Estilos de aprendizagem experiencial e aquisição de habilidades: um estudo com discentes de graduação em administração em instituições de ensino superior Outros Idiomas

ID:
31474
Resumo:
O objetivo deste artigo foi identificar os estilos de aprendizagem experiencial e sua relação com a percepção das habilidades adquiridas pelos alunos após a aplicação de um caso para ensino. Para tanto, foi aplicada uma pesquisa de natureza quantitativa, do tipo survey, com alunos do Curso de Administração de duas Universidades, uma pública e outra comunitária. Para alcançar o objetivo proposto na pesquisa, foram utilizados dois instrumentos para a coleta dos dados: o Learning Style Inventory (lsi), de Kolb (1984), e o Skills Acquisition Questionnaire, de Miles, Biggs e Schubert (1986). A análise dos dados utilizou técnicas estatísticas uni e multivariadas. Os resultados do estudo indicaram a heterogeneidade dos estilos de aprendizagem, com predomínio dos estilos Assimilador e Convergente. A análise fatorial exploratória subsidiou a proposição de cinco grupos de habilidades – planejamento e ação gerencial integrada, comportamento gerencial, comunicação interpessoal e confiança na resolução de problemas. O estudo revelou que a utilização de um caso para ensino pode contribuir no desenvolvimento das habilidades, mas também que a natureza da habilidade a ser desenvolvida pode vir a ser influenciada pelos estilos de aprendizagem. Entretanto, essa relação precisa ser mais bem compreendida em futuros estudos.
Citação ABNT:
SONAGLIO, A. L. B.; GODOI, C. K.; SILVA, A. B. Estilos de aprendizagem experiencial e aquisição de habilidades: um estudo com discentes de graduação em administração em instituições de ensino superior. Administração: Ensino e Pesquisa, v. 14, n. 1, p. 123-159, 2013.
Citação APA:
Sonaglio, A. L. B., Godoi, C. K., & Silva, A. B. (2013). Estilos de aprendizagem experiencial e aquisição de habilidades: um estudo com discentes de graduação em administração em instituições de ensino superior. Administração: Ensino e Pesquisa, 14(1), 123-159.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/31474/estilos-de-aprendizagem-experiencial-e-aquisicao-de-habilidades--um-estudo-com-discentes-de-graduacao-em-administracao-em-instituicoes-de-ensino-superior/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALMEIDA, K. R. de. Descrição e análise de diferentes estilos de aprendizagem. Interlocução,v. 3, n. 3, p. 38-49, 2010.

ANDREWS, J.; CLARK, R.; GLEW, B. A matter of professionalism? Reflection & Reflexivity in Continuing Engineering Education & Practice. In: WORLD ENGINEERING EDUCATION FLASH WEEK,1., 2011, Lisboa. Disponível em: . Acesso em: 12/04/2012.

BIGGS, J. Teaching for quality learning at university. 2 ed. Buckingham: Society for Research into Higher Education & Open University Press, 2003.

CERQUEIRA, T. C. S. Estilos de aprendizagem em universitários. 2000. São Paulo, 2000. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Psicologia Educacional, Universidade Estadual de Campinas.

CHANG, J. Strategic management: an evaluation of the use of three learning methods in Hong Kong. Developments in Business Simulation and Experiential Learning, v. 30, 2003.

CHANG, J.; JENNINGS, D.; TO, C. K. M.; SUN, L. Strategic management: an evaluation of the use of three learning methods in China. Developments in Business Simulation and Experiential Learning, v. 32, 2005.

CHANG, J.; LEE, M.; NG, K. JENNINGS, D. Strategic management and the case method: survey and evaluation in Hong Kong. Developments in Business Simulation and Experiential Learning, v. 28, 2001.

COFFIELD, F.; MOSELY, D.; HALL, E.; ECCLESTONE, K. Learning Styles and pedagogy in post-16 learning: a systematic and critical review. London, UK: Learning and Skills Research Centre, 2004.

COSTA, F. J. Mensuração e Desenvolvimento de Escalas:aplicações em administração. Rio de Janeiro: Ciência Moderna. 2011.

DEWEY, J. Democracy and education: an introduction to the philosophy of education. New York, 1930.

DILWORTH, R. L.; WILLIS, V. J. Action Learning and Pathways,Krieger Publishing Company, Malabar, FL, 2003.

FELDER, R. M. Matters of style. ASEE Prism,v. 6, n. 4, p. 18-23, 1996.

FORNASIER, C. B. R. Sistema de integração do conhecimento organizacional pelo design thinker. Florianópolis, 2011. Tese (Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento) – Universidade Federal de Santa Catarina.

FREIRE, P.; SHOR. I. Medo e ousadia:o cotidiano do professor. 10. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003.

FREUDENHEIM, A. M. Estabilidade e variabilidade na aquisição de habilidades motoras. In: TANI, G. (Eds.). Comportamento motor:aprendizagem e desenvolvimento. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005, p. 117-128.

GARCÍA, A. V. M.; CONDE, M. J. R. Estilos de aprendizaje y educación superior. análisis discriminante en función del tipo de estudios. Enseñanza, v. 21, p. 77-97, 2003.

GODOI, C. K.; FREITAS, S. F. A aprendizagem organizacional sob a perspectiva sócio cognitiva: contribuições de Lewin, Bandura e Giddens. Revista de Negócios,v. 13, n. 4, p. 40-55, 2008.

HAIR, JR. J. F.; BABIN, B.; MONEY, A. H.; SAMOUEL, P. Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookmann, 2005.

HAIR, Jr. J. F.; BLACK, W.; BABIN, B. J.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L. Análise multivariada de dados. 6.ed. Porto Alegre: Bookmann, 2009.

HALADYNA, T. M. Writing test items to evaluate higher order thinking. London: Allyn and Bacon, 1997.

HANSON, K. R. Action learning strategies on continuous improvement efforts in elementary schools. La Verne, California, 2010. Thesis (Doctor of Education in Organizational Leadership). University of La Verne.

HIROTA, E. H. Desenvolvimento de competências para a introdução de inovações gerenciais na construção através da aprendizagem na ação.Porto Alegre, 2001. Tese (Doutorado em Engenharia Civil) – Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

HOLTBRÜGGE, D.; MOHR, A. T. Cultural determinants of learning style preferences. Academy of Management Learning & Education,v. 9, n. 4, p. 622-637, 2010.

IFAL. International foundation for action learning. Disponível em: . Acesso em: 11/05/2011.

INSPER. Instituto de Ensino e Pesquisa. O estudo de caso como prática pedagógica. Disponível em: . Acesso em: 13/04/2012.

JENNINGS, D. Strategic management and the case method: survey and evaluation. Developments in Business Simulation & Experiential Exercises, v. 23, 1996.

JENNINGS, D. Strategic management: an evaluation of the use of three learning methods. Developments in Business Simulation & Experiential Learning, v. 27, 2000.

JENNINGS, D. Strategic management: an evaluation of the use of three learning methods. The Journal of Management Development,v. 21, n. 9, p. 655-665, 2002.

KOLB, A. Y.; KOLB, D. A. Learning styles and learning spaces: enhancing experiential learning in higher education. Academy of Management Learning & Education,v. 4, n. 2, p. 193–212, 2005.

KOLB, D. A. Experimental learning: experience as the source of learning and development. New Jersey: Prentice-Hall, Englewood Cliffs, 1984.

LEITÃO, M. B. P. Estilos de aprendizagem sob a ótica da psicologia evolucionista. 2006. Natal, 2006. Dissertação (Mestrado em Psicobiologia) – Departamento de Fisiologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

LEWIN, K. Dinâmica de grupo. 1.ed. São Paulo: Editora Cultrix, 1948.

LIMA, T. B.; SILVA, A. B. Difusão das Estratégias de Ensino balizadas pela Aprendizagem em ação no Curso de Administração. In: ENCONTRO da ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 36., 2012, Rio de Janeiro. Anais.... Rio de Janeiro: ANPAD, 2012.

MAGILL, R. A. Aprendizagem motora:conceitos e aplicações. 5.ed. São Paulo: Edgard Blucher, 2000.

MAIA, G. L. L.; IPIRANGA, A. S. R. O perfil de competências do trabalhador do conhecimento: um estudo multicaso nas empresas do segmento de TI & T. In: Repensando as organizações: da formação à participação. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2004. p. 339-362.

MARQUARDT, M. Optimizing the power of action learning. Solving problems and building leaders in real time. Davies-Black. Boston; London, 2004.

MARQUARDT, M. Optimizing the power of action learning. Solving problems and building leaders in real time. Davies-Black. Boston; London, 2009.

MARQUARDT, M.; BANKS, S. Theory to practice: action learning. Advances in developing human resources. v. 12, n. 2, p.1 59-162, 2010.

MARTIN, A.; FLEMING, J.; FERKINS, L.; WIERSMA, C.; COLL, R. Facilitating and integrating learning within sport studies cooperative education: Exploring the pedagogies employed by students, academics and workplace supervisors. Journal of Hospitality, Leisure, Sport and Tourism Education,v. 9, n. 1, p. 24-38, 2010.

MCGILL, I.; BEATY, L. Action learning: a guide for professional management and educational development. 2.ed. London: Kogan Page, 1995.

MCLOUGHLIN, C.; LUCA, J. Can reflective and executive control skills be fostered online?. In: CRISP, G.; THIELE, D; SCHOLTEN, I, BARKER, S; BARON, J. (Eds.). Interact, Integrate, Impact. In: PROCEEDINGS OF THE ANNUAL CONFERENCE OF THE AUSTRALASIAN SOCIETY FOR COMPUTERS IN LEARNING IN TERTIARY EDUCATION, 20., Adelaide, Australia, 2003.

MILES JR, W. G.; BIGGS, W.D.; SCHUBERT, J. N. Students perceptions of skill acquisition through cases and a general management simulation: A comparison. Simulation and Games, v. 17, n. 1, p. 7-24, 1986.

MIRANDA, L.; MORAIS, C. Estilos de aprendizagem: O questionário CHAEA adaptado para língua portuguesa. Learning Style Review- Revista de estilos de aprendizagem, v. 1, n.1, p. 66-87, 2008.

NOBRE, F. S.; TOBIAS, A. M.; WALKER, D. S. Uma Visão da Empresa Baseada em Habilidades: Contextos Estratégicos e Contingenciais. RAC,v. 15, n. 3, p. 413-432, 2011.

O’NEIL, J.; MARSICK, V. J. Understanding action learning. Broadway, NY: AMACOM, 2007.

OLIVEIRA, M. A.; SAUAIA, A. C. A. Implantando o Laboratório de Gestão: um Programa Integrado de Educação Gerencial e Pesquisa em Administração. In: SEMINÁRIOS EM ADMINISTRAÇÃO, 13., 2010, São Paulo. Anais...São Paulo: SEMEAD, 2010.

PEDLER, M. Action Learning in Practice,Gower, Aldershot, 1991.

PEDLER, M. What do you mean by Action Learning? A story and three interpretations. In: PEDLER, M. (Ed.). Action learning in practice. 3.ed. Aldershot: Gower, p. 61-75, 1997.

PETERSON, L. R. Aprendizagem.São Paulo: Cultrix, 1975.

PHILIP, L. Encouraging reflective practice amongst students: a direct assessment approach. School of Earth and Environment, University of Leeds. Planet,n. 17, dez. 2006.

PIAGET, J. Seis estudos de psicologia. Rio de Janeiro: Forense, 1974.

RAELIN, J. A. “Individual and situational precursors of successful action learning”, Journal of Management Education,v. 21, n. 3, p. 368-94, 1997.

REVANS, R. W. ABC of Action Learning. London, UK: Lemos & Crane, 1998.

REVANS, R. W. Action Learning:New Techniques for Managers, Blond & Briggs, London, 1980.

ROESCH, S. M. A. Fundação Lindolfo Saraiva. RAC,v. 9, n. 2, p. 193-201, 2005.

SAUAIA, A. C. A. Satisfação e aprendizagem em jogos de empresas: contribuições para a educação gerencial. São Paulo, 1995. Tese (Doutorado em Administração) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo.

SCHÖN, D. A. The reflective practioner: how professionals think in action. USA. Basic Books, 1983.

SENGE, P.; KLEINER, A.; DUTTON, J. TIMOTHY, L.; SMITH, B.; CAMBRON MCCABE, N. Escolas que aprendem: um guia da quinta disciplina para educadores, pais e todos que se interessam pela educação. Porto Alegre: Artmed, 2005.

SILVA, A. B.; LIMA, T. B.; SONAGLIO, A. L. B.; GODOI, C. K.; Dimensões de um Sistema de Aprendizagem em Ação para o Ensino em Gestão. RAEP – Administração: Ensino e Pesquisa,v.13, n.1, p.9-41, 2012.

SOFO, F.; YEO, R. K.; VILLAFAÑE, J. Optimizing the learning in Action Learning: reflective questions, levels of learning, and coaching. Advances in Developing Human Resources, v. 12, n. 2, p. 205-224, 2010.

TANI, G. Comportamento motor: aprendizagem e desenvolvimento. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.

THORPE, R.; TAYLOR, M.; ELLIOTT, M. Action learning in an academic contexto. In: PEDLER, M. (Ed.). Action learning in practice. 3.ed. Aldershot: Gower, 1997, p.145-172.

TUCKMAN, B. W. Manual de investigação em educação. 2 ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2002.

WADDILL, D.; BANKS, S.; MARSH, C. The future of action learning. Advances in developing human resources, v. 12, n. 2, p. 260-279, 2010.

WEINSTEIN, K. Action learning: a journey in discovery and development. London: Harper Collins Publishers, 1995.

WEINSTEIN, K. Action Learning:a journey in discovery and development. Glasgow: Harper Collins, 1998.

ZOLLER, U.; PUSHKIN, D. Matching higher-order cognitive skills promotion goals with problem-based laboratory practice in a freshman organic chemistry course. Chemistry Education Research and Practice, v. 8, n. 2, p. 153-171, 2007.