Regulação da auditoria em sistemas bancários: análise do cenário internacional e fatores determinantes Outros Idiomas

ID:
30689
Resumo:
Este estudo empírico-analítico tem por objetivos promover uma comparação dos níveis de regulação da atividade de auditoria em instituições bancárias e avaliar a relação entre esse grau de regulação e características dos sistemas bancários nacionais. Utilizou-se uma base de dados mantida pelo Banco Mundial, contendo pesquisa realizada junto a autoridades supervisoras e regulatórias bancárias nacionais de 172 países. Por meio de estatísticas descritivas, foi constatado que o nível mais elevado de regulação é registrado nas nações mais desenvolvidas e nos países do Oriente Médio, Norte da África, Europa e Ásia Central. Também foi constatado que o Brasil apresenta grau de regulação superior à média verificada internacionalmente. Quanto aos testes realizados, por meio de regressão, para avaliar a relação entre o nível de regulação de auditoria e características do setor bancário, foi evidenciado que há mais requerimentos para a atuação dos auditores nos países em que o crédito doméstico provido pelo setor bancário é maior e onde os bancos são mais rentáveis. Por outro lado, há menor regulação nos países em que há maior participação de bancos estatais no sistema financeiro e onde há mais restrições à atuação das instituições bancárias. Não foi confirmada a hipótese de associação positiva entre grau de concentração do setor bancário e o nível de regulação da atividade de auditoria. Por fim, foi constatado que, em 2000, primeiro ano da pesquisa, o nível de regulação era menor que os níveis apurados nos demais exercícios, enquanto que, em 2007, último ano da pesquisa, o nível de regulação é maior que nos anos anteriores, confirmando o que foi encontrado na literatura de que as normas de auditoria tendem a se tornar mais rigorosas com o passar do tempo, na medida em que a demanda por requerimentos mais estritos se acumula, notadamente em momentos de crise de credibilidade.
Citação ABNT:
DANTAS, J. A.; COSTA, F. M.; NIYAMA, J. K.; MEDEIROS, O. R. Regulação da auditoria em sistemas bancários: análise do cenário internacional e fatores determinantes. Revista Contabilidade & Finanças - USP, v. 25, n. 64, p. 7-18, 2014.
Citação APA:
Dantas, J. A., Costa, F. M., Niyama, J. K., & Medeiros, O. R. (2014). Regulação da auditoria em sistemas bancários: análise do cenário internacional e fatores determinantes. Revista Contabilidade & Finanças - USP, 25(64), 7-18.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/S1519-70772014
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/30689/regulacao-da-auditoria-em-sistemas-bancarios--analise-do-cenario-internacional-e-fatores-determinantes/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Baltagi, B. H. (2008). Econometric analysis of panel data. 4a ed. West Sussex, UK: John Wiley.

Barth, J. R.; Caprio Jr.; G.; & Levine, R. (2001). The regulation and supervision of banks around the world: a new database. Policy Research Working Paper, The World Bank, 2588. Recuperado em 6 março, 2011, de http://econ.worldbank.org/WBSITE/EXTERNAL/EXTDEC/EXTRESEARCH/0,,contentMDK:20345037~pagePK:64214825~piPK:64214943~theSitePK:469382,00.html>. April updated 2008

Basel Committee on Banking Supervision. BCBS. (2002). The relationship between banking supervisors and banks’ external auditors. BIS. January. Recuperado em 13 novembro,2010, de http://www.bis.org/publ/ bcbs87.pdf.

Basel Committee on Banking Supervision. BCBS. (2008). External audit quality and banking supervision. BIS. December. Recuperado em 13 novembro,2010, de http://www.bis.org/publ/ bcbs146.pdf.

Beck, T.; Demirgüç-Kunt, A.; & Levine, R. (1999). A new database on financial development and structure. (June updated 2010, November). Recuperado em 30 junho,2010, de http://econ.worldbank.org.

Blakely, R. (2009). Investors raise questions over PwC Satyam audit. Times On Line. Recuperado em 16 outubro, 2009, de http://business.timesonline.co.uk/tol/business/industry_sectors/technology/article5476010.ece.

Cahan, S. F.; & Zhang, W. (2006). After Enron: auditor conservatism and ex-Andersen clients. The Accounting Review, 81(1), 49-82.

Carey, P. J.; Kortum, S.; & Moroney, R. A. (2008). Auditors' going concern modified opinions post 2001: increased conservatism or improved accuracy. SSRN Working Papers. Recuperado em 31 março,2011, de http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_ id=1309943.

Coffee Jr, J. C. (2004). What caused Enron?: A capsule social and economic history of the 1990’s. Cornell Law Review, 89(2), 269-309.

Conselho Monetário Nacional - CMN. Resolução 3.198, de 27.5.2004. Altera e consolida a regulamentação relativa à prestação de serviços de auditoria independente para as instituições financeiras. Recuperado em 30 novembro,2011, de http://www.bcb.gov.br/pre/normativos/res/2004/pdf/res_3198_v7_P.pdf.

Deangelo, L. E. (1981). Auditor size and audit quality. Journal of Accounting and Economics, v. 3, 183-199.

Dye, R. A. (1993). Auditing standards, legal liability, and auditor wealth. The Journal of Political Economy, 101(5), 887-914.

Ettredge, M. L.; Xu, Y.; & Yi, H. (2010). Fair value measurements, auditor industry expertise, and audit fees: evidence from the banking industry. SSRN Working Papers. Recuperado em 12 dezembro, 2010, de http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm? abstract_id=1473569.

Feldmann, D. A.; & Read, W. J. (2010). Auditor conservatism after Enron. Auditing: A Journal of Practice and Theory, 29(1), 267-278.

Fields, L. P.; Fraser, D. R.; & Wilkins, M. S. (2004). An investigation of the pricing of audit services for financial institutions. Journal of Accounting and Public Policy, v. 23, 53-77.

Goulart, A. M. C. (2007). Gerenciamento de resultados contábeis em instituições financeiras no Brasil. Tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação em Contabilidade, Universidade de São Paulo, FEA/USP, São Paulo, SP, Brasil.

Hayes, R.; Dassen, R.; Schilder, A.; & Wallage, P. (2005). Principles of auditing: an introduction to international standards on auditing. 2a ed. Harlow, England: Prentice Hall.

Herath, H.; & Kumar, P. (2002). External audit requirements of banking systems around the world. University of Northern Columbia (UNBC). Working Paper. Recuperado em 9 dezembro,2010, de http://web.unbc. ca/~kumarp/c1.pdf.

International Federation of Accountants. IFAC. (2008). Handbook of international auditing, assurance, and ethics pronouncements. New York: IFAC.

Kanagaretnam, K.; Lim, C. Y.; & Lobo, G. J. (2010). Auditor reputation and earnings management: international evidence from the banking industry. SSRN Working Papers. Recuperado em 01 dezembro,2010, de http://ssrn.com/abstract=1568866.

Martins, G. A. (2000). Manual para elaboração de monografias e dissertações. 2a ed. São Paulo: Atlas.

Merchant, K. A.; & Van Der Stede, W. A. (2007). Management control systems. 2a ed. Harlow: Pearson.

Nelson, M. W.; Elliott, J.; & Tarpley, R. L. (2002). Evidence from auditors about manager’s and auditor’s earnings management decisions. The Accounting Review, 77(Suplement), 175-202.

Newman, D. P.; Patterson, E. R.; & Smith, J. R. (2005). The role of auditing in investor protection. The Accounting Review, 80(1), 289-313.

Niero, N. (2009). CVM aumenta pressão sobre auditor. Jornal Valor Econômico. Recuperado em 30 novembro,2011, de http://www.valor.com.br/arquivo/783015/cvm-aumenta-pressao-sobreauditor.

Norris, F. (2004).Will big four audit firms survive in a world of unlimited liability? The New York Times. Recuperado em 30 novembro,2011, de http://query.nytimes.com/gst/fullpage.html?res=9C0DE7DE1530F933A2575AC0A9629C8B63.

Ojo, M. (2008). The role of the external auditor in the regulation and supervision: a comparative analysis between the UK, Germany, Italy and the US. La Vergne, TN USA: Lightning Source Incorporated.

Pae, S.; & Yoo, S. W. (2001). Strategic interaction in auditing: an analysis of auditors' legal liability, internal control system quality, and audit effort. The Accounting Review, 76(3), 333-356.

Ramos, G. (2010). Global regulatory convergence. Response to the crisis. Congreso Nacional de Auditoria, Madrid, Spain, XIX. Recuperado em 20 abril,2011, de http://www.ipiob.org/speeches/ global-regulatory-convergence-response-crisis.

Sharma, S.; Kratz, I.; & Hollanda, B. (2009). Enron indiana traz auditores de volta à berlinda: Escândalo da Satyam fragiliza o setor. Jornal Valor Econômico. , Janeiro 14. Recuperado em 30 novembro,2011, de http://www.cfc.org.br/conteudo.aspx?codMenu=67&codConteudo=3549.

Valor Econômico. V. E. (2010). Avança projeto de órgão de supervisão brasileiro. Jornal Valor Econômico. Junho 10. Recuperado em 30 novembro,2011, de http://www.valor.com.br/arquivo/829189/avancaprojeto-de-orgao-de-supervisao-brasileiro.

Watts, R. L.; & Zimmerman, J. L. (1986). Positive accounting theory. New Jersey: Prentice Hall.

Wolk, H.; & Tearney, M. (1997). Accounting theory. 4a ed. Cincinnati: South-Western.

Woods, M.; Humphrey, C.; Dowd, K.; & Liu, Y. L. (2009). Crunch time for bank audits? Questions of practice and the scope for dialogue. Managerial Auditing Journal, 24(2), 114-134.

World Bank. W. B. (2010). World Development Indicators. Recuperado em 6 março,2011, de http://data.worldbank.org/data-catalog.