Pesquisas com foco em pessoas com deficiência no campo da Administração: paradigmas e perspectivas epistemológicas Outros Idiomas

ID:
30360
Resumo:
As pesquisas acadêmicas brasileiras em administração com foco em pessoas com deficiência são escassas, os esforços de pesquisa nesse sentido esbarram em questões de natureza ontológica, epistemológica e metodológica. O presente trabalho tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o potencial de adequação de diferentes paradigmas e perspectivas epistemológicas para pesquisas no campo da administração com foco em pessoas com deficiências. Frente às vantagens e desvantagens no aproveitamento da vertente epistemológica hegemônica em administração o artigo avança em reflexões sobre a possibilidade de uso de outras epistemologias que não o positivismo: o racionalismo de Popper, a fenomenologia, a epistemologia histórica, a dialética, a epistemologia crítica e a epistemologia emancipatória da deficiência. Os resultados sugerem que todas essas epistemologias possuem potencial para fazer avançar as pesquisas em administração com foco em pessoas com deficiência, contanto que os pesquisadores suspendam seus preconceitos e resguardem a perspectiva de deficiência como construção social.
Citação ABNT:
FARIA, M. D.; VERGARA, S. C.; CARVALHO, J. L. F. D. S. Pesquisas com foco em pessoas com deficiência no campo da Administração: paradigmas e perspectivas epistemológicas. Revista Gestão & Planejamento, v. 15, n. 1, p. 21-39, 2014.
Citação APA:
Faria, M. D., Vergara, S. C., & Carvalho, J. L. F. D. S. (2014). Pesquisas com foco em pessoas com deficiência no campo da Administração: paradigmas e perspectivas epistemológicas. Revista Gestão & Planejamento, 15(1), 21-39.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/30360/pesquisas-com-foco-em-pessoas-com-deficiencia-no-campo-da-administracao--paradigmas-e-perspectivas-epistemologicas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AHRENS, T. Overcoming the subjective-objective divide in interpretive management accounting research. Accounting, Organizations and Society, v. 33, p. 292-297, 2008.

ANDRADE, J.; SMOLKA, A. A construção do conhecimento em diferentes perspectivas: contribuições de um diálogo entre Bachelard e Vigotski. Ciência & Educação, v. 15, n. 2, p. 245-268, 2009.

BARNES, C. Emancipatory disability research: project or process? Journal of Research in Special Educational Needs, v. 2, n. 1, p. 1-8, 2002.

BARNES, C. What a difference a decade makes: reflections on doing “emancipatory” disability research. Disability & Society, v. 18, n. 1, p. 3-17, 2003.

BARNES, C.; MERCER, G. Breaking the mould? An introduction to doing disability research. In: BARNES, C.; MERCER, G. (Ed.). Doing disability research. Leeds: The Disability Press, 1997. p. 1-14.

BATISTA-DOS-SANTOS, A.; ALLOUFA, J.; NEPOMUCENO, L. Epistemologia e metodologia para as pesquisas críticas em administração: leituras aproximadas de Horkeimer e Adorno. Revista de Administração de Empresas, v. 50, n. 3, p. 312-324, jul./set. 2010.

BERNIKER, E.; McNABB, D. Dialectical inquiry: a structured qualitative research method. The Qualitative Report, v. 11, n. 4, p. 643-664, 2006.

BERTERO, C.; CALDAS, M.; WOOD Jr., T. Produção científica em administração de empresas: provocações, insinuações e contribuições para um debate local. Revista de Administração Contemporânea, v. 3, n. 1, p. 147-178, 1999.

BHASKAR, R.; DANERMARK, B. Metatheory, interdisciplinarity and disability research: a critical realist perspective. Scandinavian Journal of Disability Research, v. 8, n. 4, p. 287-297, 2006.

BRAITHWAIT, D.; THOMPSON, T. Handbook of communication and people with disability: Research and application. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, 2000.

BRICHER, G. Disabled people, health professionals and the social model of disability: can there be a research relationship? Disability & Society, v. 15, n. 5, p. 781-793, 2000.

BURRELL, G. Ciência normal, paradigmas, metáforas, discursos e genealogia da análise. In: CLEGG, S. et al. (Org.). Handbook de estudos organizacionais: modelos de análise e novas questões em estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 1999. v. 1, p. 439-462.

BURRELL, G.; MORGAN, G. Sociological paradigms and organizational analysis. London: Heinemann, 1979.

CARVALHO-FREITAS, M. Análise da inserção e gestão do trabalho de pessoas com deficiência: um estudo de caso. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 31., 2007. Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Anpad, 2007.

CARVALHO-FREITAS, M.; MARQUES, A. A diversidade através da história; a inserção no trabalho de pessoas com deficiência. Organizações & Sociedade, v. 14, n. 41, p. 59-78, 2007.

COUTINHO, L.; CARVALHO, J. Diversidade e ações afirmativas nas organizações brasileiras. In: SIMPÓSIO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO E TECNOLOGIA, 4., 2007, Resende. Anais... Resende: AEDB, 2007.

COX-WHITE, B.; BOXALL, S. Redefining disability: maleficent, unjust and inconsistent. Journal of Medicine and Philosophy, v. 33, p. 558-576, 2009.

CRESWELL, J. Qualitative inquiry and research design: choosing among five traditions. Thousand Oaks: Sage, 1998.

CUSPANI, A.; PITROCOLA, M. A relevância da epistemologia de Mario Bunge para o ensino das ciências. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 19, p. 100-125, 2002.

DANIELI, A.; WOODHAMS, C. Emancipatory research methodology and disability: a critique. International Journal of Social Research Methodology, v. 8, n. 4, p. 281-296, 2005.

DARCY, S. Inherent complexity: disability, accessible tourism and accommodation information preferences. Tourism Management, v. 31, p. 816-826, 2010.

DARTIGUES, A. O que é fenomenologia? 10. ed. São Paulo: Centauro, 2008.

DEMO, P. Metodologia científica em ciências sociais. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

FONSECA, D. A pedagogia científica de Bachelard: uma reflexão a favor da qualidade da prática e da pesquisa docente. Educação e Pesquisa, v. 34, n. 2, p. 361-370, 2008.

FOUCAULT, M. História da loucura. 8. ed. São Paulo: Perspectiva, 2009.

FRENCH, S. Cogito ergo sum: exploring epistemological options for strategic management. Journal of Management Development, v. 28, n. 1, p. 18-37, 2009.

FRENCH, S.; SWAIN, J. Changing Disability Research: Participating and Emancipatory Research with Disabled People. Physiotherapy, v. 86, n. 1, p. 26-36, 1997.

GLAT, R.; PLETSCH, M. O método de história de vida em pesquisas sobre auto-percepção de pessoas com necessidades educacionais especiais. Revista Educação Especial, v. 22, n. 34, p. 139-154, 2009.

GOLES, T.; HIRSCHHEIM, R. The paradigm is dead, the paradigm is dead… long live the paradigm: the legacy of Burrell and Morgan. Omega – The International Journal of Management Science, v. 28, p. 249-268, 2000.

GOMES, A.; SANTANA, W. A história oral na análise organizacional: a possível e promissora conversa entre a história e a administração. Cadernos EBAPE.BR, v. 8, n. 1, p. 2-18, 2010.

GOODLEY, D.; LAWTHOM, R. Epistemological journeys in participatory action research: alliances between community psychology and disability studies. Disability & Society, v. 20, n. 2, p. 135-151, 2005.

HABERMAS, J. Conhecimento e interesse. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

HODGKINSON, G.; ROUSSEAU, D. Bridging the rigour-relevance gap in management research: it’s already happening! Journal of Management Studies, v. 46, n. 3, p. 534-546, 2009.

HUNT, S. Foundations of marketing theory: toward a general theory of marketing. London: Sharpe, 2002.

IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010. Disponível em: . Acesso em: 29 nov. 2011.

JAPIASSU, H. Introdução ao pensamento epistemológico. 7. ed. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1992.

JOHNSON, P. et al. Evaluating qualitative management research: towards a contingent criteriology, International Journal of Management Reviews, v. 8, n. 3, p. 131-156, 2006.

JOHNSON, P. Understanding Management Research: an introduction to epistemology. London: Sage, 2000.

JOHNSON, P.; DUBERLEY, J. Reflexivity in management research, Journal of Management Studies, v. 40, n. 5, p. 1279-1303, 2003.

JONES, P.; COMFORT, D.; HILLIER, D. What´s in store? Retail marketing and corporate social responsibility. Marketing Intelligence & Planning, v. 25, n. 1, p. 17-30, 2007.

JONES, P.; SCHMIDT, R. Retail employment and disability. International Journal of Retail & Distribution Management, v. 32, n. 9, p. 426-429, 2004.

KAUFMAN-SCARBOROUGH, C. Reasonable access for mobility-disabled persons is more than widening the door. Journal of Retailing, v. 75, n. 4, p. 479-508, 1999.

KIESER, A.; LEINER, L. Why the rigour-relevance gap in management research is unbridgeable, Journal of Management Studies, v. 46, n. 3, p. 516-533, 2009.

KITCHIN, R. The researched opinions on research: disabled people and disability research. Disability & Society, v. 15, n. 1, p. 25-47, 2000.

KONDER, L. O que é dialética. São Paulo: Brasiliense, 1985.

LAGES, S.; MARTINS, R. Turismo inclusivo: a importância da capacitação do profissional de turismo para o atendimento ao deficiente auditivo. Estação Científica, n. 3, p. 1-17, 2006.

LE BRETON, D. A sociologia do corpo. 4. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

LOEB, M.; EIDE, A.; MONT, D. Approaching the measurement of disability prevalence: the case of Zambia. ALTER European Journal of Disability Research, v. 2, p. 32-43, 2008.

LUKKA, K. The roles and effects of paradigms in accounting research. Management Accounting Research, v. 21, p. 110-115, 2010.

MATTOS, P. A estruturação de dissertações e teses em Administração: caracterização teórica e sugestões práticas. Revista de Administração Contemporânea, v. 6, n. 3, p. 175-198, 2002.

MERCIECA, D.; MERCIECA, D. Opening research to intensities: rethinking disability research with Deleuze and Guattari. Journal of Philosophy of Education, v. 44, n. 1, p. 79-92, 2010.

MOREIRA, D. O método fenomenológico na pesquisa. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004.

MOREIRA, L. et al. O trabalho para os portadores de necessidades especiais: um caminhar pela diversidade através dos conceitos de poder, minoria e deficiência. In: ENCONTRO DE GESTÃO DE PESSOAS E RELAÇÕES DE TRABALHO, 2., 2009. Curitiba. Anais... Curitiba: ANPAD, 2009.

MOREJÓN, K; GARCIA, L. A inclusão de pessoas com deficiência no ensino superior público do estado do Rio Grande Do Sul/RS/Brasil. In: CONGRESSO IBEROAMARICANO DE EDUCACIÓN, 2010. Buenos Aires. Anais... Buenos Aires: OEI, 2010.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2011.

MUSIS, C.; CARVALHO, S. Representações sociais de professores acerca do aluno com deficiência: a prática educacional e o ideal do ajuste à normalidade. Educação Social, v. 31, n. 110, p. 201-217, 2010.

NEIVA, E. O racionalismo crítico de Popper. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1999.

OLIVER, M. Emancipatory research: realistic goal or impossible dream? In: BARNES, C.; MERCER, G. (Ed.). Doing disability research. Leeds: The Disability Press, 1997. p. 15-31.

OLIVER, M. Os anormais. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

PENNA, A. Introdução a epistemologia. Rio de Janeiro: Imago, 2000.

POLLACK, J. Pyramids or silos: alternative representations of the systems thinking paradigms. Systemic Practice and Action Research, v. 19, n. 4, p. 383-398, 2006.

POPPER, K. Conjunturas e refutações. Brasília: Universidade de Brasília, 1972.

POPPER, K. Em busca de um mundo melhor. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

PRIDEAUX, S.; ROULSTONE, A. Good practice for providing disabled people with reasonable access to the built environment. A comparative study of legislative provision. International Journal of Law in the Built Environment, v. 1, n. 1, p. 59-81, 2009.

RAMOS, A. G. A nova ciência das organizações. Rio de Janeiro: FGV, 1989.

RAY, M. The richness of phenomenology: philosophic theoretic and methodologic concerns . In: MORE, J. (Ed.) Critical issues in qualitative research method. Londres: Sage, 1994. p. 116-133.

REED, M. Teorização organizacional: um campo historicamente contestado. In: CLEGG, S. et al. (Org.). Handbook de estudos organizacionais: modelos de análise e novas questões em estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 1999. v. 1, p. 61-98.

RIBEIRO, M.; CARNEIRO, R. A inclusão indesejada: as empresas brasileiras face à lei de cotas para pessoas com deficiência no mercado de trabalho. Organizações & Sociedade, v. 16, n. 50, p. 545-564, jul./set. 2009.

SACOMANO NETO, M.; TRUZZI, O. Perspectivas contemporâneas em análise organizacional. Gestão & Produção, v. 9, n. 1, p. 32-44, 2002.

SANSIVIERO, S.; DIAS, C. Hotelaria e acessibilidade. Turismo – Visão e Ação, v. 7, n. 3, p. 439-453, 2005.

SASSAKI, R. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 2003.

SCHNEIDER, M. et al. Measuring disability in censuses: the case of South Africa. ALTER European Journal of Disability Research, v. 3, p. 254-265, 2009.

SERVA, M. O surgimento e o desenvolvimento da epistemologia da administração: inferências sobre a contribuição ao aperfeiçoamento da teoria administrativa. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 36., 2012. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2012.

SERVA, M.; DIAS, T.; ALPERSTEDT, G. Paradigma da complexidade e teoria das organizações: uma reflexão epistemológica. Revista de Administração de Empresas, v. 50, n. 3, p. 276-287, 2010.

SILVA, S. Na primeira pessoa, a voz das pessoas com deficiência na construção de políticas públicas sociais. In: CONGRESSO DE LEITURA DO BRASIL, 16., 2007, Campinas, SP. Anais... Campinas, SP: Unicamp, 2007.

SILVA, T.; SANTOS, A. Administração: que ciência é essa? Da demarcação científica à epistemologia de fronteira. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 37., 2013, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2013.

STARKEY, K.; HATCHUEL, A.; TEMPEST, S. Management research and the new logics of discovery and engagement, Journal of Management Studies, v. 46, n. 3, p. 547-558, 2009.

STONE, E.; PRIESTLEY, M. Parasites, pawns and partners: disability research and the role of non-disabled researchers. British Journal of Sociology, v. 47, n. 4, p. 699-716, 1996.

SWIFT, C.; WAYLAND, J.; WAYLAND, R. The Americans with Disabilities Act 1990: guidelines for industrial sales managers. Journal of Business & Industrial Marketing, v. 9, n. 3, p. 30-37, 1994.

TANAKA, E. Acessibilidade: um dos caminhos para auxiliar na inclusão. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 12, n. 1, p. 139-142, 2006.

THIRY-CHERQUES, H. À moda de Foucault: um exame das estratégias arqueológica e genealógica de investigação. Lua Nova, n. 81, p. 215-248, 2010.

TONELLI, M. et al. Produção acadêmica em recursos humanos no Brasil: 1991-2000. Revista de Administração de Empresas, v. 43, n. 1, p. 105-122, 2003.

TURMUSANI, M. An eclectic approach to disability research: a majority world perspective. Asia Pacific Disability Rehabilitation Journal, v. 15, n. 1, p. 3-11, 2004.

VEHMAS, S. Philosophy and science: the axes of evil in disability studies? Journal of Medical Ethics, v. 34, n. 1, p. 21-23, 2008.

VERGARA, S. Métodos de pesquisa em administração. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

VERGARA, S. Nota técnica: ciência normal, paradigmas, metáforas, discursos e genealogia da análise. In: CLEGG, S. et al. (Org.). Handbook de estudos organizacionais: modelos de análise e novas questões em estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 1999. v. 1, p. 463-465.

VERGARA, S. Teoria pratica educacional – da técnica à ética. PUC Ciência, n. 5, p. 12-20, 1990.

VIGOTSKI, L. Fundamentos de defectologia. Lisboa: Visor, 1997.

WILLMOTT, H. Theorizing contemporary control: some post-structuralist responses to some critical realist questions. Organization, v. 12, n. 5, p. 747-780, 2005.