O blefe na vida cotidiana: o jogo (de truco) enquanto mecanismo imaginário para evasão do real Outros Idiomas

ID:
31505
Resumo:
Este trabalho discute o jogo de truco como elemento que permitiria a própria existência dos sujeitos jogadores ao tornar suas realidades minimamente suportáveis. Estudamos as dimensões simbólicas de um jogo de truco que acontece há 23 anos em uma organização empresarial, em que jogavam do “peão do chão de fábrica” ao “vice-diretor geral da empresa”. O método de estudo utilizado foi a etnografia em organizações, a qual recebeu auxílio da observação participante e de entrevistas em profundidade. Os jogadores parecem significar sua realidade de trabalho através de movimentos do jogo que o conduzem a ser aquilo que sempre desejaram ser nessa realidade.
Citação ABNT:
PINHEIRO, A. S.; CARRIERI, A. P. O blefe na vida cotidiana: o jogo (de truco) enquanto mecanismo imaginário para evasão do real. Organizações & Sociedade, v. 21, n. 70, p. 367-386, 2014.
Citação APA:
Pinheiro, A. S., & Carrieri, A. P. (2014). O blefe na vida cotidiana: o jogo (de truco) enquanto mecanismo imaginário para evasão do real. Organizações & Sociedade, 21(70), 367-386.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/31505/o-blefe-na-vida-cotidiana--o-jogo--de-truco--enquanto-mecanismo-imaginario-para-evasao-do-real/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AGAR, M. The professional stranger. Orlando: Academic Press, 1980.

AGLI, B.; BRENELLI, R. O jogo “descubra o animal”: um recurso no diagnóstico psicopedagógico. Psicologia em Estudo, n. 3, v. 12 p. 563-572, set./dez. 2007.

ANDION, C.; SERVA, M. A. Etnografia e estudos organizacionais. In: GODOI, C. K.; BANDEIRA DE MELO, A.; SILVA, A. B. Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e método. São Paulo: Saraiva, 2006.

AQUINO, M. A. Configurações etnográficas: demarcando um território de pesquisa. Revista Informação e Sociedade, v. 11, n. 1, p. 1-24, 2001.

BENJAMIN, W. Reflexões sobre a criança, o brinquedo e a educação. São Paulo: Editora 34, 2007.

BERGER, P.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

BLASZCZYNSKI, A; NOWER, L. A pathways model of problem and pathological gambling. Addiction, v. 5, n. 97, p. 487-499, 2002.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

BRENELLI, R. O jogo como espaço para pensar: a construção de noções lógicas aritméticas. Campinas: Papirus, 1996.

CALLOIS, R. Os jogos e os homens. Lisboa: Cotovia, 1990.

CASTORIADIS, C. A instituição imaginária da sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

CIRCE, N. V. O jogo e a constituição do sujeito na dialética social. Rio de Janeiro: Forense, 1988.

CORNELSON, E. L. Análise do discurso no âmbito dos estudos organizacionais: uma abordagem teórica. In: CARRIERI, A. et al. (Org.). Análise do discurso em estudos organizacionais. Curitiba: Juruá, 2009.

FARIA, A. A. M.; LINHARES, P. de T. F. S. O preço da passagem no discurso de uma empresa de ônibus. Cadernos de Pesquisa, Belo Horizonte, v. 10, p. 32-38, 1993.

FARIA, A. et al. Developments in business gaming: a review of the past 40 years. Simulation& Gaming, v. 4, n. 40, p. 464-487, 2009.

FETTERMAN, D. M. Ethography: step by step. Thousand Oaks: Sage, 1998.

FIORIN, J. L. Linguagem e ideologia. 7. ed. São Paulo: Ática, 2003. 87p.

FLUSSER, V. O mundo codificado. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

GOMES, M. Jogo, educação e cultura: “senões e questões”. Psicologia em estudo, v. 2, n. 5, p. 91-98, 2000.

HUIZINGA, J. Homo ludens. São Paulo: Perspectiva, 2005.

JEOLAS, L.; KORDES, H. Percursos acelerados de jovens condutores ilegais: o risco entre vida e morte, entre jogo e rito. Horizonte Antropológico, v. 16, n. 34, p. 159187, 2010

JOHNSON, J. C.; AVENARIUS, C. The active participant-observer: applying social role analysis to participant observation. Field Methods, n. 18, p. 111-134, 2006.

JORGENSEN, D. L. Participant observation: a methodology for human studies. Newbury Park: Sage, 1989.

KIRSCHBAUM, C.; IWAI, T. Teoria dos jogos e microssociologia: avenidas de colaboração. Rev. Adm. Contemp., v. 15, n. 1, p. 138-157, 2011.

KISHIMOTO, T. Jogos tradicionais infantis: o jogo, a criança, a educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1993.

LEITE-DA-SILVA, A. R. Contribuições da abordagem francesa de análise do discurso nos estudos contemporâneos sobre teoria organizacional. In: CARRIERI, A. et al. (Org.). Análise do discurso em estudos organizacionais. Curitiba: Juruá, 2009.

MEYER, G. et al. Casino gambling increases heart rate and salivary cortisol in regular gamblers. Biol. Psychiatry., v. 9, n. 48, p. 948-953, 2000.

MOTTA, G.; QUINTELLA, R. A utilização de jogos e simulações de empresas nos cursos de graduação em administração no estado da Bahia. REAd., v. 18, n. 2, p. 317-338, 2012.

NEUMANN, J.; MORGENSTERN, O. Theory of games and economic behavior. Princeton, NJ: Princeton University Press, 1944.

OLIVEIRA, M. P.; SILVEIRA, D.; SILVA, M. T. Jogo patológico e suas consequências para a saúde pública. Revista de Saúde Pública, v. 42, n. 3, 2008.

ORLANDI, E. P. Discurso e leitura. São Paulo: Cortez, 2001.

PHILLIPS, N.; DOMENICO, M. L. Discourse analyses in organizational research: methods and debates. In: BUCHANAN, D.; BRYMAN, A. (Ed.). The sage handbook of organizational research methods. Londres: Sage, 2009.

RETONDAR, J. J. M. Alguns sentidos do ato de jogar. 1995. Dissertação (Mestrado) Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro, 1995.

RETONDAR, J. J. M. Jogo: diálogo do homem com o invisível. Revista Motrivivência, ano 9, n. 10, p. 214-224. 1997.

RETONDAR, J. J. M. Teoria do jogo: a dimensão lúdica da existência humana. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

ROSENTHAL, R. Psicoterapia psicodinâmica e o tratamento do jogo patológico. Revista Brasileira de Psiquiatria, v. 30, suppl. 1, p. 41-50, maio 2008.

RUIZ, C. B. Os paradoxos do imaginário. São Leopoldo: Unisinos, 2004.

SILVA, M. J. O jogo como estratégia para a resolução de problemas de conteúdo matemático. Psicol. Esc. Educ., v. 12, n. 1, p. 279-282, 2008.

SILVA, R. C. S. De homens e galos: um estudo antropológico sobre um jogo absorvente na região central do Rio Grande do Sul. 2011. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) -Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2011.

SILVEIRA, E. R. “Casa de homens” – o jogo do osso e a masculinidade em grupos populares de Porto Alegre. 1999. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1999.

SPAGGIARI, E. Ganhar jogo e ganhar visita: prática futebolística em um bairro rural. Horizontes Antropológicos, v. 14, n. 30, jul./dez. 2008.