Considerações epistemológicas sobre a construção de preferências e os hábitos de consumo Outros Idiomas

ID:
30776
Autores:
Resumo:
Este documento tem como objetivo apresentar estudos sobre comportamento do consumidor, principalmente sobre a construção de preferências e os hábitos de consumo e sua relação com correntes e teorias científicas, configurando-se como uma análise epistemológica inicial sobre os estudos do comportamento do consumidor. Caracteriza-se como estudo exploratório/descritivo, teórico com pesquisa documental e bibliográfica. Para o embasamento teórico dos estudos sobre comportamento do consumidor, construção de preferências e hábitos de consumo foram escolhidos os textos utilizados na disciplina de Comportamento do Consumidor do Curso de Doutorado em Administração da Harvard Business School, na Harvard University. Para o embasamento dos estudos sobre epistemologia da ciência e da administração, foram utilizados os textos da disciplina de Epistemologia dos Estudos Organizacionais do Curso de Doutorado em Administração da Universidade Federal de Santa Catarina. A análise foi realizada confrontando os textos sobre comportamento do consumidor e epistemologia. Além destes, utilizaram-se ensaios e textos sobre o conceito de habitus, por entender-se que é o pressuposto para a especificidade do hábito de consumo. Os textos de Bordieu, Durkeim, Aristóteles e de alguns pesquisadores das áreas da filosofia, epistemologia, psicologia e antropologia que discutiram essas ideias também foram utilizados. As análises apresentam os estudos de comportamento do consumidor como pertencentes a teoria da complexidade, percorrendo a história juntamente com o paradigma dominante e nos últimos anos atendendo à outras correntes epistemológicas.
Citação ABNT:
MONDO, T. S.Considerações epistemológicas sobre a construção de preferências e os hábitos de consumo. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 7, n. 2, p. 1-19, 2013.
Citação APA:
Mondo, T. S.(2013). Considerações epistemológicas sobre a construção de preferências e os hábitos de consumo. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 7(2), 1-19.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/30776/consideracoes-epistemologicas-sobre-a-construcao-de-preferencias-e-os-habitos-de-consumo/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Bauru, SP: Edipro, 2009.

ARISTÓTELES. Política. In: Os pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

BENTHAM, Jeremy. Uma introdução aos princípios da moral e da legislação. 3ª Ed. São Paulo: Abril Cultural, 1984.

BLACKWELL, R. D.; MINIARD. P. W. ENGEL J. F. Comportamento do consumidor. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.

BOURDIEU, Pierre, (1963). Travail et travailleurs en Algérie. Paris: Mouton.

BOURDIEU, Pierre, (1983b) Sociologia. (organizado por Renato Ortiz). São Paulo: Ática.

BOURDIEU, Pierre, (1983). Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero.

BOURDIEU, Pierre, (1990). Coisas ditas. São Paulo: Brasiliense.

BOURDIEU, Pierre, (1992). Pierre Bourdieu avec Löic Wacquant; réponses. Paris: Seuil.

BOVETO, Lais. Um Estudo Sobre O Conceito De Hábito Em Aristóteles E Tomás De Aquino. Monografia de Graduação. Universidade Estadual de Maringá. 2010.

BUCKLEY, W. A Sociologia e a Moderna Teoria dos Sistemas. São Paulo. Cultrix, 1967.

CAMPOS, A. M. Contribuição para o resgate da relevância do conhecimento para a administração. In: SEMINÁRIO EM BUSCA DE NOVOS CAMINHOS PARA AS ORGANIZAÇÕES. Rio de Janeiro: Coppead, 1993.

CANCLINI, Néstor G. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. 4a ed. Rio de Janeiro: Ed. da UFRJ, 2005.

CHANLAT, J.-F. e SÉGUIN, F. O paradigma funcionalista e sua concepção da organização (trad. livre); O paradigma crítico em sociologia (trad. livre); O paradigma crítico e sua concepção da organização (trad. livre), in L’analyse des organisations: une anthologie sociologique. Tome I. Montreal: Gaëtan-Morin, 1987.

DEMO, Pedro. Base empírica da pesquisa social; Abordagem sistêmica e funcionalista – visão dinâmica dentro do sistema; Sociedade provisória – perspectivas de uma metodologia processual dialética, in Metodologia científica em ciências sociais. São Paulo: Atlas, 1985.

DESCAMPS, C. As idéias filosóficas contemporâneas na França (1960-1985). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1991.

DIMAGGIO, Paul. Aspectos Culturais da ação e da organização econômica. In: MARQUES, Rafael; PEIXOTO, João (org.) A nova sociologia econômica. Oeiras: Celta, 2003.

DUBAR, Claude, (2000). La socialisation. Paris: Armand Colin.

DURKHEIM, E. A evolução pedagógica. Porto Alegre: Artes médicas, 2002.

DURKHEIM, Émile, (1947). La educación moral. Buenos Aires: Losada.

DURKHEIM, Émile, (1995). A evolução pedagógica. Porto Alegre: Artes Médicas.

DURKHEIM, Émile. As regras do método sociológico (cap. primeiro); Da divisão do trabalho social (livro I, cap. 1), in Durkheim, coleção os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, , 1978.

EVANS-PRITCHARD, E. Desenvolvimento teórico posterior, in Antropologia social. Lisboa: Edições 70, 1972.

FOULQUIÉ, Paul. A dialética. Lisboa: Europa-América, cap. 1, 1978.

GRANOVETTER, Mark. Ação econômica e estrutura social: o problema da imersão. RAE Eletrônica. v. 6, n. 1, art. 9, jan./jun. 2007.

GUILLÉN, M. F. (1994), Models of management: work, authority, and organization in a comparative perspective. Chicago, University of Chicago Press.

GURVITCH, Georges. Caracterização prévia da dialética, in Dialética e sociologia. São Paulo: Vértice, 1987.

HÉRON, F., (1987). La seconde nature de l’habitus. Revue Française de Sociologie, v. XXVIII, no 3, p. 385-416.

Higgins, E. T. (1996). Knowledge activation: Accessibility, applicability, and salience. In E. T. Higgins, & A. W. Kruglanski (Eds.), Social psychology: handbook of basic (pp. 133−168). New York: Guilford Press.

HUSSERL, Edmund. Experience and judgement. London: Routledge and Kegan Paul, 1973 [1947].

KOTLER, Philip. (2000) Administração de Marketing. 10 ed. São Paulo: Prentice Hall.

LANDOWSKY, Eric e FIORIN, José Luiz (eds.). O gosto da gente, o gosto das coisas. São Paulo: EDUC, 1997.

LEFEBVRE, Henri. Lógica formal. Lógica dialética. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983.

LEHMANN, Bernard. L’Orchestre dans tous ses états; ethnographie des formations symphoniques. Paris: Découverte, 2002.

Lichtenstein, S., & Slovic, P. (2006). The construction of preference. Cambridge: Cambridge University Press.

MALINOWSKI, B. A teoria funcional, in Uma teoria científica da cultura. Rio de Janeiro : Zahar, 1970.

MAUSS, Marcel, (1974). Sociologia e antropologia. São Paulo: EPU & Edusp, 2 vol.

MOREIRA, Carlos Otávio Fiúza. Entre o indivíduo e a sociedade: um estudo da filosofia da educação de John Dewey. Bragança Paulista: EDUSF, 2002.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Lisboa : Europa-América, 1982.

MORIN, Edgar. Complexité et organisation, in Audet, M. e Malouin, J.-L., La production des connaissances scientifiques de l'administration. Québec: Les Presses de l'Université Laval, 1986.

ORTIZ, R. (org.), (1983). Pierre Bourdieu. São Paulo: Ática. (Coleção Grandes Cientistas Sociais)

PADOVANI, U. e CASTAGNOLA, L. O positivismo, in História da filosofia. São Paulo: Melhoramentos, 1990.

PARSONS, Talcott. Sugestões para um tratado sociológico da teoria de organização, in Etzioni, A. (org.), Organizações complexas. São Paulo: Atlas, 1967.

PINTO, Louis, (2000). Pierre Bourdieu e a teoria do mundo social. Rio de Janeiro: Editora da FGV.

POPPER, KARL. A LÓGICA DA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA, IN KARL POPPER, COLEÇÃO OS PENSADORES. SÃO PAULO: ABRIL CULTURAL, 1980.

PRIGOGINE, Ilya; STENGERS. A nova aliança: a metamorfose da ciência.. Brasília: Ed. Univesidade de Brasília, 1991.

RADCLIFFE-BROWN, A. Sobre o conceito de função em ciências sociais, in Estrutura e função na sociedade primitiva. Petrópolis: Vozes, 1973.

Ross, L., & Nisbett, R. (1991). The person and the situation. Phil.: Temple University Press.

SCHIFFMAN, L. G., KANUK, L. L. Comportamento do consumidor. 6. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2000.

SCHLICK, Moritz (1980) “Positivismo e Realismo”. In: Schlick-Carnap. São Paulo: Abril Cultural (Coleção Os pensadores).

Schumpeter, Joseph The Theory of Economic Development Oxford, Oxford University Press, 1978.p.63.

Schwarz, N. (2007). Attitude construction: Evaluation in context. Social Cognition, 25(5), 638−656.

SELZNICK, Philip. Fundamentos da teoria de organização, in Etzioni, A. (org.), Organizações complexas. São Paulo: Atlas, 1967.

SERVA, Maurício. O paradigma da complexidade e a análise organizacional, in Revista de Administração de Empresas, 32(2):26-35, abr/jun 1992.

SETTON, M. da G. J. (2002). A Teoria do Habitus em Pierre Bourdieu: uma leitura contemporânea. In Revista Brasileira da Educação, 20 (pp. 60-70). São Paulo: ANPED.

SIMONSON (2008) Will I like a “medium” pillow? Another look at constructed and inherent preferences Journal of Consumer Psychology 18 155–169

SIMONSON, I., & NOWLIS, S. M. (2000). The role of explanations and need for uniqueness in consumer decision making: Unconventional choices based on reasons. Journal of Consumer Research, 27, 49−68.

SOLOMON, M. R. O comportamento do consumidor: comprando, possuindo e sendo. Porto Alegre: Bookman, 1996.

TOMÁS DE AQUINO. De magistro. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

Tversky, A., & Kahneman, D. (1974). Judgment under uncertainty: Heuristics and biases. Science, 185, 1124−1131.

WACQUANT, Loic. Esclarecer o habitus. Educação e Linguagem. Ano 10, n.16, p. 63-71. 2007.

WOOD, W., & NEAL, D.T., The Habitual Consumer, Journal of Consumer Psychology (2009), doi:10.1016/j.jcps.2009.08.003