Os conceitos da inovação aberta e o desempenho de empresas brasileiras inovadoras Outros Idiomas

ID:
31641
Resumo:
A inovação fechada foi o padrão adotado pelas empresas, até o início dos anos 2000, onde as atividades de P&D eram realizadas exclusivamente em laboratórios próprios. Este modelo vem sendo substituído pela inovação aberta, na qual as empresas, além das ideias internas, aproveitam a capacidade inventiva de outras fontes, como clientes, fornecedores, universidades, institutos de pesquisa ou inventores independentes, estabelecendo parcerias. Assim é possível obter inovações melhores, mais baratas e em menos tempo, além de oferecer ao mercado as invenções internas que não forem usadas, gerando renda. Entre os aspectos mais relevantes deste conceito estão as mudanças na cultura empresarial, no modelo de negócios, e na gestão da propriedade intelectual (PI), que resultam em novas formas de criar valor e identificam conhecimento externo útil para a empresa. Este trabalho analisa três firmas brasileiras, de diferentes setores, que utilizam a inovação aberta como estratégia de aumento da competitividade, com o objetivo de verificar a consonância entre suas práticas e os pressupostos do modelo, quanto aos três aspectos acima mencionados. O método de pesquisa é o estudo de caso múltiplo, utilizando dados primários (entrevistas) e secundários (relatórios anuais das empresas, teses, artigos acadêmicos, reportagens em jornais e revistas de negócios), mediante pesquisa bibliográfica e documental. Os resultados mostram que as práticas empresariais não apresentam completa aderência aos conceitos teóricos da inovação aberta.
Citação ABNT:
STAL, E.; NOHARA, J. J.; CHAGAS JR., M. F. Os conceitos da inovação aberta e o desempenho de empresas brasileiras inovadoras. Revista de Administração e Inovação, v. 11, n. 2, p. 295-320, 2014.
Citação APA:
Stal, E., Nohara, J. J., & Chagas Jr., M. F. (2014). Os conceitos da inovação aberta e o desempenho de empresas brasileiras inovadoras. Revista de Administração e Inovação, 11(2), 295-320.
DOI:
10.5773/rai.v11i2.1352
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/31641/os-conceitos-da-inovacao-aberta-e-o-desempenho-de-empresas-brasileiras-inovadoras/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Afuah, A.; & Tucci, C. (2001). Internet business models and strategies. N. Y. , McGraw-Hill.

Alisson, E. (2013). Farmacêuticas produzirão anticorpos monoclonais no Brasil. Recuperado em 5 de junho de2013 de http,//agencia. fapesp. br/17267. html.

Associação Brasileira das Indústrias de Química Fina, Biotecnologia e Suas Especialidades - ABIFINA. (2012). Biotecnologia une farmacêuticas nacionais. Facto, n. 33.

Bernardes, R. (2000). O caso Embraer. Privatização e Transformação da Gestão Empresarial, dos Imperativos Tecnológicos à Focalização no Mercado. Cadernos de Gestão Tecnológica, CYTEDPGT/USP, n. 46.

Castro, C. (2009). Open Innovation, Confidentiality, and Intellectual Property Rights. Retrieved January 20,2013 from http,//openinno. wordpress. com.

Chagas Jr, M. F.; & Cabral, A. S. (2004). Firmas Integradoras de Sistemas, Suas Capacitações e Fontes de Tecnologia. O caso da Embraer. Anais do XXIII Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, Curitiba, PR, Brasil, 19-22.

Chesbrough, H. (2006). Open Business Models, How to Thrive in the New Innovation Landscape. Boston, Harvard Business School Press.

Chesbrough, H.; & Rosenbloom, R. (2002). The role of the business model in capturing value from innovation, evidence from Xerox Corporation’s technology spin-off companies. Industrial and Corporate Change, n. 11, v. 3, p. 529-555.

Chesbrough, H. W. (2003). Open Innovation, the new imperative for creating and profiting from technology. Boston, Harvard Business School Press.

Cohen, W. M.; & Levinthal, D. A. (1989). Innovation and learning, the two faces of R&D. The Economic Journal, 99(September), 569-596.

Cristália - Institucional (2013). Recuperado em 27 de julho de 2013, de http,//www. 2cristalia. com. br.

Dahlander, L.; &Gann, D. M. (2010). How open is innovation? Research Policy, v. 39, 699-709.

Damiani, J. H. S. (2000). A nova face da gerência de produtos, o projeto do avião ERJ-170 na Embraer. Central de Cases ESPM-EXAME, Case 009. Setembro

Folha de São Paulo (2013) Segunda empresa deixa superlaboratório criado com apoio do governo federal. Caderno Mercado, p. B2. Setembro, 26

Ghoshal, S.; & Tanure, B. (2004). Estratégia e Gestão Empresarial. Construindo empresas brasileiras de sucesso. Rio de Janeiro, Elsevier.

Katz R.; & Allen T. (1982). Investigating the not invented here (NIH) syndrome, a look at the performance, tenure, and communication patterns of 50 R&D projects. R&D Management 12(1), 7-19.

Laursen, K.; & Salter, A. (2006). Open for Innovation, the role of openness in explaining innovation performance among U. K. manufacturing firms. Strategic Management Journal, 27, 131-150.

Lindegaard, S. (2009). Ten critical elements for an open innovation culture. Retrieved March 15, 2011, from http,//myintrap. wordpress. com/2009/01/04/ten-critical-elements-for-an-open-innovationculture.

Magretta, J. (2002, May). Why business model matter. Harvard Business Review.

Nelson, R. (2006). As Fontes do Crescimento Econômico. Campinas, Editora da Unicamp.

Organization for Economic Co-operation and Development (OECD) (2008). Open innovation in global networks. Report. New York, OECD.

Pacheco, O. C. (2008, 16 Setembro). Entrevista ao programa Diálogo Nacional. Recuperado em 19 de maio de 2011, de http,//www. 2cristalia. com. br/entrevistas. php.

Pinto, A.; & Barreiro, E. (2010) How to get to the green-yellow (Brazilian) pharmaceuticals? Journal of the Brazilian Chemical Society, São Paulo, v. 21, n. 12.

Planeta Coppe. (2013). Indústria de biofármacos tem pela frente desafio de US$ 45 bilhões. Recuperado em 17 de setembro de 2013, de http,//www. planeta. coppe. ufrj. br/artigo. php?artigo=1692.

Rezaie, R. , Frew, S. E. , Sammut, S. M. , Maliakkal, M. R. , Daar, A. S.; & Singer, P. A. (2008). Brazilian health biotech-fostering crosstalk between public and private sectors. Nature Biotechnology, v. 26, (6).

Robbins, S. P. (2002). Comportamento Organizacional. 9a ed. São Paulo, Prentice Hall.

Schein, E. (1984). Organizational Culture and Leadership. San Francisco, Jossey-Bass.

Segalla, A.; & Martins, I. (2007). O planeta é o seu laboratório. Época Negócios, edição 5.

Stake, R. E. (2006). Multiple Case Study Analysis. NY, London, The Guilford Press.

Sull, D. N.; & Escobari, M. E. (2004). Sucesso Made in Brasil - os segredos das empresas brasileiras que dão certo. Rio de Janeiro, Elsevier.

Teece, D. (2010, April-June). Business Models, Business Strategy and Innovation. Long Range Planning, v. 43, n. 2-3.

Valim, C. E. (2013, Fevereiro, 08). Genéricos 2. 0. Isto É Dinheiro.

Von Hippel. (1988). E. The Sources of Innovation. NY, Oxford University Press.

Von Hippel. (2005). Democratizing Innovation. Cambridge, The MIT Press.

Weill, P.; & Vitale, M. R. (2001). Place to Space. Migrating to eBusiness Models. Boston, Harvard Business School Publishing Corporation, USA.

West, J. Does (2006). Appropriability Enable or Retard Open Innovation? In, Chesbrough, H. , Vanhaverbeke, W.; & West, J. (Ed. ). Open Innovation, Researching a New Paradigm. New York, Oxford University Press.

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso, planejamento e métodos. 2a ed. Porto Alegre, Bookman.