A atual relação entre homem e trabalho: (im)possibilidade para a eudaimonía? Outros Idiomas

ID:
31229
Resumo:
Conforme o tema “felicidade” ganha relevância dentro das narrativas do campo da psicologia, sua origem e seus desdobramentos passam a ser estudados com maior atenção. De maneira geral, é atribuída a Aristóteles a origem do termo, através da concepção de eudaimonía. Para o filósofo, a felicidade não poderia ser compreendida aquém da ética e, através de uma vida de proximidade desta e reflexão, poderia se almejar uma vida feliz. Entretanto, num contexto de avanços tecnológicos, globalização e “autonomia”, uma insegurança ontológica emerge e incita o seguinte questionamento: o indivíduo é mais feliz hoje do que antigamente? Para compreender a relevância de tal pergunta, este artigo buscou identificar, de modo breve, as transformações da ética desde a Grécia Antiga até os dias atuais, quando o trabalho assume papel central. A partir do percurso traçado, foi realizada uma análise da organização capitalista do trabalho.
Palavras-chave:
Citação ABNT:
SEWAYBRICKER, L. E.A atual relação entre homem e trabalho: (im)possibilidade para a eudaimonía?. Revista Eletrônica Gestão e Serviços, v. 1, n. 2, p. 162-184, 2010.
Citação APA:
Sewaybricker, L. E.(2010). A atual relação entre homem e trabalho: (im)possibilidade para a eudaimonía?. Revista Eletrônica Gestão e Serviços, 1(2), 162-184.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/31229/a-atual-relacao-entre-homem-e-trabalho---im-possibilidade-para-a-eudaimonia-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Tradução do grego de Antônio de Castro Caeiro. São Paulo: Editora Atlas, 2009.

BENDASSOLLI, P. Trabalho e Identidade em Tempos Sombrios. São Paulo: Idéias e Letras, 2007.

BERNARDO, M. H. Discurso Flexível, Trabalho Duro: o contraste entre o discurso de gestão empresarial e a vivência dos trabalhadores. 225 f. Tese (doutorado) - Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. 2006.

BIRMAN, J. Mal-estar na Atualidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

CALDWELL, R. Agency and Change: Rethink change agency in organizations. London: Routledge, 2006.

COMTE-SPONVILLE, A. A felicidade, desesperadamente. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

CRITELLI, D. M. Analítica do Sentido. São Paulo: Brasiliense, 2007.

DARTIGUES, A. O Que é Fenomenologia? São Paulo: Moraes, 1992.

DE MASI, D. O Futuro do Trabalho: fadiga e ócio na sociedade pósindustrial. Rio de Janeiro: José Olympio, 1999.

DIENER, E. Subjective Well-Being. Psychologycal Bulletin, v. 95, n. 3, p. 542-575, 1984.

ECO, U. Interpretação e Superinterpretação. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

ENRIQUEZ, E. O indivíduo preso na armadilha da estrutura estratégica. In: MOTTA, F. C. P.; FREITAS, M. E. (orgs.) Vida Psíquica e Organização. São Paulo: Editora FGV, 2000.

FRATESCHI, Y. Virtude e Felicidade em Aristóteles e Hobbes. Journal of Ancient Philosophy, v. II, 2008.

FREUD, S. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Vol. XIV. Rio de Janeiro: Imago, 1980

FREUD, S. Futuro De Uma Ilusão Mal-Estar Na Civilização. São Paulo: Imago, 2006.

GIANETTI, E. Felicidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

HOBBES, T. Leviatã, ou Matéria, Forma e Poder de um Estado Eclesiástico e Civil. São Paulo: Ed. Abril Cultural, 1979.

KALLINIKOS, J. Work, human agency and organization forms: an anatomy of fragmentation. Organization studies, 24(4), 595-618, 2003.

MALVEZZI, S. Psicologia Organizacional e do Trabalho: Uma identidade em construção. 130 f. Tese (Livre-docência) - Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2006.

MALVEZZI, S. Urgência Ajuda ou Atrapalha? Revista de Marketing Industrial, v. 47, p. 24-35, São Paulo, 2010.

RYAN, R. M.; DECI, E. L.; On Happiness and Human Potentials: A Review of Research on Hedonic and Eudaimonica Well-Being. Annual Review of Psychology, v. 52, p. 141-166, 2001.

RYFF, C. D. Happiness ls Everything, or ls It? Exp/orations on the Meaning of Psychological Well-Being. Journal of Personality and Social Psychology, v. 57, n. 6, p. 1069-1081, 1989.

RYFF, C. D.; KEYES, C. L. M. The Structure of Psychological Well-Being Revisited. Journal of Personality and Social Psychology, v. 69, n. 4, p. 7l9-727, 1995.

SARTRE, J. P. O ser e o nada. São Paulo: Editora Vozes, 2007.

SENNET, R. Street and Office: Two Sources of ldentity. ln: HUTTON, W.; GIDDENS, A. On The Edge: Living with Global Capitalism. London: Jonathan Cape. 2000.

VAZ, H. C. L. Escritos de Filosofia II - Etica e Cultura. Edições Loyola: São Paulo, 1993

WARR, P. Work, Happiness and Unhappiness. Wahwah: Lawrence Erlbaum Associates, 2007.

WILSON, W. R. Correlates of avowed happiness, Psychological Bulletin, v. 67, n. 4, p. 294-306, 1967.