Assuntos ambientais polêmicos e o princípio da precaução: discutindo o aquecimento global em sala de aula Outros Idiomas

ID:
31509
Resumo:
Os debates sobre temas ambientais são cada vez mais intensos devido à gravidade dos problemas ambientais e das incertezas científicas que os acompanham. As salas de aulas são palcos do debate e os professores são constantemente solicitados a dar respostas sobre questões polêmicas que envolvem conhecimentos especializados em áreas científicas distantes daquelas que o professor se dedica. O objetivo deste trabalho é apresentar um instrumento de política ambiental para participar do debate e apresentar propostas, apenas superficialmente informados sobre as questões centrais do problema em debate. Inicialmente será apresentado um problema polêmico de dimensão planetária, a mudança do clima global, em que os cientistas especializados em áreas e sub-áreas das ciências do clima não se entendem sobre aspectos os mais diversos, inclusive sobre a própria ocorrência de tal mudança. Depois será apresentada uma proposta para entrar nesse debate mesmo não sendo um especialista no assunto sem ter que tomar partido. Essa proposta baseia-se no princípio da precaução, que também é um tema polêmico, porém mais próximo das áreas de formação dos professores de Administração que em geral pertencem às ciências sociais aplicadas. Esse é um tema central da educação ambiental, pois é um modo consagrado para lidar com questões ambientais envolvendo incertezas científicas.
Citação ABNT:
BARBIERI, J. C.Assuntos ambientais polêmicos e o princípio da precaução: discutindo o aquecimento global em sala de aula. Administração: Ensino e Pesquisa, v. 14, n. 3, p. 519-556, 2013.
Citação APA:
Barbieri, J. C.(2013). Assuntos ambientais polêmicos e o princípio da precaução: discutindo o aquecimento global em sala de aula. Administração: Ensino e Pesquisa, 14(3), 519-556.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/31509/assuntos-ambientais-polemicos-e-o-principio-da-precaucao--discutindo-o-aquecimento-global-em-sala-de-aula/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABBAGNANO, N. História da filosofia. Lisboa: Editorial Presença, 5 ed., 1999. v. 2.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). ABNT NBR ISO 31000:2009:.Gestão de risco – princípios e diretrizes. Rio de Janeiro, ABNT, 2009.

BAIRD, C. Química ambiental. Porto Alegre: Bookman, 2002.

BECKERMAN, W. Lo pequeño es estúpido: una llamada de atención a los verdes. Madrid: Ed. Debate, 1996.

BRASIL. Lei n o 9.605, de 12 de fevereiro de 1998.Dispõe sobre sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente e dá outras providências. Brasília: DOU de 13/02/1998.

BRASIL. Lei n o 9.795, de 27 de abril de 1999, que institui a Política Nacional de Educação Ambiental. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 29 abr. 1999.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO (CMMAD). Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: FGV, 1991.

COSTANZA, R.; CUMBERLAND, J; DALY, H.; GOODLAND, R.; NORGAARD, R. Introducción a la Economía Ecológica. Madrid: Asociación Española de Normalización y Certificación, 1999.

COTTON, W.R.; PIELKE, R. A. Human impacts on weather and climate. Cambridge University Press, 2007.

DIAS, G.F. Educação Ambiental:princípios e práticas. São Paulo: Gaia, 9 ed., 2007.

DIAS, G.F. Educação e gestão ambiental. São Paulo: Gaia, 2006.

DRESNER, S. The principles of sustainability. Londres: Earthscan, 2007.

DYSON, F. De Eros a Gaia: o dilema ético da civilização em face da tecnologia. São Paulo: Ed. Best Seller, 1992.

EMANUEL, K. What we know about climate change. Cambridge, Mass., The MIT Press, 2007.

EUROPEAN ENVIRONMENT AGENCY (EEA). Late lessons from early warnings: the precautionary principle1896-2000. Copenhague, 2001. Disponível em: . Acesso em: 10/05/2005.

HOUAISS. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 1 ed., 2009.

INTERGOVERNAENTAL PANEL ON CLIMATE CHANGE (IPCC). Cambio climático – informe síntesis. Disponível em: . Acesso em: 25/03/2008.

INTERGOVERNAENTAL PANEL ON CLIMATE CHANGE (IPCC). Climate Change 2007: The Physical Science Basis. Contribution of Working Group I to the Fourth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change. Disponível em: . Acesso em: 25/03/2008.

JAMIESON, D. Ethics, public policy and global warming. In: LIGHT, A.; ROLSTON III, H. Environmental ethics: An anthology. Londres: Blackwell Publishing, 2002.

KLAUS, V. Planeta azul em algemas verdes: o que está ocorrendo perigo: o clima ou a liberdade. São Paulo: DSV Editora, 2010.

LOMBORG, B. Cool it: muita calma nessa hora: o guia de um ambientalista cético sobre o aquecimento global. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

MACHADO, P.A.L. Direito ambiental brasileiro. São Paulo: Malheiros Editores, 10.ed. 2002.

McCRIGTH, A.M; DUNLAP, R.E. Defeating Kyoto: The Conservative Movement’s Impact on U.S. Climate Change Policy. In: Social problems, Berkeley, v. 50, n. 3, p. 348–373, 2003.

McGANN, J.G.; WEAVER, R.K. Think tanks & civil societies: catalysts for ideas and action. New Jersey: Transaction Publishers, 2009.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Declaração do Rio sobre meio ambiente e desenvolvimento.[s.d.] Disponível em: http://www.onu.org.br/rio20/img/2012/01/ rio92.pdf. Acesso em: 12/10/2012.

MOLION, L.C.B. Aquecimento global: uma visão crítica. Revista Brasileira de Climatologia. Maceió, UFAL, 2008.

NONGOVERNMENTAL PANEL ON CLIMATE CHANGE (NIPCC). Climate Change Reconsidered: 2009 Report of the Nongovernmental Panel on Climate Change. Chicago, The Heartland Institute, 2009. Disponível em: . Acesso em: 15/04/2010.

NONGOVERNMENTAL PANEL ON CLIMATE CHANGE (NIPCC). Climate Change Reconsidered: 2011 Interim Report of the Nongovernmental Panel on Climate Change (NIPCC). Chicago, The Heartland Institute, 2011. Acesso em: 1 5/04/2010.

O’RIORDAN, T. Environmental science for environmental management. Londres: Prentice Hall, 2000.

PEDRINI, A.G. (Org.). Metodologias em educação ambiental. Petrópolis: Editora Vozes, 2007.

PEDRINI, A.G. A educação ambiental com a biodiversidade no Brasil: um ensaio. Ambiente & Educação, v. 11, p. 66-77, 2006.

PEDRINI, A.G. Mudanças globais e a educação ambiental para a construção de sociedades sustentáveis. In: Conferência da Terra, 1. Anais...João Pessoa, 2008.

PORRITT, J. Actuar con prudencia: ciencia y medio ambiente. Barcelona: Blume, 2003.

SINGER, S.F. Nature, Not Human Activity, Rules theClimate. Chicago. The Heartland Institute, 2008.

UNESCO/World Commission on the Ethics of Scientific Knowledge and Technology. The precautionary principle. Paris: UNESCO, 2005.

UNESCO; INTERNATIONAL COUNCIL OF SCIENTIFIC UNION (ICSU), Ciência para o século XXI: uma visão nova e uma base de ação.(2000). Disponível em: < http:// eventos.unesco.org.br>. Acesso em: 20/02/2009.

UNIÃO EUROPEIA. Do tratado da União Europeia e do tratado que institui a Comunidade Europeia Disponível em: . Acesso em: 21/10/2012.

UNITED NATIONS GENERAL ASSEMBLY. Protection of global climate for present and future generations of mankind. New York, United Nations, Documento A/RES/43/53, 06/12/1988. Disponível em: . Acesso em: 21/10/2012.

UNITED NATIONS GENERAL ASSEMBLY. World Charter for Nature. United Nations, Doc. A/RES/37/7, 28/10/1982. Disponível em: . Acesso em: 21/10/2012.

WILSON, O. O futuro da vida: um estudo da biosfera para a proteção de todas as espécies, inclusive a humana. Rio de Janeiro, Campus, 2002.

WINGSPREAD CONFERENCE. Wingspread Statement on the Precautionary Principle. Disponível em: . Acesso em: 21/10/2012.