Metodologias intervencionistas da teoria da atividade histórico-cultural: abrindo possibilidades para os estudos organizacionais Outros Idiomas

ID:
31721
Resumo:
Com a finalidade de contribuir para o estabelecimento do espaço das Metodologias Intervencionistas provenientes da Teoria da Atividade Histórico-Cultural no campo dos estudos organizacionais, este ensaio objetiva discutir os pressupostos ontológicos, epistemológicos e metodológicos subjacentes a estas. O ensaio está organizado dentro das seguintes etapas: a) delimitação das metodologias intervencionistas e de seus princípios; b) descrição dos principais conceitos da Teoria da Atividade Histórico-Cultural, considerando os elementos teóricos abordados em cada época de sua argumentação; c) abordagem dos pressupostos ontológicos das metodologias intervencionistas, ou seja, da visão de realidade em conexão com o materialismo histórico-dialético; d) análise do posicionamento epistemológico no qual se baseiam as metodologias intervencionistas, isto é, suas crenças sobre que tipo de conhecimento é válido e a forma como é construída; e) por fim, no posicionamento metodológico, assinalar a investigação das potencialidades e as suposições sobre as formas em que o conhecimento é produzido por meio dessas metodologias.
Citação ABNT:
CASSANDRE, M. P.; GODOI, C. K. Metodologias intervencionistas da teoria da atividade histórico-cultural: abrindo possibilidades para os estudos organizacionais. Revista Gestão Organizacional, v. 6, n. 3, p. 11-23, 2013.
Citação APA:
Cassandre, M. P., & Godoi, C. K. (2013). Metodologias intervencionistas da teoria da atividade histórico-cultural: abrindo possibilidades para os estudos organizacionais. Revista Gestão Organizacional, 6(3), 11-23.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/31721/metodologias-intervencionistas-da-teoria-da-atividade-historico-cultural--abrindo-possibilidades-para-os-estudos-organizacionais/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BOCK, A. M. A psicologia ou as psicologias: ciência e senso comum. In: BOCK, A. M. B; FURTADO, O.; TEIXEIRA, M. L. T. (Orgs.). Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. São Paulo: Editora Saraiva, 1999. p. 15-28.

CANOPF, L.; CASSANDRE, M. P.; APPIO, J. Uma Aproximação à Estratégia como Prática na Perspectiva Histórico-Cultural: Compreendendo a Prática de uma Empresária do Ramo de Serviços de Beleza. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 26, 2012, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2012. 1 CD-ROM.

CASSANDRE, M. P.; BULGACOV, Y. L. M.; CAMARGO, D. de. O conceito de prática a partir da Teoria da Atividade. In: COLÓQUIO DE EPISTEMOLOGIA E SOCIOLOGIA DA CIÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO, 1, 2011, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UFSC, 2011.

CASSANDRE, M. P.; CANOPF, L.; APPIO, J.; BULGACOV, Y. L. M. Gênero e Estilo na prática das Manipuladoras de Alimentos: uma aproximação empírica aos estudos organizacionais na perspectiva sócio-histórica e cultural. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 24, 2010, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2010. 1 CD-ROM.

CASSANDRE, M. P.;QUEROL, M. A. P.; BULGACOV, Y. L. M. Metodologias Intervencionistas: Contribuição Teórico-metodológica dos Princípios Vigotskyanos para Pesquisa em Aprendizagem Organizacional. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 26., 2012, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2012. 1 CD-ROM.

COLE, M. Cultural psychology: a once and future discipline. Cambridge: Belknap Press, 1996.

CRESWELL, J. W. Research design: qualitative, quantitative, and mixed method approaches. Thousand Oaks: Sage Publications, 2003.

DANIELS, H. et al. Learning in and for multi-agency working. Oxford Review of Education, Oxford, v. 33, n. 4, 2007.

DAVYDOV, V. V. A new approach to the interpretation of activity structure and content. In: CHAIKLIN, S.; HEDEGAARD, M.; JENSEN, U. J. (Eds.). Activity theory and social practice. Aarhus: Aarhus University Press, 1999.

DAVYDOV, V. V. The content and unsolved problems of activity theory. In: ENGESTRÖM, Y., MIETTINEN, R.; PUNAMÄKI, R.-L. (Eds.). Perspectives on activity theory. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

DEMO, P. Pesquisa e construção do conhecimento: metodologia científica no caminho de Habermas. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1994.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y.S. (Orgs.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2. ed. Porto Alegre: Bookman e Artmed, 2006.

DEWEY, J. The later works, 1925-1953. 4 (1929): The quest for certainty. Carbondale, IL: Southern Illinois University Press, 1984.

ENGESTRÖM, Y. Activity theory and individual and social transformation. In: ENGESTRÖM, Y.; MIETTINEN, R.; PUNAMÄKI, R.L. (Orgs.). Perspectives on activity theory. Cambridge: University Press, 1999.

ENGESTRÖM, Y. KEROSUO, H. From workplace learning to inter-organizational learning and back: the contribution of activity theory. Journal of Workplace Learning, v. 19, n. 6, 2007.

ENGESTRÖM, Y. Learning by expanding: an activity-theoretical approach to developmental research. Orienta-Konsultit Oy, 1987.

ENGESTRÖM, Y. MIETTINEN, R., PUNAMÄKI, R. Perspectives on activity theory. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

ENGESTRÖM, Y. SANNINO, A. Studies of expansive learning: foundations, findings and future challenges. Educational Research Review, v. 5, n. 1, p. 1-24, jan. 2010.

ENGESTRÖM, Y. The working health center project: Materializing zones of proximal development in a network of organizational learning. In: KAUPPINEN, T.; LAHTONEN, M. (Eds.). Action research in Finland. Helsinki: Ministry of Labour, [s.d.].

GONZÁLEZ REY, F. Sujeito e subjetividade: uma aproximação histórico-cultural. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003.

GUILE, D. Learning through ‘e-resources’: the experience of SMEs. European Journal of Vocational Training, UK, v. 27, n. 5, 2003.

GUTIÉRREZ, K. D.; VOSSOUGHI, S. Lifting off the ground to return anew: Mediated praxis, transformative learning, and social design experiments. Journal of Teacher Education, Pensilvânia, v. 61, n. 1-2, jan./feb. 2010.

HATCHUEL, A. Intervention research and the production of knowledge. In: CERF, M et al. Cow up a Tree. Knowing and Learning for Change in Agriculture.Case studies from Industrialised Countries. Paris: INRA, p. 2000.

HILL, R. et al. Workplace learning in the New Zealand apple industry network: a new co-design method for government “practice making”. Journal of Workplace Learning, Bingley, v. 19, n. 6, 2007.

KEMMIS, S.; MCTAGGART, R. Communicative action and the public sphere. In: DENZIN, N. K; LINCOLN, N. S. (Eds.). The sage handbook of qualitative research. Thousand Oaks: Sage Publications, 2005.

LEKTORSKY, V. Mediation as a means of collective activity. In: SANNINO, A.; DANIELS, H.; GUTIERREZ, K.D. (Orgs.) Learning and expanding with activity theory: Cambridge: University Press, 2009.

MIDGLEY, G. Systemic intervention: Philosophy, methodology, and practice: Springer, 2000.

MUKUTE, M. Cultural historical activity theory, expansive learning and agency in permaculture workplaces. Southern African Journal of Environmental Education, Torino, v. 26, 2009.

MUKUTE, M. Exploring and expanding learning processes in sustainable agriculture workplace contexts. 2010. 413f. Thesis (Doctor of Philosophy) - Rhodes University, Grahamstown, South Africa, 2010.

PEREIRA-QUEROL, M. A.; JACKSON FILHO, L. M.; CASSANDRE, M. P. Change Laboratory: uma proposta metodológica para pesquisa e desenvolvimento da Aprendizagem Organizacional. Administração: Ensino e Pesquisa, v. 12, n. 4, 2011.

RORTY, R. Consequences of pragmatism. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1982.

SUNDIN, O.; JOHANNISSON, J. Pragmatism, neo-pragmatism and sociocultural theory: communicative participation as a perspective in LIS. Journal of Documentation, Bradford, v. 61, n. 1, 2005.

THIOLLENT, M. Metodologia da Pesquisa-Ação. São Paulo: Cortez, 2009.

VICTOR, B.; BOYNTON, A. C. Invented Here: maximizing your organization’s internal growth and profitability. Boston: Harvard Business School Press, 1998.

VIRKKUNEN, J. Developmental intervention in work activities–an activity theoretical interpretation. In: KONTINEN, K. (Org.) Development intervention: Actor and activity perspectives: University of Helsinki Press, 2004.

VYGOTSKY, L. S. Interação entre aprendizado e desenvolvimento. In: COLE, M. et al. (Orgs.). Formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

VYGOTSKY, L. S. Internalização das funções psicológicas superiores. In: COLE, M. et al. (Coords.). Formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

VYGOTSKY, L. S. Mind and society: The development of higher mental processes: Cambridge, MA: Harvard University Press, 1978.

VYGOTSKY, L. S. The history of the development of higher mental functions. New York: Plenun, 1997. v. 4. The collected works of L. S. Vygotsky.

YAMAZUMI, K. et al. Collaborative and networked expertise: an activity-theoretical study of new forms of pre-service teachers’ expansive learning. Osaka: Center for Human Activity Theory, Kansai University, 2006.