O planejamento de cenários como aprendizado Outros Idiomas

ID:
3170
Resumo:
O planejamento de cenários tem sido cada vez mais utilizado como instrumento para testar e melhorar o desempenho das organizações em ambientes dinâmicos. Neste artigo, objetiva-se demonstrar o potencial de um modelo experimental de Planejamento de Cenários para mobilizar, motivar e agregar maior conteúdo à tomada de decisão organizacional, principalmente no que se refere ao Planejamento Estratégico de duas instituições do setor público: uma indústria farmacêutica e uma fundação de ensino tecnológico. Descrevem-se as etapas de aplicação de um modelo híbrido de planejamento de cenários - aqui denominado Planejamento pelo Aprendizado - por meio da pesquisa-ação; apresentam-se os cenários resultantes do experimento; e delineia-se os principais resultados de uma avaliação realizada sobre esta prática. Para tanto, analisou-se dois modelos já consagrados de Planejamento de Cenários - a escola Prospectiva e o modelo da Shell - que serviram como referencial para a proposição e aplicação de um modelo experimental nos dois objetos de estudo. O processo de avaliação do impacto da técnica foi realizado através de um questionário que obteve altos índices de confiabilidade, e por meio de entrevistas com os participantes. Os resultados atestam a eficiência do modelo no suporte à tomada de decisão em ambiente competitivo, no qual se inserem as duas instituições pesquisadas.
Citação ABNT:
LOURENÇO JUNIOR, A.; OLIVEIRA, L. C. V.; KILIMNIK, Z. M. Scenarios planning as learning. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, v. 2, n. 1, art. 37, p. 3-32, 2010.
Citação APA:
Lourenço Junior, A., Oliveira, L. C. V., & Kilimnik, Z. M. (2010). Scenarios planning as learning. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, 2(1), 3-32.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/3170/o-planejamento-de-cenarios-como-aprendizado/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
Ansoff, H. Igor. (1977). Estratégia empresarial. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil.

Bain & Company. (2009). Management Tools & Trends 2009. Recuperado em 20 de setembro de 2009, de http://www.bain.com/management_tools/about_ overview.asp?groupcode=1.

Berger, Gaston. (2004). A atitude prospectiva. Parcerias estratégicas, 19, 311- 317.

Bradfield, R., Wright,G., Burta,G., Cairnsb,G. & Van Der Heijden, K. (2005). The origins and evolution of scenario techniques in long range business planning. Futures, 37, 795–812.

Brandão, Carlos Rodrigues. (1999). Pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense.

Buarque, Sérgio C. (2003). Metodologia e técnicas de construção de cenários globais e regionais. Brasília: IPEA, 7-71.

Chermack,T.J. (2005). Studying scenario planning: theory, research suggestions, and hypotheses. Technological Forecasting & Social Change, 72, 59–73.

Coopler, D. R. & Schindler, P. S. (2003). Métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman.

Cornelius, Peter, Van de Pute, Alexander & Romani, Mattia. (2005). Three decades of scenario planning in shell. California Management Review, 48, 92- 109.

Courtney, H.; Kirkland, J. & Viguerie, P. (1997). Strategy under uncertainty. New York: Harvard Business Review, 1-14.

Davis, Ged. (1998). Creating scenarios for your company’s future. In: The 1998 Conference on Corporate Environmental, Health, and Safety Excellence. Bringing Sustainable Development Down to Earth. New York, 1-5.

Day, George S. & Schoemaker, Paul J. H. (2005). Scanning the periphery. New York: Harvard Business Review, 135-148.

Espírito Santo. (2006). Plano de Desenvolvimento do Espírito Santo 2025. Recuperado em 20 de janeiro de 2010, de http://www.espiritosanto2025. com.br/novo/elaboração.htm.

Franco, Maria Amélia S. (2005). Pedagogia da pesquisa-ação. Educação e Pesquisa, 31 (3), 483-502.

Glenn, Jerome C. Scenarios. (1994). AC/UNU Millenium Project. Futures Research Methodology, 2.

Godet, Michel. (2000). The art of scenarios and strategic planning: tools and pitfalls. New York: North-Holland, 65, 3-22.

Godet, Michel. (2004). Scenarios and strategies: a tollbox for problem solving. Paris : Librairie des Arts et Métiers.

Hamel, Gary. (2002). Inovação estratégica e busca de valor. In: M.A. Consumano & C.C. Markides. Pensamento estratégico. Rio de Janeiro: Campus.

Hideki, Yoshirara. (1981). Em busca de um conceito compreensivo de comportamento adaptativo estratégico das empresas. In: Ansoff, H. Igor; Declerk, Roger P. & Hayes, Robert L. Do planejamento estratégico à administração estratégica (113-136). São Paulo: Atlas.

Kahane, Adam et al. (2003). The Mont Fleur scenarios: what will South Africa be like in the year 2002? Deeper news, Global Business Network. Recuperado em 12 de agosto de 2003, de http://www.gbn.org.

Kahn, Herman & Wiener, Anthony J. (1968). O ano 2000: uma estrutura para especulação sobre os próximos trinta e três anos. São Paulo: Melhoramentos.

Kleiner, Art. (2003). Pierre Wack e a “matilha” de executivos. São Paulo: HSM Management, (39),16-23.

Malhotra, N.(2001). Pesquisa de marketing: uma orientação prática. Porto Alegre: Bookman.

Marcial, Elaine Coutinho. (2005). Cenários prospectivos: como construir um futuro melhor. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Marconi, Marina de Andrade & Lakatos, Eva Maria. (2006). Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. São Paulo: Atlas.

Mietzner, Dana & Reger, Guido. (2004). Scenario Approaches: history, differences, advantages and disadvantages. Proceedings of the Eu-Us Seminar: New Technology Foresight, Forecasting & Assessment Methods, Seville, Spain, 3–14, May 2004.

Porter, Michael E. (1992). Vantagem competitiva. Rio de Janeiro: Campus.

Russo, J. Edward & Schoemaker, Paul J. H. (2002). Decisões vencedoras. Rio de Janeiro: Campus.

Schoemaker, Paul J.H. (1995). Multiple scenario development: its conceptual and behavioral foundation. Strategic Management Journal, 14, 193-213.

Schoemaker, Paul J.H. (1995). Scenario Planning: a tool for strategic thinking. Sloan Management Review/Winter, 36 (2), 25-40.

Schwartz, Peter. (2000). A arte da visão de longo prazo. São Paulo: Best Seller.

Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão. (2007). Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado. Belo Horizonte, MG: Autor.

Senge, Peter. (1996). A quinta disciplina: arte, teoria e prática da organização de aprendizagem. São Paulo: Best Seller.

The Mont Fleur Scenarios.(1992). Institute for Social Development. University of the Western Cape, South Africa [Filme-video].1 cassete VHS, 30 min. color.son.

Thiollent, Michel. (2005). Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez.

Tripp, David. (2005). Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, 31 (3), 443-466.

Van der Heijden, Kess. (1996). Cenários, a arte da conversação estratégica. Porto Alegre: Bookman.

Varum, Celeste A. & Melo, Carla. (2010). Directions in scenario planning literature: a review of the past decades. Futures, 42, 355–369.

Verity, Julie. (2003). Scenario planning as a strategy technique. European Business Journal, 185-195.

Wack, Pierre. (1985). Scenarios: uncharted waters ahead. New York: Harvard Business Review, 72-89.

Wright, Alex. (2005). Using scenarios to challenge change management thinking. Abingdon: Total Quality Management, 16 (87).