Assédio moral nas Instituições de Ensino Superior: um estudo sobre as condições organizacionais que favorecem sua ocorrência Outros Idiomas

ID:
31368
Periódico:
Resumo:
Este artigo investiga as condições organizacionais que favorecem a ocorrência de assédio moral no ambiente de trabalho, a partir da perspectiva de professores atuantes em cursos de administração de empresas de instituições de ensino superior (IES) privadas na cidade de São Paulo. Foi realizada uma pesquisa qualitativa baseada em dados provenientes de entrevistas e análise documental, submetidos à análise de conteúdo. Os resultados evidenciaram que o assédio moral é motivado tanto por questões de ordem pessoal, quanto por questões organizacionais e que tem como elementos deflagradores o posicionamento das IES privadas no cenário competitivo em que estão inseridas e a fragilidade ou inexistência de normas e processos referentes à prevenção e ao tratamento de casos de assédio moral. Os resultados evidenciaram que o assédio moral é motivado tanto por questões de ordem pessoal, quanto organizacionais, tendo como elementos deflagradores o posicionamento das IES privadas no cenário competitivo em que estão inseridas e a fragilidade ou inexistência de normas e processos referentes à prevenção e ao tratamento do problema.
Citação ABNT:
RODRIGUES, M.; FREITAS, M. E. Assédio moral nas Instituições de Ensino Superior: um estudo sobre as condições organizacionais que favorecem sua ocorrência. Cadernos EBAPE.BR, v. 12, n. 2, p. 284-301, 2014.
Citação APA:
Rodrigues, M., & Freitas, M. E. (2014). Assédio moral nas Instituições de Ensino Superior: um estudo sobre as condições organizacionais que favorecem sua ocorrência. Cadernos EBAPE.BR, 12(2), 284-301.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/1679-39518275
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/31368/assedio-moral-nas-instituicoes-de-ensino-superior--um-estudo-sobre-as-condicoes-organizacionais-que-favorecem-sua-ocorrencia/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABRAMOVAY, M.; RUA, M. G. Violência nas escolas. Brasília: Unesco, 2002.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2006.

BARRETO, M. Assédio moral: a violência sutil. 2005. 188f. Tese (Doutorado em Psicologia Social) – Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, São Paulo. Análise epidemiológica e psicossocial do trabalho no Brasil. Tese (Doutorado em Psicologia Social)  Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2005.

BAUER, M. W.; AARTS, B. A construção do corpus: um princípio para a coleta de dados qualitativos. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. (Eds.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002. 39-63 p.

BIRMAN, J. O assédio na atualidade e seus jogos de verdade. Revista do Departamento de Psicologia da UFF, Niterói, v. 17, n. 1, p. 29-44, jan./jun. 2005.

BRADASCHIA, C. A. Assédio moral no trabalho: a sistematização dos estudos sobre um campo em construção. 2007. 230f. Dissertação (Mestrado em Administração de Empresas)  Fundação Getulio Vargas, São Paulo, 2007.

CARAN, V. C. S. Riscos psicossociais e assédio moral no ambiente acadêmico. 2007. 188f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem)  Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2007.

CASSITTO, M. G. et al. Raising awareness of psychological harassment at work. Protecting Workers’ Health Series, n. 4, p. 15, 2012. Disponível em: . Acesso em: 22 set. 2012.

CHARLOT, B. A violência na escola: como os sociólogos franceses abordam essa questão. Sociologias, Porto Alegre, n. 8, p. 432-443, jul./dez. 2002.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. A disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S.. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006. 15-41 p.

EINARSEN, S. et al. Bullying and harassment in the workplace – developments in theory, research and practice. Florida: Taylor & Francis Group, 2011.

FRANCO, M. L. P. B. Análise de conteúdo. Brasília: Liber Livro Editora, 2008.

FREITAS, M.; BARRETO, M. Assédio moral no trabalho. São Paulo: Cengage Learning, 2008.

FREITAS, M. E. Assédio moral e assédio sexual: faces do poder perverso nas organizações. RAE  Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 41, n. 2, p. 8 -19, abr./jun. 2001.

FREITAS, M. Quem paga a conta do assédio moral no trabalho? RAE Eletrônica, São Paulo, v. 6, n. 1, p. 1 -7, jan./jun. 2007. Disponível em: http://rae.fgv.br/busca?busca=Quem+paga+a+conta+do+ass%C3%A9dio&autor=&pc=&ano%5Bmin%5D=&ano%5B max%5D=&revista=All&edicao=All. Acesso em 12 set. 2011.

GLINA, D. M. R.; SOBOLL, L. A. Intervenções em assédio moral no trabalho: uma revisão da literatura. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, v. 37, n. 126, p. 269-283, jul./dez. 2012.

GODOY, A. S. Pesquisa qualitativa – tipos fundamentais. RAE Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 57-63, maio/jun. 1995.

HELOANI, J. R. Contribuições da psicologia do trabalho em casos de assédio moral. In: SOBOLL, L. A. (Org.). Violência psicológica no trabalho e assédio moral: pesquisas brasileiras. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2008 . 95-104p.

HIRIGOYEN, M. F. Assédio moral: a violência perversa no cotidiano. Rio de Janeiro: Bertrand, 2002a.

HIRIGOYEN, M. F. Mal-estar no trabalho: redefinindo o assédio moral. Rio de Janeiro: Bertrand, 2002b.

LELIS, I. O trabalho docente na escola de massa: desafios e perspectivas. Sociologias, Porto Alegre, v. 14, n. 29, p. 152-174, jan./abr. 2012.

MEURER, B.; STREY, M. N. Problematizando as práticas psicológicas no modo de compreender o fenômeno assédio moral. Revista Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 32, n. 2, p. 452-471, 2012.

MINAYO, M. C. S. O desafio da pesquisa social. In: DESLANDES, S. F.; GOMES, R.; MINAYO, M. C. S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2010. 9-29 p.

MINTO, L. W. As reformas do ensino superior no Brasil: o público e o privado em questão. Campinas: Autores Associados, 2006.

OLIVEIRA, L. R. C. Existe violência sem agressão moral? Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 23, n. 67, p. 135-146, jun. 2008.

PAULA, A. P. P.; RODRIGUES, M. A. Pedagogia crítica no ensino da administração: desafios e possibilidades. RAE  Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 46, n. Edição Especial, p. 10-22, nov./dez. 2006.

PIRES, A. P. Amostragem e pesquisa qualitativa: ensaio teórico e metodológico. In: POUPART, J. et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2010. 154-211 p.

PITA, M. Stress laboral, assédio moral e burnout marcam produtivismo. Revista Adusp, São Paulo, n. 48, p. 14-21, set. 2010.

SCHWANDT, T. A. Três posturas epistemológicas para a investigação qualitativa: interpretativismo, hermenêutica e construcionismo social. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006. 193-217 p.

SESSO, P. R. Assédio moral no trabalho. 2005. 127f. Monografia (Direito do Trabalho) Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2005.

SIERRA, F. Función y sentido de la entrevista cualitativa em investigación social. In: CÁCERES, L. J. G. (Coord.). Técnicas de investigación em sociedad, cultura y comunicación. México: Prentice Hall, 1998.

SIROTA, A. Humilhação social: uma reflexão sob o ponto de vista psicanalítico. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 25, n. 4, p. 557-565, out./dez. 2008.

SOARES, A. As origens do conceito de assédio moral no trabalho. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, v. 37, n. 126, p. 284-286, jul./dez. 2012.

SOBOLL, L. A. (Org.). Violência psicológica no trabalho e assédio moral: pesquisas brasileiras. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2008.

SPOSITO, M. P. Um breve balanço da pesquisa sobre violência escolar no Brasil. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 27, n. 1, p. 87-103, jan./jun. 2001.

VALLES, M. S. Técnicas qualitativas de investigación social: reflexión metodológica y práctica profesional. Madrid: Sintesis, 1997.

ZALUAR, A.; LEAL, M. C. Violência extra e intramuros. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 16, n. 45, p. 145-164, fev. 2001.