bank, 1997.

BERTERO, C. e outros. Estratégia empresarial: a produção científica brasileira entre 1991 e 2002. RAE–revista de administração de empresas, v. 43, n. 4, p. 48-63, 2003.

BERTERO, C. Produção científica em administração no Brasil: o estado da arte. São Paulo: Atlas, 2005.

BORGATTI, S; FOSTER, P. The network paradigm in organizational research: a review and typology. Journal of Management, v. 29, n. 6, p. 991-1013, 2003.

CÂNDIDO, G; ABREU, A. F. de. Os conceitos de redes e as relações interorganizacionais: um estudo exploratório. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 24, Anais. Florianópolis: ANPAD, 2000.

CARDOSO, R. e outros. Pesquisa científica em contabilidade entre 1990 e 2003. RAE–revista de administração de empresas, v. 45, n. 2, p. 34-45, 2005.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CHESBROUGH, H. As novas regras de P&D. In: Implementando a inovação. Harvard Business School, Série Inovação Orientada para Resultados. Rio de Janeiro: Campus, 2007.

ETZKOWITZ, H; LEYDESDORFF, L. The dynamics of innovation: from national systems and ‘‘Mode 2’’ to a triple helix of university–industry–government relations. Research Policy, v. 29, p. 109-123, 2000.

GIBBONS, M. e outros. The New Production of Knowledge: The Dynamics of Science and Research in Contemporary Societies. London: Sage, 1994.

HICKS, D e outros. The changing composition of innovative activity in the US – a portrait based on patent analysis. Reseach Policy, v. 30, n. 4, p. 681-703, 2001.

HOPPEN, N; MEIRELLES, F. Sistemas de informação: um panorama da pesquisa científica entre 1990 e 2003 RAE–revista de administração de empresas, v. 45, n. 1, p. 24-35, 2005.

IBARRA, H. Structural alignments, individual strategies and managerial action: elements toward a network theory of getting things done. In: NOHRIA, N; ECCLES, R. Networks and Organizations: Structure, Form and Action. Boston: Harvard Business School Press, 1992. p. 165-188.

JONES, C; HESTERLY, W; BORGATTI, S. A general theory of network governance: exchange conditions and social mechanisms. Academy of Management Review, v. 22, n. 4, p. 911-945, 1997.

LASTRES, H. M. M. Gestão da inovação e redes de inovação. Brasília: Sebrae, 1996.

LOTKA, A. J. The frequency distribution of scientific productivity. Journal of the Washington Academy of Sciences, v. 16, n. 12, p. 317-323, 1926.

MARTIN, B. R. The changing social contract for science and the evolution of the university. In: GEUNA, A. e outros. (Eds) Science and Innovation: Rethinking the Rationales for Funding and Governance. Cheltenham: Edward Elgar, 2003. p. 7-29.

MATTOS, J; BERTRAND, M; BERTÉ, R. (Orgs) Cooperar para competir – o novo desafio da competitividade. Porto Alegre: MBC; Sebrae, 2002.

MCCAIN, K. Mapping authors in intellectual space: a technical overview. Journal of the American Society for Information Science, v. 41, n. 6, p. 433-443, 1990.

NADLER, D; TUSHMAN, M. A organização do futuro: as lições importantes do século XX e os próximos desafios que levarão ao novo desenho da empresa. HSM Management, n. 18, p. 58-67, 2000.

NOHRIA, N; ECCLES, R. Networks and Organizations: Structure, Form and Action. Boston: Harvard Business School Press, 1992.

NSF (National Science Foundation). National Science Board. Science and Engineering Indicators 2008. Arlington, VA: National Science Foundation, 2008. Disponível em: http://www.nsf.gov/statistics/seind08/toc.htm. Acesso em 27.11.2008.

OLIVARES, J. Negociação para configurar o desenho da estrutura organizacional em rede. Caderno de Pesquisas em Administração, v. 9, n. 3, 2002.

PITTAWAY, L. e outros. Networking and innovation: a systematic review of the evidence. Institute for Entrepreneurship and Enterprise Development. Working Paper 2004/016. Lancaster, UK: Lancaster University Management School, 2004.

PORTER, M. Competitive Advantage. New York: The Free Press, 1980.

PORTER, M; KETELS, R. UK competitiveness: moving to the next stage. Management Research Forum, Summary Report 6. London: Advanced Institute of Management, 2003.

QUANDT, C. Inovação, competitividade e desenvolvimento regional: os desafios da reestruturação produtiva do Estado. Revista Paranaense de Desenvolvimento, n. 91, p. 9-32, 1997.

RODRIGUES, S; CARRIERI, A. A tradição anglo-saxônica nos estudos organizacionais brasileiros. RAC – Revista de Administração Contemporânea, v. 5, Edição Especial, p. 81-102, 2001.

ROSSONI, L. e outros. Administração de ciência e tecnologia: a produção científica brasileira entre 2000 e 2005. In: SIMPÓSIO DE GESTÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, 24, 2006, Gramado. Anais Eletrônicos, Gramado: ANPAD, 2006.

SBRAGIA, R. e outros. Política e gestão da inovação tecnológica: estudo comparativo da evolução da disciplina no Brasil e na Ibero-América. Espacios, v. 24, n. 2, 2003.

VOOS, H. Lotka and information science. Journal of the American Society of Information Science, v. 25, n. 4, p. 270-272, 1974.

WHITE, D. H; GRIFFITH, B. C. Authors as markers of intellectual space: co-citation in studies of science, technology and society. Journal of Documentation, v. 38, n. 4, p. 255-272, 1982.

ZACK, M. Researching organizational systems using social network analysis. Hawaii International Conference on System Sciences, 33, Wailea-Makena, Maui, Hawaii, USA, Proceedings… WaileaMakena, HI: IEEE Computer Society, 2000.