Modelos organizacionais para treinamento versus estilos de aprendizagem de colaboradores: um estudo de caso em uma empresa de serviços de infraestrutura organizational Outros Idiomas

ID:
30361
Resumo:
O artigo tem como objetivo identificar os mecanismos de treinamento utilizados por uma empresa que atua na área de serviços de infraestrutura e estilos de aprendizagem de seus colaboradores, para aferir convergências ou assimetrias entre esses fatores. A empresa objeto do estudo faz parte da Cadeia Produtiva de PVC, Petróleo, Gás e Energia em Maceió – AL. A metodologia, conduzida em formato de estudo de caso, teve caráter multinível e utilizou pesquisas documentais, entrevistas e um levantamento dos estilos de aprendizagem. Com base na teoria de Kolb (1984), o levantamento dos estilos de aprendizagem deu-se através do Inventário de Estilos de Aprendizagem. Verificou-se um equilíbrio entre estilos Divergente (40%) e Assimilador (35%) para os colaboradores participantes da pesquisa. Estes estilos assumem compatibilidade com os formatos de treinamento e capacitação desenvolvidos pela empresa investigada. A discussão traz um aprofundamento do tema da aprendizagem em termos organizacionais, emergindo as implicações desses resultados para contextos de melhoria produtiva por parte de organizações em rede. Além disso, amplia a perspectiva do treinamento e da aprendizagem experiencial em níveis de ensino-aprendizagem, o que fornece suporte para outros estudos nessa direção.
Citação ABNT:
SOUZA, G. H. S.; LIMA, N. C.; MILITO, C. M.; SANTOS, P. C. F. D.; COELHO, J. A. P. M.; PONTES JR, J. F. V. Modelos organizacionais para treinamento versus estilos de aprendizagem de colaboradores: um estudo de caso em uma empresa de serviços de infraestrutura organizational. Revista Gestão & Planejamento, v. 15, n. 1, p. 40-62, 2014.
Citação APA:
Souza, G. H. S., Lima, N. C., Milito, C. M., Santos, P. C. F. D., Coelho, J. A. P. M., & Pontes Jr, J. F. V. (2014). Modelos organizacionais para treinamento versus estilos de aprendizagem de colaboradores: um estudo de caso em uma empresa de serviços de infraestrutura organizational. Revista Gestão & Planejamento, 15(1), 40-62.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/30361/modelos-organizacionais-para-treinamento-versus-estilos-de-aprendizagem-de-colaboradores--um-estudo-de-caso-em-uma-empresa-de-servicos-de-infraestrutura-organizational/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ACHARYA, C. Students’ learning styles and their implications for teachers. CDTL Brief Centre for Development of Teaching and Learning, v. 5, n. 6, p. 1-3, 2002.

AKTAŞ, M. Cultural values and learning styles: a theoretical framework and implications for management development. Procedia Social and Behavioral Sciences, v. 41, p. 357-362, 2012.

ALVES, F. C. et al. Innovation in a productive chain perspective: competences to innovate in Brazilian plastic packaging and petrochemical industries. Revista Economia Contemporânea, v. 16, n. 1, p. 27-42, 2012.

BOYATZIS, R. E.; COWEN, S. S.; KOLB, D. A. (Ed.). Innovation in professional education: steps in a journey from teaching to learning. San Francisco: Jossey-Bass, 1995.

CARBONE, P. P. et al. Gestão por competências e gestão do conhecimento. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

CHAPMAN, A. Kolb learning styles. 2005. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2009.

CORBETT, A. C. Experiential learning within the process of opportunity identification and explotation. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 29, n. 4, p. 473-491, 2005.

FLEURY, A. C. C.; FLEURY, M. T. L. A arquitetura das redes empresariais como função do domínio de conhecimentos. In: AMATO NETO, J. (Org.). Redes entre organizações: domínio do conhecimento e da eficácia operacional. São Paulo: Atlas, 2005. p. 7-16.

FOSTER, J.; LIN, A. Individual differences in learning entrepreneurship and their implications for web-based instruction in e-business and e-commerce. British Journal of Educational Technology, v. 34, n. 4, p. 455-465, 2003.

FRANCO, M. J. B. Estudo do empreendedorismo ao nível de aprendizagem individual: ao papel do empreendedor. In: CALVO, J. C. A. (Coord.). Conocimiento, innovación y emprendedores: caminho al futuro. Universidad de La Rioja Press, 2007.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

GODOY, A. S.; ANTONELLO, C. S. Aprendizagem organizacional no Brasil. Porto Alegre: Bookman, 2011.

HARRISON, R. T.; LEITCH, C. M. Entrepreneurial learning: researching the interface between learning and the entrepreneurial context. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 29, n. 4, p. 351-371, 2005.

HUNG, R. Y. Y. et al. Impact of TQM and organizational learning on innovation performance in the high-tech industry. International Business Review, v. 20, p. 213-225, 2011.

JIMÉNEZ -JIMÉNEZ, D.; SANZ-VALLE, R. Innovation, organizational learning, and performance. Journal of Business Research, v. 64, n. 4, p. 408-417, 2011.

JUNIOR’S CONSULTORIA. Pesquisa de avaliação de resultados da cadeia produtiva de PVC, petróleo, gás e energia. Maceió/AL: Empresa Junior’s Consultoria, UFAL, 2006.

KOLB, D. A. A gestão e o processo de aprendizagem. In: STARKEY, K. (Org.). Como as organizações aprendem: relatos de sucesso das grandes empresas. São Paulo: Futura, 1997. p. 321-341.

KOLB, D. A. Experiential learning: experience as the source of learning and development. Englewood Cliffs: Prentice Hall, 1984.

KOLB, D. A. Inventario de Estilos de Aprendizaje (IEA). Versión 3.TRB Hay/MacBer, 1999a, 20 p.

KOLB, D. A. Learning style inventory version 3: technical specifications. Boston: Hay/MacBer, 1999b.

KOLB, D. A.; BOYATZIS, R.; MAINEMELIS, C. Experiential learning theory: previous research and new directions. In: STERNBERG, R.; ZHANG, L. (Ed.). Perspectives on cognitive learning, and thinking styles. Mahwah/NJ: Lawrence Erlbaum Associates, 2001.

KOLB, D. A.; RUBIN, I. M.; MCINTYRE, J. M. Psicologia organizacional: uma abordagem vivencial. São Paulo: Atlas, 1978.

LARSEN, H. H. Experiential learning as management development: theoretical perspectives and empirical illustrations. Advances in Developing Human Resources, v. 6, n. 4, p. 486-503, 2004.

LOIOLA, E.; BASTOS, A. V. B. A produção acadêmica sobre aprendizagem organizacional no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, v. 7, n. 3, p. 181-201, 2003.

MAINEMELIS, C.; BOYATZIS, R. E.; KOLB, D. A. Learning styles and adaptive flexibility: testing experiential learning theory. Management Learning, v. 33, n. 1, p. 5-33, 2002.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: foco na decisão. 3. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2011.

MINNITI, M.; BYGRAVE, W. A dynamic model of entrepreneurial learning. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 25, n. 3, p. 5-16, 2001.

OLIVEIRA, S. A. de; MACIEL, C. de O. Contribuições da pesquisa multinível para a análise das práticas organizacionais. REBRAE Revista Brasileira de Estratégia, v. 3, n. 2, p. 123-132, 2010.

PIMENTEL, A. A teoria da aprendizagem experiencial como alicerce de estudos sobre desenvolvimento profissional. Estudos de Psicologia, v. 12, n. 2, p. 159-168, 2007.

RESENDE, L. M.; DIB, S. K.; LEITE, M. G. Gestão empreendedora de carreiras tecnológicas. Revista Gestão Industrial, v. 1, n. 1, p. 37-48, 2005.

RUAS, R.; ANTONELLO, C. S. Repensando os referenciais analíticos em aprendizagem organizacional: uma alternativa para análise multidimensional. Revista de Administração Contemporânea, v. 7, n. 3, p. 203-212, 2003.

SÁNCHEZ, J. Á. L.; VIJANDE, M. L. S.; GUTIÉRREZ, J. A. T. Aprendizaje organizativo y creación de valor en las relaciones fabricante-distribuidor. Cuadernos de Economía y Dirección de la Empresa, n. 42, p. 35-74, 2010.

SENGE, P. M. A quinta disciplina: arte e prática da organização que aprende. 23. ed. Rio de Janeiro: Best Seller, 2008.

SENSE, A. J. The project workplace for organizational learning development. International Journal of Project Management, v. 29, p. 986-993, 2011.

SIGEOR – Sistema de Informação da Gestão Estratégica Orientada para Resultados. Mensurações da cadeia produtiva de PVC, petróleo, gás e energia da região metropolitana de Maceió. 2008. Disponível em: . Acesso em: 26 out. 2008.

SILVA, S. L. da. Gestão do conhecimento: uma revisão crítica orientada pela abordagem da criação do conhecimento. Ci. Inf., Brasília, v. 33, n. 2, p. 143-151, maio/ago. 2004.

SOUZA, G. H. S. et al. Management learning: an analytical approach to teaching methodologies associated with cognitive capabilities. European Scientific Journal, v. 9, n. 28, p. 363-383, 2013.

VALENTE, N. T. Z. et al. do. Estilos de aprendizagem dos alunos do curso de comunicação social (jornalismo) da UEPG: Aplicação do inventário de David Kolb. Revista ADMpg Gestão Estratégica, v. 1, n. 1, p. 57-62, 2008.

VALENTE, N. T. Z.; ABIB, D. B.; KUSNIK, L. F. Análise dos estilos de aprendizagem dos alunos e professores do curso de graduação em ciências contábeis de uma universidade pública do estado do Paraná com a aplicação do inventário de David Kolb. Contab. Vista & Ver, v. 18, n. 1, p. 51-74, jan./mar. 2007.

WILLIAMS, B.; BROWN, T.; ETHERINGTON, J. Learning style preferences of undergraduate pharmacy students. Currents in Pharmacy Teaching and Learning, v. 5, p. 110-119, 2013.

YANG, B. Holistic learning theory and implications for human resource development. Advances in Developing Human Resources, v. 6, n. 2, p. 241-262, 2004.

YIN, R. Case study research: design and methods. London: Sage Publications, 2003.