O processo de empresarização em organizações culturais brasileiras Outros Idiomas

ID:
31171
Resumo:
Para Solé (2008), a empresa converteu-se no modelo universal dos indivíduos e demais organizações (processo de empresarização). Seguindo estes argumentos, consideramos relevante desenvolver um estudo com o objetivo de verificar os impactos do processo de empresarização em organizações esportivas e religiosas localizadas no Brasil. Para desenvolver essa pesquisa de natureza predominantemente qualitativa, coletamos dados por meio de entrevistas, observação direta e documentos diversos. Os dados foram analisados através da técnica de análise categorial de conteúdo. De uma maneira geral, analisamos quatro dimensões do processo de empresarização adaptadas de Solé (2004; 2008): orientação mercadológica, aspectos legais, linguagem e organização do trabalho. A análise dos dados revela que os clubes de futebol são as organizações que, quando comparados com os outros dois tipos, apresentaram o processo de empresarização mais intenso e avançado.
Citação ABNT:
RODRIGUES, M. S.; SILVA, R. C.; DELLAGNELO, E. H. L. O processo de empresarização em organizações culturais brasileiras. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 8, n. 1, p. 66-85, 2014.
Citação APA:
Rodrigues, M. S., Silva, R. C., & Dellagnelo, E. H. L. (2014). O processo de empresarização em organizações culturais brasileiras. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 8(1), 66-85.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/31171/o-processo-de-empresarizacao-em-organizacoes-culturais-brasileiras/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1988.

BOURDIEU, P. La Distinction: critique sociale du jugement. Paris: Les Editions de Minuit, 1979.

BRAUDEL, Fernand. Civilizaçao Material, Economia e Capitalismo estruturas do cotidiano, v.1. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

CARVALHO, C. A. P.; ANDRADE, J. A. de. A Inevitável Conversação entre Estudos Organizacionais e Administração Pública. Reflexões a Partir de uma Agenda de Pesquisa. In: Anais Eletrônicos do 30° Encontro da Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Administração, Salvador – BA, 2006.

EDWARD, José. A força do Senhor. VEJA, 3 de julho de 2002. Disponível em: http://veja.abril.com.br/030702/p_088.html. Acesso em 14/04/2011.

ETZIONI, A. Organizações Modernas. São Paulo: Pioneira, 1967.

GUERREIRO RAMOS, A. A Nova Ciência das Organizações. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas. 1989.

PARETO, V. Manual de Economia Política São Paulo: Nova Cultural, 1996.

POLANYI, K. A grande transformação Rio de Janeiro: Campinas, 2000.

POWELL, Walter W E DIMAGGIO, Paul J. The iron cage revisited: institucional isomorphism and collective rationality. IN: POWELL e DIMAGGIO (Ed). The new institutionalism in organizational analysis. Chicago, The University of Chicago Press, 1991.

SCHUMPETER, J. A. A Teoria do Desenvolvimento Econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico São Paulo: Nova Cultural,1988.

SOLÉ, Andreu. Créateurs de mondes – nos possibles, nos impossibles. Paris: Éditions du Rocher, 2000.

SOLÉ, Andreu. L’enterprisation du monde. In CHAIZE, J.; TORRES, F. Repenser l'entreprise: Saisir ce qui commence, vingt regards sur une idée neuve. Paris: Le Cherche Midi, 2008.

SOLÉ, Andreu. ¿Qué es una empresa ? Construcción de un idealtipo transdisciplinario. Working Paper. Paris, 2004.

WEBER, Max. Conceitos Básicos de Sociologia. São Paulo: Moraes, 1987

WEBER, Max. Economia e Sociedade. Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília, 2004.