Ecologia organizacional e teoria de redes: uma análise contemporânea da formação de APLS Outros Idiomas

ID:
30520
Resumo:
Embora pouco difundida no Brasil, a teoria da ecologia organizacional apresenta importantes considerações acerca da forma como as organizações se comportam perante as mudanças provocadas no ambiente ao qual estão inseridas, permitindo analisar não só a atuação conjunta das organizações, como também o modo como essas respondem às transformações. A teoria de redes, por sua vez, baseia-se nas relações existentes entre grupos de organizações ou indivíduos, como uma maneira de gerar força competitiva por meio das interações que neles ocorrem. Ambas as perspectivas teóricas permitem estudar o caráter competitivo e evolutivo conferido às organizações que escolhem formar parcerias, como os Arranjos Produtivos Locais (APL’s), haja vista terem como objeto de estudo a ação grupal no lugar da análise individual. Por conseguinte, o presente artigo teórico confronta as duas teorias, ecologia organizacional e de redes, sob o contexto dos APL’s, expondo a complementaridade entre elas existente.
Citação ABNT:
SILVA, G.; HEBER, F. Ecologia organizacional e teoria de redes: uma análise contemporânea da formação de APLS. Gestão & Regionalidade, v. 30, n. 88, p. 34-48, 2014.
Citação APA:
Silva, G., & Heber, F. (2014). Ecologia organizacional e teoria de redes: uma análise contemporânea da formação de APLS. Gestão & Regionalidade, 30(88), 34-48.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/30520/ecologia-organizacional-e-teoria-de-redes--uma-analise-contemporanea-da-formacao-de-apls/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABBOTT, K.; GREEN, J.; KEOHANE, R. Organizational Ecology in World Politics: Institutional Density and Organizational Strategies. 2013 ANNUAL CONVENTION OF THE INTERNATIONAL STUDIES ASSOCIATION, April 3-6, San Francisco, California, 2013.

ALVES, C. A.; TIERGARTEN, M.; ARAÚJO, J. P. J. Vantagem competitiva a partir de uma abordagem de redes: estudo de caso da rede Graphia. Revista de Administração da UNIMEP, v. 6, n. 3, set./dez. 2008.

BALESTRIN, A.; ARBAGE, A. P. A perspectiva dos custos de transação na formação de redes de cooperação. Revista de Administração de Empresas −Eletrônica, v. 6, n. 1, Art. 7, jan./jul. 2007.

BALSINI, C. P. V.; SILVEIRA, R. B; RAMBO, J. Desafios do terceiro setor: uma análise baseada na perspectiva institucional, dependência de recursos e ecologia das populações. In: SEMINÁRIOS EM ADMINISTRAÇÃO – SEMEAD, 2005, São Paulo. Seminários em Administração FEA-USP, 2005.

BATAGLIA, W.; FRANKLIN, M. A.; CALDEIRA, A.; SILVA, A. A. Implicações das teorias ambientais para a administração estratégica. Revista Gestão Organizacional, v. 7, n. 3, p. 314-330, set./dez. 2009.

BRITTO, J. Características estruturais e modus operandi das redes de firma em condições de diversidade tecnológica. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1999.

BURT, R. S. Structural holes. Cambridge: Harvard University Press, 1992.

CALDAS, M. P.; CUNHA, M. P. Ecologistas e economistas organizacionais: o paradigma funcionalista em expansão no final do século XX. Revista de Administração de Empresas, v. 45, n. 3, p. 65-69, 2005.

CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M. O foco em arranjos produtivos e inovativos locais de micro e pequenas empresas. In: LASTRES, H. M.M; CASSIOLATO, J. E.; MACIEL, M. L. (Orgs.). Pequena empresa: cooperação e desenvolvimento local. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. v. 1. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CAVALCANTI, P. F. M. B. F.; MOUTINHO, L. M. G. Cooperação institucional como estratégia inovativa: o caso do APL de confecções em Campina Grande (PB). Revista de Economia Contemporânea, v. 11, n. 3, p. 475-507, 2007.

CUNHA, J. A. C.; PASSADOR, J. L.; PASSADOR, C. S. Recomendações e apontamentos para categorizações em pesquisas sobre redes interorganizacionais. CADERNOS EBAPE.BR, v. 9, n. 4, p. 505-529, 2011.

CUNHA, M. P. Ecologia organizacional: implicações para a gestão e algumas pistas para a superação de seu caráter antimanagement. Revista de Administração de Empresas, v. 39, n. 4, p. 21-28, 1999.

CUNHA, M. P. Organizações, recursos e a luta pela sobrevivência: análise aos níveis organizacionais e ecológico. Revista de Administração de Empresas, v, 33, n. 5, p. 34-47, 1993.

DIMAGGIO, P. J.; POWELL, W. W. The iron cage revisited: institutional isomorphism and collective rationality in organizational fields. American Sociological Review, v. 48, n. 2, p. 147-160, 1983.

FRANKLIN, M. A.; CALDEIRA, A.; SILVA, A. A.; BATAGLIA, W. O conceito de ambiente competitivo na perspectiva ambiental. Revista de Administração da UNIMEP, v. 9, n. 2, maio/ago. 2011.

GOHR, C. F.; SANTOS, L. C. Entre a escolha e a seleção: analisando a mudança estratégica na perspectiva da co-evolução. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 24., 2004, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UFSC, 2004.

GRANOVETTER, M. The strength of weak ties. American Journal of Sociology, v. 78, n. 6, p. 1360-1380, 1973.

HANNAN, M. T.; FREEMAN, J. The population ecology of organizations. American Journal of Sociology, v. 82, n. 5, p. 929-964, 1977.

HODGSON, G. Understanding Organizational Evolution: Toward a Research Agenda using Generalized Darwinism. Organization Studies, v. 34, n. 7, p. 973-992, July 2013.

LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, Jo. E. Novas políticas na era do conhecimento: o foco em arranjos produtivos e inovativos locais. Parcerias Estratégicas, v. 17, p. 5-31, 2003.

LEWIS, J. D. Alianças estratégicas: estruturando e administrando parcerias para o aumento da lucratividade. São Paulo: Pioneira, 1992.

LIMA, C. H. P.; PEREIRA, G. B.; JURNO, M. E.; NOVOA, N. F. Ecologia organizacional: muito além do ambiente da organização. NúcleoRH. 2006. Disponível em: . Acesso em: 01 dez. 2011.

LORANGE, P.; ROOS, J. Alianças estratégicas: formação, implementação e evolução. São Paulo: Atlas, 1996.

MARCON, C.; MOINET, N. La stratégie-réseau. Paris: Éditions Zéro Heure, 2000.

MARTELETO, R. M.; OLIVEIRA E SILVA, A. B. Redes e capital social: o enfoque da informação para o desenvolvimento local. Ci. Inf., v. 33, n. 3, p. 41-49, 2004.

MARTINS, M. F. M.; BATAGLIA, W. A estratégia de especialização e vantagem competitiva em ambientes turbulentos sob a ótica da teoria ecológica. Análise, v. 21, n. 1, p. 42-50, jan./jun.,2010.

MENEGHETTI, F. K. O que é um Ensaio-Teórico? Revista de Administração Contemporânea, v. 15, n. 2, p. 320-332, mar./abr. 2011.

MENS, G. L.; HANNAN, M.; POLÓS, L. Founding Conditions, Learning, and Organizational Life Chances: Age Dependence Revisited. Administrative Science Quarterly, v. 56, n. 1, p. 95-126, March, 2011.

NOHRIA, N.; ECCLES, R. Networks and organizations: structure, form and action. Boston: Harvard Business School Press, 1992.

PALMAKA, R. P. Segmentação de empresas de serviços de informática: uma proposta de classificação baseada na teoria de ecologia organizacional. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, v. 5, n. 1, p. 12-35, 2011.

PERUCCI, R.; POTTER, H. R. Networks of power. Berlin: de Gruyter, 1989.

PFEFFER, J.; SALANCIK, G. R. The external control of organizations: a resource dependence perspective. New York: Harper and Row, 1978.

POMPEU DOS SANTOS, A. Governança corporativa e desempenho em instituições privadas de ensino superior: um estudo de caso em Minas Gerais. Revista de Contabilidade da UFBA, v. 2, n. 3, 2008.

PORTER, M. E. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Campus, 1989.

RODRIGUES, A. M.; THEOTÔNIO, J. M. C. Redes de cooperação entre empresas: uma alternativa para o aumento da competitividade das MPE’s do município de Curitiba/PR. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 23., 2003, Ouro Preto. Anais... Ouro Preto: ABEPRO, 2003.

SANTORO, M. D.; MCGILL, J. P. The effect of uncertainty and asset co-specialization on governance in biotechnology alliances. Strategic Management Journal, v. 26, p. 1261-1269, 2005.

SANTOS, A. C. M. Z. Evolução das organizações por meio das abordagens institucional, ecologia das organizações e equilíbrio pontuado. Revista de Administração da UFSM, v. 6, n. 1, p. 91-102, jan./mar. 2013.

SCHMITZ, H.; NADVI, K. Clustering and industrialization: introduction. World Development, v. 27, n. 9, p. 15031514, 1999.

SCHOLZ, M.; REYDON, T. On the Explanatory Power of Generalized Darwinism: Missing Items on the Research Agenda. Organization Studies, v. 34, n. 7, p. 993-999, July 2013.

SILVA, C. M. M.; SCHROEDER, L.; HOFFMANN, V. E. As relações interorganizacionais como mecanismos de desenvolvimento. FAE. 2009. Disponível em: . Acesso em: 25 nov. 2011.

SIMMEL, G. Conflict and the Web of group affiliations. New York: Free Press, 1955.

SUZIGAN, W.; FURTADO, J.; GARCIA, R.; SAMPAIO, S. Clusters ou sistemas locais de produção: mapeamento, tipologia e sugestões de políticas. Revista de Economia Política, v. 24, n. 4, p. 543-562, 2004.

SUZIGAN, W.; FURTADO, J.; GARCIA, R.; SAMPAIO, S.. Identificação, mapeamento e caracterização estrutural de arranjos produtivos locais no Brasil. IPEA. 2006. Disponível em: . Acesso em: 26 dez. 2011.

TURETA, C.; ROSA, A. R.; ÁVILA, S. C. Da teoria sistêmica ao conceito de redes interorganizacionais: um estudo exploratório da teoria das organizações. Revista de Administração da UNIMEP, v. 4, n. 1, 2006.