Modelo Triple Helix como estratégia de gestão de custos em inovação em redes de MPE´s Outros Idiomas

ID:
30765
Autores:
Resumo:
A inovação, como diferencial competitivo, começou a fazer parte do repertório das organizações, com maior ênfase, nas últimas décadas do século passado, apesar de ter sido apontada, já no início do século, como aspecto relevante para a gestão organizacional. No entanto, com cada vez maior número de organizações investindo em inovação e com a aceleração do ritmo do desenvolvimento científico e tecnológico, os custos de inovação cresceram, de tal forma, que se tornaram inacessíveis para as empresas de micro e pequeno porte. Ao mesmo tempo, percebe-se que as instituições de ensino, em todos os países, têm recebido investimentos de vulto para a organização de sua infraestrutura laboratorial e a capacitação de técnicos especializados. Desta forma, constatou-se a situação de alocação ineficiente de recursos para a pesquisa e desenvolvimento, com as instituições de ensino e pesquisa, dedicadas à pesquisa científica, descoladas da realidade empresarial e, de outro lado, as empresas, enfrentando custos crescentes para inovar e se manterem competitivas no mercado. Com o intuito de solucionar o impasse, foi concebido, no final dos anos sessenta, o modelo Triple Helix, por meio do qual é promovida a interação entre o meio acadêmico e empresarial, por intermédio governamental, gerindo os custos de inovação de forma mais eficiente. A importância deste modelo se percebe, com maior destaque, no caso de MPEs – empresas de micro e pequeno porte. O presente artigo relata o caso de uma rede de pequenas empresas, que reduziu os custos em P&D, por meio do referido modelo.
Citação ABNT:
SCHEREIBER, D.Modelo Triple Helix como estratégia de gestão de custos em inovação em redes de MPE´s. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 2, n. 3, p. 106-133, 2013.
Citação APA:
Schereiber, D.(2013). Modelo Triple Helix como estratégia de gestão de custos em inovação em redes de MPE´s. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 2(3), 106-133.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/30765/modelo-triple-helix-como-estrategia-de-gestao-de-custos-em-inovacao-em-redes-de-mpe--s/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALCHIAN, A. A.; DEMSETZ, H. Produção, custos de informação e organização econômica. Revista de Administração de Empresas RAE, v.45, n.3, p. 70-92108, 2005.

ANDREWS, K. R. The concept of corporate strategy. Rev. ed. Homewood: Richard D. Irwin, 1980.

ASSINTECAL: Banco de dados. Disponível em Acesso em 13.dez.2006.

BERMAN, S. J.; HAGAN, J. How technology-driven business strategy can spur innovation and growth. Strategy & Leadership; 2006; 34, 2.

BOATH, D.; HESS, P.; MUNCH, C. Virtual R&D: A core competency approach to outsourcing. Pharmaceutical Executive. Jun 1996. Vol. 16, Num. 6, pg. 72, 4 pgs.

BOGLIACINO, F.; CARDONA, S. The determinants of R&D Investment: the role of Cash flow and Capabilities. European Commission. Sevilla: IPTS Working Papers on Corporate R&D and Innovation, Working Paper, 2012 (No. 10/2010).

BONOMA, T. V. Case research in marketing: opportunities, problems, and process. Journal of Marketing Research, v.22, n.2, p.199-208, 1985.

BORNIA, A. C. Análise gerencial de custos: aplicação em empresas modernas. 1. ed. Porto Alegre: BOOKMAN, 2002.

BRISOLLA, S.; CORDER, S.; GOMES, E.; MELLO, D.. As relações universidadeempresa-governo: Um estudo sobre a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Educação & Sociedade, ano XVIII, nº 61, Dezembro/1997.

CASAROTTO, N. F., PIRES, L. H. Redes de pequenas e médias empresas e desenvolvimento local. São Paulo: Atlas, 1999.

CHAM, K. W. A estratégia do Oceano Azul – como criar novos mercados e tornar a concorrência irrelevante. 5ª Ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

CHANDLER, A. D. Organizational Capabilities and the Economic History of the Industrial Enterprise. The Journal of Economic Perspectives, v. 6, n.3, 1992.

CHRISTENSEN, . F. Corporate strategy and the management of innovation and technology. Industrial and Corporate Change, v.11, n.2, pp. 263-28, 2002.

CHRISTENSEN, C. M.; RAYNOR, M. E. O Crescimento pela Inovação – Como crescer de forma sustentada e reinventar o sucesso. Rio de Janeiro, Elsevier, 2003.

COASE, R. H. The nature of the firm. Economica, v.4, 16, pp.386-405, 1937.

COGAN, Samuel. Activity-Based Costing (ABC): a poderosa estratégia empresarial. 3. ed. São Paulo, SP: Pioneira, c2000

COSTA, A. B. Estudo da competitividade de cadeias integradas no Brasil: impactos das zonas de livre comércio. Campinas: Unicamp, 2002.

CURRY, S. J.; CLAYTON, R. H. Business Innovation Strategies. Business Quarterly, v. 56, n. 3, 1992.

DAGNINO, R. A relação universidade-empresa no Brasil e o “Argumento da Hélice Tripla”. Revista Brasileira de Inovação, v 2, n.2, pp. 267-307, 2003.

DEB, C. Accessing external sources of technology. Research Technology Management, v. 2, 1996.

DEMO, Pedro. Pesquisa e Informação Qualitativa. São Paulo: Editora Papirus, 2006.

DONCKELS, R.; LAMBRECHT, J. The network position of small businesses: an explanatory model. Journal of Small Business Management, v.35, n.2; p.13-25, 1997.

DUTRA, I. S. Redes empresariais de negócios estratégicas no contexto de governança supraempresarial: estudo e metodologia para seus atributos de poder competitivo. 2009,268 f. Tese (Doutorado em Administração). Faculdade de Economia, Adm,inistração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

FERREIRA, J. A. S. Contabilidade de custos. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

GHEMAWAT, P. Competition and business strategy in historical perspective. Business Review, v.76, n. 1, pp. 37-74, 2002.

GIULIANE, E. The selective nature of knowledge networks in clusters: evidence from the wine industry. Journal of Economic Geography, v. 7, pp. 139–168, 2007.

GOEL, R K. On contracting for uncertain R&D. Managerial and Decision Economics, v. 20, n. 2, 1999.

GORINI, A. P.; SIQUEIRA, H. G. Complexo coureiro-calçadista. Rio de Janeiro: BNDES, 2000.

GRANT, R. M. The Resource-Based Theory of Competitive Advantage: Implications for Strategy Formulation. California Management Review, v.33, n.3,1991.

HAMEL, G, PRAHALAD, C.K. Strategic intent. Harvard Business Review, [sv], [s.n], pp 63-74, 1989.

HARRIS, R. C.; RICHARD, C.; MORONE, J.; WERLE, M. J. The virtual R&D laboratory. Research Technology Management, v.39, n.2, 1996.

HENARD, D. H.; MCFADYEN, M A. R&D knowledge is power. Research Technology Management, v. 49, n.3, pp 41-47, 2006.

HERTOG, D.; THURIK, R. G. J.; ROY, A. Determinants of internal and external R&D: Some Dutch evidence. The Economist, v.141, n. 2, 1993.

IBGE. Pesquisa Mensal de Emprego – PME. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2014.

KAPLAN, R.; NORTON, D. (2004). Mapas estratégicos: convertendo ativos intangíveis em resultados tangíveis. Rio de Janeiro : Elsevier, 2004.

KAY, J. Fundamentos do sucesso empresarial: como as estratégias agregam valor. Rio de Janeiro: Campus, 1996.

KRAMER, Greg. Outsourcing R&D. Appliance Manufacturer, v.50, n.8, 2002.

LANGLOIS, Richard N. The vanishing hand: the changing dynamics of industrial capitalism. Industrial and Corporate Change, v.12, n.2, p.351-885, 2003.

LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E. Arranjos e sistemas produtivos locais na indústria brasileira. 2001. Disponível em: . Acesso em: 08 abr. 2007.

LEONE, George S. G. Custos: planejamento, implantação e controle. 3. ed São Paulo: Atlas, 2000

LEYDESDORFF, L., ETZKOWITZ, H. Emergence of a Triple Helix of UniversityIndustry-Government Relations. Science and Public Policy v.23, n.5, p.279-86, 1996.

LOASBY, Brian J. The organisation of capabilities. Journal of Economic Behavior & Organization, v. 35, 1998.

MAHONEY, J. T.; PANDIAN, P. J. The resource-based view within the conversation of strategic management. Strategic Management Journal, v. 13, n. 5, June, 1992.

MARTINS, E. Contabilidade de custos. 9. ed. São Paulo: ATLAS, 2006.

MEGLIORINI, E. Custos: análise e gestão. 2. ed São Paulo: Pearson Prentice-Hall, 2006

MILLER, W. L.; MORRIS, L. 4th Generation R&D: Managing Knowledge, Technology, and Innovation. Nova Iorque, John Wiley & Sons, Inc., 1998.

MINERVINI, N. O exportador. Makron Books, São Paulo, 2001.

MINTZBERG, H. Patterns in strategy formation. Management Science, v.24, n.9, 1978.

MINTZBERG, H. Strategy-making in three modes. California Management Review, v. 26, n. 2, pp. 44-53, 1973.

MORRISON, S. Outsourcing growth keeps prognosis upbeat. Chemical Week, v.164, n.8, 2002.

MORT, Joe. Nature, value and pursuit of reliable corporate knowledge. Journal of Knowledge Management; v.5, n.3, pp.222-230, 2001.

MULS, Leonardo M. Desenvolvimento local, espaço e território: o conceito de capital social e a importância da formação de redes entre organismos e instituições locais. Economia, Brasília (DF), v. 9, n. 1, pp.1-21, 2008.

NAKAGAWA, Masayuki. Gestão Estratégica de Custos. São Paulo: ATLAS, 1993.

PENROSE, Edith. The theory of the growth of the firm. New York: Wiley, 1959.

PORTER, Michael E. Vantagem Competitiva – Criando e Sustentando um Desempenho Superior. Rio de Janeiro: Campus, 1989.

REINL, L.; KELLIHER, F. Cooperative micro-firm strategies: leveraging resources through learning networks. International Journal of Entrepreneurship and Innovation, v. 11, n. 2, pp. 141-158, 2010.

SABATO, J. A.; BOTANA, N. La ciencia y la tecnología en el desarrollo futuro de América Latina in: SABATO, J. A. El pensamiento latinoamericano en la problemática ciencia-tecnología-desarrollo-dependencia, Buenos Aires: Paidos, 1975. pp. 132-143.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

SILVESTRE, W. C. Sistema de custos ABC: uma visão avançada para tecnologia de informação e avaliação de desempenho. São Paulo: Atlas, 2002

SWEDBERG, R. Economic versus sociological approaches to organization theory. In: TSOUKAS, Haridimo; KNUDSEN, Christian (Eds). The Oxford handbook of organization theory. Oxford: Oxford University Press, 2003. p.373391.

TERRA, B.; ETZKOWITZ, H. A Universidade Empreendedora e a Sociedade da Nova Era. Disponível em: www.competenet.org.br/evento/branca.pdf. Acessado em 15/04/2007.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Managing innovation: integrating technological, market and organizational change. 3. ed. Chichester: John Wiley & Sons, Ltd, 2005.

TULL, D. S.; HAWKINS, D. I. Marketing Research, Meaning, Measurement and Method. Macmillan Publishing Co., Inc., London, 1976

VANDERBECK, E. J.; NAGY, C. F. Contabilidade de custos. 11. ed. São Paulo: Thomson Learning, 2003

WERNERFELT, B. A resource-based view of the firm. Strategic Management Journal, v.5, n.2, p. 171-180, 1984.

WESTWOOD, A. R. C.; SEKINE, Y. Fostering Creativity and Innovation in an Industrial R&D Laboratory. Research Technology Management, v.31, n.4, 1988.

WHITTINGTON, R. O que é estratégia? São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

WILLIAMSON, O. E. Economics and organization: a primer. Califórnia Management Review, v.38, n.2, p.131-146, 1996.

YIN, R. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2005.

ZACCARELLI, S. B.; et al. Clusters e Redes de Negócios: uma nova visão para a gestão dos negócios. São Paulo: Atlas, 2008.