A Defensoria Pública do Estado do Pará: uma observação sistêmica da capacidade institucional Outros Idiomas

ID:
31161
Autores:
Resumo:
Este trabalho mostra os resultados de uma observação empírica nos Núcleos da Defensoria da Região Metropolitana de Belém e nos Núcleos dos municípios de Marabá e Santarém, no Pará. Com algumas modificações, inspira-se na ideia de sistemas autorreferenciais proposta por Niklas Luhmann. A observação de primeiro grau operacionalizada a partir de questionários tem por objetivo analisar a capacidade institucional-administrativa da Defensoria Pública, partindo de um esquema formado pela convergência de diversos conceitos teóricos para a observação e compreensão das organizações públicas. A observação de segundo grau é operacionalizada a partir de entrevistas semiestruturadas.
Citação ABNT:
VIDAL, J. P.A Defensoria Pública do Estado do Pará: uma observação sistêmica da capacidade institucional. Revista de Administração Pública, v. 48, n. 3, p. 667-694, 2014.
Citação APA:
Vidal, J. P.(2014). A Defensoria Pública do Estado do Pará: uma observação sistêmica da capacidade institucional. Revista de Administração Pública, 48(3), 667-694.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/0034-76121174
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/31161/a-defensoria-publica-do-estado-do-para--uma-observacao-sistemica-da-capacidade-institucional/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AZEVEDO, Sergio; ANASTASIA, Fátima. Governança, “accountability” e responsabilidad. Revista de Economía Política, v. 22, n. 1, p. 78-97, jan./mar. 2002.

BARRETO, Ana Cristina. A Defensoria Pública como instrumento constitucional de defesa dos direitos da mulher em situação de violência doméstica, familiar e intrafamiliar. Dissertação (mestrado) — Universidade Fortaleza, Fortaleza, 2007.

BAUM, Joel A. Ecologia organizacional. In: CLEGG, Stewart R.; HARDY, Cynthia; NORD, Walter. Handbook de estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 1999. v. 1, p. 137-195.

BERGER, Peter; LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. Petrópolis: Vozes, 2003.

BOURDIEU, Pierre. Sobre el poder simbólico. In: BOURDIEU, Pierre. Intelectuales, política y poder. Tradução de Alicia Gutiérrez. Buenos Aires, UBA: Eudeba, 2000. p. 65-73.

CARDOSO, Luciana. Participação social: inovações democráticas no caso da Defensoria Pública do estado de São Paulo. São Paulo: Fundação Getulio Vargas, 2010.

CHRISTEINSEN, Tom et al. Organisation theory and the public sector. Abingdon: Routledge, 2007.

CLAD-SIARE. La evaluación como una herramienta para una gestión pública orientada a resulta dos, 2002. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2010.

CORREGEDORIA NACIONAL DE JUSTIÇA. Relatório anual das atividades da Corregedoria Nacional de Justiça. Brasília, 2006.

COSTA, Nelson. Manual do defensor público. Rio de Janeiro: GZ Editora, 2011.

DA MOTTA, Luiz E. Pereira. O Estado e a sociedade na concepção de mundo do defensor público do Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2011.

DAVIS, Gerald. F.; MARQUIS, Christopher. Prospects for organization theory in the early twenty-first century: institutional fields and mechanisms. Organization Science, v. 16, n. 4, p. 332-343, 2005.

DE CASTRO, Carolina A. O acesso à justiça através da Defensoria Pública e dos meios extrajudiciais de solução amistosa. Florianópolis: Habitus, 2008.

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO PARÁ. Projeto redescobrindo o assistido. Belém: Defensoria Pública, 2012. v. 5.

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO PARÁ. Redescobrindo o assistido. Estudo na Defensoria Pública no estado do Pará. Belém: Defensoria Pública, 2011.

DEFENSORIA PÚBLICA MINAS GERAIS. Disponível em: . Acesso em: 5 mar. 2011.

DE MENDONÇA, Aline. A educação a distância no Poder Judiciário brasileiro. Universidade Gama Filho, Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2010.

DOS SANTOS, Alberto L. A reforma regulatória no Brasil. Brasília: Presidência da República. 2009.

DUSSAULT, Gilles. A gestão dos serviços públicos de saúde: características e exigências. Rev. Adm. Pública, Rio de Janeiro, v. 26, n. 2, p. 8-19, mar./abr. 1992.

FAISTING, André Luis. O dilema da dupla institucionalização do Poder Judiciário: o caso do juiza do especial de pequenas causas. In: SADEK, Maria Tereza (Org.). O sistema de justiça. São Paulo: Idesp; Sumaré, 1999. p. 43-59.

FAISTING, André Luiz. As instituições jurídicas na análise sociológica das instituições sociais. In: MONSMA, Karl (Org.). Estrutura e ação na teoria social contemporânea. Revista Teoria & Pesquisa, São Carlos, , v. 38-39, p. 111-129, jul./dez. 2001.

FERRAZ, Fabio et al. Defensoria Pública do estado de São Paulo: aperfeiçoamento dos mecanismos de participação social. São Paulo: FGV, 2011.

FONTOURA PORTO, Pedro. Ministério Público: desafios e perspectivas sistêmicas em meio à crise do estado atual. Revista do Ministério Público do RS, Porto Alegre, n. 72, p. 57-77, maio 2002.

FORMIGOSA, Fernanda O. A humanização da Justiça. Revista do Tribunal Regional do Trabalho, v. 42, n. 82, p. 135-138, jan./jun. 2009.

FORSS, Kim; VENSON, Pelenomi. An evaluation of the capacity building efforts of united nations op erational activities in Zimbabwe: 1980-1995, 2002. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2005.

FUHS, Clint. Toward a integral approach to organization theory. Journal of Integral Organization Theory and Practice. Disponível em: . Acesso em: 26 nov. 2012.

GIRAUD, Claude. Del ahorro y del gasto. Sociología de la organización y la institución. Buenos Aires: Editorial Biblos, 2010.

GOMES, Adalmir de; GUIMARÃES, Tomás de A. Desempenho no Judiciário. Conceituação, estado da arte e agenda de pesquisa. Rev. Adm. Pública, Rio de Janeiro, v. 47, n. 2, p. 379-401, mar./abr. 2013.

HALL, John S. Reconsidering the connection between capacity and governance. Public Organization Review: A Global Journal, v. 1, n. 2, p. 23-43, 2002.

HILDERBRAND, Mary; GRINDLE, Merilee. Building sustainable capacity in the public sector: what can be done? In: GRINDLE, Merilee S.Getting good government. Capacity building in the public sector of developing countries. Boston: Harvard University Press, 1997.

HINZE, Jimmie. Making zero injuries a reality. University of Florida Report 160. Gainesville: Con struction Industry Institute, 2002.

HUERTA, Rosas A. Una ruta metodológica para evaluar la capacidad institucional. Política y Cultura, n. 30, p. 119-134, 2008.

KAUFFMANN, Stuart. At home in the universe: the search for the laws of self-organization and complexity. Nova York: Oxford University Press, 1995.

KELLY, Gavin; MUERS, Srephen. Creating value: an analytical framework for public service reform. Londres: Prime Minister’s Strategic Unit, 2003.

KRUGLIANKAS, Isak; GIOVANNINI, Fabrizio. A complexidade e as organizações: uma proposta de características organizacionais eficazes. Universidade de São Paulo, Departamento de Administra ção, Working Paper 21. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2013.

LEITE, Gisele. Sociologia das instituições jurídicas. Rio Janeiro: Fundação Getulio Vargas, 2010.

LUBAMBO, Cátia W. Desempenho da gestão pública: como a população avalia o governo em pequenos municípios. Recife: Ministério da Educação; Fundação Joaquim Nabuco, 2006.

LUDICIBUS, Sergio; MARION, José Carlos. Dicionário de termos de contabilidade. São Paulo: Atlas, 2001.

LUHMANN, Niklas. Organizacion y decisón. Autopoieisis y entendimiento comunicativo. Tradução de Darío Rodríguez Mansilla. Barcelona: Anthropos, 1997.

LUHMANN, Niklas. Rechtssoziologie. Opladen: Westdeutscherverlag, 1989.

LUHMANN, Niklas. Sistema jurídico y dogmatica jurídica. Madri: Centro Estudios Constitucionales, 1983.

LUHMANN, Niklas. Soziale Systeme. Frankfurt a.M.: Suhrkamp Verlag, 1984.

LUHMANN, Niklas; TORRES NAVARRATE, Javier. Niklas Luhmann. Introducción a la teoría de sistemas. México: Universidad Iberoamericana, 1995.

MACIEIRA, Maria Elisa. Gestão administrativa e política das instituições jurídicas públicas. Rio Janeiro: Fundação Getulio Vargas, 2010.

MANCINI, Anna. Justicia e Internet. Una filosofía del derecho para el mundo virtual. Buenos Books America, 2004.

MATURANA, Humberto; VALERA, Francisco J. Autopoiesis and cognition: the realization of the liv ing. Boston Studies in the Philosophy of Science, v. 42, 1980.

MCADAM, Doug; TARROW, Sidney; TILLY, Charles. Dynamics of contention. Nova York: Cambridge University Press, 2001.

MCKELVEY, Bill; ALDRICH, Howard. Populations, natural selection and applied organizational science. Administrative Science Quarterly, v. 28, n. 1, p. 101-128, 1983.

MCKELVEY, Bill. Organizational systematics: taxonomic lessons from biology. Management Science, v. 24, n. 13, p. 1428-1440, 1978.

MEGGINSON, Leon; MOSLEY, Donald C.; PIETRI, Paul. Administração: conceitos e aplicações. São Paulo: Harbra, 1998.

METER, Evans. El Estado como problema y como solución. Desarrollo económico Revista de Ciencias Sociales, v. 35, n. 140, p. 529-562, jan./mar. 1996.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Diagnóstico do Poder Judiciário. Brasília: Ministério da Justiça, 2003.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. II Diagnóstico Defensoria Pública no Brasil. Brasília: DPU, 2004.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. III Diagnóstico Defensoria Pública no Brasil. Brasília: DPU, 2009.

MOTTA, Luiz Eduardo. O Estado e a sociedade na concepção de mundo do defensor público do Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 5 mar. 2011.

MURMANN, Johann Peter et al. An evolutionary theory of economic change. Journal of Management Inquiry, v. 12, n. 1, p. 1-19, 2003.

NELISSEN, Nicolaas. The administrative capacity of new types of governance. Public Organization Review: A Global Journal 2, v. 2, n. 5, p. 5-22, 2002.

NOGUEIRA, José Marcelo; PACHECO, Regina S. A gestão do Poder Judiciário nos estudos de ad ministração pública. In: CONGRESSO CONSAD DE GESTÃO PÚBLICA, 2, 2008, Brasília. Anais... Brasília: Consad, 2009. p. 1-20.

OCDE. Relatório sobre a reforma regulatória. Brasil Fortalecendo a governança para o crescimento. Brasília: Alia Opera, 2008.

PFEFFER, Jeffrey. New directions for organisation theory. Problems and prospects. Nova York; Ox ford: Oxford University Press, 1997.

PIMENTA, Marilia G.; ALVES, Cleber Francisco. Acesso à Justiça: em preto e branco: Retratos ins titucionais da Defensoria Pública. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2004.

PINA E CUNHA, Miguel (Org.). Teoria organizacional perspectivas e prospectivas. 1. ed. Lisboa: Pu blicações Dom Quixote, 1999.

PIRES, José C.; MACÊDO, Kâtia B. Cultura organizacional em organizações públicas no Brasil. Rev. Adm. Pública, v. 40, n. 1, p. 81-105, 2006.

PROUDHON, Joseph. La capacidad política de la clase obrera. Barcelona: Destino, 1986.

ROBERT, Cinthia; SÉGUIN, Elida. Direitos humanos, acesso à justiça: um olhar da Defensoria Pública. Rio de Janeiro: Forense 2000.

SANTANA, Ângela. Agências Executivas e Agências Reguladoras — o processo de agencificação: pressupostos do modelo brasileiro e balanço da experiência. In: MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO. Balanço da Reforma do Estado no Brasil. A Nova Gestão pública. Brasília: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão SEGES, 2002. p. 75-94.

SELZNIK, Philip. Leadership in administration: a sociological interpretation. Nova York: Harper & Row, 1967.

SONDRINI, Paulo. Dicionário de administração e finanças. São Paulo: Best Sellers, 1996.

STACEY, Ralph D. Strategic management and organizational dynamics: the challenge of complexity. Harlow, Essex, Inglaterra: Pearson Education, 2000.

TEIXEIRA, Márcia Regina; LANIANO, Ruthy. Justiça e desigualdades: o descompasso da cidadania como forma de exclusão social. Cadernos CRH, Salvador, v. 17, n. 40, p. 71-77, jan./abr. 2004.

TOBELEM, Alain. Sistema de análisis y desarrollo de la capacidad institucional SADCI. Manual de operaciones. División de administración del sector público. Publicaciones ocasionales. Washington DC: LATPS, 1993.

VASCONCELOS, Paulo. O resgate da cidadania: resignificação do papel da Defensoria Pública do estado do Ceará na redução do superendividamento do cidadão. Dissertação (mestrado) — Direito, Universidade Fortaleza, Fortaleza, 2007.

VIDAL, Josep P. A ação comunicativa de Jürgen Habermas: possibilidades de análise para a relação defensor público-assistido. 2011. Disponível em: . Acesso em: 3 fev. 2012.

VIDAL, Josep P. Para uma autopoiese reflexiva. 2014. (No prelo).

XAVIER, Beatriz Rêgo. Um novo conceito de acesso à justiça: propostas para uma melhor efetivação de direitos. Disponível em: . Acesso em: 8 fev. 2011.