Em defesa de uma crítica organizacional pós-estruturalista: recuperando o pragmatismo Foucaultiano-Deleuziano Outros Idiomas

ID:
31405
Resumo:
O presente artigo tem como objetivo defender a perspectiva crítica pósestruturalista de algumas contestações recentes acerca de sua legitimidade, feitas nos estudos organizacionais críticos contemporâneos. A proposta é seguir o fio condutor da visão pragmática para resgatar elementos desta visão de mundo, presentes no pensamento Foucaultiano e na filosofia Deleuziana, na tentativa de tecer algumas possíveis respostas a tais contestações. Para atingir este objetivo, primeiramente expõe-se a polaridade existente nos estudos organizacionais críticos brasileiros entre adeptos da teoria crítica e pós-estruturalistas, que se fazem transparecer em alguns debates recentes. Busca-se,desta forma, destacar suas diferentes visões a respeito do que constitui uma abordagem crítica na análise organizacional, bem como seus principais argumentos. Considera-se importante dar continuidade a tais debates, uma vez que se enxergam alguns mal-entendidos acerca da crítica pós-estruturalista que merecem ser esclarecidos. Destaca-se como ponto importante presente nesta polaridade a disputa a respeito das diferentes leituras de Foucault feitas pelas duas abordagens. Argumenta-se que os elementos pragmáticos presentes em sua obra impossibilitam que seu pensamento seja posto ao lado de teóricos crítico tendo em vista o seu importante rompimento com o humanismo. Em seguida, inicia -se a análise da filosofia da Diferença Deleuziana, seguindo também um fio conduor pragmático, para responder as contestações, que se baseiam no fato de os pósestruturalistas abrirem mão de uma crítica dialética, ou do “trabalho dialético”, em prol de um “jogo da diferença”. Será Indicado como a filosofia Deleuziana aproxima-se de um posicionamento pragmático por meio de seu conceito de Diferença, contrapondo-se também às vertentes filosóficas, que embasam a teoria crítica. Finalmente, na conclusão, considera-se plausível afirmar a possibilidade de uma crítica pós-estruturalista, que se constitui como uma alternativa válida e digna de investigação perante uma abordagem crítica, que ainda possui raízes teóricas modernistas.
Citação ABNT:
CAVALCANTI, M. F. R.; ALCADIPANI, R. Em defesa de uma crítica organizacional pós-estruturalista: recuperando o pragmatismo Foucaultiano-Deleuziano. Administração: Ensino e Pesquisa, v. 12, n. 4, p. 557-582, 2011.
Citação APA:
Cavalcanti, M. F. R., & Alcadipani, R. (2011). Em defesa de uma crítica organizacional pós-estruturalista: recuperando o pragmatismo Foucaultiano-Deleuziano. Administração: Ensino e Pesquisa, 12(4), 557-582.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/31405/em-defesa-de-uma-critica-organizacional-pos-estruturalista--recuperando-o-pragmatismo-foucaultiano-deleuziano/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALCADIPANI, R. Michel Foucault: poder e análise das organizações. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

ALCADIPANI, R.; TURETA, C. Perspectivas críticas no Brasil: Entre a “verdadeira crítica” e o dia a dia. CADERNOS EBAPE, v. 7, n. 3, p. 505508, Rio de Janeiro, 2009b.

ALCADIPANI, R.; TURETA, C. Teoria ator-rede e estudos críticos em administração: possibilidades de um diálogo. CADERNOS EBAPE, v. 7, n. 3, p. 406-418, 2009a.

ALLIEZ, E. Deleuze, Filosofia Prática. Cadernos de Subjetividade, Nº Especial Gilles Deleuze, p. 71-76, São Paulo, 1996.

ALVESSON, M.; DEETZ, S. Teoria Crítica e Abordagens Pós-modernas para Estudos Organizacionais. Handbook de Estudos Organizacionais, p. 227-266. São Paulo: Atlas, 1999.

BENEVIDES, R.; PASSOS, E. Complexidade, Transdisciplinaridade e Produção de Subjetividade. Cartografias e Devires: A construção do presente, p. 81-89, Porto Alegre: UFRGS, 2003.

BRANCO, G. M. Kant no Último Foucault: Liberdade e política. Michel Foucault – Entre o Murmúrio e a Palavra, p. 225-237, Campos: Faculdade de Direito de Campos, 2004.

BRONZO, M.; GARCIA, F. C. As Bases Epistemológicas do Pensamento Administrativo Convencional e a Crítica à Teoria das Organizações. Estudos Organizacionais: novas perspectivas na administração de empresas, p. 65-89. Lisboa: Iglu, 2000.

CARDOSO, H R. A Filosofia e a Teoria das Multiplicidades Elos da Diferença. A Diferença, p. 91-130. Campinas: Unicamp, 2005.

CARDOSO, I. Para uma Crítica do Presente. Rio de Janeiro: Editora 34, 2001.

CASTRO, E. O Vocabulário de Foucault. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

CHAN, A. Redirecting Critique in Postmodern Organization Studies: The Perspective of Foucault. Organization Studies, v. 21, n. 6, p.1059-1075, Londres: 2000.

DELEUZE, G. A Ilha Deserta. São Paulo: Iluminuras, 2006a

DELEUZE, G. A Vida como Obra de Arte. O Mistério de Ariadne, p. 6981, Lisboa: Veja, 1996.

DELEUZE, G. Conversações. São Paulo: Editora 34, 1992.

DELEUZE, G. Diferença e Repetição. 2ª Edição. São Paulo: Graal, 2006b.

DELEUZE, G. Foucault. 1ª Edição. São Paulo: Brasiliense, 1988a

DELEUZE, G. GUATTARI, F. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34, 1996.

DELEUZE, G. Lógica do Sentido. 4ª Edição. São Paulo: Perspectiva, 1998.

DELEUZE, G. Nietzsche e a Filosofia. Rio de Janeiro: Rio: 1976.

DELEUZE, G. Péricles e Verdi – A filosofia de François Châtelet. Rio de Janeiro: Pazulin, 1988b.

DROIT, R. Deleuze, Um Pensador Plural e Singular. Cadernos de Subjetividade, Número Especial Gilles Deleuze, p. 64-68, São Paulo: 1996.

ERIBON, D. Michel Foucault, 1926-1984. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

FERRAZ, M. C. F. A Potência do Simulacro – Deleuze, Nietzsche e Kafka. Nietzsche e Deleuze, Pensamento Nômade, p. 161-171. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

FERREIRA, A.; BEZERRA, B.; TEDESCO, S. Introdução. Pragmatismos, Pragmáticas e Produção de Subjetividades, p. 7-27, Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

FOUCAULT, M. A Arqueologia do Saber (tradução Luiz Felipe Baeta Neves). 7ª Edição. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007b.

FOUCAULT, M. A Ordem do Discurso. 14ª Edição. São Paulo: Edições Loyola, 2006.

FOUCAULT, M. Arqueologia das Ciências e História dos Sistemas de Pensamento. Ditos e Escritos v. II. 2ª Edição. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

FOUCAULT, M. As Palavras e as Coisas. São Paulo: Martins Fontes, 2007a.

FOUCAULT, M. Entrevista com Michel Foucault. Estruturalismo – Antologia e textos teóricos, p. 29-36. São Paulo: Martins Fontes, 1966.

FOUCAULT, M. Ética, sexualidade, política. Ditos e Escritos v. V. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.

FOUCAULT, M. Microfísica do Poder. 23.ed. Rio de Janeiro: Graal, 2007c.

FOUCAULT, M. O Anti-Édipo: uma introdução à vida não-fascista. Cadernos de Subjetividade, Nº Especial Gilles Deleuze, p. 197-200, São Paulo: 1996.

FOUCAULT, M. Pensamento do Exterior. São Paulo: Princípio, 1990.

FOUCAULT, M. Theathrum Philosoficum. Nietzsche, Freud & Marx – Theatrum Philosoficum. p. 45-81. 4ª Edição. São Paulo: Princípio, 1987.

FOUCAULT, M. What is Enlightenment? The Foucault Reader, p. 32-50, Londres: Penguin Books, 1991.

HARDT, M.; NEGRI, A. Multidão: guerra e democracia na era do império. Rio de Janeiro: Record, 2004.

LAZZARATO, M.; NEGRI, A. Trabalho Imaterial: formas de vida e produção de subjetividade. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

MACHADO, R. Deleuze, a arte e a filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar editor, 2009.

MACHADO, R. Foucault, a filosofia e a literatura. 3ª Edição. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2005.

MIZOCZKY, M. C.; ANDRADE, J. A. Tréplica: Quem Tem Medo do Fazer Acadêmico Enquanto Práxis? Revista de Administração Contemporânea, v. 9, n. 1, p. 219-225, 2005b.

MIZOCZKY, M. C.; ANDRADE, J. A. Uma Crítica à Crítica Domesticada nos Estudos Organizacionais. Revista de Administração Contemporânea, v. 9, n. 1, p. 215-233, 2005a.

NIETZSCHE, F. II Consideração Intempestiva sobre a utilidade e os inconvenientes da História para a vida. Escritos sobre História, p. 67-178, São Paulo: Edições Loyola, 2005.

ORLANDI, L. B. Combater na Imanência. Para uma Vida não-Fascista, p. 201-208, Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

ORLANDI, L. B. Combater na Imanência. Péricles e Verdi – A filosofia de François Châtelet. p. 7-17, Rio de Janeiro: Pazulin, 1988.

PAL PELBART, P. Um Mundo no Qual Acreditar. Cadernos de Subjetividade, Nº Especial Gilles Deleuze, p. 59-63, São Paulo: 1996.

PAL PELBART, P. Vida Capital. São Paulo: Iluminuras, 2003.

PAULA, A. P. P. Ser ou não ser, eis a questão: a crítica aprisionada na caverna de Platão. CADERNOS EBAPE. BR, v. 7, n.3, p. 493-503, 2009

PAULA, A. P. P. Teoria Crítica nas Organizações. São Paulo: Thomson Learning, 2008.

PAULA, A. P. P., MARANHÃO, C. M. S. A., BARROS, A. N. Pluralismo, pós-estruturalismo e “gerencialismo engajado”: os limites do movimento critical management studies. CADERNOS EBAPE. BR, v. 7, n.3, p. 393-404, 2009.

QUEIROZ, A. O Presente, o Intolerável... Foucault e a História do Presente. Rio de Janeiro: 7Letras, 2004.

RAJCHMAN, J. Foucault Pragmático. Retratos de Foucault. p. 68-87, Rio de Janeiro: Nau, 2000.

SCHOPKE, R. Por uma filosofia da diferença: Gilles Deleuze, o pensador nômade. São Paulo: Edusp, 2004.

SMART, B. Foucault, Marxism and Chritique. Londres: Routledge, 1983.

SOUZA, B. S. Porque é tão difícil construir uma teoria crítica? Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 54, p. 197-215, Coimbra: 1999.

TARDE, G. Monadologia e sociologia – e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

VARGAS, E. V. Gabriel Tarde e a diferença infinitesimal. Monadologia e sociologia – e outros ensaios. p. 7-50. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

VEYNE, P. Como se Escreve a História – Foucault Revoluciona a História. Brasília: Universidade de Brasília, 1978.