A Nova Gestão Pública: um estudo do pró-gestão focado em dois projetos prioritários no Estado do Espírito Santo Outros Idiomas

ID:
30365
Resumo:
O objetivo deste artigo é compreender o processo de implantação do Pró-Gestão ­ um Sistema de Gerenciamento Estratégico dos principais projetos de Governo do Estado do Espírito Santo (ES) ­ tratado como um instrumento da Nova Gestão Pública. No estudo, dados do sistema e referentes a dois projetos da Secretaria de Estado da Segurança Pública e Defesa Social do Espírito Santo (SESP) foram levantados e princípios estabelecidos no sistema foram confrontados com aspectos inerentes ao seu uso no contexto organizacional investigado. O estudo fundamenta-se teoricamente na burocracia com Weber (1963, 1964) e nas suas disfunções com Morgan (2006) e Crozier (1981); no entendimento da Nova Gestão Pública e os seus preceitos discutidos, principalmente, a partir de Bresser Pereira (1996, 1998, 1999, 1999b, 2005, 2008). Trata-se de uma pesquisa qualitativa; um estudo de caso focado na SESP. Os dados foram obtidos por meio do estudo documental da implantação da Nova Gestão Pública no Estado, realizado em três Secretarias Estaduais (SESP, SEP e SEGEP) e da aplicação de entrevistas a treze funcionários ligados a dois projetos do Pró-Gestão na SESP. As conclusões apontam que a implantação do sistema não atendeu aos pressupostos para sua implantação; não teve importância diferenciada no ambiente de trabalho; não consolidou qualquer mudança significativa nas rotinas administrativas ou na apresentação de resultados à sociedade.
Citação ABNT:
BIANCO, M. F.; SOUZA, E. M.; REIS, A. M. S. A Nova Gestão Pública: um estudo do pró-gestão focado em dois projetos prioritários no Estado do Espírito Santo. Revista Gestão & Planejamento, v. 15, n. 1, p. 118-143, 2014.
Citação APA:
Bianco, M. F., Souza, E. M., & Reis, A. M. S. (2014). A Nova Gestão Pública: um estudo do pró-gestão focado em dois projetos prioritários no Estado do Espírito Santo. Revista Gestão & Planejamento, 15(1), 118-143.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/30365/a-nova-gestao-publica--um-estudo-do-pro-gestao-focado-em-dois-projetos-prioritarios-no-estado-do-espirito-santo/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ARAÚJO, P. G.; PEREIRA, J. R. Análise da aplicabilidade do modelo gerencial na administração municipal. Revista de Administração Pública (RAP), v. 46, n. 5, p. 1179-1199, set./out. 2012.

CASTOR, B. V. J.; JOSÉ, H. A. J. Reforma e contra-reforma: a perversa dinâmica da administração pública brasileira. RAP, n 32, p. 97-111, nov./dez. 1998.

CROZIER, M. O fenômeno burocrático. Brasília: Ed. UnB, 1981. v. 2.

DIEFENBACH, T. New public management in public sector organizations: the dark sides of managerialistic ‘enlightenment’. Public Administration, Oxford, v. 87, n. 4, p. 892-909, 2009.

EMPREENDEDOR. In: MICHAELIS-UOL. Dicionário on line. 2010. Disponível em: . Acesso em: 17 nov. 2010.

ESPÍRITO SANTO (Estado). Diretrizes Estratégicas 2007-2010: mais oportunidades para os capixabas. Vitória, 2007a.

ESPÍRITO SANTO (Estado). Manual de Gestão Estratégica Orientada para Resultados – GEOR. Vitória, 2007b.

ESPÍRITO SANTO (Estado). Secretaria de Economia e Planejamento. O que é PRÓGESTÃO ? Vitória, 2007c.

ESPÍRITO SANTO (Estado). Secretaria Extraordinária de Gerenciamento de Projetos. Guia de Gerenciamento de Projetos do Governo do Espírito Santo. Vitória. Em fase de elaboração.

FADUL, E. M. C.; SILVA, L. P. da. Retomando o deabate sobre a Reforma do Estado e a Nova Gestão Pública. In: ENCONTRO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 32., 2008. Rio de Janeiro. Anais..., Rio de Janeiro: ANPAD, 2008.

FARAH, M. F. S. Administração pública e políticas públicas. Revista de Administração Pública (RAP), v. 45, n. 3, p. 813-836, maio/jun. 2011.

FERRETTI, R.; TRES, G. S.; LOUZADA, S. V. A implantação do modelo gerencial na administração pública brasileira e a resistência à mudança: a análise da implantação do processo judicial eletrônico no Tribunal Regional do Trabalho na Cidade de São Paulo. In: ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E GOVERNANÇA, 5., 2012. Salvador. Anais... Salvador: ANPAD, 2012.

GOMES, C. F.; YASIN, M. M.; LISBOA, J. V. Project management in the context of of organizational change: the case of the Portuguese public sector. International Journal of Public Sector Management, v. 21, n. 6, p. 573-585, 2008.

GOULDNER, A. Patterns of industrial bureaucracy. Glencoe: Free Press, 1954.

MATIAS-PEREIRA, J. Administração pública comparada: uma avaliação das reformas administrativas do Brasil, EUA e União Européia. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 42, n. 1, p. 61-82, jan./fev. 2008.

MERTON, R. Bureaucratic structure and personality. Social Forces, v. 18, p. 560-568, 1949.

MORGAN, G. Imagens da organização. São Paulo: Atlas, 2006.

OSBORNE, D.; GAEBLER, T. Reinventing government: how the entrepreneurial spirit is transforming the public sector. Reading, MA: Addison-Wesley, 1992.

PAULA, A. P. P. Administração Pública Brasileira entre o Gerencialismo e a Gestão Social. Revista de Administração de Empresas (RAE), São Paulo, v. 45, n. 1, 2005.

PAULA, A. P. P. Por uma nova gestão pública: limites e potencialidades da experiência contemporânea. Rio de Janeiro: FGV, 2007.

PEREIRA, L. C. B. Crise econômica e reforma do Estado no Brasil: para uma nova interpretação da América Latina. São Paulo: Ed. 34, 1996.

PEREIRA, L. C. B. O modelo estrutural de gerência pública. Revista de Administração Pública (RAP). Rio de Janeiro, v. 42, n. 2, p. 391-410, mar./abr. 2008.

PEREIRA, L. C. B. Reflexões sobre a reforma gerencial brasileira de 1995. Revista do Serviço Público, Brasília, v. 50, n. 04, p. 5-30, 1999b.

PEREIRA, L. C. B. Reforma do Estado e administração pública gerencial. Rio de Janeiro: FGV, 1999. p. 237 270.

PEREIRA, L. C. B. Reforma do Estado para cidadania: a reforma gerencial brasileira na perspectiva internacional. Brasília: ENAP/Editora 34, 1998.

PEREIRA, L. C. B. Réplica: comparação impossível. Revista de Administração de Empresas (RAE)-DEBATE, São Paulo, v. 45, n. 1, 2005.

REED, M. Teorização Organizacional: um Campo Historicamente Contestado. In: CLEGG, S. R.; HARDY, C.; NORD, W. R. (Org.). Handbook de estudos organizacionais: modelos de análise e novas questões em estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 1998. v. 1.

SECCHI, L. Modelos organizacionais e reformas da administração pública Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro, v. 43, n. 2, p. 347-369, mar./abr. 2009.

WEBER, M. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Pioneira/UNB, 1981.

WEBER, M. Economía y sociedad. México: Fondo de Cultura Economica, 1964. v. 1.

WEBER, M. Ensaios de sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1963.