Herbert Simon e os limites do critério de eficiência na nova administração pública Outros Idiomas

ID:
31534
Resumo:
Neste ensaio, vamos discutir sobre os limites do critério de eficiência, que é indicado como balizador das decisões de gestão ou políticas públicas. Abordaremos seus limites a partir dos conceitos apresentados por Herbert Simon, que se consagrou por estabelecer os limites da racionalidade nas decisões, até então compreendida como absoluta. Simon defende a necessidade de ampliação do conceito de eficiência, principalmente quando se trata de utilizá-lo na gestão pública, já que ela não deveria se pautar exclusivamente pela dimensão econômico-financeira e incluir outras escalas de valores. Para isso, discutiremos como o critério de eficiência se tornou central na administração pública gerencial e como ele ainda continua se pautando pelo ideal da eficiência absoluta. Em seguida, retomaremos as elaborações de Herbert Simon em Comportamento Administrativo, para evidenciar a inadequação da utilização do critério de eficiência apregoado pela nova administração pública, inserindo o conceito de eficiência relativa.
Citação ABNT:
OLIVEIRA, K. P.; PAULA, A. P. P. Herbert Simon e os limites do critério de eficiência na nova administração pública. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, v. 19, n. 64, p. 113-126, 2014.
Citação APA:
Oliveira, K. P., & Paula, A. P. P. (2014). Herbert Simon e os limites do critério de eficiência na nova administração pública. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 19(64), 113-126.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/31534/herbert-simon-e-os-limites-do-criterio-de-eficiencia-na-nova-administracao-publica/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abrucio, F. L. (1997). O impacto do modelo gerencial na administração pública: um breve estudo sobre a experiência internacional recente. Cadernos ENAP, 10,1-50.

Balestrin, A. (2002). Uma análise da contribuição de Herbert Simon para as teorias organizacionais. REAd, v. 8, n. 4, p. 1-17.

Denhart, R. B & Denhart, J. V. (2000). The New Public Service: Serving Rather than Steering. Public Administration Review, v. 60, n. 6, p. 549-449.

Ferreira, C. M. M. (1999). Crise e Reforma do Estado: uma questão de cidadania e valorização do servidor. In: V. Petrucci & L. Schwarz (Orgs.). Administração Pública Gerencial: a reforma de 1995. Brasília: EdUNB.

Gomes, E. G. M. (2012). Gestão por resultados e eficiência na Administração Pública: uma análise à luz da experiência de Minas Gerais. Tese de doutorado, Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getulio Vargas, São Paulo, SP, Brasil.

Paula A. P. P. (2005). Por uma nova gestão pública: limites e potencialidades da experiência contemporânea. Rio de Janeiro: EdFGV.

Pereira, L. C. B. (1998). Reforma do Estado para a cidadania: a reforma gerencial brasileira na perspectiva internacional. São Paulo: Editora 34; Brasília: ENAP.

Rhodes, R. A. W. (1996). The New Governance: governing without government. Political Studies, v. 44, n. 4, p .652-667.

Simon. H. A. (1957). Administrative Behavior: A Study of Decision-Making Processes in Administration Organizations. 2a ed. New York: Macmillan. (Obra original publicada em 1947).

Simon, H. A. (1979). Rational Decision Making in Business Organizations. The American Economic Review, v. 69, n. 4, p. 493-513.