Produção de subjetividade nos cursos de Administração Outros Idiomas

ID:
31320
Resumo:
Este artigo apresenta algumas questões vinculadas à produção de subjetividade nos cursos de administração, propondo pensar alguns aspectos da lógica predominante na atualidade articulados à produção de subjetividade. Enfoca os cursos de administração, dada a sua proliferação em torno da demanda por uma mão-de-obra qualificada para atender a exigências sempre cambiantes. Para atender a tais exigências e manterem-se incluídos no sistema, muitos operários-alunos e executivo-universitários de que nos falou Deleuze (1992), buscam essa formação. Que modos de subjetivação estariam sendo produzidos nos cursos de administração a partir das exigências colocadas atualmente? É necessário problematizar o que está sendo (re) produzido, a partir dessa lógica, mas também o que está sendo produzido em outra direção, aquilo que escapa e cria outros modos de existência. Pensar essa produção nos cursos da área implica pensar a própria formação dos administradores. A partir da discussão disparada pelas modulações do capitalismo na atualidade, foi possível iniciar algumas análises sobre a produção de subjetividade nesses cursos e fazer alguns apontamentos sobre caminhos investigativos a serem percorridos.
Citação ABNT:
PETINELLI-SOUZA, S.; BARROS, M. E. B. Produção de subjetividade nos cursos de Administração. Administração: Ensino e Pesquisa, v. 11, n. 3, p. 373-394, 2010.
Citação APA:
Petinelli-souza, S., & Barros, M. E. B. (2010). Produção de subjetividade nos cursos de Administração. Administração: Ensino e Pesquisa, 11(3), 373-394.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/31320/producao-de-subjetividade-nos-cursos-de-administracao/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALVAREZ, D.; TELLES, A. L. Interfaces ergonomia-ergologia: uma discussão sobre trabalho prescrito e normas antecedentes. In: FIGUEIREDO, M.; ATHAYDE, M.; BRITO, J.; ALVAREZ, D. (Orgs.). Labirintos do trabalho: interrogações e olhares sobre o trabalho vivo. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

BARROS, M.E.B.de; BARROS, R.B.de. A potência formativa do trabalho em equipe no campo da saúde. In: PINHEIRO, R.; BARROS, M.E.B.de; MATTOS, R.A. (Orgs.). Trabalho em equipe sob o eixo da integralidade: valores, saberes e práticas. Rio de Janeiro: IMS/UERJ: CEPESC: ABRASCO, 2007.

BERTERO, C.O. Ensino e Pesquisa em Administração. São Paulo: Thomsom Learning, 2006.

COVRE, M.L.M. A formação e a ideologia do administrador de empresa. Petrópolis: Vozes, 1982.

DELEUZE, G. Conversações. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.

DELEUZE, G. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 2005.

DELEUZE, G.; PARNET, C. Diálogos. São Paulo: Editora Escuta, 1998.

FARIA, J. H. de. Economia Política do Poder: uma crítica da teoria geral da administração. Curitiba: Juruá, 2004.

GUATTARI, F. Caosmose: um novo paradigma estético. Rio de Janeiro. Ed. 34, 1992.

GUATTARI, F.; ROLNIK, S. Micropolítica: cartografias do desejo. 3 ed. Petrópolis: Vozes, 1993.

HARDT, M.; NEGRI, A. Império. 8.ed. Rio de Janeiro: Record, 2006.

HECKERT, A.L.C. Narrativas de resistências: educação e políticas. Niterói: UFF, 2004. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Centro de Estudos Sociais Aplicados, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2004.

LYOTARD, J. O pós-moderno. 2.ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1986.

MANFREDI, S. M. Trabalho, qualificação e competência profissional: das dimensões conceituais e políticas. Educação e Sociedade, v.19, n.64, p. 13-49, 1998.

MARTINS, P.E.M. Repensando a formação do administrador brasileiro. Archètipon, v.5, n.15, p.11-30, 1997.

MOTTA, F. C. P. A questão da formação do administrador. Revista de Administração de Empresas, v. 23, n.4, p. 53-55, 1983.

MOULIER-BOUTANG, Y. O território e as políticas de controle do trabalho no capitalismo cognitivo. In: GALVÃO, A.P.; SILVA, G.; COCCO, G. (Orgs.) Capitalismo cognitivo: trabalho, redes e inovação. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

NICOLINI, A. O futuro administrador pela lente das novas Diretrizes Curriculares: cabeças "bem-feitas" ou "bem cheias"? In: XXVI Encontro Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração – EnANPAD, BA, 2002, Salvador. Anais... Salvador: Anpad, 2002.

NICOLINI, A. Qual será o futuro das fábricas de administradores? Revista de Administração de Empresas, v.43, n. 2, p. 44-54, 2003.

PELBART, P.P. Vida capital: ensaios de biopolítica. São Paulo: Iluminuras, 2003.

RAMOS, A. G. A nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1981.

ROLNIK, S. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Sulina, 2007.

SCHWARTZ, Y. De l’inconfort intellectual ou: comment penser les activités humaines: In: COURS-SALIES, P. (Coord.). La liberté du travail. Paris: Éditions Syllepse, 1995.

SCHWARTZ, Y.; DURRIVE, L. (Orgs.) Trabalho e ergologia: conversas sobre a atividade humana. Niterói: EdUFF, 2007.

SILVA, J.M. da; FLORES, R.K. Participação para a transformação social: um convite ao debate. In: IV Encontro de Estudos Organizacionais – EnEO, RS, 2006, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: Anpad, 2006.

STROOBANTS, M. Competência. Laboreal, v. 2, n. 2, p. 78-79, 2006.

TIRAMONTI, G. Los imperativos de las políticas educativas de los 90. Revista da Faculdade de Educação, v. 23 n. 1, p. 49-69, 1997.

TRAGTENBERG, M. Administração, poder e ideologia. 2.ed. São Paulo: Cortez, 1989.