A importância dos Clássicos na formação do Pesquisador: o que nos diz os conceitos de socialização, identificação e campo intelectual como campo de poder Outros Idiomas

ID:
29959
Resumo:
O objetivo deste ensaio teórico é defender a importância da leitura dos clássicos no processo de formação e de constituição do sujeito como pesquisador. Constrói-se essa defesa por meio de abordagens teóricas relacionadas aos conceitos de socialização; de identificação (que se relaciona ao conceito de identidade); e por meio da noção bourdiesiana de que o campo intelectual é um campo de um poder. Ao longo da discussão, analisa-se como, por intermédio da socialização, há uma influência tanto da estrutura quanto do próprio sujeito em sua constituição como pesquisador. Por meio do conceito de identificação, percebe-se a influência da subjetividade do sujeito pesquisador ao se identificar ou não com os clássicos que lê, escolhendo aqueles que serão os “seus” clássicos. E, por meio da noção de campo intelectual como campo de poder, considera-se a existência de uma ciência que não é desinteressada e defende-se o perigo dos apuds e da leitura de traduções dos clássicos.
Citação ABNT:
TEIXEIRA, J. C.; ZANOTELI, E. J.; CARRIERI, A. P. A importância dos Clássicos na formação do Pesquisador: o que nos diz os conceitos de socialização, identificação e campo intelectual como campo de poder. Revista de Ciências da Administração, v. 16, n. 38, p. 154-171, 2014.
Citação APA:
Teixeira, J. C., Zanoteli, E. J., & Carrieri, A. P. (2014). A importância dos Clássicos na formação do Pesquisador: o que nos diz os conceitos de socialização, identificação e campo intelectual como campo de poder. Revista de Ciências da Administração, 16(38), 154-171.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/29959/a-importancia-dos-classicos-na-formacao-do-pesquisador--o-que-nos-diz-os-conceitos-de-socializacao--identificacao-e-campo-intelectual-como-campo-de-poder/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ARCHER, M. S. Agents: active and passive. In: ARCHER, M. S. Being human: the problem of agency. Cambridge: Cambridge University Press, 2000. p. 253-281. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2011.

BERGER, P.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade: tratado de Sociologia do Conhecimento. Petrópolis: Vozes, 1985. 247 p.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. Perspectiva: São Paulo, 2006. 361 p.

BOURDIEU, P. O campo científico. In: ORTIZ, R. A sociologia de Pierre Bourdieu. São Paulo: Olho D’água, 2003. p. 122-155.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998. 311 p.

BOURDIEU, P. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: UNESP, 2004. 86 p.

CALVINO, I. Por que ler os clássicos? Tradução Nilson Moulin. São Paulo: Companhia das Letras, 1999. 279 p.

CARRIERI, A. P.; PAES DE PAULA, A. P.; DAVEL, E. Identidade nas organizações: Múltipla? Fluida? Autônoma? Organizações & Sociedade, Salvador, v. 15, n. 45, abr.-jun. 2008.

CASTELLS, M. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 2000. 530 p.

CHASIN, J. Marx: estatuto ontológico e resolução metodológica. In: TEIXEIRA, F. J. S. Pensando com Marx. São Paulo: Ensaio, 1995. p. 335-537.

CIAMPA, A. da C. A estória do Severino e a história da Severina: um ensaio de psicologia social. São Paulo: Brasiliense, 2001. 245 p.

CUNHA, P. F. Reler o direito clássico: um desafio jurídico do séc. XXI. Grécia e Roma, fontes e exemplos da juridicidade. Revista Campo Jurídico, Barreiras, n. 1, p. 151-162, mar. 2013.

DUBAR, C. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. São Paulo: Martins Fontes, 2005. 343 p.

FERNANDES, M. E. R. Identidade organizacional e os componentes do processo de identificação: uma proposta de integração. Cadernos Ebape.BR, Rio de janeiro, v. 7, n. 4, p. 687703, dez. 2009.

FERNANDES, M. E. R.; MARQUES, A. L.; CARRIERI, A. P. Elementos para a compreensão dos estudos de identidade em teoria organizacional. In: CARRIERI, A. P. et al. (Org.) Identidade nas organizações. Curitiba: Juruá, 2010. p. 29-62.

FOLHA DE SÃO PAULO. CADERNO MAIS! São Paulo, 11. abr. 1999.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2006. 295 p.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes, 2005. 262 p.

FREITAS, M. E. Identidade e identidades: somos o branco e o arco-íris. In: CARRIERI, A. P. et al. (Org.) Identidade nas organizações. Curitiba: Juruá, 2010. p. 11-14

HALL, S. A identidade cultural na pósmodernidade. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2006. 102 p.

HOLST, I. ABC da Música. São Paulo: Martins Fontes, 1987. 284 p.

IBARRA-COLADO, E. Organization Studies and Epistemic Coloniality in Latin America. Thinking Otherness from the Margins. Organization, London, v. 13, n. 4, p. 463-488, 2006.

INFOPEDIA. Ítalo Calvino. Porto: Porto Editora, 20032011. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2011.

JUNIOR, W. P. Guerreiro Ramos, administração e ciências sociais. Organizações & Sociedade, Salvador, v. 17, n. 52, p. 201-208, jan.-mar. 2010.

MACHADO, H. V.; KOPITTKE, B. A identidade no contexto organizacional: perspectivas múltiplas de estudo. In: ENCONTRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS, 2, 2002, Recife. Anais... Recife: UFPE, 2002.

MATITZ, Q. R. S.; VIZEU, F. Construção e uso de conceitos em estudos organizacionais: por uma perspectiva social e histórica. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 46, n. 2, p. 577-598, mar.-abr. 2012.

NKOMO, S. M.; COX, T. Jr. Diversidade e identidade nas organizações. In: CALDAS, M. P.; FACHIN, R.; FISCHER, T. (Org.). Handbook de estudos organizacionais: modelos de análise e novas questões em estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 1999. p. 332-358.

ORGANIZAÇÕES & SOCIEDADE. Edição especial: Alberto Guerreiro Ramos. Organizações & Sociedade, Salvador, v. 17, n. 52, jan.-mar. 2010.

PAIVA, K. C. M.; MELO, M. C. O. L. Refletindo sobre identidades e profissão acadêmica em universidades. In: CARRIERI, A. P. et al. (Org.) Identidade nas organizações. Curitiba: Juruá, 2010. p. 87-105.

PIMENTA, S. M.; LOPES, M. R.; CORRÊA, M. L. A dialética das identidades nos processos de mudança. In: CARRIERI, A. P. et al. (Org.) Identidade nas organizações. Curitiba: Juruá, 2010. p. 63-85

PIMENTEL, T. D.; CARRIERI, A. P. A espacialidade na construção da identidade. Cadernos Ebape.BR, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, p. 1-21, mar. 2011.

PRESTES, Z. R. Quando não é quase a mesma coisa: análise de traduções de Lev Semionovitch Vigotski no Brasil, repercussões no campo educacional. 295f. Tese (Doutorado). Universidade de Brasília, DF. Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2010.

PRIBERAM. Novo dicionário Priberam da Língua Portuguesa. Priberam Informática, 2011. Disponível em: . Acesso em: 6 jul. 2011.

RAMOS, G. A nova ciência das organizações. Rio de Janeiro: FGV, 1989. 210 p.

SARAIVA, L. A. S. et al. As questões identitárias nas organizações. In: CARRIERI, A. P. et al. (Org.) Identidade nas organizações. Curitiba: Juruá, 2010. p. 17-28.

SEIXAS, R. Metamorfose ambulante. Disco Kring-Ha Bandolo, 1973.

SILVA, C. L.; ALMEIDA JR., B. R.; PAULO, A. C. Brincadeiras que meus pais brincavam: projeto educacional do CEI Neide Clarassot. Dialogia, São Paulo, v. 8, n. 2, p. 259-268, 2009.

TAJFEL, H. (Ed.). Differentiation between social groups: studies in the social psychology of intergroup relations. London: Academic Press, 1978. p. 61-76.

THIRY-CHERQUES, H. R. Pierre Bourdieu: a teoria na prática. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 40, n. 1, p. 27-55, jan.-fev. 2006.

WEBER, M. A Ética protestante e o espírito de capitalismo. São Paulo: Editors Schwarcz, 2004. 335 p.

WEBER, M. Ética protestante e o espírito capitalista. São Paulo: Cengage Learning, 2009. 187 p.

WRAY-BLISS, E. Research subjects/research subjections: exploring the ethics and politics of critical research. Organization, London, v. 10, n. 2, p. 307-325, 2003