Quem ensina um professor a ser orientador? Proposta de um modelo de orientação de monografias, dissertações e teses Outros Idiomas

ID:
31410
Resumo:
Este artigo apresenta uma proposta metodológica de orientação de trabalhos monográficos. Constitui-se na descrição de um modelo de orientação que vem sendo utilizado pelos autores com êxito. A função de orientar trabalhos acadêmicos não costuma ser objeto de aprendizagem na formação dos professores. Aprende-se na prática. Para os alunos, escrever a monografia é desgastante. Tendo em vista essa lacuna, o texto oferece ao meio acadêmico uma alternativa de orientação de trabalhos acadêmicos, por meio de uma planilha didática. Espera-se assim, minimizar a lacuna presente na literatura, que aponta a ausência de parâmetros de orientação.
Citação ABNT:
DIAS, S. M. R. C.; MAGALHÃES, Y. T.; PATRUS, R. Quem ensina um professor a ser orientador? Proposta de um modelo de orientação de monografias, dissertações e teses. Administração: Ensino e Pesquisa, v. 12, n. 4, p. 697-721, 2011.
Citação APA:
Dias, S. M. R. C., Magalhães, Y. T., & Patrus, R. (2011). Quem ensina um professor a ser orientador? Proposta de um modelo de orientação de monografias, dissertações e teses. Administração: Ensino e Pesquisa, 12(4), 697-721.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/31410/quem-ensina-um-professor-a-ser-orientador--proposta-de-um-modelo-de-orientacao-de-monografias--dissertacoes-e-teses/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANDRÉ, M. E. D. A evolução do ensino de didática. Revista da Faculdade de Educação, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 241-246, 1992.

ANDRÉ, M. E. D. A.; CANDAU, V. M. F. Análise dos programas de didática do Estado do Rio de Janeiro. Tecnologia Educacional, Rio de Janeiro, n. 59, p. 20-23, 1984.

BAIA HORTA, J. S. Avaliação da pós-graduação: com a palavra os Coordenadores de Programas. Perspectiva. Florianópolis, v. 24, n. 1, p. 19-47, janeiro/junho, 2006.

BERNDT, A. A questão da orientação na pós-graduação em administração. Disponível em: http://www.forvm.br/educarnav.html. Acesso em: 18/08/2003.

BIANCHETTI, L.; MACHADO, A. M. N. (Orgs.). A bússola do escrever: desafios e estratégias na orientação de teses e dissertações. Florianópolis/ São Paulo: Editora da UFSC/ Cortez, 2002.

BIANCHETTI, L.; MACHADO, A.M.N. Trabalho docente no stricto sensu: publicar ou morrer?! In: FIDALGO, F.; OLIVEIRA, M.A.M.; FIDALGO, N.L.R. (Orgs.). A intensificação do trabalho docente: Campinas, Papirus, 2009, p.49-89.

CANDAU, V. M.; LELLIS, I. A. A relação teoria-prática na formação do educador. Tecnologia Educacional, Rio de Janeiro, v. 12, n. 55, 1983.

CANDAU, V.M. (Org.). A Didática em Questão. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 1991.

CARVALHO, C. V. Em busca de uma obra: considerações psicanalíticas sobre o processo de elaboração de uma dissertação de mestrado. São Paulo, 1994. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo.

CASTRO, C. de M. Dissertando sobre dissertações. Seminário sobre a educação cientifica nos programas de pós-graduação em Educação. Brasília: MEC, 1979, p. 29-64.

CASTRO, C. de M. Memórias de um orientador de tese: um autor relê sua obra depois de um quarto de século. In: BIANCHETTI; MACHADO A bússola do escrever: desafios e estratégias na orientação e escrita de teses e dissertações. 2.ed. Florianópolis: Ed. da UFSC; São Paulo: Cortez, 2006.

COSTA, B. S. Mestrandos à deriva: cadê o orientador? Belo Horizonte: ALMG, 2004. Disponível em: http://www.almg.gov.br/bancoconhecimento/tematico/Mestre.pdf. Acesso em: 18/05/2010.

ECO, U. Como se faz uma tese. 16.ed. São Paulo: Perspectiva, 1998.

FEOFILOFF, P. Forma versus conteúdo. São Paulo: IME/USP, 2010. Disponível em: http://www.ime.usp.br/~pf/home/formaXconteudo.html. Acesso em: 04/11/2010

FIDALGO, F.; OLIVEIRA, M. A. M.; FIDALGO, N. L. R. (Orgs.). A intensificação do trabalho docente: Campinas: Papirus, 2009.

FRAME, I. A.; ALLEN, L. A Flexible approach to PhD research training. Quality assurance in education, v. 12, n. 2, p. 98-103, 2002.

FREITAS, M. E. de. Viver a tese é preciso! Reflexões sobre aventuras e desventuras da vida acadêmica. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 42, n. 1, p. 88-93, 2002.

FREITAS, M. E. Viva a Tese: um guia de sobrevivência. São Paulo:FGV, 2001.

HAGUETTE, T. M. F. Universidade: os bastidores da produção do conhecimento. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 75, n. 180, p. 157-169, 1994.

KNIGHT, N.; ZUBER-SKERRITT O. Problems and methods in research: a course for the beginning research in the social Sciences. Higher Education Research and Development, v.5, n. 1, p. 49-59, 1986.

LEITE FILHO, G. A.; MARTINS, G. de A. Relação orientador orientando e suas influências na elaboração de teses e dissertações. Revista de Administração de Empresa, São Paulo, Edição Especial, v.46, 2006.

LIBÂNEO, J. C. Tendências pedagógicas na prática escolar. Revista da Ande, São Paulo, v. 3, n. 6, p. 11-19. 1983.

LUNA, S. V. Análise da dificuldade de elaboração de teses e dissertações a partir da identificação de prováveis contingências que controlam essa atividade. São Paulo, 1983. Tese (Doutorado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo..

MACHADO; A.M.N.; BIANCHETTI, L. Orientação de teses e dissertações: individual e/ou coletiva? Contextos e transformações nos 40 anos da pós-graduação stricto sensu em educação no Brasil. In: SILVA, J. J. dos R. et al (Orgs.). Reforma universitária: dimensões e perspectivas. Campinas: Alínea e Anped, 2006.

MARTINS, G. de A. A relação orientador x orientando na elaboração de trabalhos técnico científicos. In: SEMINÁRIOS EM ADMINISTRAÇÃO, 2, 1997, São Paulo. Anais... São Paulo: 1997.

MARTINS, P. L. O. Didática teórica – didática prática: para além do confronto. São Paulo: Edições Loyola, 1989.

MOSES, I. Supervision f higher degree students> problems areas abs possible solutions. Higher Education Research and Development, v. 3, n. 2, p. 137-152, 1984.

OLIVEIRA, M. R. N. S. A didática e seu objeto de estudo. Educação, n.1, p. 36-41. 1988.

PICCININ, S. J. Graduate students supervision: resources for supervisors & students. Disponível em: http://Stanford.edu/tomprof/positings.html. Acesso em: 22/10/2009.

PIMENTA, S. G.; ANASTASIOU, L. G. C. Docência no ensino superior. 3.ed. São Paulo, Cortez, 2008.

PRATA, M. Uma tese é uma tese. Disponível em: http://www.marioprataonline.com.br/index3.htm. Acesso em: 25/04/2010.

REIS, R. Why students don’t complete their dissertations, Stanford University. Disponível em: . Acesso em: 22/10/2009.

RUDD, E. Research into postgraduate education. Higher Education Research and Development, v. 3, n. 2, p. 109-120, 1984.

SANCHES, S. G. O processo de elaboração de teses e dissertações por orientandos dos programas de estudos pós-graduandos em psicologia social e educação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 1992, 147f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

SANTOS FILHO, J. C.; CARVALHO, M. L. R.D. Orientação coletiva de mestrado na Faculdade de Educação da Unicamp. Caderno de Pesquisa, v. 7, p. 73-79, 1991.

SGUISSARDI, V. A avaliação defensiva no “modelo CAPES de avaliação” – È possível conciliar avaliação educativa com processos de regulação e controle do Estado? Perspectiva, Florianópolis, v. 24, n. 1, p. 49-88, jan/jun. 2006.

SILVA, A. M. M. Análise dos programas de didática dos cursos de pedagogia e licenciaturas diversas do Estado de Pernambuco. In: SEMINÁRIO A DIDÁTICA EM QUESTÃO, 2. Atas... Rio de Janeiro: PUC, p. 100-110. 1983.

SOARES, M. B. Didática, uma disciplina em busca de sua identidade. Revista da ANDE, São Paulo, v. 5, n. 9, p. 39-42. 1985.

STERNBERG, D. How to complete and survive a doctoral dissertation. Nova York: St. Martin’s Griffin, 1981.

WARDE, M. J. Diário de bordo de uma orientadora de teses. In: BIANCHETTI, L. (Org.). Trama e texto: leitura crítica, escrita criativa. Passo Fundo: Plexus, 1997, p.163-180.