Indústria têxtil de Santa Catarina e sua capacidade inovadora: estudo sob a perspectiva da eficiência, eficácia, custos e melhoria de processos Outros Idiomas

ID:
31640
Resumo:
Santa Catarina se destaca como um dos principais parques produtivos do setor têxtil. Assim como as demais indústrias têxteis brasileiras, a catarinense vem sofrendo pressões de mercado, principalmente dos países asiáticos. O estudo teve como objetivo identificar se as dimensões - eficiência, eficácia, custos e as melhorias de processo – estão associadas ao desempenho da inovação na indústria têxtil de Santa Catarina. A pesquisa foi descritiva, exploratória e causal, de levantamento ou survey e quantitativa. A amostra foi composta por 441 respondentes de 16 organizações do estado de Santa Catarina. Os dados foram analisados por meio de análise fatorial exploratória, análise fatorial confirmatória e modelagem de equações estruturais. Os resultados apontam que o desempenho na inovação de produtos pode ser abordado utilizando as dimensões de primeira ordem eficácia, eficiência, melhorias no processo de produção e redução de custos. Os resultados foram maiores na dimensão melhorias, refletindo maior atenção no aprimoramento da qualidade do produto, nas condições de trabalho e na flexibilidade produtiva. O tamanho da organização não teve efeito significativo no desempenho em inovação de produtos nas organizações estudadas. Entende-se que os resultados alcançados pelo presente estudo possam ser considerados relevantes tanto por seu impacto sobre a teoria quanto por sua aplicação gerencial. Pesquisas futuras devem ser direcionadas no sentido de analisar se em outros setores existem diferenças nos constructos do desempenho em inovação de produtos em decorrência de características particulares de cada setor.
Citação ABNT:
GOMES, G.; MACHADO, D. D. P. N.; ALEGRE, J. Indústria têxtil de Santa Catarina e sua capacidade inovadora: estudo sob a perspectiva da eficiência, eficácia, custos e melhoria de processos. Revista de Administração e Inovação, v. 11, n. 2, p. 273-294, 2014.
Citação APA:
Gomes, G., Machado, D. D. P. N., & Alegre, J. (2014). Indústria têxtil de Santa Catarina e sua capacidade inovadora: estudo sob a perspectiva da eficiência, eficácia, custos e melhoria de processos. Revista de Administração e Inovação, 11(2), 273-294.
DOI:
10.5773/rai.v11i2.1299
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/31640/industria-textil-de-santa-catarina-e-sua-capacidade-inovadora--estudo-sob-a-perspectiva-da-eficiencia--eficacia--custos-e-melhoria-de-processos/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Afuah, A. (2003). Innovation mangement: strategies, implementation and profits. 2a ed. New York: Oxford University Press.

Alegre, J.; Chiva, R. (2008). Assessing the impact of organizational learning capability on product innovation performance: an empirical test. Technovation, v. 28, n. 1, p. 315-326.

Alegre, J.; Chiva, R.; Lapiedra, R. (2009). Measuring innovation in long product development cycle industries: an insight in biotechnology. Technology Analysis & Strategic Management, v. 21, n. 4, p. 535-546.

Alegre, J.; Lapiedra, R.; Chiva, R. (2006). A measurement scale for product innovation performance. European Journal of Innovation Management, v. 9, n. 4, p. 333-346.

Ancona, D. G.; Caldwell, D.F. (1992). Bridging the boundary: external process and performance in organizational teams. Administrative Science Quaterly, v. 37, n. 4, p. 634-665.

Atuanaheme-Gima, K. (1995). An exploratory study of the impact of market orientation on new product performance: a contingency approach. Journal of Product Innovation Management, v. 12, n. 4, p. 275-93.

Bagozzi, R. P.; Phillips, L. W. (1982). Representing and testing organizational theories: a holistic construal. Administrative Science Quarterly, v. 27, n. 3, p. 459-489.

Bakar, L. J. A.; Ahmad, H. (2010). Assessing the relationship between firm resources and product innovation performance: A resource-based view. Business Process Management Journal, v. 16, n. 3, p. 420-435.

Barczak, G. (1995). New product strategy, structure, process, and performance in the telecommunications industry. Journal of Product Innovation Management, v. 12, n. 3, p. 224-34.

Chiesa, V.; Coughlan, P.; Voss, C.A. (1996). Development of a technical innovation audit. R&D Management, v. 13, p. 105-136.

Coombs, R.; Tomlinson, M. (1998). Patterns in UK company innovation styles: new evidence from the CBI innovation trends survey. Technology Analysis and Strategic Management, v. 12, n. 3, p. 295-310.

Cooper, D. R.; Schindler, P. S. (2003). Métodos de pesquisa em administração. 7a ed. Porto Alegre: Bookman.

Costa, A. C. R.; Rocha, E. R. P. (2009). Panorama da cadeia produtiva têxtil e de confecções e a questão da inovação. BNDES Setorial, Rio de Janeiro, n. 29, p. 159-202, mar.

Damanpour, F. (1991). Organizational Innovation: A meta-analysis of effects of determinants and moderators. Academy of Management Journal. v. 34, n.3, p. 555-590.

Damanpour, F. (1996). Organizational complexity and innovation: developing and testing multiple contingency models. Management Science, New Jersey, v. 42, n. 5, p. 693.

Damanpour, F.; Evan, W. M. (1984). Organizational innovation and performance: the problem of ‘organizational lag’. Administrative Science Quarterly, n. 29, p. 392-409.

Ettlie, J. E. (1983). Organizational policy and innovation among suppliers to the food processing sector. Academy of Management Journal, v. 26, n.1, p. 27-44.

Fernandes, R.; Cario, S. (2009). Desempenho comercial e padrão de concorrência internacional: uma análise do setor têxtil-confecções catarinense entre 1996 e 2006. Indicadores Econômicos FEE, v. 36, n. 4, p. 1-18.

Freeman C.; Soete, L. (2008). A Economia da Inovação Industrial. Campinas: Editora Unicamp. Coleção Clássicos da Inovação.

Garver, N. S.; Mentzer, J. T. (1999). Logistics research methods: employing structural equation modeling to test for construct validity. Journal of Business Logistics, v. 20, n. 1, p. 33-57.

Griffin, A. (1997). PDMA research on new product development practices: updating trends and benchmarking best practices. Journal of Product Innovation Management, v. 14, n. 6, p. 429-459.

Griffin, A.; Page, A. (1993). An interim report on measuring product development success and failure. Journal of Product Innovation Management, v. 10, p. 291-308.

Gupta, A. K.; Wilemon, D.L. (1990). Accelerating the development of technology-based new products. California Management Review, v. 32, n. 2, p. 24-44.

Hair Jr., J. F.; Babin, B.; Money, A. H.; Samouel, P. (2005). Fundamentos e métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman.

Henttonen, K.; Ritala, P.; Jauhiainen, T. (2011). Exploring open search strategies and their perceived impact on innovation performance - empirical evidence. International Journal of Innovation Management, v. 15, n. 3, p. 525-541.

Hoopes, D.G.; Postrel, S. (1999). Shared knowledge, ‘glitches’, and product development performance. Strategic Management Journal, v. 20, n. 9, p. 837-968.

Hull, F. M. Hage, J. Azumi K. (1985). R&D Management strategies: Americam versus Japan. IEEE. Transactions on Enginnering Manegement, v. 32, n. 4, p. 78-83.

Jonash, R. S.; Sommerlatte, T. (2001). O valor da inovação: como as empresas mais avançadas atingem alto desempenho e lucratividade. Rio de Janeiro: Campus.

Kimberly, J. R.; Evanisko, M. J. (1981). Organizational innovation: the influence of individual organizational, and contextual factors on hospital adoption of technological and administrative innovations. Academy of Management Journal, v. 24, n. 4, p. 689- 713.

Kleinknecht, A. (1993). Why do we need new innovation output indicators?, In.: A. Kleinknecht; D. Bain (ed.): New concepts in innovation output measurement. New York: St. Martin´s Press.

Kline, R. B. (2005). Principles and practice of structural equation modeling. New York, The Guilford Press.

Knight, K. E. (1967). A descriptive model of intra-firm innovation process. Journal of Business, n. 40, p. 478-496.

Mabert, V. A., Muth, J. F.; Schmenner, R.W. (1992). Collpasing new product development times: six case studies. Journal of Product Innovation Management, v. 9, p. 200-212.

Mcevily, S.; Chakravarthy, B. (2002). The persistence of knowledge-based advantage: an empirical test for product performance and technological knowledge. Strategic Management Journal, v. 23, p. 285-305.

Mendes, S. F. (2003). Filiais brasileiras na rede mundial do setor têxtil: análise de algumas empresas industriais globalizadas a partir da gama de produtos, das etapas produtivas e das funções corporativas. Relatório de atividades final CNPq. Araraquara.

Montoya-Weiss, M. M.; Calantone, R. J. (1994). Determinants of new product performance: a review and meta-analysis. Journal of Product Innovation Management, v. 11, n. 5, p. 397-417.

Naranjo-Valencia, J. C.; Jiménez, D. J.; Sanz-Valle, R. (2012). ¿Es la cultura organizativa un determinante de la innovación en la empresa? Cuadernos de Economía y Dirección de la Empresa, v. 15, n. 3, p. 63-72.

OCDE - Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento. (2005). Manual de Oslo. 3a ed. Finep - tradução português.

Oecd - Eurostat. (1997). The measurement of scientific and technological activities. Proposed guidelines for collecting and interpreting technological data. In: Oslo Manual. OECD, Paris.

Pisano, G.P. (1994). Knowledge, integration and the locus of learning: an empirical analysis of process development. Strategic Management Journal, 15(Winter), 85-100. Special Issue

Rangel, A. S.; Silva, M. M.; Costa, B. K. (2010). Competitividade da indústria têxtil brasileira. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 7, n. 1, p. 151-174, jan./mar.

Rech, S. R. (2006). 282 f. Cadeia produtiva da moda: um modelo conceitual de análise da competitividade no elo confecção. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) - Universidade Federal de Santa Catarina - Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção.

Sebrae - Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequenas Empresas. (2012). Santa Catarina em números: têxtil e confecção. Disponível em: . Acesso em: 18 de março de2012.

Sebrae - Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequenas Empresas. (2012). Site do SEBRAE. Disponível em . Acesso em 20 de julho de 2012.

Tidd, J.; Bessant, J.; Pavitt, K. (2005). Managing Innovation: Integrating Technological, Market and Organizational Change. John Wiley & Sons.

Utterback, J. M., Albernathy, W. J. (1975). A dynamic modelo of process and reorientation. Administrative Science Quarterly, n. 16, p. 203-215.

Valle, S.; Avella, L. (2003). Cross-functionality and leadership of the new product development teams. European Journal of Innovation Management, v. 6, n. 1, p. 32-47.

Van De Ven, A. H.; Polley, D. E.; Garud, R.; Venkataraman, S. (1999). The Innovation Journey, Oxford University Press; New York.

Wheelwright, S.C.; Clark, K.B. (1992). Revolutionizing Product Development - Quantum Leaps in Speed, Efficiency, and Quality, The Free Press, New York.

Zhan, Q.; Doll, W.J. (2001). The fuzzy front end and succes of new product development causal model, European Journal of Innovation Management, v. 4, n. 2, p. 95-112.

Zhuang, L.; Wiliamson, D.; Carter, M. (1999). Innovate or liquidate - are all organizations convinced? A two-phased study into the innovation process. Management Decision, v. 37, n. 1, p. 57-71.