Perfil dos empreendedores individuais e características dos negócios formalizados pelo programa ei em Aracaju, Sergipe Outros Idiomas

ID:
30821
Resumo:
A partir de uma ação unificada em todo o país, passou-se a oferecer condições especiais para os empreendedores individuais para que seus negócios fossem formalizados. Este estudo tem como objetivo delinear o perfil dos empreendedores individuais e definir as características dos empreendimentos formalizados através do Programa Empreendedor Individual EI em Aracaju, Estado de Sergipe. Foi realizado survey com amostra de trezentos Empreendedores Individuais que aderiram ao programa desde a sua criação em Sergipe em junho de 2009. As informações foram coletadas por meio de questionários estruturados aplicados pessoalmente com os empreendedores. Os dados foram analisados por meio de estatística descritiva e os resultados foram comparados ao de outras pesquisas realizadas no Brasil relacionadas ao programa EI. Pode-se destacar a participação feminina entre os empreendedores individuais de Aracaju, a escolaridade se mostrou bem distribuída e tem baixa renda mensal. Em relação aos empreendimentos, são predominantes no setor do comércio, contam com ajuda de uma ou mais pessoas, foram poucos os empreendimentos que surgiram recentemente e o negócio, mais do que uma fonte de renda individual, é sustento dos familiares.
Citação ABNT:
VIANNA, M. O. D. S.; TEIXEIRA, R. M.; FRANCA, V. V. Perfil dos empreendedores individuais e características dos negócios formalizados pelo programa ei em Aracaju, Sergipe. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 7, n. 2, p. 19-40, 2013.
Citação APA:
Vianna, M. O. D. S., Teixeira, R. M., & Franca, V. V. (2013). Perfil dos empreendedores individuais e características dos negócios formalizados pelo programa ei em Aracaju, Sergipe. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 7(2), 19-40.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/30821/perfil-dos-empreendedores-individuais-e-caracteristicas-dos-negocios-formalizados-pelo-programa-ei-em-aracaju--sergipe/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALBAGLI, S.; MACIEL, M. L. Capital Social e Empreendedorismo Local. Políticas para Promoção de Sistemas Produtivos Locais de MPME. Rio de Janeiro. 2002.

BABBIE, E. Métodos de Pesquisas de Survey. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001.

BARBETTA, P. A. Estatística Aplicada às Ciências Sociais. Florianópolis: UFSC, 1994.

BARON, R. A.; SHANE. S. A. Empreendedorismo: uma visão do processo. São Paulo: Thomson Learning, 2007.

BARROS, Ricardo; CARVALHO, Mirela; FRANCO, Samuel; MENDONÇA, Rosane. Determinantes na Queda da Desigualdade de Renda no Brasil. IPEA: Rio de Janeiro, 2010.

BORGES, C.; FILION, L. J.; SIMARD, G. Jovens Empreendedores e o Processo de Criação de Empresas. Revista de Administração Mackenzie, vol. 9, n. 8, 2008.

CACCIAMALI. M. C. & BRAGA, T. Políticas públicas voltadas para o setor informal. IN: CHAHAD, J.P.Z. (coord.) Estudos e análise com vistas à definição de políticas, programas e projetos relativos ao mercado de trabalho brasileiro. São Paulo: FIPE/MTE, janeiro, 2002, 82p. (Relatório de Pesquisa).

CACCIAMALI, M. C. Setor informal urbano e formas de participação na produção. São Paulo: IPE/USP, 144 p. (Tese de Doutorado), 1983.

COOK, R. G.; BELLIVEAU, P.; SANDBERG, M. E. Training and Learning as Drivers of US Microenterprise Business Plan Quality. Education & Training, vol. 46, n. 8/9, pp. 398-405, 2004.

DELMAR, F.; SHANE, S. Does Business Planning Facilitate the Development of New Ventures? Strategic Management Journal, vol. 24, n. 12, pp. 1165–1185, 2003.

FECOMERCIO/SEBRAE-DF. Estudo econômico das micro e pequenas empresas, 2009. Disponível em: . Acesso em 18 jan. 2012.

FERNANDES, J. C. O Microempreendedor Individual (MEI): vantagens e desvantagens do novo sistema. Revista Eletrônica de Direito do Centro Universitário Newton Paiva, vol. 1, p. 16, 2010.

GEM, Global Entrepreneuship Monitor. The Global Entrepreneurship Monitor. Curitiba: IBPQ, 2012.

GOMES, J. A.; FREITAS, A. A. F.; CAPELO JÚNIOR, E. O retrato do empreendedor informal. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (ENEGEP), 25, Porto Alegre, out./nov. 2005.

IBGE. Censo Populacional do Brasil. 2011. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br/

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. ECONOMIA INFORMAL URBANA 2003.

IBRE/FGV, Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas. Conjuntura econômica, 2011. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2012.

IRWIN, D. Learning from business support in Africa. Management Research Review, vol. 34, n. 2, pp. 207-220, 2011.

ISBN 85-240-3807-1, Rio de Janeiro. 2005.

KANTIS, H.; ISHIDA, M.; KOMORI, M.. Empreendedorismo em economias emergentes: criação e desenvolvimento de novas empresas na América Latina e no Leste Asiático. Banco Interamericano de Desenvolvimento, 2002.

KREIN, J. D.; PRONI, M. W.. Economia informal: aspectos conceituais e teóricos. Organização Internacional do Trabalho: Escritório da OIT no Brasil, 2010.

LEI COMPLEMENTAR nº 123, de 14 DE DEZEMBRO DE 2006, Brasília. Disponivel em: . Acesso em: 20 jun. 2011.

MATTOS, E.; OGURA, L. M. Skill differentiation between formal and informal employment. Journal of Economic Studies, Vol. 36, n. 5, pp. 461 480, 2009

Ministério da Fazenda. Empreendimentos informais, 2010. Disponível em: . Acesso em: 26 jan. 2012.

Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). A informalidade no mercado de trabalho brasileiro e as políticas públicas do governo federal, 2002. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2011.

OYELARAN-OYEYINKA, B.; LAL, K. Learning New Technologies By Small And Medium Enterprises In Developing Countries. Maastricht. Technovation, vol. 26, pp. 220–231, 2004.

SAMUJH, H. Micro-businesses need support: survival precedes sustainability. Corporate Governance, vol. 11, n. 1, pp. 15-28, 2011.

SANTARELLI, E.; VIVARELLI, M. Entrepreneurship and the process of firms’ entry, survival and growth. Industrial and Corporate Change, vol. 16, no 3, pp. 455-488, 2007.

SCHNEIDER, C. Mixed R&D incentives: the effect of R&D subsidies on patented inventions. Working Papers, vol, 06, 2008.

SCHNEIDER, C.; VEUGELERS, R. On young highly innovative companies: why they matter and how (not) to policy support them. Industrial and Corporate Change, vol. 19, n. 4, pp. 9691007, 2010.

SEBRAE. Anuário do trabalho na micro e pequena empresa: 2010-2011. 4. ed. /Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Org.); Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos[responsável pela elaboração da pesquisa, dos textos, tabelas e gráficos]. –Brasília, DF; DIEESE, 2011a.

SEBRAE; DIEESE. Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa. 2008-2009. 3. ed. /Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Org.); Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos[responsável pela elaboração da pesquisa, dos textos, tabelas e gráficos]. –Brasília, DF; DIEESE, 2009.

SEBRAE. Fatores Condicionantes e Taxas de Sobrevivência e Mortalidade das Micro e Pequenas Empresas no Brasil 2003-2005, Brasília. SEBRAE, 2007.

SEBRAE. Perfil do Microempreendedor Individual 2012. Série Estudos e Pesquisas: SEBRAE, 2012.

SEBRAE/PR. Estudo econômico das micro e pequenas empresas, 2010. Disponível em: . Acesso em 18 jan. 2012.

SEBRAE. Taxa de sobrevivência das empresas no Brasil. Brasília: SEBRAE, 2011b.

SEPLAG. Notícias PIB: Sergipe é o quarto estado que mais cresceu em 2009. Disponível em: http://www.seplag.se.gov.br/noticias/1211-pib-sergipe-e-o-quarto-estado-que-maiscresceu-em-2009 Acesso em: 10 de dezembro de 2011

SILVA, N.; et. al. A importância do empreendedor rural para capacitar, desenvolver e equacionar estrategicamente os recursos sustentáveis, gerando renda e qualidade de vida. Revista eESTUDANTE Electronic Accounting and Management Universidade Tecnologica Federal do Paraná, Campus Pato Branco , 2010.

SOUZA, M. C. A. F; MAZZALI, L. Conceito e Espaço da Pequena Empresa na Estrutura Industrial: heterogeneidade e formas de inserção. Gestão e Produção, vol. 15, n. 3, p. 591-603, set./dez. 2008.

TIRYAKI, G. F. A informalidade e as flutuações na atividade econômica. Estudos Econômicos, vol. 38, n. 1, 2008.

VARGAS-HERNANDEZ, J. G. Can Handcrafts Micro Business in Southern San Sebastian Compete Well? Research in Applied Economics, vol. 2, n. 2, 2010.

VIOTTI, E. B. Technological Learning Systems, Competitiveness and Development. International Conference on Technological Innovation and Development: Massachusetts, 2004.

YUMKELLA, K.; VINANCHIARACHI, J. Leading issues on Africa’s path to industrialisation: The role of support systems and instruments. Journal of African Economies, vol. 12, n. 10, pp. 3040, 2003.