O processo ensino-aprendizagem em administração em condições de heterogeneidade: percepção de docentes e discentes Outros Idiomas

ID:
31412
Resumo:
O objetivo do trabalho é descrever uma experiência de ensino baseada no olhar discente e docente em um projeto experimental da disciplina “Introdução à Administração”, ministrada para alunos de cursos como Engenharia, Nutrição, Direito, constituindo-se numa turma, portanto, heterogênea em sua formação. A dinâmica da disciplina é marcada pela realização de aulas-conferência, proferidas pelo professor, e aulas em microgrupos, coordenadas individualmente pelos monitores, funcionando como um processo simultâneo e complementar, a fim de possibilitar espaços mais amplos para a troca de experiências. A discussão adotou como referencial teórico os conceitos de aprendizagem significativa e interação (moreira, 1999; ausubel, 1982) e o uso de recursos estéticos para favorecimento da aprendizagem (davel et al., 2004; fischer, 2005). Valendo-se de uma pesquisa survey, o artigo analisa, quantitativa e qualitativamente, a percepção de alunos e docentes sobre o formato da experiência. Conclui-se que a heterogeneidade dos cursos de origem dos estudantes constitui um grande desafio, mas possibilita também diversas oportunidades de uma aprendizagem significativa. Este formato pode, então, servir de base para novos experimentos e colaborar com reflexões sobre a necessidade de reformulação do ensino em Administração e da própria formação de docentes em Administração, como defendem alguns autores.
Citação ABNT:
WINKLER, I.; ABREU, J. C. A.; MORAIS, K. S.; SILVA, L. P.; PINHO, J. A. G. O processo ensino-aprendizagem em administração em condições de heterogeneidade: percepção de docentes e discentes. Administração: Ensino e Pesquisa, v. 13, n. 1, p. 43-75, 2012.
Citação APA:
Winkler, I., Abreu, J. C. A., Morais, K. S., Silva, L. P., & Pinho, J. A. G. (2012). O processo ensino-aprendizagem em administração em condições de heterogeneidade: percepção de docentes e discentes. Administração: Ensino e Pesquisa, 13(1), 43-75.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/31412/o-processo-ensino-aprendizagem-em-administracao-em-condicoes-de-heterogeneidade--percepcao-de-docentes-e-discentes/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AKTOUF, O. Administración y pedagogia.Medellín: Editora Universidad EAFIT, 2000.

AUSUBEL, D. P. A Aprendizagem Significativa:a teoria de David Ausubel. São Paulo: Moraes, 1982.

AZENHA, M. G. Construtivismo –De Piaget a Emília Ferreiro. São Paulo: Ática. 2006.

BASTOS, A. V. B. Cognição nas Organizações de Trabalho. In: ZANELLI, J.C.; ANDRADE, J.E.B.; BASTOS, A.V.B. (Org.). Psicologia, Organizações e Trabalho no Brasil. 1.ed. Porto Alegre: Artmed, 2004, p. 256-292.

BENNIS, W. G.; O’TOOLE, J. Como a escola de administração perdeu o rumo. Harvard Business Review,v.83, n.5, p. 96-104, 2005.

DAVEL, E.; VERGARA, S.; GHADIRI, S.; FISHER, T. Revitalizando a relação ensino aprendizagem em administração por meio de recursos estéticos. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 28., 2004, Curitiba. Anais...Curitiba: Anpad, 2004.

FISCHER, T. M. D. Engenhos e Artes do Ofício de Ensinar: PCDA, um Programa Brasileiro. Organizações & Sociedade,v.12, n.35, p. 183-193, 2005.

FISCHER, T.; DAVEL, E.; VERGARA, S. Razão e Sensibilidade no Ensino de Administração: a Literatura como Recurso Estético. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 30., 2006, Salvador. Anais...Salvador: Anpad, 2006.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social.5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa.4.ed. São Paulo: Atlas, 2002.

LEFEVRE, F.; LEVEFRE, A. M. O sujeito coletivo que fala.Revista Interface – Comunicação, Saúde e Educação,v.10, n.20, p.517-24, 2006.

LEOPOLDINO, C.; ABREU, J. C. A.; SANTANA, A. E. S. A Percepção do Corpo Discente Sobre uma Experiência de Ensino–Aprendizagem em Administração:Uma Abordagem Quantitativa. Salvador: Mimeo, 2008.

MORAN, J.M. Aprendizagem significativa.01/08/2008. Disponível em . Acesso em: 12/08/2010.

MOREIRA, M. A. Aprendizagem Significativa.Brasília: Ed. UnB, 1999.

PELIZZARI, A.; KRIEGL, M.L.; BARON, M.P.; FINCK N.T.L.; DOROCINSKI, S.I. Teoria da Aprendizagem Significativa segundo Ausubel. Revista Psicologia, Educação e Cultura, v.2, n.1, p.37-42, 2002.

TONET, H. C.; PAZ, M. G. Um modelo para o Compartilhamento de Conhecimento no Trabalho. Revista de Administração Contemporânea, v. 10, n. 2, p. 75-94, 2006.

VERGARA, S. C.; DAVEL, E.; GHADIRI, D. P. (Orgs.). Administração com arte: Experiências vividas de ensino-aprendizagem. São Paulo: Atlas, 2007.

WEICK, K. E.; WESTLEY, F. Aprendizagem organizacional: confirmando um oximoro. In: CLEGG, S. R.; HARDY, C.; NORD, W. R. (Orgs.). Handbook de Estudos Organizacionais: Ação e análise organizacionais. São Paulo: Atlas, 2004.

YONEMOTO, H. W. Proposta de integração entre ensino, aprendizagem, comunicação e virtualidade,2004. 347 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal de Santa Catarina – Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção.