Estratégia de internacionalização conduzida: um estudo em redes de franquias brasileiras Outros Idiomas

ID:
31141
Resumo:
Este artigo analisa as razões que motivam franquias brasileiras a instalarem unidades fora do Brasil. Com base em entrevistas presenciais conduzidas em 2012 com 21 redes de franquias brasileiras (de um total de 88 redes internacionalizadas) observou-se a forte presença de agentes exteriores à organização impulsionando esta iniciativa. Para parte significativa das franquias brasileiras, sair do Brasil e implementar unidades no exterior segue um movimento que não é nem reativo nem proativo. O que se observa é uma internacionalização do tipo “conduzida”, isto é, mesmo quando as empresas apresentam um alto de grau de empreendedorismo, não são os gestores das empresas que iniciam a internacionalização, mas sim agentes externos à elas.
Citação ABNT:
AGUIAR, H. S.; CONSONI, F.; BERNARDES, R. C. Estratégia de internacionalização conduzida: um estudo em redes de franquias brasileiras. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, v. 13, n. 1, p. 114-131, 2014.
Citação APA:
Aguiar, H. S., Consoni, F., & Bernardes, R. C. (2014). Estratégia de internacionalização conduzida: um estudo em redes de franquias brasileiras. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 13(1), 114-131.
DOI:
10.5329/RECADM.2014002
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/31141/estrategia-de-internacionalizacao-conduzida--um-estudo-em-redes-de-franquias-brasileiras/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABF - Associação Brasileira de Franchising. (2012). Evolução do Setor2002-2011. Recuperado em 19 de julho,2012, de http://www.portaldofranchising.com.br/site/content/interna/index.asp?codA=11&codC=4&origem=sobreosetor

Alexander, N. (1995). Internationalization: interpreting the motives. In: Mcgoldrick, P. J.; Davies, G. (Ed). International retailing: trends and strategies. p. 77-98. Londres: Pitman Publishing.

Alon, I. (2006). Market conditions favoring master international franchising. Multinational Business Review, 14(2), 67-82.

Banco Mundial. (2011). World Bank Group: Gross domestic product. Recuperado em 12 de julho,2012, de http://databank.worldbank.org/databank/download/GDP.pdf

Borini, F. M.; Ribeiro, F. C. F.; Coelho, F. P.; Proença, E. R. (2006). O prisma da internacionalização: um estudo de caso. Revista de Administração FACES Journal, 5(3).

Carney, M.; Gedajlovic, E. (1991). Vertical integration in franchise systems: agency theory and resource explanations. Strategic Management Journal, 12(8), 607-629.

Cherto, M.; et al. (2006). Franchising: Uma estratégia para expansão de negócios. São Paulo: Premier Máxima.

Combs, J. G.; Ketchen, D. J. (1999). Can capital scarcity help agency theory explain franchising? Revisiting the capital scarcity hypothesis. Academy of Management Journal, 42(2), 196-207.

Combs, J. G.; Ketchen, D. J.; Shook, C. L.; Short, J. C. (2011). Antecedents and consequences of franchising: Past accomplishments and future challenges. Journal of Management, 37(1), 99-126.

Combs, J. G.; Michael, S. C.; Castrogiovanni, G. J. (2004). Franchising: a review and avenues to greater theoretical diversity. Journal of Management, 30(6), 907-931.

Dahab, S. (1996). Entendendo franchising: uma alternativa eficaz para o pequeno e médio empreendedor. Salvador: Casa da Qualidade.

Dunning, J. (1988). The eclectic paradigm of international production: a restatement and some possible extensions. Journal of international business studies, 19(1), 1-31.

Dunning, J. H. (2001). The eclectic (OLI) paradigm of international production: past, present and future. International journal of the economics of business, 8(2), 173-190.

Fleury, A. C.; Fleury, M. T. L. (2003). Estratégias competitivas e competências essenciais: perspectivas para a internacionalização da indústria no Brasil. Gestão & Produção, 10(2), 129-144.

Gibbs, G. (2009). Analise de dados qualitativos: Coleção Pesquisa Qualitativa. São Paulo: Bookman.

Herdy, B.; Rocha, A.; Mello, R. C. (2013) Brazilian Fast Food Corporation: Internacionalização da Rede Bob s. Tecnologias de Administração e Contabilidade, v. 3, 16-41.

Hilal, A.; Hemais, C. A. (2003). O processo de internacionalização na ótica da Escola Nórdica: evidências empíricas em empresas brasileiras. Revista de Administração Contemporânea, 7(1), 109-124.

Hitt, M. A.; Ireland, D. R.; & Hoskisson, R. E. (2008). Administração estratégica: competitividade e globalização. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Hitt, M. A.; Ireland, R. D.; & Hoskisson, R. E. (1999). Strategic management. Cincinnati: South Western College.

Hoy, F.; Shane, S. (1998). Franchising as an entrepreneurial venture form. Journal of Business Venturing, 13(2), 91-94.

Jensen, M. C.; Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: Managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of financial economics, 3(4), 305-360.

Johanson, J.; Vahlne, J. E. (1977). The internationalization process of the firm - a model of knowledge development and increasing foreign market commitments. Journal of international business studies, p. 23-32.

Johanson, J.; Vahlne, J. E. (2003). Business relationship learning and commitment in the internationalization process. Journal of international entrepreneurship, 1(1), 83-101.

Johanson, J.; Vahlne, J. E. (2009). The Uppsala internationalization process model revisited: From liability of foreignness to liability of outsidership. Journal of international business studies, 40(9), 1411-1431.

Kedia, B. L.; Ackerman, D. J.; Justis, R. T. (1995). Changing barriers to the internationalization of franchising operations: perceptions of domestic and international franchisors. The International Executive, 37(4), 329-348.

Khauaja, D. (2009). Gestão de marcas na estratégia de internacionalização de empresas: Estudo com franqueadoras brasileiras. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Maciel, F. A.; Rocha, A. da; Silva, J. F. da. (2013). Brand Personality of Global Quick-Service Restaurants in Emerging and Developed Markets: A Comparative Study in Brazil and the US. Latin American Business Review, 14(2), 139-161.

Marques, D. S. P.; Merlo, E. M.; Lucchesi, C. A. M. (2005). Os motivos envolvidos na internacionalização de franquias brasileiras. FACEF Pesquisa-Desenvolvimento e Gestão, 8 (2).

Marques, D. S. P.; Merlo, E. M.; Nagano, M. S. (2013). Uma análise sobre internacionalização de franquias brasileiras. Revista Eletrônica de Administração, 15(1), 78-107.

MDIC - Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (2011). Conhecendo o Brasil em Números . Recuperado em 12 de julho,2012, de http://www.desenvolvimento.gov.br/arquivos/dwnl_1312203713.pdf

Melo P. L. R.; & Andreassi T. (Org.). (2012). Franquias Brasileiras: Estratégia, empreendedorismo, inovação e internacionalização. São Paulo: Cengage Learning.

Melo, P. L. R. (2012). Internacionalização das redes de franquias brasileiras: uma análise organizacional e institucional. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Melo, P. L. R.; Andreassi, T. (2010). National and international scientific publication about franchising: analysis 1998-2007. Revista de Administração Contemporânea, 14(2), 268-288.

Melo, P. L. R.; Andreassi, T.; & Oliveira, M. M. JR. (2012) Fusão e internacionalização de franquias no segmento de alimentação: O caso “Trendfoods e China in Box”. In: Melo, P. L. R.; & Andreassi, T. Franquias Brasileiras: Estratégia, empreendedorismo, inovação e internacionalização. p. 107-122. São Paulo: Cengage.

Mendelsohn, M. (1994) A essência da franchising. São Paulo: Difusão de educação e cultura.

Oliveira, M. M JR. (Org.). (2010). Multinacionais brasileiras: internacionalização, inovação e estratégia global. Porto Alegre: Bookman.

OMC - Organização Mundial do Comércio (2011). World trade development. Recuperado em 20 de julho, 2012, de http://www.wto.org/english/res_e/statis_e/its2011_e/its11_world_trade_dev_e.pdf

Oxenfeldt, A. R.; Kelly, A. O. (1969). Will successful franchise systems ultimately become whollyowned chains. Journal of Retailing, 44(4), 69-83.

Prahalad, C. K.; & Hamel, G. (2005). Competindo Pelo Futuro. Rio de Janeiro: Elsevier.

Quinn, B. (1998). Towards a framework for the study of franchising as an operating mode for international retail companies. The International Review of Retail, Distribution and Consumer Research, 8(4), 445-467.

Quinn, B.; Alexander, N. (2002). International retail franchising: a conceptual framework. International journal of retail & distribution management, 30(5), 264-276.

Ribeiro A. et al. (2011). Gestão Estratégica do Franchising: como construir redes de franquias de sucesso. São Paulo: DVS.

Rocha, T. et al. (2012). Aspectos mercadológicos e estratégicos da internacionalização das franquias brasileiras. São Paulo: ESPM.

Rocha, T.; Borini, F.; & Spers, E. (2010). Processos e barreiras para internacionalização de franquias brasileiras. São Paulo: ABF.

Sardy, M.; Alon, I. (2007). Exploring the differences between franchisee entrepreneurs and nascent entrepreneurs. International Entrepreneurship and Management Journal, 3(4), 403-418.

Sashi e Karuppur, (2002). Franchising in global markets: towards a conceptual framework. International Marketing Review, 19(5), 499-524.

Sebenius, J. K. (2002). The hidden challenge of cross-border negotiations. Harvard Business Review, 80(3), 76-85.

Silva, J. F.; Rocha, A.; Carneiro, J. (2009) The International Expansion of Firms from Emerging Markets: Toward a Typology of Brazilian MNEs. Latin American Business Review (Binghamton), v. 10, p. 95-115.

Stanworth, J.; Dandridge, T. (1994). Business franchising and economic change: an overview. International Small Business Journal, 12(2), 12-14.

Stanworth, J.; Stanworth, C.; Watson, A.; Purdy, D.; Healeas, S. (2004). Franchising as a Small Business Growth Strategy A Resource-Based View of Organizational Development. International Small Business Journal, 22(6), 539-559.

Welsh, D. H.; Alon, I.; Falbe, C. M. (2006). An examination of international retail franchising in emerging markets. Journal of small Business management, 44(1), 130-149.

Williamson, P.; Ramamurti, R.; Fleury, A.; & Fleury, M. T. L. (2013). The competitive advantage of emerging market multinationals. 1. ed. Cambridge, Grã Bretanha: Cambridge University Press.