A falácia da democracia ou quando a maioria é apenas uma minoria Outros Idiomas

ID:
30835
Resumo:
A tese deste ensaio é a de que a “nova democracia” pouco guarda de semelhança com a que lhe deu origem, a democracia dos antigos, mas que, não obstante, ainda hoje bastante presente no imaginário e nas expectativas dos cidadãos, até porque, estimulada pelos agentes políticos. Para a sua demonstração os autores reuniram diversas premissas que sustentam o argumento. Por trás desse distanciamento os autores identificam riscos às instituições do sistema democrático, para os quais alertam. Mas se alguns motivos desse distanciamento podem ser atribuídos, por imposição, à própria evolução das sociedades e dos Estados, outros, por certo resultam de opções políticas que podem ser revistas, buscando, assim, novos modelos participativos que não sejam tão divorciados do ideário ainda explorado, mas antes, mais aderentes, eliminando, assim, os riscos futuros. Um exemplo flagrante desse distanciamento é a manipulação pelo Congresso Nacional da noção de maioria, pois parece claro e fora de dúvida que o conceito de maioria simples (relativa) – ainda que legal – não condiz com o sentido historicamente associado à participação democrática, esta mais próxima da noção de maioria absoluta e, mais ainda, da maioria qualificada.
Citação ABNT:
PINHEIRO, I. A.; CONTE, G. M.; VIEIRA, L. J. M.; MOTTA, P. C. D. A falácia da democracia ou quando a maioria é apenas uma minoria. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 7, n. 1, p. 50-75, 2013.
Citação APA:
Pinheiro, I. A., Conte, G. M., Vieira, L. J. M., & Motta, P. C. D. (2013). A falácia da democracia ou quando a maioria é apenas uma minoria. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 7(1), 50-75.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/30835/a-falacia-da-democracia-ou-quando-a-maioria-e-apenas-uma-minoria/i/pt-br
Tipo de documento:
Caso de Ensino
Idioma:
Português
Referências:
AGÊNCIA SENADO. ESPECIAL: Decisões terminativas agilizam atividades do Senado. Disponível em: http://cnc.deolhonaweb.com.br/noticias/especial-decisoes-terminativas-agilizamatividades-do-senado. Acesso em: 21.09.2011.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. São Paulo: Martin Claret, 2007.

AYDOS, Eduardo Dutra. Democracia Plebiscitária: utopia e simulacro da reforma política no Brasil. Porto Alegre/Canoas: Ed. Universidade/UFRGS/Centro Educacional La Salle de Ensino Superior, 1995.

BLUCHE, Frédéric; RIALS, Stéphane; TULARD, Jean. A Revolução Francesa. Rio de Janeiro: Zahar, 1989.

BOBBIO, Norberto. A Era dos Direitos. Nova Edição. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

BOBBIO, Norberto. A Teoria das Formas de Governo. 10ª ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2000b.

BOBBIO, Norberto. Entre duas Repúblicas: as origens da democracia italiana. Brasília/São Paulo: Editora Universidade de Brasília/ Imprensa Oficial do Estado, 2001.

BOBBIO, Norberto. Liberalismo e Democracia. São Paulo: Brasiliense, 1988.

BOBBIO, Norberto. O futuro da democracia. 10ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000a.

BOBBIO, Norberto. Teoria Geral da Política – a filosofia política e as lições dos clássicos. Org. por Michelangelo Bovero. 4ª Tiragem. Rio de Janeiro: Campus, 2000c.

BOLZONI, Fernando B. XXII Congresso Estadual de Servidores de Câmaras Municipais do Rio Grande do Sul. Palestra: Sistemas Eleitorais – 23.09.2010. Rio Grande do Sul, Assembléia Legislativa, Escola do Legislativo Dep. Romildo Bolzan. Disponível em: http://docs.google.com/viewer?a=v&q=cache:vEfqBZRBUs0J:ascamrs.com.br/Palestras/Bolzoni/Sistemas%2520EleitoraisASCAM.ppt+No+Parlamento+Nacional,+n%C3%B3s+temos+l%C3%A1+o+que%3F+O+Brasil+d os+professores&hl=pt-BR&gl=br&pid=bl&srcid=ADGEESiLJP1A7S0zaJ9YkPdBIDKmZ2y1UBkBrRYT32UopZg7tN9nD6L4EufhnptZbgqiWgXO9we14l-zrveiyJQlm8K-bF11Oa5JdO11d_a2WVov57Samx0o5ZWD5Fkb1UkqSFYRhZ&sig=AHIEtbQvsdj24IGD_hc9CiUVmZD Ec4oLnA. Acesso em: 10.10.2011

BRASIL. Constituição Federal e Emendas. Disponível em: http://www.senado.gov.br/legislacao/const/con1988/CON1988_13.07.2010/index.shtm. Acesso: 21.09.2011.

BRASIL. Lei Federal nº 9.504, de 30 de setembro de 1997. Estabelece normas para as eleições. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9504.htm. Acesso: 21.09.2011 .

BRASIL. Regimento Interno do Senado. Texto editado em conformidade com a Resolução no 18, de 1989, consolidado com as alterações decorrentes de emendas à Constituição, leis e resoluções posteriores, até 2010. Disponível em: http://www.senado.gov.br/legislacao/regsf/. Acesso: 21.09.2011.

BROSSARD [de Souza Pinto], Paulo. Lamentável. Zero Hora, Porto Alegre, 23.05.2005, p. 15. Coluna: Opinião.

BROSSARD [de Souza Pinto], Paulo. Ser ou não ser. Zero Hora, Porto Alegre, 08.03.2004, p. 19. Coluna: Opinião.

CAMPANELLA, Tommaso. A Cidade do Sol. São Paulo: Martin Claret, 2004.

CHURCHILL, Winston Disponível em: http://pensador.uol.com.br/frases_de_winston_churchill/2/. Acesso em: 27.09.2011

GIANNETTI, Eduardo. Vícios privados, benefícios públicos? a ética na riqueza das nações. São Paulo: Cia. das Letras, 2007.

GOVERNET. Decisões terminativas agilizam atividades do Senado. Disponível em: http://www.governet.com.br/noticia.php?cod=868. Acesso em: 21.09.2011

HOBBES, Thomas. Leviatã. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

JORNAL NACIONAL. Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=dlaw1XI5zPE&feature=related. Acesso em: 26.09.2011.

KANT, I. À Paz Perpétua. Porto Alegre: L&PM Pocket Plus, 2010.

LEMOS, I. Eleitos por minoria geram debate sobre segundo turno. Zero Hora, p. 13, 14.10.2004.

LEWANDOWSKI, Ricardo. Proliferação Partidária – reforma afunda e país ganha 29ª sigla. Zero Hora, p. 6, 06.10.2011.

LOCKE, John. Segundo Tratado Sobre o Governo. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

MILL, J. S. O Governo Representativo. São Paulo: Escala, 2006.

MORUS, Thomas. A Utopia. São Paulo: Escala, s.d.

MOURA, Heron. O Deputado dos Caminhoneiros. Zero Hora, Porto Alegre, 27.10.2006, p. 19. Coluna: Opinião.

NAY, Olivier. História das idéias políticas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

NICOLAU, Jairo Marconi. Sistemas Eleitorais. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1999.

OSTERMANN, Nilse W.; KUNZE, Iole C. Às Armas Cidadãos – a França revolucionária (17891799). São Paulo: Atual, 1995.

PINHEIRO, Ivan Antônio. As Últimas Emancipações Municipais no Rio Grande do Sul. Revista de Administração Municipal. Rio de Janeiro, v. 51, n. 258, p. 56-68, 2006.

PINHEIRO, Ivan Antônio. Emancipações no Rio Grande do Sul: racionalidade ou inconsequência nos processos de municipalização. Revista Brasileira de Administração Pública. Rio de Janeiro, Brasil, v. 37, n. 4 p. 741-775, 2003b.

PINHEIRO, Ivan Antônio; MOTTA, Paulo Cesar Delayti. Significado e importância das emancipações: uma polêmica ainda não resolvida no Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Administração Pública. Rio de Janeiro, Brasil, v. 37, n. 4, p. 713-739, 2003a.

PINHEIRO, Ivan Antônio; VIEIRA, Luciano José Martins; MOTTA, Paulo Cesar Delayti. Mandando Montesquieu às favas: o caso do não cumprimento dos preceitos constitucionais de independência dos três poderes da república. Revista Brasileira de Administração Pública. Rio de Janeiro, Brasil, v. 45, n. 6, 2011.

PLATÃO. A República. São Paulo: Nova Cultural, 2000.

PRADO, Ney. Razões das Virtudes e Vícios da Constituição de 1988 – subsídios à revisão constitucional. São Paulo: IL/Inconfidentes, 1994.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Do Contrato Social. São Paulo: Nova Cultural, 2000. [v. I e II].

SANTI, Marcos Evandro Cardoso. Criação de Comissões Parlamentares de Inquérito: tensão entre o direito constitucional de minorias e os interesses políticos da maioria. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Ed., 2007.

TULLOCK, Gordon. A Teoria da Escolha Pública. IN: TULLOCK, Gordon; SELDON, Arthur; BRADY, Gordon. Falhas de Governo: uma introdução à teoria da escolha pública. Rio de Janeiro: Instituto Liberal, 2005.

WALLERSTEIN, I. Após o Liberalismo – em busca da reconstrução do mundo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002