Óbices metodológicos da prática de pesquisa nas Ciências Administrativas Outros Idiomas

ID:
31169
Resumo:
O ensaio visa apresentar elementos conceituais e metodológicos que compõem o trabalho científico, a fim de aclarar as etapas de construção da pesquisa, as quais podem apresentar limitantes metodológicos, aqui evidenciados à luz de autores que versam sobre a prática científica. São confrontadas ideias, bem como discutidos os vícios metodológicos em trabalhos acadêmicos. Para compreender a essência da confecção do trabalho de pesquisa, é preciso atentar que a elaboração de um dado saber, seja em termos metodológicos ou no que diz respeito à própria análise da ideia, está ligada ao trabalho do pesquisador e cada vez menos a padrões estabelecidos. O ofício do cientista é artesanal e deve ser construído no dia a dia, pois somente a prática pode evitar os vícios metodológicos nas etapas de construção científica. Considera-se que o debate epistemológico nas ciências administrativas não deve se encerrar, já que questionar seus preceitos, suas bases, mesmo sua excelência, é uma forma de avanço científico.
Citação ABNT:
MESQUITA, R. F.; SOUSA, M. B.; MARTINS, T. B.; MATOS, F. R. N. Óbices metodológicos da prática de pesquisa nas Ciências Administrativas. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 8, n. 1, p. 50-65, 2014.
Citação APA:
Mesquita, R. F., Sousa, M. B., Martins, T. B., & Matos, F. R. N. (2014). Óbices metodológicos da prática de pesquisa nas Ciências Administrativas. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 8(1), 50-65.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/31169/obices-metodologicos-da-pratica-de-pesquisa-nas-ciencias-administrativas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALVES-MAZZOTI, A. J. As ciências sociais são ciências? In: ALVES-MAZZOTI, A. J.; GEWANDSZNAJDER, F. O método nas ciências naturais e sociais – pesquisa quantitativa e qualitativa. 2. ed. São Paulo: Pioneira Thompson Learning, 2001. (p. 112-128).

BACHELARD, G. A formação do espírito científico – contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BERTERO, C. O.; CALDAS, M. P.; WOOD JR., T. Produção científica em administração de empresas: provocações, insinuações e contribuições para um debate local. Revista de Administração Contemporânea, v. 3, n. 1, 1999.

BOURDIEU, P. Introdução a uma sociologia reflexiva. Lisboa: Difel, 1989.

BRUYNE, P. de; HERMAN, J.: SCHOUTHEETE, M. de. Dinâmica da Pesquisa em Ciências Sociais – Os pólos da prática metodológica. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977.

BUNGE, M. Causalidad: el principio de causalidad en la ciencia moderna. Buenos Aires: Eudeba, 1972.

CARRIERI, A. P.; LUZ, T. R. Paradigmas e metodologias: não existe pecado do lado de baixo do Equador. In: Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Administração, 20, 1998, Foz do Iguaçu. Anais... Foz do Iguaçu: ANPAD, 1998.

CHANLAT, J. Ciências sociais e management: reconciliando o econômico e o social. São Paulo: Atlas, 1999.

COLLIS, J.; HUSSEY, R. Pesquisa em administração – um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

DEMO, P. Vícios metodológicos. Brasília: UnB, 2003.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. e colaboradores. O planejamento da pesquisa qualitativa – teorias e abordagens. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006. (p. 15-47).

DURKHEIM, E. As regras do método sociológico. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

FEYERABEND, P. Contra o método. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1989.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 2000.

GEERTZ, C. O senso comum como um sistema cultural. In: GEERTZ, C. O saber local. Petrópolis: Vozes, 1997. (p. 111-141).

GONDIM, L. M. P.; LIMA, J. C. A pesquisa como artesanato intelectual – considerações sobre método e bom senso. João Pessoa: Manufatura, 2002.

GRAF, A. V. Manual para elaboração do projeto de pesquisa das Faculdades Integradas de Itapetininga. Biblioteca Padre Lambert Prins. Itapetininga, 2012.

KUHN, T. S. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 2005.

MATTOS, P. L. A estruturação de dissertações e teses em administração: caracterização teórica e sugestões práticas. RAC, v. 6, n. 3, p. 175-198, set/dez 2002.

MENEGHETTI, F. K. O que é um ensaio-teórico? RAC, v. 15, n. 2, pp. 320-332. 2011

MESQUITA, R. F.; MEDEIROS, A. K. L.; SENA, A. M. C.; SILVA, M. C.; GOMES, V. M. P. O triênio 2010-2012 e a nova avaliação de periódicos da Capes. Educação, Ciência e Cultura, v. 18, n. 2, jul./dez., p. 33-47, 2013.

MINAYO, M. C. S.; SANCHES, O. Quantitativo-qualitativo: oposição ou complementaridade? Cad. Saúde Públ., Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 239-262, jul./set., 1993.

MORIN, E. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

PATTON, M. Q. Fieldwork strategies and observation methods. In: Qualitative research and evaluation methods. 3. ed. Thousand Oaks: Sage, 2002.

POPPER, K. R. Conhecimento objetivo: uma abordagem evolucionária. Belo Horizonte: Itatiaia, 1999.

QUIVY, R.; CAMPEHOUDT L. V. Manual de investigação em ciências sociais. Lisboa: Gradiva, 2008.

ROESCH, S. M. A. A dissertação de mestrado em administração: proposta de uma tipologia. Revista de Administração, São Paulo, v. 31, n. 1, p. 75-83, jan./mar., 1986.

ROESCH, S. M. A. A. Projetos de estágio e de pesquisa em administração: guia para estágios, trabalhos de conclusão, dissertações e estudo de casos. São Paulo: Atlas, 2006.

RUSSELL, B. História do pensamento ocidental – a aventura das ideias: dos pré-socráticos a Wittgenstein. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001.

SÁEZ, O. C. O lugar e o tempo do objeto etnográfico. Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA). Etnográfica, v. 15, n. 3, Lisboa, jun. 2011. Acesso em: 11 dez. 2013.

SALOMON, D. V. A maravilhosa incerteza – pensar, pesquisar e criar. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

SANTOS, B. S. Introdução a uma ciência pós-moderna. 4. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1989.

SILVERMAN, D. Interpretação de dados qualitativos – métodos para análise de entrevistas, textos e interações. Porto Alegre: Artmed, 2009. (p. 282-299).

SIMON, M. C. Galileu Galilei. In: HÜHNE, L. M. da (Org.). Metodologia científica – caderno de textos e técnicas. 4. ed. Rio de Janeiro: Agir, 1990.

SIQUEIRA, M. M. A respeito da estruturação de dissertações e teses em administração. In: MATTOS, P. L. A estruturação de dissertações e teses em administração: caracterização teórica e sugestões práticas. RAC, v. 6, n. 3, Set/Dez. 2002.

SOLIS, S. S. F. O método experimental-dedutivo e a revolução galileu-cartesiana. In: HÜHNE, L. M; (Org.). Metodologia científica – caderno de textos e técnicas. 4. ed. Rio de Janeiro: Agir, 1990.

STRAUSS, A.; CORBIN, J. Pesquisa qualitativa – técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. Porto Alegre: Artmed/Bookman, 2008.

TEIXEIRA, E. B. A análise de dados na pesquisa científica – importância e desafios em estudos organizacionais. Desenvolvimento em Questão, Ijuí (RS), v. 1, n. 2, p. 177-201, jul./ago. 2003.

VELUDO-DE-OLIVEIRA, T. M.; IKEDA, A. A. Valor em serviços educacionais. RAE-eletrônica, v. 5, n. 2, art. 12, jul./dez. 2006.

VERGARA, S. C. Refletindo sobre o texto ‘A estrutura de dissertações e teses em administração: caracterização teórica e sugestões práticas’. In: MATTOS, P. L. A estruturação de dissertações e teses em administração: caracterização teórica e sugestões práticas. RAC, v. 6, n. 3, p. 175-198. Set./Dez. 2002.

VONNEGUT, K. How to write with style. Folder, s.n.t., 1982.

WEBER, M. Metodologia das ciências sociais. Parte 1. Trad. de Agustin Wernet. São PauloCampinas: Cortez-Unicamp, 1992, p. 107-154.

WRIGHT MILLS, C. A imaginação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1980.