A internacionalização da JBS e uma discussão sobre o Diamante de Porter Outros Idiomas

ID:
3177
Resumo:
Este artigo tem como objetivo discutir à luz das teorias de internacionalização e competitividade, o posicionamento de uma empresa genuinamente brasileira exportadora de carnes e alimentos que se tornou um grande player global nessa indústria a JBS – Friboi que possui hoje 140 unidades de produção no mundo e mais de 120 mil colaboradores. Esta empresa que se internacionalizou de forma muito veloz nos últimos anos, se tornou líder global na produção de carne bovina, segundo maior produtor de carne de frango e terceiro maior produtor de carne suína nos EUA (JBS, 2010). O caso da JBS é emblemático quando analisado sob o conceito do diamante de Porter aplicado ao Brasil. As vantagens advindas dos recursos naturais no Brasil ajudaram a criar o expertise da JBS, e das demais empresas do setor, culminando na sua liderança neste mercado e criando escala para concorrer no exterior. A empresa ganhou escala e competitividade com a vantagem da produção pecuária em recursos naturais (condição de fatores), mas se supõe que para a manutenção da sua posição de liderança é necessária uma estratégia pautada em inovação que transcenda apenas o aumento da escala e excelência operacional.
Citação ABNT:
TEIXEIRA, C. H.; CARVALHO, D. E.; FELDMANN, P. R. The internationalization expansion of JBS and a discussion of Porter´s Diamond. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, v. 2, n. 1, art. 52, p. 175-194, 2010.
Citação APA:
Teixeira, C. H., Carvalho, D. E., & Feldmann, P. R. (2010). The internationalization expansion of JBS and a discussion of Porter´s Diamond. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, 2(1), 175-194.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/3177/a-internacionalizacao-da-jbs-e-uma-discussao-sobre-o-diamante-de-porter/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
Aharoni, Y. (1966). The Foreign Investment Decision Process, Boston. Division of Research, Graduate School of Business Administration, Harvard University.

Brandenburger, A. & Nalebuff, B. (2000). Co-opetition. New York:Broadway Business, 1996. In P. Ghemawat. A estratégia e o cenário dos negócios. Porto Alegre: Bookman, 2000.

Coase, R. H. (1937). The nature of firm. Economica N. S., 4, 386-408.

Cyert, R. & March, J. (1963). A Behavioral Theory of the Firm. New York, Prentice Hall.

Exame. (2008, Abril, 2). A matemática do Friboi. São Paulo: Recuperado em julho de 2010, de http://portalexame.abril.com.br/revista/exame/edicoes/ 0928/negocios/m0168455.html.

Hemais, C.A & Hilal, A. (2003, Janeiro/março). O Processo de Internacionalização na Ótica da Escola Nórdica: Evidências Empíricas em Empresas Brasileiras. Revista Contemporânea de Administração, 7 (1), 109-124.

Infomoney. (2010, fevereiro, 11). JBS tem boas perspectivas dentro de setor aquecido. Recuperado em julho de 2010, de http://web.infomoney.com.br/ templates/news/view.asp?codigo=1780077&path=/suasfinancas/orca mento/cartao_de_credito.

Isto é dinheiro.(2009, setembro, 23). A carne é forte. Recuperado em julho de 2010, de http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/578_A+CARNE+E+FORTE.

JBS. (2010a). Relatório Anual 2008. Recuperado em julho de 2010, de www.jbs.com.br.

JBS. (2010b). Prospecto Definitivo de Distribuição pública de ações ordinárias. Recuperado em julho de 2010, de www.jbs.com.br/ri.

Johanson, J. & Vahlne, J.E. (1990). The mecanism of internacionalization. International Marketing Review, 7 (4), 11-24. In A. Hilal; C.A. Hemais. (2001). Escola de Negócios Internacionais: evidências empíricas de empresas brasileiras. In: As empresas brasileiras na era da internacionalização: anais do II Workshop em Internacionalização de Empresas, COPPEAD/UFRJ.

Krugman, P. (1994). Peddling Prosperity. New York: Norton & Company.

Porter, M. (1986). Estratégia Competitiva. Rio de Janeiro: Campus.

Porter, M. (1990). A Vantagem Competitiva das Nações. Rio de Janeiro: Campus.

Porter, M. (1992). A Vantagem Competitiva. Rio de Janeiro: Campus.

Ricardo, D. (1983). Princípios de Política Econômica e Taxação (1817). (Os Economistas). São Paulo, Abril.

Schumpeter, J.A. (1982). Teoria do desenvolvimento econômico (1934). (Os Economistas). São Paulo, Abril.

Teixeira, C. H. (2007). A identificação de competências organizacionais brasileiras no processo de internacionalização e inserção global de empresas. Dissertação de mestrado, FEA-USP. Recuperada em maio de 2010, de http://www.teses.usp.br.

Veja. (2009, setembro, 23). A proteína do agronegócio. São Paulo: Abril. Recuperado em junho de 2010, de http://veja.abril.com.br/230909/proteinaagronegocio-p-088.shtml.