Poder e Política nas Organizações, à Luz das Teorias Organizacionais: um estudo bibliométrico nos anais do EnAnpad Outros Idiomas

ID:
31746
Resumo:
Este artigo tem como objetivo descrever e analisar as principais características da pesquisa em Administração, a partir dos subtemas Poder e Política nas Organizações, à luz do referencial teórico das Teorias Organizacionais. Para tanto, realizou-se uma pesquisa bibliométrica nos anais dos Encontros da ANPAD (Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração) no período de 2008 a 2013. Como resultado, foi constatado Poder e Política vêem sendo tratados no âmbito das organizações e a pesquisa exploratória é a estratégia metodológica mais utilizada, devido aos manuscritos tratarem de um tema com elasticidade suficiente para ser explorado utilizando-se de diferentes vertentes de análise e trazerem a tona a evolução das teorias organizacionais desde as suas origens, no tocante de Taylot e Fayol até a forma de administração de grandes multinacionais com diferentes visões.
Citação ABNT:
SANTOS, G. A. F.; CLARO, J. A. C. D. S. Poder e Política nas Organizações, à Luz das Teorias Organizacionais: um estudo bibliométrico nos anais do EnAnpad. Revista Eletrônica Gestão e Serviços, v. 5, n. 1, p. 812-826, 2014.
Citação APA:
Santos, G. A. F., & Claro, J. A. C. D. S. (2014). Poder e Política nas Organizações, à Luz das Teorias Organizacionais: um estudo bibliométrico nos anais do EnAnpad. Revista Eletrônica Gestão e Serviços, 5(1), 812-826.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/31746/poder-e-politica-nas-organizacoes--a-luz-das-teorias-organizacionais--um-estudo-bibliometrico-nos-anais-do-enanpad/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AMORIM, M. C. S.; PEREZ, R. H. M. Poder e Liderança: as contribuições de Maquiavel, Gramsci, Hayek e Foucault. Revista de Ciências da Administração, v. 12, n. 26, p. 221-243. 2010.

ANPAD. Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Administração. Disponível em: Acesso em: 13 set. 2013.

ANTONELLO, C. S.; GODOY, A. S. Uma agenda brasileira para os estudos em aprendizagem organizacional. RAE-revista de administração de empresas, v. 49, n. 3, p. 266-281. 2009.

BAKER, W. The network organization in theory and practice. In: NOHRIA, Nitin, ECCLES, Robert (org.). Networks and organizations: structure, form and action. Boston: Harvard Business School Press, 1992, cap. 15, p. 397-429.

BITENCOURT, C. C. A gestão de competências gerenciais e a contribuição da aprendizagem organizacional. rae-revista de administração de empresas, v. 44, n. 1, p. 58-69. 2004.

BURREL, G. Modernism, post-modernism and organization analysis 2: the contribution of Michel Foucault. Organization Studies, v. 9, n. 2. 1988.

CARDOSO, R. L. et al. Pesquisa científica em contabilidade entre 1990 e 2003. raerevista de administração de empresas, v. 45, n. 2, p. 14-25. 2005.

CLEGG, S. R.; HARDY, C.; NORD, W. R. Handbook de Estudos Organizacionais: reflexões e novas direções, v. 2, São Paulo: Atlas. 2001.

DRUCKER, P. Sociedade Pós-Capitalista. 5. ed. São Paulo: Pioneira, 1993.

ESG – ESCOLA SUPERIOR DA GUERRA. Subsídios para estudos dos fundamentos doutrinários. Rio de Janeiro: ESG, 1996.

FARIA, J. H. de; MENEGHETTI, F. K. (Sem) saber e (com) poder nos estudos organizacionais. Cadernos EBAPE. BR, v. 8, n. 1, p. 38-52, mar. 2010.

FARIA, J. H. de; MENEGHETTI, F. K. Burocracia como organização, poder e controle. rae-revista de administração de empresas, v. 51, n. 5, p. 424-439, out. 2011.

FERREIRA, A. A., REIS, A. F., PEREIRA, M. Gestão Empresarial: de Taylor aos nossos dias. São Paulo: Cengage Learning, 2011.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 37. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

GIGLIO, E.; PUGLIESE, R. L.; SILVA, R. M. Análise dos conceitos de poder nos artigos brasileiros sobre redes. Revista de Administração da UNIMEP, v. 10, n. 3, p. 51-69, 2012.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GOMES, P. H. V.; HOLANDA, A. P.; CABRAL, A. C. DE AQUINO; SANTOS, S. M. DOS. Características da Produção Bibliográfica Brasileira no Campo da Teoria das Organizações: Um Estudo Bibliográfico. In: SemeAd – Seminários de Administração da USP, 12, São Paulo: USP, 2010. p. 1-14.

JUNIOR, E. B. Guerreiro Ramos e a redenção sociológica: capitalismo e sociologia no Brasil. Universidade Estadual Paulista. 2008.

LOPES, H. E. G.; MORAES, L. F. R. de. Redes e organizações: algumas questões conceituais e analíticas. In: EnEO – Encontro de estudos organizacionais. Curitiba: ANPAD, 2000, p. 1-14.

MAIA, C. de F. M.; FONSECA, D. Conhecimento e Poder nas Organizações de Tecnologia da Informação. In: EAI – Encontro de Administração da Informação, Florianópolis: ANPAD, 2007, p. 1-14.

MORGAN, G. Imagens da organização. São Paulo: Atlas, 1996.

MOTTA, F. Controle social nas organizações. rae-revista de administração de empresas, v. 33, n. 5, p. 68-87. 1993.

PRITCHARD, A. Statistical bibliography or bibliometrics? Journal of Documentation, v. 25, n. 4, p. 348-349. 1969.

PUGH, D. S.; HICKSON, D. J. Os teóricos das organizações. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2004.

SILVA, A. dos SANTOS; CARVALHO NETO, A. Uma contribuição ao estudo da liderança sob a ótica weberiana de dominação carismática. RAM, REV. ADM. Mackenzie, v. 13, n. 6, p. 20-47. 2012.

SILVEIRA, R. A. Michel Foucault: poder e análise das organizações. Rio de Janeiro: FGV. 2005.

SINGER, P. A universidade no olho do furacão. Estudos avançados – Revista do IEAUSP, v. 15, n. 42, Edição Especial, p. 305-316, 2001.

VIEIRA, M. M. F.; CARVALHO, C. Organizações, instituições e poder no Brasil. 1. ed. FGV, São Paulo, 2003.

VIZEU, F. (Re) contando a Velha História: Reflexões sobre a Gênese do Management. RAC, Curitiba, v. 14, n. 5, p. 780-797. 2010.